Redação Pragmatismo
Compartilhar
EUA 03/Mar/2016 às 16:13
4
Comentários

10 diferenças entre Bernie Sanders e Hillary Clinton

Preferida do partido, Hillary Clinton imaginou, a princípio, que triunfaria sem obstáculos para se sagrar candidata dos democratas à Presidência dos EUA. Eis que surge Bernie Sanders. Conheça 10 ideias que separam os pré-candidatos democratas

Bernie Sanders Hillary Clinton eleições eua
Bernie Sanders vs Hillary Clinton (reprodução)

Pedro Zambarda de Araujo, DCM

1. Historicamente, Bernie Sanders é contra a existência da CIA

De acordo com um artigo do site Intercept, do jornalista americano Glenn Greenwald – que desvendou a espionagem digital da NSA com Edward Snowden -, Bernie Sanders fez uma campanha aberta contra a CIA na sua candidatura ao senado em 1974. A postura do socialista se assemelha à do ex-presidente John F. Kennedy, que teria desejado uma fragmentação do centro de inteligência após a operação fracassada da Baía dos Porcos em Cuba, no ano de 1961.

Mas Sanders foi além. “A CIA só serve para lunáticos de extrema-direita que a utilizam para erguer ditaduras fascistas”, teria dito o político de esquerda naquela época, em plena Guerra Fria e na mesma época dos regimes totalitários na América Latina.

O repórter Michael Crowley, do site Politico, conversou com Jeremy Bash, ex-integrante da CIA que é conselheiro da candidatura de Hillary Clinton, e ele comentou que esses comentários de Bernie Sanders “reforçam que ele não está qualificado para a presidência”. Bash defende a tese de que o fim da agência de inteligência teria deixado os Estados Unidos desarmado contra o comunismo e as forças da União Soviética.

2. O eleitorado democrata acredita que Hillary Clinton é “muito religiosa”

De formação pela Igreja Metodista e com ensino superior, Hillary Clinton é descrita por 65% dos eleitores do Partido Democrata, segundo um levantamento da PewResearch em 2016, como “religiosa”. Só cerca de 40% do público americano acredita que Bernie Sanders, judeu descendente de vítimas do Holocausto, prega alguma religião. O socialista não gosta de falar de suas crenças pessoais, segundo uma reportagem de Joseph Berger no jornal New York Times.

3. Os doadores de campanha de Sanders são pessoas, não empresas

Enquanto Hillary Clinton se enrola em debates para responder sobre seus financiadores de campanha, Bernie Sanders soma três milhões de dólares de fundos dados por pessoas que acreditam em sua plataforma progressista. Assim como Luciana Genro no Brasil em 2014, o socialista se recusa a receber verba de bancos e de grandes empreiteiras.

Hillary está fortemente vinculada à Fundação Clinton, império filantrópico do marido Bill que lucra milhões com palestras e trabalha junto com projetos dos fundadores de gigantes da internet, como o Google de Larry Page e Sergey Brin.

4. Bernie Sanders defende uma tributação progressiva e a elevação real do salário mínimo

Embora seja, desde 2014, uma crítica da atuação do governo Barack Obama na Síria e em países do Oriente Médio, Hillary Clinton em geral é à favor da maioria das políticas econômicas do atual governo. Thomas Piketty, o autor de “O Capital no Século XXI”, defende uma maior taxação dos ricos e afirmou em artigo no The Guardian que Sanders dá voz a essa tendência mais igualitária. O socialista também defende uma elevação do salário mínimo para US$ 15 por hora, um patamar superior aos US$ 10 de Hillary. A imagem de sua oponente dentro do Partido Democrata acaba sendo mais conservadora por isso.

5. Hillary Clinton atende interesses de bancos de Wall Street, o 1% da sociedade americana

No auge da crise econômica de 2008, que acabou com o sistema financeiro e imobiliário dos Estados Unidos, os protestos de rua levavam a população pobre e de classe média – os 99% – contra o 1% da sociedade que administram os grandes bancos e ganham com rendimentos do mercado especulativo.

Nas primárias de New Hampshire, Bernie Sanders lembrou Hillary Clinton de que ela recebeu financiamento de instituições financeiras como o Goldman Sachs para organizar palestras. A democrata, portanto, não se diferencia tanto dos republicanos quanto a sua proximidade com banqueiros.

6. Sanders foi contra a Guerra do Iraque em 2003, Hillary foi favorável

Em geral, Bernie Sanders é um opositor feroz às políticas bélicas dos Estados Unidos no Oriente Médio. Quando George Bush decidiu que deveria invadir o Iraque de Saddam Hussein, o senador Sanders votou contra.

Hillary Clinton se mostrou favorável na época e o governo Barack Obama, que ela fez parte, prometeu retirar tropas na campanha de 2008, mas não cumpriu a medida em seus dois mandatos. Pelo contrário, as ações militares intensas de americanos na região deram origem a facções como o Estado Islâmico.

7. Desde 1988, Bernie Sanders criticou as ações de Israel, que Hillary defende hoje

Hillary Clinton foi secretária de Estado do segundo governo Obama entre 2009 e 2013. Entre suas atribuições, ela defende as ações de Israel na defesa de seu território. Sanders, que apoiou a candidatura de Jesse Jackson para a presidência numa época de republicanos no poder, já criticava ações duras de israelenses contra palestinos em 1988.

Mesmo tendo origem judaica, Bernie Sanders classificou como “inaceitável” algumas ações de Israel e chegou a cortar o fornecimento de armas americanas. O posicionamento entusiasmado de Hillary deve empurrar o socialista para adotar uma postura crítica sobre esta questão nas eleições.

8. O eleitorado de Hillary Clinton é velho

De acordo com as pesquisas do próprio Partido Democrata, 84% de seus eleitores menores de 29 anos declaram que votariam em Bernie Sanders. Segundo o economista francês Thomas Piketty, Hillary é forte entre os democratas que tem acima de 50 anos. No campo progressista, Sanders tem 74 anos e é um fenômeno entre os jovens. É um senhor com ideias renovadoras e que não recusa a alcunha de socialista.

9. Hillary milita pelo aborto como um direito feminino

Embora seja conservadora em inúmeros campos, Hillary Clinton tem uma militância feminista e pró-aborto mais reconhecida do que Bernie Sanders. Quando era secretária do governo Obama, ela fez declarações públicas de que a mulher americana deveria ter a escolha de prosseguir ou não com sua gravidez.

O socialista também defende a prática, mas sem muitos atos públicos conhecidos. A posição dos dois democratas é oposta ao Partido Republicano, que possui um viés religioso protestante mais radical que tende a condenar a prática.

10. Bernie Sanders foi opositor de Alan Greenspan, diretor do Banco Central americano

Considerado um dos nomes mais poderosos da economia norte-americana, Alan Greenspan foi presidente do Federal Reserve, o Banco Centro norte-americano, entre 1987 e 2006. Alguns comentaristas acreditam que as políticas de Greenspan, herdeiro do governo Ronald Reagan, provocaram a crise econômica mundial de 2008 com a quebra do banco Lehmann Brothers.

Em 2003, o senador Bernie Sanders, de Vermont, fez um discurso em 2003 afirmando que Alan Greenspan “não vivia no mundo real” ao privilegiar milionários e não a classe média e trabalhadora dos Estados Unidos. O discurso do socialista é contundente, enquanto não há notícia de Hillary Clinton criticando desta forma.

Leia também:
Bernie Sanders venceria qualquer candidato no voto, revela pesquisa da CNN
Thomas Piketty comenta o “fenômeno” Bernie Sanders
O que explica o avanço de um socialista nas pesquisas para presidente dos EUA?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 03/Mar/2016 às 18:19

    Mesmo assim, Sanders jamais será esse socialista que ele diz ser. Vide Barack Obama. Ser presidente dos EUA envolve você se relacionar com Israel e Arábia Saudita e sim mandar intervir em outros países. Bernie, ele não tem a consciência pessoal do que é ser presidente deste Império, nem Hillary. Porém esta já mostra quem é desde agora, ora com ideias progressistas ora conservadoras. Portanto, como um leitor chamado "enganado" mesmo disse anteriormente, não importa quem vai ser presidente do Tio Sam, todos eles serão imperialistas. (E Guantânamo? Nunca foi fechado mesmo com as palavras do Obama lá em 2008 e já se passaram 8 anos, imagine fazer o que o Bernie quer fazer. Ele vai morrer e o neto dele vai ser avô e o capitalismo norte-americano ainda sim não vai sucumbir)

  2. Alexandre Postado em 04/Mar/2016 às 11:26

    Concordo plenamente. Falar é fácil! Difícil é fazer! Nos EUA tem uma coisa chamada parlamento, lobismo forte e tem banqueiro e tem dinheiro e banqueiro de novo e o caralho a quatro.... Enfim, por mais que seja um progressista. Ele não vai cumprir metade de suas promessas. Não quer dizer que ele não queira mas..... O buraco é bem mais fundo do que se pensa ser( governar os EUA).

  3. Pierre Postado em 10/Mar/2016 às 10:30

    Só o número 10 já aponta que ele é bem intencionado, afinal ser opositor do Greenspan é ser contra todas as práticas mais funestas dos senhores do capitalismo.

  4. vinicius Postado em 10/Mar/2016 às 14:03

    Seria o Bernie Sanders ateu ?