Redação Pragmatismo
Compartilhar
Lula 10/Mar/2016 às 15:12
1
Comentário

"Circo desnecessário e ilegal", diz Verissimo sobre ordens de Sérgio Moro

Em sua coluna, o escritor Luis Fernando Verissimo criticou o ‘carnaval’ montado por Sergio Moro na operação da Lava Jato

Verissimo Moro Lula Lava Jato
O escritor Luis Fernando Verissimo

O escritor Luis Fernando Verissimo criticou o ‘carnaval’ montado por Sergio Moro na operação da Lava Jato.

“A condução coercitiva determinada pelo Moro foi, mais do que um circo desnecessário, uma ilegalidade. Pela lei, a condução coercitiva é usada quando uma intimação não é atendida. Não foi o caso do Lula, que já tinha deposto três vezes sem necessidade da força”, disse.

Verissimo questiona ainda a “espantosa declaração do Moro de que o método e o local do depoimento do Lula tinham sido escolhidos para proteger o ex- presidente”.

Leia abaixo a íntegra da coluna de Luis Fernando Verissimo publicada no jornal O Estado de S.Paulo.

A INTENÇÃO DO CARNAVAL

Luis Fernando Verissimo

“Ninguém está acima da lei” foi o refrão que acompanhou a ida do Lula, à força, para depor na semana passada. Perfeito. Numa República democrática ninguém deve se considerar acima da lei, nem ex-presidentes. Mas faltou um adendo: “Nem juízes”.

A condução coercitiva determinada pelo Moro foi, mais do que um circo desnecessário, uma ilegalidade. Pela lei, a condução coercitiva é usada quando uma intimação não é atendida. Não foi o caso do Lula, que já havia prestado depoimento três vezes sem necessidade da força. Se uma ação policial é descabida e fora da lei e mesmo assim é realizada, e com estardalhaço, resta especular sobre o que motivou a ação e o estardalhaço. Foi só para humilhar o Lula? Foi uma deliberada demonstração de força, tão compulsiva que se fez mesmo em desafio à sua evidente ilegalidade e sua previsível repercussão?

É difícil acreditar que a Polícia Federal não tivesse outro canto de São Paulo para ouvir o Lula a não ser o Aeroporto de Congonhas, com sua implícita pequena distância, de avião, de Curitiba e da prisão, se a polícia assim quisesse. E, no fim, ainda tivemos a espantosa declaração do Moro de que o método e o local em que Lula havia prestado depoimento tinham sido escolhidos para proteger o ex-presidente.

Ninguém está imune a ela, de acordo, mas a biografia de alguém deveria valer alguma coisa ao se avaliar sua posição, acima ou abaixo da lei. Para ficar só nos ex-presidentes: o Fernando Henrique Cardoso, pelo seu histórico de intelectual engajado e homem público – não importa o que você pensa do governo dele – não merece ver sua vida privada transformada numa novela das 9 e ter que dar explicações sobre um assunto que é só da conta dele e da família dele.

Da mesma forma, o Lula, pelo sua história, pelo que ele representa, deveria ter outras considerações além da pequena regalia de não precisar usar algemas. Ou talvez a intenção do carnaval fosse essa mesmo, a de mostrar para essa gentinha metida a grande coisa que só porque foi presidente, o ex-torneiro mecânico que idolatram, com sua adega de vinhos caros e os pedalinhos pras crianças, mereça algum respeito.

Militares. Um leitor me adverte que 90% dos militares brasileiros concordam com o que diz o Jair Bolsonaro. 90% dos militares brasileiros concordam que a ditadura deveria ter matado, em vez de apenas torturado, quem prendeu? Duvido.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Prado Postado em 10/Mar/2016 às 19:41

    O palhaço não precisava ter armado todo esse circo. Se é um depoimento vai depor e pronto. Se está tão tranquilho e com medo de nada, então para que enfiarem o processo no cu?