Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direitos Humanos 18/Feb/2016 às 16:00
5
Comentários

Por que temos cotas sociais e raciais no Brasil?

Guia prático explica por que temos cotas sociais e raciais no Brasil e tira dúvidas sobre o funcionamento das ações afirmativas

cotas raciais brasil negros racismo preconceito

Socialista Morena

Como ainda tem muita gente que não entende (ou não quer entender) por que temos cotas raciais e sociais no Brasil, preparei um rápido guia. Ele pode ser aumentado à medida que novas dúvidas surjam. Qualquer pergunta extra, escreva para o blog.

1. Se você é preto, pardo ou indígena, tem direito às cotas; ponto. A autodeclaração vale na hora da inscrição, mas algumas universidades podem exigir comprovação após a matrícula para verificar se você atende aos requisitos. Isto é feito principalmente para não prejudicar outros pretos, pardos ou indígenas que de fato precisam das cotas.

2. Se você é preto, pardo ou indígena e veio de escola privada, mas acha que, por uma questão de reparação histórica, deve usar o sistema, tem direito.

3. Se você é preto, pardo ou indígena e veio de escola privada, poderia abrir mão das cotas (se desejar). Esta é, porém, uma decisão que compete apenas aos pretos, pardos e indígenas, não aos brancos.

4. Se você é preto, pardo ou indígena e, mesmo sendo pobre, acha que as cotas são desnecessárias, é simples: não utilize as cotas. Mas estude melhor a História do Brasil para não se tornar duplamente vítima do racismo, sem se dar conta.

5. Se você é branco e veio de escola pública, tem direito às cotas.

6. Se você é branco, mas longinquamente afrodescendente e estudou em escola privada, não deveria se candidatar a cotas por uma questão moral e ética. Fazer-se passar por negro para ser beneficiado por cotas é uma espécie de corrupção e pode ser considerado estelionato.

7. Se você é branco e veio de escola privada, não tem direito a cotas.

8. As cotas foram feitas, obviamente, para atender a quem precisa delas. Como a maioria dos pobres no Brasil é preta, parda ou indígena, bingo: a maioria deles precisa de cotas porque não se pode comparar suas chances de ascender à universidade com as de estudantes de classe média ou ricos que frequentaram escola privada a vida toda. Isto se chama INCLUSÃO.

9. Coloque na cabeça: as cotas não são uma vantagem: são a correção de uma desvantagem histórica. Antes delas, apenas 2,2% de pardos e 1,8% de negros tinham concluído universidade no Brasil; após as cotas, este número subiu para 11% de pardos e 8,8% de negros. Ainda é pouco, já que eles são 53% na população. Em Medicina, por exemplo, somente 0,9% dos formandos no Estado de São Paulo em 2014 eram negros.

10. Quem gosta tanto de usar a palavra “meritocracia” deveria entender que ela só se justifica entre pessoas com condições de vida semelhantes e não entre desiguais. É moleza falar em meritocracia sendo branco, tendo papai rico e estudando nos melhores colégios. É como apostar corrida saindo vários segundos na frente do outro competidor.

11. Ao contrário do que quem é contra as cotas costuma espalhar por aí, as notas dos cotistas têm se mostrado iguais ou superiores às dos estudantes não-cotistas em várias universidades, como a UFMG, e em algumas delas o índice de evasão dos cotistas é menor que o dos não-cotistas.

12. Nos EUA, existem cotas (políticas de ação afirmativa) desde os anos 1970. Isso possibilitou que os negros avançassem na sociedade ao ponto de hoje o presidente do País ser negro. No Brasil, menos de 10% dos deputados e senadores são pretos e pardos.

13. As cotas raciais têm prazo para acabar: assim que a proporção de pretos, pardos ou indígenas em relação aos brancos chegar a números semelhantes aos da sociedade em geral, as cotas acabam. Enquanto isso não acontecer, nada mais justo que continuem.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. fabio Postado em 19/Feb/2016 às 13:17

    PERFEITO!

  2. Charles Postado em 20/Feb/2016 às 10:27

    "Reparação História" é meu ovo, bando de comunistas safados estes que estão no comando do nosso país. Estas cotas são anticonstitucionais, já que privilegiam alguém pela cor da sua pele. É racismo puro. A Esquerda associa a escravidão a cor da pele, mas omitem que os negros foram escravos dos próprios negros, afinal, os europeus compravam o escravos dos negros africanos. Nunca a cor foi a razão da escravidão, mas sim o poder econômico e poder superior nas guerras. Quando uma tribo vicia outra, faziam os derrotados de escravos e isto aconteceu com praticamente todos os povos. Os nosso índios faziam outros índios de escravos. Os judeus foram escravizados pelos egípcios, escravizaram depois outras nações circunvizinhas e até mesmo seus próprios compatriotas.Na Crimeia foram escravizados ucranianos, poloneses e russos em grande maioria brancos de olhos azuis, os finlandeses foram escravizados pelos russos... As cotas devem ter como único critério as condições financeira do estudante e de sua família, o resto é balela ideológica, é militância doutrinária.

  3. Bruno Postado em 20/Feb/2016 às 10:46

    As cotas existem para que políticos corruptos continuem no poder. Estamos alimentando o preconceito que deveria ter morrido lá atrás. Se o problema é desigualdade social, ela esta ai para todas as raças. A pobreza não escolhe cor da pele. Assim como a riqueza também não. O que precisamos é de um sistema justo e igualitário. Vamos pensar, vamos refletir. Essa não é a unica forma de preconceito que praticamos. Racismo, homofobia, nativismo, preconceito com aparência, com o peso das pessoas, religião, preconceito com os idosos, etc. Será que cada um precisa de uma cartilha para poder viver em sociedade. Eles precisam se sentir uns coitados porque foram ou são tratados com preconceito. Não seria melhor se todos fossem tratados como simples seres humanos, respeitando-os e amando-os como nós gostaríamos de ser amados. Não precisamos de cotas! O mundo precisa de amor!

  4. Caio Postado em 20/Feb/2016 às 12:54

    Pretos advindos de escolas privadas têm direito às cotas, mas brancos de baixa renda, que por muito esforço dos pais ou pela aquisição de bolsas de estudo conseguiram estudar em escolas privadas, não têm esse direito. E isso ainda é chamado de justiça.

  5. Isaac Postado em 22/Feb/2016 às 11:51

    As cotas são necessárias. 53% da população brasileira é negra. Não encontramos esta mesma proporção nas universidades. Não encontramos esta mesma proporção nos trabalhos formais, como bancos ("ah não, o segurança do banco é negro e ai?"); não encontramos esta mesma proporção nas arquibancadas dos estádios dos jogos do Brasil na Copa ("ah os jogadores são negros, e ai?"); não encontramos esta mesma proporção de 53% nos telejornais, na mídia em geral. E ainda tem gente que diz que vivemos numa "democracia racial". Por outro lado, nas prisões os negros são maioria. Não que os negros roubam mais. Mas a vigilância em cima da população negra é maior. Seja o segurança do supermercado seguindo à distância, seja a polícia abordando negros a torta e a direita. Como a vigilância em cima dos negros é maior, obviamente se tiver algum bandido no meio será preso. Não ocorrendo o mesmo com o bandido branco, que é "camuflado", fazem vistas grossas ("parece com meu sobrinho, parece com meu filho"), dificilmente são presos e têm trânsito livre nessa sociedade racista e hipócrita.