Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 03/Mar/2016 às 15:28
1
Comentário

Deputado que sonha em 'abortar bandidos do útero' é único a defender Cunha

Deputado que defende o aborto de bebês com 'tendências criminosas' é o único a declarar apoio enérgico a Eduardo Cunha (PMDB) após a decisão do STF que transformou o presidente da Câmara em réu

eduardo cunha laerte bessa corrupção deputados
Deputado Laerte Bessa pulando a mesa em cerimônia de filiação do PSC no DF (reprodução)

Ex-delegado de polícia, o deputado federal Laerte Bessa (PR-DF) foi uma voz solitária no plenário da Câmara dos Deputados na noite desta quarta-feira (2), horas após a maioria do Supremo Tribunal Federal (STF) decidir por acatar parcialmente a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), tornando-o réu na ação penal que o investiga na Operação Lava Jato.

Conhecido mais pelo seu comportamento intempestivo do que por seus projetos, Bessa – que já declarou ser favorável ao aborto de bebês com “tendências criminosas” – foi a única voz na Câmara a defender Cunha.

Os colegas estão prejulgando Vossa Excelência. Tá cheio de juiz aqui. Nós temos que respeitar o seu direito à defesa”, afirmou o deputado, que já havia defendido o presidente da Câmara em outras ocasiões.

Já os demais parlamentares de diversos partidos tiveram uma outra interpretação após a decisão do STF. “Isso não é mais possível, é muito constrangedor vir aqui dizer isso na frente do presidente da Casa (…). Não há outro caminho. Pedimos a sua renúncia, para que a Câmara possa respirar e fazer com que o processo interno siga democraticamente. É gravíssimo. Mudou tudo a partir de hoje”, disse o líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR).

Até mesmo o líder do PSDB, Antônio Imbassahy (BA) – que no passado já havia defendido Cunha – pediu o afastamento de Cunha. “Não resta outra alternativa senão o afastamento. Em benefício da democracia, da economia, afirmo q solicito de maneira clara que o presidente Eduardo Cunha renuncie. Será um gesto de grande importância para a nação e poderá impulsionar o afastamento da presidente Dilma Rousseff”.

Velhos rivais de Cunha também não perderam a oportunidade de criticar o parlamentar. “Eduardo Cunha não nos representa, não pode presidir a Câmara dos Deputados. Presidir a Câmara nessas condições (como réu no STF) é uma vergonha”, disse o deputado Chico Alencar (PSol-RJ). “(É) um dos políticos mais corruptos da história do País”, avaliou Henrique Fontana (PT-RS). A cada fala contra ele, Cunha procurou ‘ignorar’ os parlamentares e suas críticas.

Fora do Congresso, o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, defendeu o afastamento imediato de Cunha.

Até quando o deputado Eduardo Cunha continuará na Presidência da Câmara? A votação no STF (…) reforça a necessidade de o deputado se afastar imediatamente da Presidência da Câmara. O afastamento é necessário para que o deputado não tenha meios de atrapalhar as investigações, no âmbito da Justiça e também dentro do Legislativo, e para que a autoridade da Câmara não continue a ser prejudicada”.

Planalto mantém a cautela

O governo da presidente Dilma Rousseff comemorou a primeira parte do julgamento do Supremo, mas ainda há apreensão no ambiente. Auxiliares de Dilma temem a vingança de Cunha, que já pôs em marcha uma pauta-bomba para aumentar gastos do governo num momento em que as finanças estão anêmicas e o ajuste fiscal é prioridade para acertar contas.

No Planalto, o comentário era que, com Cunha inaugurando o banco dos réus da Lava Jato, o Supremo terá de decidir o mais rápido possível por seu afastamento do comando da Câmara, porque, se demorar ou não for este o veredicto, Dilma terá muitos problemas.

Embora o calvário de Cunha enfraqueça muito o processo de impeachment contra a presidente, o governo avalia que enfrentará retaliações a curto prazo, e prefere manter cautela. Para o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini, não há vinculação direta entre o impeachment e a situação de Cunha.

Nós estamos trabalhando para melhorar a economia e a política, isso sim”, afirmou.

Depois de muitas negociações, o Planalto conseguiu adiar a votação do projeto do deputado Esperidião Amin (PP-SC) que altera a metodologia de cálculo da dívida dos Estados com a União. A proposta integra a pauta-bomba e, se for aprovada, o governo pode ter uma perda de R$ 300 bilhões.

Dilma sabe que, em ano de eleições municipais e fraturas na base aliada, todos querem aumentar despesas. Diante desse quadro, o diagnóstico reservado do governo é que ter um presidente da Câmara processado por corrupção, mas ainda no comando da Casa, é um perigo para a presidente.

Agência Estado e Huffpost Brasil — Thiago Araújo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Isabela Postado em 03/Mar/2016 às 17:36

    deixou passar o momento para providenciar o aborto do próprio Cunha então