Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 10/Mar/2016 às 16:18
4
Comentários

Juíza pergunta se vítima de estupro 'tentou fechar bem as pernas'

"Você tentou fechar bem as pernas? Fechou todas as partes do órgão feminino?". Juíza ultrapassa todos os limites ao se dirigir a mulher que sofreu violência sexual. Vítima foi estuprada, agredida e está grávida de quatro meses. Entidades pedem afastamento da magistrada

Juíza mulher estupro vítima violência

Uma juíza do Norte da Espanha está tendo conduta investigada pelo Conselho Geral do Poder Judiciário do país, pelo tratamento concedido a uma vítima de estupro durante uma audiência.

De acordo com a Associação Clara Campoamor, grupo que defende mulheres vítimas de violência, a juíza questionou à jovem se ela tinha “fechado as pernas e seu órgão genital” durante a agressão.

“Você fechou bem as pernas, fechou todas as partes do órgão feminino?”, questionou a magistrada.

O caso denunciado pela mídia espanhola aconteceu no dia 16 de fevereiro, em Vitoria-Gasteiz, no País Basco, segundo o jornal El Mundo. Enquanto ouvia uma mulher, grávida de quatro meses e que havia sido vítima de estupro e agressão, a magistrada perguntou, com todas as letras:

“Com os olhos abertos, as profissionais da justiça devem obter a formação específica necessária para poder tratar esses casos com a devida sensibilidade, empatia e critério jurídico”, afirmou Blanca Estrella Ruiz Ungo, presidente da associação, em artigo publicado no El Diario. Em resposta à pergunta ofensiva da juíza, a mulher respondeu, incrédula, que sim.

Durante toda a declaração judicial, registrada em vídeo, a associação afirma que Carmen demonstrou “uma clara e manifestada predisposição de incredulidade em relação ao testemunho da denunciante, que era interrompida sem poder terminar as respostas”. Além disso, a mulher fez perguntas sugestivas e condicionou o testemunho.

A associação afirma ainda que esse tipo de conduta da juíza não é isolada, mas sim um comportamento “habitual e contínuo”. Segundo o jornal El Mundo, em oura ocasião, a magistrada chegou a interrogar, ao mesmo tempo, a mulher que denunciou a agressão e o próprio agressor.

violência contra a mulher

com Estado de Minas e HuffPost Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Alan Kevedo Postado em 10/Mar/2016 às 17:44

    O PIOR, DIZEM , É QUE SE A GENTE FALAR ALGUMA COISA, ELES MANDAM NOS PRENDER .

    • conceição araujo Postado em 10/Mar/2016 às 21:52

      Esse estrupício que se diz JUIZA, estuprou a pobre mulher, outra vez.

  2. Carlos Prado Postado em 10/Mar/2016 às 19:00

    Essa juizá precisa no mínimo de um pouco de bom senso, quem sabe um pouco de humanidade. Assim como estes que acham que o movimento feminista auxilia em alguma coisa nesses casos... Tantas mulheres sofrendo violência, sofrendo por serem mulheres, e o pessoal que poderia fazer algo para ajudar fica brincando de feminismo - como se isso ajudasse alguma mulher.

  3. Rodrigo Postado em 11/Mar/2016 às 10:40

    (Outro Rodrigo) "Dra., eu até queria, mas escolhi o 'menos pior', que era não resistir e assim não ser assassinada".