Redação Pragmatismo
Compartilhar
Violência 03/Mar/2016 às 17:55
7
Comentários

Membro da Swat acaba com clichê preferido do “cidadão de bem”

Membro da Swat destrói o clichê preferido do cidadão “revoltado com tudo que está aí”, que vive a repetir a famigerada frase: “bandido bom é bandido morto”

marcos do val swat cidadão de bem
Marcos do Val é um instrutor de Artes Marciais (reprodução)

Diário do Centro do Mundo

Circula por páginas do Facebook um vídeo que pode aborrecer aquele cidadão “revoltado com tudo que está aí” e que vive a repetir o clichê “bandido bom é bandido morto”.

Trata-se de parte da entrevista do instrutor de técnicas policiais Marcos do Val no programa do Danilo Gentili, transmitida em outubro do ano passado, no qual ele critica este mantra reacionário.

Capixaba, Do Val é mestre em aikidô e fundador do Cati (Center for Advanced Tactical Immobilization), empresa de treinamento policial. No site constam como clientes unidades da Swat, FBI e forças policiais da Itália, entre outras, bem com uma lista de cursos voltados para civis e agentes da lei.

O título de “membro honorário da Swat no Texas”, o currículo e as frequentes aparições na mídia deram a ele status de pop star. Sua página no Facebook, onde ele anuncia cursos, equipamentos e compartilha vídeos de ações policiais ao redor do mundo tem mais de 2,8 milhões de seguidores.

É o tipo de persona que faz o autointitulado “cidadão de bem pagador dos impostos” ficar com palpitações e olhos brilhantes. Há quem o considere salvador da pátria, como o internauta que fez o seguinte apelo na página:

Marcos Do Val, um apelo de um dos Brasileiros desesperados de pais em decadência , o senhor poderia pelo amor de deus c candidatar presidente do pais e ajeitar isso que esse incompetentes fizeram com nosso pais q um dia ja foi legal morar no mesmo , por favor ajude-nos….!”.

Qual seria a reação desse cidadão ao ver Do Val desconstruindo um dos principais chavões da turma conservadora e belicosa, a ideia de que a solução da criminalidade está na execução dos infratores?

Nós temos que parar de falar que bandido bom é bandido morto aqui no Brasil. Quando a gente fala isso a gente está dando carta branca para os maus policiais agirem, e quando os maus policiais acabam agindo a sociedade que falou que bandido bom é bandido morto é a mesma que critica a ação violenta da polícia e quando o bandido sabe que a polícia vai chegar com o intuito de matá-lo eles vão trocar tiro, aí vai ter bala perdida, vai ter a sociedade que vai sofrer com isso. Então bandido bom é o bandido preso e condenado, então se a gente quer uma segurança pública de qualidade no Brasil vamos exigir que a legislação seja alterada e a punição seja firme e a gente não tenha essa sensação de impunidade que tem aqui no Brasil”.

É verdade que Do Val cai em outro clichê quando chama a legislação de leniente. No programa, ao comentar sobre a atuação de grupos de defesa dos direitos humanos, ele disse que a imprensa enaltece os bandidos.

Mesmo com esse pensamento, vestido de Rambo e no sofá de um dos apresentadores mais retrógrados da televisão nacional, Do Val defendeu o uso da técnica e da legalidade no combate ao crime, deixando o julgamento dos suspeitos para os órgãos competentes.

É bem capaz de ter gente chamando-o de petralha neste momento.

Leia também:
“Bandido bom é bandido morto”? O Papa Francisco discorda
7 clichês sobre Direitos Humanos que precisam ser desconstruídos
Bandido bom é bandido pobre

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 03/Mar/2016 às 18:29

    A minha visão é que nem a dele. Mas tem gente que diz que a lei não é fraca. E quantas brechas existem nesta lei? Um simples advogado de porta de cadeia pode encontrar N motivos para soltar um político corrupto, um empresário que lavou dinheiro, um traficante que domina numa certa região do país. Ou seja, a lei do Brasil é assim: Pra barão há sempre uma solução.

    • Rodrigo Postado em 03/Mar/2016 às 22:16

      (Outro Rodrigo) Tem colegas meus que exageram mesmo, Jonas. Mas, muitas vezes, não há resultado produtivo (e improdutivo para a sociedade). Certa vez, esperando minha vez para a sustentação oral em Câmara Criminal do TJBA, após um argumento estapafúrdio de um nobre colega (o réu teria comprado quantidade "um pouco maior de droga para consumo próprio" em função de "suposto medo de subir o morro toda semana") o Desembargador respondeu: "Mas, Dr... 300 kg é uma pequena quantidade para consumo próprio? Haja medo de subir morro, viu?" kkkkkkkkkkk

  2. Oblivion Postado em 03/Mar/2016 às 23:33

    Concordo. Mas acho que a sociedade deve exigir, principalmente, que as dependências das prisões sejam aptas a ressocializar quem aceite ser ressocializado. Alguém consegue se esquecer dos relatos do presídio de pedrinhas - MA? Caso tenham esquecido, deem uma relembrada na internet e depois imaginem que tem muito mais "pedrinhas" por nosso país... Consta que, para isso, dinheiro também não faltaria, caso não fosse tanto DESVIO LEGAL para pagamento ao setor financeiro internacional. Este mesmo defendido pela grande mídia nacional, iniciando outro círculo vicioso, uma vez que é ela a primeira a condenar a violência, crente que a sociedade permanecerá imutável com uma visão não sistêmica.

  3. luis Postado em 04/Mar/2016 às 08:45

    Texto desonesto... Todo cidadão de bem entendeu o ponto do policia, só os esquerdinhas que estão tentando polemizar, mas ao divulgar esse vídeo estão se traindo e acabando com o bordão da esquerda: "Bandido bom é bandido solto". Principalmente o Lula que está sendo interrogado nesse exato momento. kkkkk

    • John Postado em 07/Mar/2016 às 15:53

      Bordão da esquerda? Você está passando bem? Acho que ficou confuso aí.

  4. Antonio Palhares Postado em 04/Mar/2016 às 10:53

    Bandido bom e' bandido preso e cumprindo pena de verdade

    • Fonseca Postado em 04/Mar/2016 às 14:09

      Bandido bom e' bandido preso e cumprindo pena de verdade--- Perfeito!

O e-mail não será publicado.