Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mundo 03/Feb/2016 às 13:28
7
Comentários

Por que as mulheres da Tanzânia estão se casando com outras mulheres?

Elas fazem tudo que um casal faz, exceto sexo. Entenda por que as mulheres da Tanzânia estão se casando com outras mulheres

lésbicas mulheres casamento tanzânia

Na região de Mara, no nordeste da Tanzânia, um tradição antiga que envolve mulheres se casando com outras mulheres foi adaptada para ajudá-las a lidar com problemas atuais.

Essa estrutura familiar, conhecida como nyumba nthobu, se tornou uma alternativa útil para muitas mulheres.

Wegesa e Nyanswi Marwa, do vilarejo de Kurya, por exemplo, são casadas há 15 anos. Wegesa tem 60 anos e Nyanswi, 35.

“Na nossa cultura, as mulheres não podem herdar propriedades. Então, eu procurei uma esposa pra me ajudar. Quando eu morrer, ela vai poder ficar com as nossas propriedades [porque as duas tiveram filhos homens]. Ela me ajuda com os animais, a buscar água e com as tarefas domésticas”, contou Wegesa à reporter da BBC Tulanan Bohela.

Wegesa não teve filhos homens em seu casamento anterior. Por isso, não tinha quem herdasse seus bens e o nome de sua família. Ela diz que se casou com Nyanswi para contornar esse “problema”.

Agora as duas têm seis filhos homens, cujo pai biológico é um parente do marido falecido de Wegesa.

“Desde que eu me casei, sinto que minha vida voltou ao normal. Ela me apresentou para esse sobrinho dela e temos vivido felizes desde então”, disse Nyanswi, referindo-se ao pai biológico de seus filhos.

O sobrinho de Wegesa, por sua vez, tem sua própria família. Mas diz ter concordado em ser o pai biológico dos filhos dela e Nyanswi para que o sobrenome da família de seu tio fosse passado adiante.

Ele também aceitou abrir mão dos direitos parentais sobre os meninos.

Como funciona

É esse tipo de arranjo que geralmente ocorre no nyumba nthobu.

As duas mulheres vivem juntas, criam os filhos e fazem tudo mais que um casal faz, exceto sexo.

Para que a mulher mais nova engravide, elas costumam contratar um homem de confiança, como o sobrinho de Wegesa. O acordo pode ou não envolver um pagamento (no caso das duas mulheres de Kurya, não envolveu).

Essa estrutura permite que, como no caso de Wegesa e Nyanswi, mulheres mais velhas se casem com outras mais jovens para ter ajuda nas tarefas domésticas e conseguir ter filhos homens (para passar sua herança).

Muitas das mulheres que procuram essa estrutura têm filhas mulheres, que acabam se mudando para a cidade dos maridos.

Além disso, o nyumba nthobu hoje também serve como uma maneira de ajudar as mulheres a superar a violência doméstica.

Dados da ONU mostram que Mara tem as maiores taxas de violência contra a mulher da Tanzânia – 60% das mulheres da região contam já ter sofrido violência física ou psicológica.

De certa forma esses casamentos arranjados entre mulheres no vilarejo de Kurya parecem empoderar tanto as mulheres mais velhas quanto as mais novas que concordam com essa estrutura para ter mais controle sobre a própria vida. Os homens têm um papel no arranjo – mas é secundário.

Os líderes tribais aceitaram adaptar a tradição. Mas eles alertam para que as mulheres escolham com cuidado os homens que serão pais de seus filhos biológico – já que muitos têm várias parceiras e podem lhes transmitir doenças.

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 03/Feb/2016 às 14:17

    Eita!

  2. marc Postado em 03/Feb/2016 às 16:42

    hahahah como sempre o homem "de boas" piada sem graça pqp !

  3. Guilhermo Postado em 03/Feb/2016 às 16:50

    Lendo isso eu percebo, mais uma vez, como o mundo é multicultural.

    • Juliana Postado em 05/Feb/2016 às 09:15

      e machista...

  4. Alfa Postado em 04/Feb/2016 às 02:47

    Em outras palavras, família é partilha.

  5. Rogerio Postado em 04/Feb/2016 às 10:57

    Se o casamento entre mulheres pode não envolver lesbianismo, então o casamento entre adulto e criança pode não envolver pedofilia. Muitos acusam Maomé de ser pedófilo, como forma de difamar os palestinos.

    • Jonas Schlesinger Postado em 04/Feb/2016 às 13:03

      Não cara, aí não. Vou ter que dormir com pesadelos depois de ler esse comentário :(