Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 03/Mar/2016 às 16:18
3
Comentários

O que se pode dizer, até agora, sobre a delação de Delcídio Amaral?

Nesses tempos de informação online, há uma tendência massacrante de pretender produzir notícias de imediato, em resposta a fatos explosivos. É bom separar fatos objetivos, deduções e factoides

Delcídio Amaral delação premiada
O senador Delcídio Amaral (divulgação)

Luis Nassif, GGN

Nesses tempos de informação online, há uma tendência massacrante de pretender produzir notícias de imediato, em resposta à fatos explosivos.

É bom separar fatos objetivos, deduções e factoides.

O que se pode dizer:

Sobre a delação

O texto da suposta delação parece verossímil. Tudo indica que é real.

As discussões sobre se é delação ou não são porque, para se tornar delação, depende da aprovação do Ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Qual o motivo do vazamento? Ou é o Procurador Geral da República (já que a delação foi feita a ele) pretendendo vazar o relato para pressionar Teori; ou são pessoas visando anular a delação por quebra de sigilo.

Sobre o papel de Delcídio

Delcídio é personagem chave de toda a estratégia política do governo no Congresso. A base era composta pelo PT, por parcela do PMDB – incluindo seus principais operadores. E o botim era mais amplo, dividido também com parlamentares do PSDB, como o senador Aécio Neves (vide Furnas). Delcídio era o operador mor desse esquema. Conhece todos os podres não apenas da sua base como do Congresso.

Com a reeleição, Dilma Rousseff investiu vigorosamente contra o esquema, precipitando, aliás, a crise política. Portanto, jamais viu Dilma com bons olhos.

Sobre o direcionamento da delação

As fontes da revista preocuparam-se em informá-la que a delação atinge parlamentares de todos os partidos, para salientar sua suposta isenção. Nenhum prócer do PSDB, nem do PMDB – Renan, Temer e muito menos Aécio Neves, do PSDB –, nenhum de seus grandes parceiros aparecem na delação. Apenas pequenos chantagistas do baixo clero, como o deputado Francischini.

Sobre a qualidade das denúncias

A maior parte das supostas denúncias refere-se a rumores já disseminados através da mídia, dentro da guerra de informações da qual delegados e procuradores tornaram-se vozes (em off) ativas.

Relata a preocupação de Dilma com a prisão de dois presidentes de empresas-chave para o país. E duas tentativas de cooptar candidatos a Ministros do STJ (Superior Tribunal de Justiça) para sua libertação. Ambas as supostas tentativas circulavam em forma de boato pela mídia. Aconteceu a interferência? Não, porque um não aceitou a indicação e o outro renunciou à relatoria.

Ou a reunião de Lisboa, entre a presidente Dilma, o Ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski para comprometer as investigações. Houve algum ato concreto? Não, porque Lewandowski não teria aceito, porque o candidato ao STJ não aceitou etc.

É provável que o relato tenha se dado sob forma do questionário induzido: “Você sabia se houve uma reunião assim, assim, assado, em que se tentou tal e tal coisa?”. E o interrogado se limita a responder que: “Sabia”.

A melhor maneira de tirar a prova do pudim seria, em algum momento do futuro, o PGR divulgar a gravação do interrogatório. E divulgar a íntegra para saber se, mais uma vez, houve a blindagem de Aécio na delação ou apenas na edição da IstoÉ.

Sobre os R$ 50 mil a Cerveró

Delcídio foi flagrado oferecendo R$ 50 mil mensais a Cerveró. Está sendo processado pelo crime de suborno. Pela conversa grampeada pelo filho de Cerveró, sabia-se que Delcídio tinha uma relação histórica com ele. O maior prejudicado pela delação de Cerveró seria o próprio Delcídio. Na delação, Delcídio diz que quem mandou pagar foi Lula.

Sobre Pasadena

“Acusa” Dilma de conhecer as tais cláusulas polêmicas, que, segundo o próprio Delcídio, seriam absolutamente normais em contratos daquela natureza. Se eram normais, a única acusação que pesaria contra Dilma é o da ignorância de apresentar como suspeitas cláusulas normais.

Mas, pela relevância de Delcídio na base de apoio, não se deve desqualificar de antemão todo o seu relato.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Prado Postado em 03/Mar/2016 às 16:27

    A não ser quando a notícia for para ofuscar as ladroagens do PT. Aí não espere confirmação, não espere julgamentos, espalhe o mais rápido possível e assuma como verdade mais que comprovada .

  2. Thiago Teixeira Postado em 04/Mar/2016 às 08:33

    Essa droga de PASADEMA já deu no saco. E a venda da Vale do Rio Doce???? De graça, ninguém falou nada. Vende essa merda Dilma e manda os golpistas ir toma no meio do c....

  3. Rodrigo Postado em 04/Mar/2016 às 10:37

    (Outro Rodrigo) Até agora só se pode dizer que é como o "Gato de Schrödinger". Até homologação, ela existe e não existe kkk