Redação Pragmatismo
Compartilhar
América Latina 24/Feb/2016 às 11:02
7
Comentários

Depois da energia, tarifas de gás vão aumentar até 300% na Argentina

Argentina: Governo Macri anuncia aumento de até 300% na conta de gás. Novas tarifas devem ser aplicadas em abril e ocorrem após alta de 600% na taxa de eletricidade

argentina macri aumento energia gás tarifas

O ministro da Energia e Mineração da Argentina, Juan José Aranguren, informou nesta segunda-feira (22/02) que a tarifa de gás deve aumentar em até 300% a partir de março.

Antes de junho acontecerá o aumento na tarifa. Hoje o preço do gás que está sendo produzido no país é maior do que o do gás importando”, argumentou Aranguren em entrevista à rádio Con Vos.

Segundo ele, o aumento deve começar nos 40% e pode chegar até os 300%. A mudança ocorrerá a partir de 1º de março, porém pode ser adiada até o dia 1º de abril, dependendo dos processos burocráticos e tecnológicos necessários para implementar a alteração.

A Argentina possui cerca de 1.300 tarifas distintas de gás para as residências. Cada uma delas sofrerá uma alteração diferente. Em alguns casos, o aumento será superior a 300%, mas em outros não passará dos 40%.

De acordo com o ministro, a economia de gás será recompensada na tarifa e serão analisados os benefícios sociais dados a certos setores da população, principalmente os mais pobres, para decidir quais serão mantidos.

Aranguren também anunciou que os apagões terão continuidade nos nos próximos dias.

Estes cortes programados se devem à capacidade que temos de produzir energia elétrica e a problemas na distribuição. Em casos de zonas onde a população ficou muitos dias sem eletricidade, nós puniremos as empresas e iremos ressarcir os moradores”, disse Aranguren.

Eletricidade

Em janeiro, a Argentina já havia anunciado um aumento de 300% na tarifa de eletricidade, colocando fim aos subsídios concedidos nos últimos 12 anos ao fornecimento de energia elétrica. No entanto, a tarifa acabou subindo mais de 600%, como reportam os meios de comunicação do país.

A medida entrou em vigor no início de fevereiro e, segundo o governo, foi adotada a fim de reduzir o déficit público do país. Como consequência, uma série de cidades argentinas, inclusive a capital Buenos Aires, passam por uma série de apagões, chamados cortes programados.

Medidas impopulares

Desde sua posse, o presidente da Argentina, Maurício Macri, vem tomando uma série de medidas impopulares que têm gerado protestos por parte da população, como a tentativa de modificação da Lei de Meios, o fim dos subsídios estatais na tarifa de eletricidade e a prisão da líder comunitária Milagro Sala, que faz oposição ao governador do estado de Jujuy, Geraldo Morales, aliado de Macri.

Como resultado, o Ministério de Segurança aprovou uma restrição aos protestos em vias públicas do país. Segundo a nova diretriz, as manifestações, que durante o período kirchnerista eram livres, deverão agora ser comunicadas às autoridades, que vão autorizar ou não o percurso indicado e poderão dispersar os protestos quando julgarem que estes estejam afetando o trânsito.

Leia também:
Milhares vão às ruas em protesto contra Mauricio Macri na Argentina
Medidas de Macri aumentam conta de luz em 300%; preço da carne sobe 22%
Conheça Maurício Macri, o novo presidente da Argentina

O protocolo ainda prevê certas regras para os protestos em vias públicas, a repressão das manifestações com uso da força pela polícia e a prisão de manifestantes que se opuserem à dispersão.

Opera Mundi

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Rogerio Postado em 24/Feb/2016 às 15:09

    O que a Argentina demorou anos para conquistar o safado está destruindo em meses. E por incrível que pareça tem coxinha no Brasil que aprova o governo Macri. Que a Argentina sirva de exemplo do que é eleger um presidente de direita. Se o Aécio ganhasse seria isso.

    • felipe Postado em 24/Feb/2016 às 16:52

      Pesquise melhor e se informe sobre o que estava acontecendo na Argentina antes de dizer esse monte de besteira, reclamam que existe uma mídia golpista e usam de uma informação escrita de forma parcial e partidária para tirar conclusões, pouco me importa o que acontece por lá, ou mesmo na Bolívia, na Venezuela, mas sabe-se que estão tão de saco cheio quanto os de cá, mas o Macri tem feito um bom governo sim, esses aumentos são devidos a politica anterior de subsidiar diversas coisas sem ter dinheiro, esse era um dos motivos da Argentina estar quebrando, Macri esta cortando o benefício de quem ganha mais, os pobres e aposentados (os que ganham menos de 2 salários, que lá é quase 4 mil reais) geralmente não estão perdendo este benefício fora dizer que ele dobrou a faixa de isenção do IR, só para IR quem ganha acima de 8 mil por lá, enfim, lá não está um mar de rosas não, mas as medidas que ele tomou em dois meses de mandato superam e muito as medidas tomadas por aqui para ajudar a população a sair do buraco, não se esqueça, apenas 2 meses de mandato.

      • Rogerio Postado em 24/Feb/2016 às 18:42

        Ele combateu a lei de médios, além de aumentar tarifas. A Argentina está indo pro buraco.

      • felipe Postado em 25/Feb/2016 às 09:54

        A Argentina ja esta no buraco faz tempo, 2 meses de mandato, 2 meses ok.

  2. Henrique Postado em 24/Feb/2016 às 15:38

    A Dilma ganhou e 6% de recessão em 2 anos, no mínimo....olha, tem que fazer força pra isso, se bem que com o Aécio não iria ser muito diferente, pois é igualmente incompetente e os problemas do Brasil são estruturais. Na Argentina as contas só aumentaram pq até 3 meses atrás as mesmas eram subsidiadas fortemente, ou seja, indiretamente o povo também estava pagando, não consigo entender a dificuldade em entender isso

  3. fernandu z-luciu Postado em 25/Feb/2016 às 02:20

    é pra isso que o governo serve, ajudar a população. Cristina subsidiava a energia pois por ser cara o governo central e a população pagava a conta e em contra-partida certa parcela da população tinha poder de compra. pois quando o governo fica com percentual maior dessa fatia, é criticado, principalmente quando os gastos do governo não condiz com a realidade. o governo Dilma e Lula está fazendo o que os tucanos microcefálicos não fizeram, hidrelétricas. e certa população carente tem bolsa-energia, salvo engano está incluído no bolsa família tal benefício

  4. poliana Postado em 25/Feb/2016 às 15:54

    tá pouco!tem q aumentar mais!!!!!!!!!!!!!!!!