Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 25/Mar/2016 às 13:06
31
Comentários

Al Jazeera English divulga reportagem sobre tentativa de golpe no Brasil

TV Al-Jazeera English faz reportagem especial (vídeo legendado em português) sobre o papel que a mídia brasileira tem desempenhado na tentativa de tirar Dilma Rousseff da Presidência da República

Al Jazeera golpe brasil dilma

Publicações como Der Spiegel (Alemanha), The Economist (Inglaterra), El País (Espanha), Público (Portugal), The Guardian (Inglaterra), Página 12 (Argentina) e até mesmo a rede de televisão Al-Jazeera, entre outras, estão denunciando a ameaça contra a democracia no Brasil. E mais: boa parte desses veículos destaca o protagonismo da mídia brasileira no golpe.

Um exemplo é a publicação alemã Der Spiegel. Sob o título “A Crise Institucional no Brasil: Um Golpe Frio”, no último sábado (19.03.2016), em seu online, a Spiegel citou textualmente a participação das Organizações Globo em prol do impeachment.

Diz o texto: “parte da oposição e da Justiça age, juntamente com a maior empresa de telecomunicações TV Globo, para estimular uma verdadeira caça às bruxas que tem como alvo o ex-presidente Lula”. O juiz Sérgio Moro também é mencionado, não na carapuça de herói, mas como um juiz que faz política, o “que não é sua função”.

Entre as denúncias, destaca-se uma reportagem divulgada pela Al-Jazeera (assista abaixo), a mais importante rede de televisão do mundo árabe. Nesta segunda-feira (21.03), o Listening Post dissecou, a partir de imagens e entrevistas, o papel central da mídia brasileira na condução do golpe.

Frisando que Dilma não está sob nenhuma investigação, a reportagem mostra, por exemplo, a suspensão da programação regular na TV brasileira, trazendo imagens da Rede Globo e de outras emissoras, no dia da manifestação contra o Governo Dilma, “incitando as pessoas a irem para as ruas exigir o impeachment da presidenta Dilma Rousseff”.

A reportagem aponta, também, que “cinco famílias, entre as mais ricas do país, controlam 70% dos principais meios de comunicação”, compondo o “establishment brasileiro, a classe dominante, há décadas”. E dispara: “nem Lula, nem Dilma tentaram diversificar a cena midiática em relação à concessão de propriedade dos canais de transmissão”.

Vídeo (Facebook):

"Dilma Rousseff's Watergate"Reportagem – legendada – da Al Jazeera English sobre a tentativa de golpe no Brasil.Tradução:- Junia Zaidan (Observatório de Tradução: Arte, Mídia e Ensino – UFES)- Paulo Chagas de Souza (DL – FFLCH – USP)

Publicado por Warley Alves em Segunda, 21 de março de 2016


Vídeo (Youtube):

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Lopes Postado em 25/Mar/2016 às 23:01

    #nãovaitergolpe

  2. luis Postado em 26/Mar/2016 às 10:13

    Golpe?????? As criancinhas mimadinhas esquerdistas estão com medinho de enfrentar o mundo real. Elas estão desesperadas! Vejamos algumas opiniões sobre o que é golpe ou não. Dias Toffoli: “O processo de impeachment é previsto na Constituição e nas leis brasileiras. Não se trata de um golpe. Todas as democracias têm mecanismos de controle, e o processo de impeachment é um tipo de controle” Ayres Britto: “A presidente pode perder o cargo, por exemplo, em processo de impeachment, em ação penal comum, em ação de improbidade administrativa. Nada disso é golpe. Segundo a Constituição, a legitimidade de um presidente depende de dois fatores: da sua investidura e do exercício do cargo. A investidura é a voz das urnas, mas ela não é suficiente. Há também o exercício, a presidente tem que se legitimar o tempo todo. Se se deslegitima, perde o cargo, nos casos dos artigos 85 e 86 da Constituição” Papai Lulão: “Pela primeira vez na América Latina, o povo brasileiro deu a demonstração de que é possível o mesmo povo que elege um político, destituir esse político. Eu peço a Deus que nunca mais esqueça essa lição. Aliás, na Constituinte nós defendíamos uma tese de que na hora que o povo vota num candidato a deputado ou vereador, e depois de um determinado tempo esse vereador não está cumprindo com aquilo que era o programa durante a campanha, que os mesmos eleitores que elegeram a pessoa poderiam destituir a pessoa. Se a gente conseguisse isso, seria a salvação da lavoura nesse país.” Hugo Chavez: "Se, por exemplo, eu, aos dois anos, provo que sou um fiasco, um fracasso, ou que cometi um delito, um feito de corrupção, ou algo que justifique a minha saída do poder antes dos cinco anos, eu estaria disposto a fazê-lo.” Jandira Feghali (sobre FHC): "...esse negócio de voto de confiança no governo. Esse governo tem mais condição de ter voto de confiança de alguém? Pedir voto de confiança? O povo já deu. Deu na primeira eleição, deu na segunda em cima de uma plataforma que absolutamente não era verdadeira. O governo não expôs pra população no momento da campanha o que estava pra acontecer. Foi estelionato eleitoral aberto. O que é dar voto de confiança? É perder emprego? É morrer na porta do hospital? É ter um salário mínimo aumentando o quê? Cinco reais ou dois reais? É perder o emprego dentro do estado do funcionalismo público? É entregar a Petrobras? O que é dar voto de confiança hoje? Não tem mais que dar voto de confiança. As pessoas morreram nesse país, a renda não melhorou, a concentração de renda aumentou, por isso que nós temos que construir essa saída também nas ruas.”

    • Salomon Postado em 26/Mar/2016 às 13:12

      Luis, você tem razão em tudo. Só me diga qual é o crime de responsabilidade, elencado no art. 85, da CF, que a Dilma cometeu. Fora isso, tudo o mais é choro de perdedor.

      • luis Postado em 26/Mar/2016 às 14:05

        Que choro? São só algumas opiniões que nem são minhas. Respondendo sua pergunta, pelo que eu saiba (quem sou eu... mas tem juristas cuidando do assunto) artigos II, V e VI. Mas pra isso tem um processo, não é automático não. Agora com licença que vou comprar alguns lenços de papel.

    • João Paulo Postado em 26/Mar/2016 às 13:43

      Sabe, criança de direita, você tem que aprender a pensar ... Dias Toffoli e Ayres Brito NADA disseram. Qualquer boçal sabe que o impeachment está previsto em lei. Disseram o óbvio. Isso é tergiversação. E é óbvio que - à exceção do canalha do Gilmar Mendes - nenhum Ministro emitirá esse tipo de opinião sobre ser "golpe ou não". No mais, ignorar o fato de que o salário mínimo tem ganhos reais há uma década e que 40 milhões deixaram a extrema pobreza indica ausência de leitura (até mesmo do Jornal o Bobo) pelos últimos 13 anos.

      • luis Postado em 26/Mar/2016 às 17:26

        Disseram sim, está escrito lá, basta ler. E esse espantalho do salário mínimo? Os anos 2000 ligaram e querem seus argumentos de volta....

    • Thiago Lopes Postado em 26/Mar/2016 às 14:03

      Amiguinho, deixa eu te dizer uma coisa: o impeachment, como dispositivo, é algo legal. Mas como todo dispositivo, pode ser usado com má fé; o uso desse dispositivo nitidamente está se mostrando como uma espécie de orquestração - se vc não gosta de golpe, vamos chamar então de orquestração. Os autores do impeachment (que os românticos acham ser o povo, o povo que é facilmente manipulado pela imprensa e só precisa de um judas pra descarregar seu ódio - leia o 1984 de Orwel, amiguinho), os autores do impeachment estão todos envolvidos no Lava Jato. Imagina, um processo sendo movido pelo Eduardo Cunha (corrupto), Aécio Neves (corrupto), Paulinho da Força (o nome dele saiu na listinha da Odebrecht, também do Serra, do Jarder Barbalho, entre tantos outros que apoiam o impeachment); li agora que o Alkimin também recebeu uma propininha da Odebrecht, veja só, fora as sujeiras do metrô. Enfim , sério, a lista é longa, os autores do processo de impeachment estão todos envolvidos no esquema de corrupção. Como não chamar de golpe um movimento conjunto desses políticos para tirar a Dilma, que não foi citada em nenhuma dessas listas, cujo único motivo para sofrer o impeachment seriam as pedaladas fiscais, que nem são crimes, muito menos motivo para processo de impeachment, segundo alguns juristas? Não se esqueça de que o rumor do impeachment saiu logo após a vitória da presidente - naquela época - lembra? - que os paulistas queria se separar dos nordestinos, etc etc etc - e que nem haveria processo, só houve pq o PT se posicionou favoravelmente pela investigação do Eduardo Cunha e suas contas na Suiça, o que fez com que o presidente da Câmara declarasse guerra ao governo e se decidisse por dar inicio ao processo de impedimento da presidente da república. desde então, tentou-se de tudo. Quando as chamas pedaladas se mostraram ineficientes como recurso de impeachment, todo tipo de coisa foi tentada, até mesmo a crise econômica - no governo FHC vivia-se uma crise ainda pior, mas ele não sofreu nenhum impeachment, vejam só. Em toda a América Latina, a oposição tem tentado fazer apenas uma coisa: impedir que se governe, criar instabilidade, usar de aparatos legais e democráticos para impedir os governos legitimamente eleito. Chamemos isso de orquestração então, já que você não gosta da palavra golpe. O exército tá de boa, sabe porque? Porque não pé mais preciso de um exercito para causar um golpe de Estado, precisamos apenas de alguns juízes, alguns deputados, algumas interpretações enviesadas da constituição e da imprensa que forja sua massa de manobra. Pronto: tem-se o golpe. O que acontece com a Dilma aconteceu com o Fernando Lugo do Paraguai. Ele sofreu um impeachment relâmpago graças a um conflito que causou até mortes. Legalmente, democraticamente, ele foi deposto. A Wikileaks mostrou, logo depois, documentos de agentes americanos que alertavam para o fato de que um golpe estava em curso - uma orquestração - uma conspiração contra Lugo, que só esperava algum deslize do presidente para depô-lo com um processo de impeachment. Amiguinho, esta é a America Latina, o continente em que os golpes de Estado sempre foram prática, e que agora estão mais sutis, mais trabalhados, mais democráticos, digamos assim. E veja que legal, não te chamei de coxinha, não te chamei de olavete, nem de fascista, nem te chamei de criancinha mimadinha direitista.

      • luis Postado em 26/Mar/2016 às 17:33

        Ora, o povo... quem é o povo? Quem está do seu lado esquerdista recebendo R$35 e pão com mortadela pra ir na passeata, obviamente, não a imensa maioria de brasileiros que não suporta mais ser roubada pela atual casta política (incluindo seus inimiguinhos de mentirinha: o PSDB que foi expulso das manifestações). Se é golpe os corruptos a favor do impeachment, por que não é golpe os corruptos que são contra? Vai criar um corruptômetro agora? Quando que os paulistas quiseram separar do nordeste a sério, em 1932? kkkkk. Quem disse que o FHC não sofreu impeachment, se o próprio PT "orquestrou" alguns para tirá-lo de lá? Está com amnésia ou cegueira política? Não me chamaou de olavete, fascistinha, etc. mas tentou me enganar com todas as mentiras manjadas que o PT inventou e já não colam a alguns anos. Vamos nos atualizar, galera!

  3. João Paulo Postado em 26/Mar/2016 às 13:57

    Falando em mídia desonesta, repararam que a Rede Bobo sistematicamente e subliminarmente desdenha do listão da Odebrecht e insinua que as doações são lícitas?

  4. Thiago Lopes Postado em 26/Mar/2016 às 14:10

    Sailor moon, perdedor é quem não conseguiu a presidência e agora a quer a qualquer custo.

  5. luis Postado em 26/Mar/2016 às 17:18

    Quanto amor no coração dos esquerdinha... quá quá quá! Façam fila se não vou ter que chamar a Dilmãe pra bater no bumbum de vocês.

    • Galvão Postado em 26/Mar/2016 às 21:11

      NÃO HÁ CADEIA SUFICIENTE PARA LULA Texto do um professor da UNB - Perci Coelho de Sousa Não há cadeia suficiente para Lula, não há construção erigida que suporte tamanha pena, que dê conta de tanto pecado. Haja grades de ferro e de aço que sejam capazes de segurar, de reter e de trancafiar tanta coisa numa só, tanta gente num só homem. Não há cadeia no mundo que seja capaz de prender a esperança, que seja capaz de calar a voz. Porque, na cadeia de Lula, não cabe a diversidade cultural Não cabe, na cadeia de Lula, a fome dos 40 milhões Que antes não tinham o que comer Não cabe a transposição do São Francisco Que vai desaguar no sertão, encharcar a caatinga Levar água, com quinhentos anos de atraso, Para o povo do nordeste, o mais sofrido da nação. Pela primeira vez na história desse país. Pra colocar Lula na cadeia, terão que colocar também O sorriso do menino pobre A dignidade do povo pobre e trabalhador E a esperança da vida que melhorou. Ainda vai faltar lugar Para colocar tanta Universidade E para as centenas de Escolas Federais Que o ‘analfabeto’ Lula inventou de inventar Não cabem na cadeia de Lula Os estudantes pobres das periferias Que passaram no Enem Nem o filho de pedreiro que virou doutor. Não tem lugar, na cadeia de Lula, Para os milhões de empregos criados, (e agora sabotados) Nem para os programas de inclusão social Atacados por aqueles que falam em Deus E jogam pedras na cruz. Não cabe na cadeia de Lula O preconceito de quem não gosta de pobre O racismo de quem não gosta de negro A estupidez de quem odeia gays Índios, minorias e os movimentos sociais. Não pode caber numa cela qualquer A justiça social, a duras penas, conquistada. E se mesmo assim quiserem prender – querer é Poder (judiciário?), Coloquem junto na cadeia: A falta d’água de São Paulo, E a lama de Mariana (da Vale privatizada) O patrimônio dilapidado. E o estado desmontado de outrora Os 300 picaretas do Congresso E os criadores de boatos Pela falta de decência E a desfaçatez de caluniar. Pra prender o Lula tem que voltar a trancafiar o Brasil. O complexo de vira-latas também não cabe. Nem as panelas das sacadas de luxo O descaso com a vida dos outros A indiferença e falta de compaixão A mortalidade infantil Ou ainda (que ficou lá atrás) Os cadáveres da fome do Brasil. Haja delação premiada Pra prender tanta gente de bem. Que fura fila e transpassa pela direita (sim, pela direita) Do patrão da empregada, que não assina a carteira Do que reclama do imposto que sonega Ou que bate o ponto e vai embora. Como poderá caber Lula na cadeia, Se pobre não cabe em avião? Quem só devia comer feijão Em vez de carne, arroz, requeijão Muito menos comprar carro, Geladeira, fogão – Quem diz? Que não pode andar de cabeça erguida Depois de séculos de vida sofrida? O prestígio mundial e o reconhecimento Teriam que ir junto pra prisão Afinal, (Ele é o cara!) Os avanços conquistados não cabem também. Querem por Lula na cadeia infecta, escura A mesma que prendeu escravos, ‘Mulheres negras, magras crianças’ E miseráveis homens – fortes e bravos O povo d’África arrastado E que hoje faz a riqueza do Brasil. Lula já foi preso, ele sabe o que é prisão. Trancafiado nos porões da ditadura Aquela que matou tanta gente, Que tirou nossa liberdade A mesma ditadura que prendeu, torturou. Quem hoje grita nas ruas Não gritaria nos anos de chumbo Na democracia são valentes Mas cordatos, calados, covardes Quando o estado mata, bate e deforma. Luis Inácio já foi preso, Também Pepe Mujica e Nelson Mandela. Quem hoje bate palmas, chora e homenageia, Já foi omisso, saiu de lado e fez que não viu. Não vão prender Lula de novo Porque na cadeia não cabe Podem odiar o operário O pobre coitado iletrado Que saiu de Pernambuco Fugiu da seca e da fome Pra conquistar o Brasil E melhorar a vida da gente Mas não há Nesse mundão de meu Deus Uma viva alma que diga Que alguém tenha feito mais pelo povo Do que Lula fez no Brasil. “Não dá pra parar um rio quando ele corre pro mar. Não dá pra calar um Brasil, quando ele quer cantar.” Lula lá.

    • Galvão Postado em 26/Mar/2016 às 21:12

      VERDADES DO GOVERNO FHC POSTADO EM 12/MAR/2016 ÀS 18:46 Denúncias abafadas: Já no início do seu primeiro mandato, em 19 de janeiro de 1995, FHC fincou o marco que mostraria a sua conivência com a corrupção. Ele extinguiu, por decreto, a Comissão Especial de Investigação, criada por Itamar Franco e formada por representantes da sociedade civil, que visava combater o desvio de recursos públicos. Em 2001, fustigado pela ameaça de uma CPI da Corrupção, ele criou a Controladoria-Geral da União, mas este órgão se notabilizou exatamente por abafar denúncias. Caso Sivam. Também no início do seu primeiro mandato, surgiram denúncias de tráfico de influência e corrupção no contrato de execução do Sistema de Vigilância e Proteção da Amazônia (Sivam/Sipam). O escândalo derrubou o brigadeiro Mauro Gandra e serviu para FHC “punir” o embaixador Júlio César dos Santos com uma promoção. Ele foi nomeado embaixador junto à FAO, em Roma, “um exílio dourado”. A empresa ESCA, encarregada de incorporar a tecnologia da estadunidense Raytheon, foi extinta por fraude comprovada contra a Previdência. Não houve CPI sobre o assunto. FHC bloqueou. Pasta Rosa. Em fevereiro de 1996, a Procuradoria-Geral da República resolveu arquivar definitivamente os processos da pasta rosa. Era uma alusão à pasta com documentos citando doações ilegais de banqueiros para campanhas eleitorais de políticos da base de sustentação do governo. Naquele tempo, o procurador-geral, Geraldo Brindeiro, ficou conhecido pela alcunha de “engavetador-geral da República”. Compra de votos. A reeleição de FHC custou caro ao país. Para mudar a Constituição, houve um pesado esquema para a compra de voto, conforme inúmeras denúncias feitas à época. Gravações revelaram que os deputados Ronivon Santiago e João Maia, do PFL do Acre, ganharam R$ 200 mil para votar a favor do projeto. Eles foram expulsos do partido e renunciaram aos mandatos. Outros três deputados acusados de vender o voto, Chicão Brígido, Osmir Lima e Zila Bezerra, foram absolvidos pelo plenário da Câmara. Como sempre, FHC resolveu o problema abafando-o e impedido a constituição de uma CPI. Vale do Rio Doce. Apesar da mobilização da sociedade em defesa da CVRD, a empresa foi vendida num leilão por apenas R$ 3,3 bilhões, enquanto especialistas estimavam seu preço em ao menos R$ 30 bilhões. Foi um crime de lesa-pátria, pois a empresa era lucrativa e estratégica para os interesses nacionais. Ela detinha, além de enormes jazidas, uma gigantesca infraestrutura acumulada ao longo de mais de 50 anos, com navios, portos e ferrovias. Um ano depois da privatização, seus novos donos anunciaram um lucro de R$ 1 bilhão. O preço pago pela empresa equivale hoje ao lucro trimestral da CVRD. Privatização da Telebrás. O jogo de cartas marcadas da privatização do sistema de telecomunicações envolveu diretamente o nome de FHC, citado em inúmeras gravações divulgadas pela imprensa. Vários “grampos” comprovaram o envolvimento de lobistas com autoridades tucanas. As fitas mostraram que informações privilegiadas foram repassadas aos “queridinhos” de FHC. O mais grave foi o preço que as empresas privadas pagaram pelo sistema Telebrás, cerca de R$ 22 bilhões. O detalhe é que nos dois anos e meio anteriores à “venda”, o governo investiu na infraestrutura do setor mais de R$ 21 bilhões. Pior ainda, o BNDES ainda financiou metade dos R$ 8 bilhões dados como entrada neste meganegócio. Uma verdadeira rapinagem contra o Brasil e que o governo FHC impediu que fosse investigada. Ex-caixa de FHC. A privatização do sistema Telebrás foi marcada pela suspeição. Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-caixa das campanhas de FHC e do senador José Serra e ex-diretor do Banco do Brasil, foi acusado de cobrar R$ 90 milhões para ajudar na montagem do consórcio Telemar. Grampos do BNDES também flagraram conversas de Luiz Carlos Mendonça de Barros, então ministro das Comunicações, e André Lara Resende, então presidente do banco, articulando o apoio da Previ para beneficiar o consórcio do Opportunity, que tinha como um dos donos o economista Pérsio Arida, amigo de Mendonça de Barros e de Lara Resende. Até FHC entrou na história, autorizando o uso de seu nome para pressionar o fundo de pensão. Além de “vender” o patrimônio público, o BNDES destinou cerca de 10 bilhões de reais para socorrer empresas que assumiram o controle das estatais privatizadas. Em uma das diversas operações, ele injetou 686,8 milhões de reais na Telemar, assumindo 25% do controle acionário da empresa. Juiz Lalau. A escandalosa construção do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo levou para o ralo R$ 169 milhões. O caso surgiu em 1998, mas os nomes dos envolvidos só apareceram em 2000. A CPI do Judiciário contribuiu para levar à cadeia o juiz Nicolau dos Santos Neto, ex-presidente do TRT, e para cassar o mandato do senador Luiz Estevão, dois dos principais envolvidos no caso. Num dos maiores escândalos da era FHC, vários nomes ligados ao governo surgiram no emaranhado das denúncias. O pior é que FHC, ao ser questionado por que liberara as verbas para uma obra que o Tribunal de Contas já alertara que tinha irregularidades, respondeu de forma irresponsável: “assinei sem ver”. Farra do Proer. O Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Sistema Financeiro Nacional (Proer) demonstrou, já em sua gênese, no final de 1995, como seriam as relações do governo FHC com o sistema financeiro. Para ele, o custo do programa ao Tesouro Nacional foi de 1% do PIB. Para os ex-presidentes do BC, Gustavo Loyola e Gustavo Franco, atingiu 3% do PIB. Mas para economistas da Cepal, os gastos chegaram a 12,3% do PIB, ou R$ 111,3 bilhões, incluindo a recapitalização do Banco do Brasil, da CEF e o socorro aos bancos estaduais. Vale lembrar que um dos socorridos foi o Banco Nacional, da família Magalhães Pinto, a qual tinha como agregado um dos filhos de FHC. Desvalorização do real. De forma eleitoreira, FHC segurou a paridade entre o real e o dólar apenas para assegurar a sua reeleição em 1998, mesmo às custas da queima de bilhões de dólares das reservas do país. Comprovou-se o vazamento de informações do Banco Central. O PT divulgou uma lista com o nome de 24 bancos que lucraram com a mudança e de outros quatro que registraram movimentação especulativa suspeita às vésperas do anúncio das medidas. Há indícios da existência de um esquema dentro do BC para a venda de informações privilegiadas sobre câmbio e juros a determinados bancos ligados à turma de FHC. No bojo da desvalorização cambial, surgiu o escandaloso caso dos bancos Marka e FonteCindam, “graciosamente” socorridos pelo Banco Central com 1,6 bilhão de reais. Houve favorecimento descarado, com empréstimos em dólar a preços mais baixos do que os praticados pelo mercado. Sudam e Sudene. De 1994 a 1999, houve uma orgia de fraudes na Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam), ultrapassando R$ 2 bilhões. Ao invés de desbaratar a corrupção e pôr os culpados na cadeia, FHC extinguiu o órgão. Já na Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), a farra também foi grande, com a apuração de desvios de R$ 1,4 bilhão. A prática consistia na emissão de notas fiscais frias para a comprovação de que os recursos do Fundo de Investimentos do Nordeste foram aplicados. Como fez com a Sudam, FHC extinguiu a Sudene, em vez de colocar os culpados na cadeia.

  6. Thiago Lopes Postado em 26/Mar/2016 às 18:46

    Bom, amiguinho, sinceramente não vou gastar muito tempo com vc, pois vc está um pouco agressivo, na defensiva, já que seus argumentos, se os há, são baseados em nada. Pelo que li das suas respostas, ou vc não me entendeu, ou não quis sequer me ouvir - acredito mais na segunda opção. Mas eu só queria chamar a atenção para uma coisa que vc falou, sobre isso que vc chama de meu lado esquerdista - olha que eu nunca falei ser de esquerda, mas tudo bem, não vou perder tempo com isso. Esse meu lado esquerdista, segundo vc, recebe R$ 35 e pão com mortadela para ir às manifestações. Bom, o que eu poso te dizer é que fui nas manifestações anti-petistas - esse é o verdadeiro nome delas - somente para ver, e fui também nas manifestações pró-governo. As manifestações desses que vc acusa receberem dinheiro e pão com mortadela era composta por trabalhadores, gente negra, pobre, trabalhador. Não estou falando o que me disseram, estou falando do que eu vi. Se recebem pão com mortadela, como vc disse, vamos olhar para o outro lado: manifestantes na Paulista recebendo almoço da Fiesp. Gostaria de terminar mostrando para vc qual é a gênese do anti-petismo, e o farei citando as palavras de Fernando Henrique Cardoso, após a nomeação de Lula como ministro: "Você não pode dirigir esse país sendo analfabeto". Essa frase resume todo ódio ao PT e ao governo que começou com Lula. Nunca admitiram que o torneiro mecânico ganhasse eleições, com sucessão de uma mulher. E preste atenção, veja que essas manifestações são arquitetadas por uma classe social bem nítida. Quem bate panela em apartamento, acredite, está longe de pertencente à classe trabalhadora, ou como vc chama: comedores de pão com mortadela.

    • luis Postado em 26/Mar/2016 às 20:06

      Primeiro: não mostrei argumentos, mesmo. Apenas a opinião de algumas pessoas de direita e de esquerda. Se você não pegou seu pão com mortadela, o azar é seu que foi trouxa, que se há de fazer? Preste mais atenção na próxima, que eles forneceram até transporte com carros oficiais. Agora me explique, é possível governar um país sendo analfabeto? Não estou falando que o Lulla é analfabeto, repare bem, apenas queria saber como o presidente vai exercer suas funções se só sabe escrever o ó quando sentar pelado na areia. De novo esse papo de torneiro mecânico e mulher na presidência? Você está falando da queixa de meia dúzia de idiotas que sites esquerdistas multiplicam a rodo para servir de espantalho. Você pode não se assumir esquerdista, mas está cumprindo a cartilha com perfeição, o que mais falta, mandar matar homossexuais como o Che Guevara?

      • Thiago Lopes Postado em 26/Mar/2016 às 22:58

        Da a impressão de que se eu não for didático, vc não entende as coisas que eu quis dizer. Vamos lá, então: Sim, eu percebi que vc não vem com argumentos, só com opinião de algumas pessoas de direita e de esquerda - leia-se: "coisas que eu li na internet, divulgado pela imprensa". Não esperei mesmo que vc viesse com argumentos, esse é um nível um tanto superior pra eu poder cobrar de vc. Lula não é mesmo analfabeto e pode sim - para sua infelicidade e para a do FHC - governar um país, tanto é que governou muito bem. Agora, essa sua frase de que sigo uma cartilha, que falta eu matar homossexuais, falar mal do Che Guevara, etc etc , isso sim é reprodução de um discurso, de sites dietistas que andam espalhados por aí. Mas todo esse seu linguajar querendo me desmoralizar sem me conhecer só mostra insegurança da sua parte, dificuldade em formar opinião de verdade, argumentos que vc mesmo confessou não conseguir expor. Vc intitula uma pessoa como "esquerdista", um título longe da verdade, um título meramente caricatural, e tenta desmoralizar a pessoa dizendo que esquerdista é X, esquerdista é y.... Quando vc faz isso não mostra nenhum argumento, nenhum pensamento, mostra apenas preconceito, cujo modus operandi é algo como: "Vc é esquerdista, logo já sei tudo o que vc vai falar, não vou te ouvir". E fecha seus ouvidos, como um bom alienado. Fica impermeável a tudo o que o outro diz, mesmo que venha munido de argumentos. Agora, já que falamos de analfabetos, eu só gostaria de dizer uma coisa. Um analfabeto está aberto para a a aprendizagem. Um analfabeto geralmente valoriza o conhecimento letrado e anseia um dia ser letrado, mesmo que seu conhecimento de mundo seja mil vezes superior a de alguns letrados. O que é ruim não é o analfabeto, é outra coisa, uma figura nova que tem surgido no Brasil, sobretudo com o avanço da internet, que é o que chamarei de: semi-alfabetizado.É o tipo de pessoa que possui muita informação, mas não possui nenhum conhecimento. Fica o dia inteiro na internet lendo jornais e revistas, Wikipédia, blogs e acha que está arrasando nos meios intelectuais. Não quero dizer que vc faça parte desse grupo, porque não te conheço, mas receio que sim. É que uma das características desse tipo de gente é o de não conseguir formular argumentos lógicos, só o meramente reproduzir informações, que orbitam o vazio. Seu vazio, meu amigo Luis, é o ódio, ou o que vc e muitos outros chamam de revolta. Precisa ser preenchido com alguma coisa e vcs preenchem com um pseudo-conhecimento político. Pseudo porque, mais uma vez, carece de conhecimento e se baseia tão somente em informações. Pronto, vc quis falar de mim, eu falei de vc: estamos quites.

      • luis Postado em 27/Mar/2016 às 07:53

        Engraçado que mesmo eu explicando tudo mastigadinho, você segue se fingindo de sonso. Eu expus primeiros algumas opiniões de gente explicando porque impeachment não é golpe (a opinião do Lula inclusive é uma transcrição de um vídeo). Depois que você começou o mimimi esquerdista, eu até levantei alguns questionamentos que você ignorou sumariamente (por saber que está defendendo o indefensável) e fica magoadinho porque eu falei algumas verdades que doem. Não se preocupe, depois de um tempo você aprende a aceitar e amadurece. Não se preocupe que eu não carrego ódio nenhum, é que pra vocês petistas qualquer cobrança por justiça é confundida por "discurso de ódio" (já sei que você é da turma do "não sou petista mas...")

      • Thiago Lopes Postado em 27/Mar/2016 às 13:25

        Até agora vc não falou nada, Luis, absolutamente nada, é mais fácil conversar com um papagaio. E olha vc me chamando de petista, mais uma vez tentando me intitular de alguma coisa pra esvaziar o debate. Diz que falo mimimi esquerdista - sério, nunca conversei com uma pessoa tão ignorante - e até agora vc não rebateu nenhum argumento, sequer colocou um. Voltemos ao debate; vc colocou algumas opiniões alheias sobre não ser golpe o dispositivo de impeachment, e eu mostrei que, embora um dispositivo como esse seja legal, a maneira como está sendo conduzido - e ao julgar pelos seus autores - configura sim uma orquestração, a qual não tenho nenhum receio de chamar de golpe: golpe de quem quer assumir o governo, a chamada oposição, que não aceitou a derrota nas urnas. Veja só quem está por trás do processo de impeachment, Luís, é o suficiente para ver que esse processo carece de legitimidade. Agora, para de ficar papagaiando, me chamando de petista, esquerdista, que isso é um vício q vc contraiu aí nas suas leituras, dessa raça podre chamada de anti-petista, uma espécie de esquizofrenia social: esse tipo de gente que fica destratando as pessoas com títulos de esquerdista, esquerdopata, petista e já fecha os ouvidos para o que o outro está falando. Vc está vazio, amiguinho. Aconselho terapia - de preferencia psicanalise - pra vc canalizar a raiva. Alguns livrinhos de história não fariam mal tbm.

      • luis Postado em 27/Mar/2016 às 20:31

        Meu amiguinho, você está muito acostumado a conversar com papagaios que não te contradizem. Boa sorte na sua vida de petista cada vez mais desesperado.

      • luis Postado em 28/Mar/2016 às 08:50

        Só pequeno adendo, visto que você ficou muito revoltado com essa história toda, apenas para tentar um diálogo mais sensato com um "não sou petista mas...": se ocorrer impeachment agora e cair o vice presidente também, são convocadas novas eleições diretas, portanto não vai ser "a oposição malvada e fascissssta" que vai assumir. Estudar um pouquinho o código penal também seria uma boa ideia pra vc. Achei muito estranha essa sua postura de que o impeachment só é válido se for colocado por "pessoas de bem" que no seu caso, obviamente, só poderiam ser do PT (afinal, você "não é petista mas...."), mas enfim, é esse ódio, essa cegueira que vocês tentam nos impor que fica cada dia mais translúcido. Bem vindo a democracia!

  7. Alan Kevedo Postado em 26/Mar/2016 às 22:48

    E AGORA, SEUS FILHOS DE CHOCADEIRAS E PANELAS BAULHENTAS?

    • Felipe Postado em 27/Mar/2016 às 02:43

      Olha onde chega o desespero e o nível de argumentação das pessoas, enquanto isso temos mais um integrante do governo que tentou comprar o silêncio de outro criminoso e até hoje não vi nenhum petista emitir crítica sobre isso, nem mesmo a presidente Dilma o fez, o petista não entende que se deseja fazer política assim certamente a Dilma vai cair e vai ficar bem feio para o PT, enquanto vcs defendem esse tipo de atitude do governo e criticam as investigações, mais e mais casos lamentáveis vão aparecendo, depois querem ter razão dizendo que tudo é golpe.

  8. Salomon Postado em 27/Mar/2016 às 14:59

    Até agora, o ator principal (o crime de responsabilidade) dessa novela da Globo (O Inpítin) não entrou em cena.

  9. Marina Postado em 27/Mar/2016 às 16:06

    Tiago Lopes, como posso curtir seus comentários mil vezes?? Mandou bem pra caramba! Difícil argumentar com quem não quer ouvir e enchergar. Bom ver quem ainda tem paciência pra isso.

  10. Thiago Teixeira Postado em 28/Mar/2016 às 12:05

    Qualquer idiota dos quarto cantos do planeta entendem o golpismo da mídia, só os coxinhas acreditam nessa farsa revanchista.

  11. Thiago Teixeira Postado em 28/Mar/2016 às 12:09

    Queria entender porque esses coxinhas zumbis de JN só ESCREVEM COM LETRA MAIÚSCULA. E estudaram, a maioria, em colégio particular, até isso o paitrocínio compra? Paga passagens para a diretora ir pra Disney para aprovar o herdeiro (a)?

  12. DANIEL Postado em 28/Mar/2016 às 13:07

    na globo news, já tem até propaganda referente ao golpe.

  13. Eduardo Ribeiro Postado em 28/Mar/2016 às 14:43

    O mais foda é que essa gente do caps-lock travado vive de falácia, de mentira em cima de mentira. Agora estão com discurso generalizado: ""impeachment não é golpe porque está na lei"". Porra....quem está dizendo que não está na lei? Quando eu dou 2 opções tem vagabundo que fica nervosinho, mas vocês são ou ( ) acerebrados que não sei como conseguem respirar; ou ( ) safados em último grau. Achem alguem aqui que esteja dizendo que impeachment não está na lei. Eu DESAFIO a achar. É um espantalho. MAIS UM MALDITO ESPANTALHO DA DIREITA CANALHA. No entanto, não é por estar previsto em lei que estes esforços recentes para impeachment de Dilma deixem de ser o que são: GOLPE. Está previsto na lei? Sim. Vocês estão conduzindo um inequívoco GOLPE? Sim também. Espero não ter que olhar de novo pra esse espantalho feioso, porque não quero me deter em mais uma mentira coxinha. Vocês mentem demais, a gente mal dá conta das mentiras que já estão aí, e vocês vem e mandam mais mentira? Dá uma segurada aí.

    • Galvão Postado em 28/Mar/2016 às 21:37

      Olá Eduardo, aproveito o teu comentário para reeditar uma notícia deste site e tentar fazer esses coxinhas entenderem de vez o que é golpe. Eu também não aguento mais ver IDIOTAS dizer que impeachment é lei, que o juiz fulano de tal disse que impeachment esta na constituição e etc... Claro que este ato é legal, o que não é legal é o argumento que estes políticos FILHADA PUTAS DE DIREITA estão usando para derrubar o governo e com apoio dos fascistas de classe média, que tem medo de pobre/preto/prostituta e demais escluidos, terem ascensão social, comprar carro, casa, viajar, por um filho na faculdade, comprar um eletrodoméstico, etc. segue o texto: por Igor Fuser* É preciso que todos os brasileiros tenham conhecimento de que: 1. O pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff não tem NADA A VER com a Operação Lava Jato, nem com qualquer outra iniciativa de combate à corrupção. Dilma não é acusada de roubar um único centavo. O pretexto usado pelos políticos da oposição para tentar afastá-la do governo, a chamada “pedalada fiscal”, é um procedimento de gestão do orçamento público de rotina em todos os níveis de governo, federal, estadual e municipal, e foi adotado nos mandatos de Fernando Henrique e de Lula sem qualquer problema. Ela, simplesmente, colocou dinheiro da Caixa Econômica Federal em programas sociais, para conseguir fechar as contas e, no ano seguinte, devolveu esse dinheiro à Caixa. Não obteve nenhum benefício pessoal e nem os seus piores inimigos conseguem acusá-la de qualquer ato de corrupção. 2. O impeachment é um golpe justamente por isso, porque a presidente só pode ser afastada se estiver comprovado que ela cometeu um crime – e esse crime não aconteceu, tanto que, até agora, o nome de Dilma tem ficado de fora de todas as investigações de corrupção, pois não existe, contra ela, nem mesma a mínima suspeita. 3. Ao contrário da presidenta Dilma, os políticos que pedem o afastamento estão mais sujos que pau de galinheiro. Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que como presidente da Câmara é o responsável pelo processo do impeachment, recebeu mais de R$ 52 milhões só da corrupção na Petrobrás e é dono de depósitos milionários em contas secretas na Suíça e em outros paraísos fiscais. Na comissão de deputados que analisará o pedido de impeachment, com 65 integrantes, 37 (mais da metade!) estão na mira da Justiça, investigados por corrupção. Se eles conseguirem depor a presidenta, esperam receber, em troca, a impunidade pelas falcatruas cometidas. 4. Quem lidera a campanha pelo impeachment é o PSDB, partido oposicionista DERROTADO nas eleições presidenciais de 2014. Seu candidato, Aecio Neves, alcançar no tapetão o mesmo resultado político que não foi capaz de obter nas urnas, desrespeitando o voto de 54.499.901 brasileiros e brasileiras que votaram em Dilma (3,4% mais do que os eleitores de Aecio no segundo turno). 5. Se o golpe se consumar, a oposição colocará em prática todas as propostas elitistas e autoritárias que Aecio planejava implementar se tivesse ganho a eleição. O presidente golpista irá, com toda certeza, mudar as leis trabalhistas, em prejuízo dos assalariados; revogar a política de valorização do salário mínimo; implantar a terceirização irrestrita da mão-de-obra; entregar as reservas de petróleo do pré-sal às empresas transnacionais (como defende o senador José Serra); privatizar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal; introduzir o ensino pago nas universidades federais, como primeiro passo para a sua privatização; reprimir os movimentos sociais e a liberdade de expressão na internet; expulsar os cubanos que trabalham no Programa Mais Médicos; dar sinal verde ao agronegócio para se apropriar das terras indígenas; eliminar a política externa independente, rebaixando o Brasil ao papel de serviçal dos Estados Unidos. É isso, muito mais do que o mandato da presidenta Dilma ou o futuro político de Lula, o que está em jogo na batalha do impeachment. 6. É um engano supor que a economia irá melhorar depois de uma eventual mudança na presidência da república. Todos os fatores que conduziram o país à atual crise continuarão presentes, com vários agravantes. A instabilidade política será a regra. Os líderes da atual campanha golpista passarão a se digladiar pelo poder, como piranhas ao redor de um pedaço de carne. E Dilma será substituída por um sujeito fraco, Michel Temer, mais interessado em garantir seu futuro (certamente uma cadeira no Supremo Tribunal Federal) e em se proteger das denúncias de corrupção do que em governar efetivamente. A inflação continuará aumentando, e o desemprego também. 7. No plano político, o Brasil mergulhará num período caótico, de forte instabilidade. A derrubada de uma presidenta eleita, sacramentada pelo voto, levará o país em que, pela primeira vez desde o fim do regime militar, estará à frente do Executivo um mandatário ilegítimo, contestado por uma enorme parcela da sociedade. 8. O conflito dará a tônica da vida social. As tendências fascistas, assanhadas com o golpe, vão se sentir liberadas para pôr em prática seus impulsos violentos, expressos, simbolicamente, nas imagens de bonecos enforcados exibindo o boné do MST ou a estrela do PT e, de uma forma mais concreta, nas invasões e atentados contra sindicatos e partidos políticos, nos ataques selvagens a pessoas cujo único crime é o de vestir uma camisa vermelha. O líder dessa corrente de extrema-direita, o deputado Jair Bolsonaro, já defendeu abertamente, num dos comícios pró-impeachment, que cada fazendeiro carregue consigo um fuzil para matar militantes do MST. 9. Os sindicatos e os movimentos sociais não ficarão de braços cruzados diante da truculência da direita e da ofensiva governista e patronal contra os direitos sociais durante conquistados nas últimas duas décadas. Vão resistir por todos os meios – greves, ocupações de terras, bloqueio de estradas, tomada de imóveis, e muito mais. O Brasil se tornará um país conflagrado, por culpa da irresponsabilidade e da ambição desmedida de meia dúzia de políticos incapazes de chegar ao poder pelo voto popular. Isso é o que nos espera se o golpe contra a presidenta Dilma vingar. 10. Mas isso não acontecerá. A mobilização da cidadania em defesa da legalidade e da democracia está crescendo, com a adesão de mais e mais pessoas e movimentos, independentemente de filiação partidária, de crença religiosa e de apoiar ou não as políticas oficiais. A opinião de cada um de nós a respeito do PT ou do governo Dilma já não é o que importa. Está em jogo a democracia, o respeito ao resultado das urnas e à norma constitucional que proíbe a aplicação de impeachment sem a existência de um crime que justifique essa medida extrema. Mais e mais brasileiros estão percebendo isso e saindo às ruas contra os golpistas. Neste dia 31 de março, a resistência democrática travará mais uma batalha decisiva. É essencial a participação de todos, em cada canto do Brasil, Todos precisamos sair às ruas, em defesa da legalidade, da Constituição e dos direitos sociais. Todos juntos! O fascismo não passará! Não vai ter golpe! (*) O texto incorpora trechos de artigos de Jeferson Miola e de Fabio Garrido. Igor Fuser é professor de relações internacionais na Universidade Federal do ABC (UFABC).

  14. Leonardo Postado em 28/Mar/2016 às 22:39

    Olha no que o Sérgio Moro se apoia para ser o herói do Brasil: Operação Mãos Limpas(Itália), que consistiu numa caça as bruxas política, e que no final colocou o maior gangster de todos no poder. Apesar de não estar contaminado com essa guerra bipolar, não consigo aceitar o camarada que deveria ser parcial, trabalhar para um lado. Tendo estudado direito, fui em alguns julgamentos, e o que você constata, é que por vezes, você sai dali extremamente chateado com o juiz, por ele ter seguido a lei, e assim beneficiado um vagabundo. Politicamente o Brasil está do avesso, e socialmente ele vai de mal à pior, visto que a burguesia sempre pisou na cabeça do pobre, mas sempre de maneira velada, hoje em dia, eles colocaram as manguinhas de fora, e fazem questão de explanar que são burgueses, e tudo mais...Fico realmente triste, de ver que estamos gastando nossa energia em discussões sem final feliz, ofendendo quem não tem o mesmo pensamento que o seu, e nesse vácuo, gerado por essas brigas, geralmente vem um Satanás( Hitler, Mussolini, e tantos outros).

  15. Leonardo Postado em 28/Mar/2016 às 22:39

    Olha no que o Sérgio Moro se apoia para ser o herói do Brasil: Operação Mãos Limpas(Itália), que consistiu numa caça as bruxas política, e que no final colocou o maior gangster de todos no poder. Apesar de não estar contaminado com essa guerra bipolar, não consigo aceitar o camarada que deveria ser parcial, trabalhar para um lado. Tendo estudado direito, fui em alguns julgamentos, e o que você constata, é que por vezes, você sai dali extremamente chateado com o juiz, por ele ter seguido a lei, e assim beneficiado um vagabundo. Politicamente o Brasil está do avesso, e socialmente ele vai de mal à pior, visto que a burguesia sempre pisou na cabeça do pobre, mas sempre de maneira velada, hoje em dia, eles colocaram as manguinhas de fora, e fazem questão de explanar que são burgueses, e tudo mais...Fico realmente triste, de ver que estamos gastando nossa energia em discussões sem final feliz, ofendendo quem não tem o mesmo pensamento que o seu, e nesse vácuo, gerado por essas brigas, geralmente vem um Satanás( Hitler, Mussolini, e tantos outros).

O e-mail não será publicado.