Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direita 29/Mar/2016 às 10:15
1
Comentário

Alunos do Mackenzie imitam neonazistas europeus em ato 'pró-impeachment'

Depois de atacar uma manifestação em defesa da democracia na última semana, estudantes do Mackenzie imitam neonazistas europeus durante ato pró-impeachment

mackenzie impeachment dilma neonazistas

Estudantes da Universidade Mackenzie realizaram, na noite desta segunda-feira, 28, um ato em defesa do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Em cima de um caminhão de som, os alunos atacaram o Partido dos Trabalhadores, o ex-presidente Lula e elogiaram o juiz Sergio Moro — responsável pela condução da Operação Lava Jato.

O discurso de ódio do ato também chamou a atenção. Foram vistos cartazes que pediam o ‘fim da islamização’ e o fechamento de fronteiras no Brasil, numa retórica que se aproxima à dos neonazistas da Europa.

Confusão

Na última semana, estudantes que faziam um protesto contra o golpe foram duramente reprimidos por alunos que se autodenominam ‘de direita’. Aos gritos de “mortadela” e “o PT ladrão acabou”, os jovens tentaram tumultuar o ato em defesa da democracia.

Houve reação. “Fascistas, fascistas”, gritaram os manifestantes contra o golpe.

Batalha da Maria Antonia

Em 3 de outubro de 1968, estudantes da Universidade Mackenzie e da Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP) entraram em confronto na Rua Maria Antonia, onde ficavam as duas instituições.

A “batalha da Maria Antonia” teve início devido a um pedágio cobrado pelos alunos da USP para levantar fundos para o 30° Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE). Parte dos alunos da Mackenzie era simpatizante do regime militar, sendo que alguns deles eram integrantes do Comando de Caça aos Comunistas (CCC).

A Rua Maria Antonia transformou-se em uma verdadeira zona de guerra: a fachada do prédio da USP foi destruída, houve focos de incêndio e dezenas de feridos. Um estudante secundarista, José Guimarães, morreu atingido por um tiro na cabeça.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Alan Kevedo Postado em 29/Mar/2016 às 12:46

    Pra nós aqui, independe -se de classe social, pra gente saber se pode ser classificado na escala humana. Se demonstra ausência de gratidão, fraternidade e senso democrático a cambada é de berdamerdas. Só.