Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 02/Feb/2016 às 13:34
3
Comentários

Ser afro no Brasil: exotismo despropositado ou afirmação identitária?

Ser afrodescendente ou afro-brasileiro é uma condição de identidade cultural que não nega nossa brasilidade mas sim a valoriza, uma conscientização política de nossas origens, não uma opção.

afro negro brasil racismo preconceito

Há no imaginário do Brasil que se acha europeu, mas que nunca o será, um grande pavor ao exotismo cultural, à forma como ele pode ser objeto do olhar curioso, fascinado e avaliador do estrangeiro, particularmente do hemisfério norte, quando o mundo quer apenas que o Brasil seja simplesmente BRASILEIRO dentro da sua rica diversidade cultural.

Esse pavor resulta, como o demonstram estudos pós-coloniais, da conotação negativa associada ao exotismo, presente na estratégia discursiva colonial que o ligava negativamente ao mito do bom selvagem, ao outro ameaçador ou ao outro visto meramente como objeto de desejo.

Vem este artigo na sequência do editorial da Afropress com o título “O racialismo não é saída, é cilada“. Nele o editor desanca nos afrodescendentes que assumem suas origens ancestrais e a afirmam nas mais variadas formas, vendo-os como sujeitos de um “exotismo despropositado e folclórico”.

Não vejo exotismo como algo de despropositado ou folclorizado na afirmação da componente AFRO no Brasil. O próprio termo folclórico, do qual o editor nítidamente se distancia, é apresentado de forma negativa, como se tratasse de algo inferior e baforento e não de narrativa positiva de significativa parte da cultura de um povo.

No Brasil não é narrado negativamente como exotismo e folclore a afirmação da eurodescendência manifestada em festas e eventos comemorativos de ancestralidades européias e feita cotidianamente no uso de expressões como “papai é português“, “mamãe é italiana“, “vovô é alemão“, “vovó é francesa“, “bisa era inglesa“, “trisa era holandesa“, e por aí a fora.

Foi precisamente o preservar da africanidade nas suas mais diversas expressões culturais que permitiu ao negro brasileiro resistir às marcas da escravidão, ao extermínio pelo embranquecimento e se diferenciar no contexto da brasilidade, se tornando em seu componente de identidade cultural mais vibrante.

É precisamente devido à conscientização da nossa diferença, em sequência de lutas vindas desde o primeiro rebelde escravizado que pisou o Brasil, que hoje estamos assumindo descomplexadamente as nossas origens afro e forçando para políticas de ações afirmativas inclusivas da plenitude de nossa cidadania.

Ser afrodescendente ou afro-brasileiro é uma condição de identidade cultural que não nega nossa brasilidade mas sim a valoriza, uma conscientização política de nossas origens, não uma opção.

Penso ter sido essa conscientização que esteve na origem da criação de AfroPress (não afro qualquer coisa!). Uma nação multirracial e multicultural como Brasil, apenas se fortalece se cada um tiver orgulho de suas raízes e as souber elevar, afirmar.

O discurso de negação ou de diminuição da raça, como categoria social que existe, é perigoso e mais perigoso ele se torna quando, vindo de próprias lideranças negras porque abre espaço para o aprofundar do racismo e de intolerâncias como as que atingem cada vez mais as religiões de matriz africana.

Leia também:
Antropólogo derruba a ideia de que no Brasil há democracia racial
Por que o Brasil é um dos países mais racistas do mundo?
Trabalhadores negros ganham 40% a menos do que o salário dos brancos

Por fim, vejo como enganoso o debate sobre racialização. Confundir conscientização e afirmação da cor/raça, expressas em políticas afirmativas progressistas para corrigir erros históricos, com racialização é como confundir conscientização e afirmação de gênero com o discurso feminazi.

O foco do debate deve continuar centrado de forma crescente e permanente no RACISMO. Desviar o mesmo para a armadilha do discurso racialista é dar argumentos de mão beijada aos que, confundindo o conceito científico da não existência de raças, ou se aproveitando dele, apontam apenas o fator classe e negam a existência do racismo como outra das contradições fundamentais da sociedade capitalista brasileira, talvez a mais desumana.

Natália de Santana Revi, AfroPress | Indicação: Alberto Castro

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. eu daqui Postado em 03/Feb/2016 às 13:16

    Assim como "não é europeu nem nunca será", o Brasil também não é africano nem nunca será.

  2. eu daqui Postado em 03/Feb/2016 às 13:27

    Exotismo pra mim não é pq exotico é aquilo que me desperta atenção e curiosidade

  3. Thiago Teixeira Postado em 05/Feb/2016 às 14:00

    A solução do fim do RACISMO é a retaliação armada e violenta contra os praticantes. Animal só entende a linguagem do MEDO.