Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 23/Feb/2016 às 16:47
15
Comentários

Criança de 4 anos é condenada à prisão perpétua no Egito

Egito condena menino de 4 anos à prisão perpétua por um crime que ele supostamente teria cometido quando tinha 1 ano e 4 meses. Depois da repercussão do caso, tribunal militar do país foi forçado a voltar atrás e admitir erro na condenação, embora não tenha ainda divulgado o que acontecerá com a criança

menino Egito prisão perpétua
Menino egípcio de 4 anos foi condenado à prisão perpétua. Após ação de advogado e repercussão da imprensa, tribunal militar responsável pela sentença foi obrigado a admitir erro, embora ainda não se saiba o que acontecerá com o garoto

O Exército egípcio foi obrigado a admitir um erro que um tribunal militar do país cometeu ao condenar um menino de quatro anos à prisão perpétua por assassinato. As informações são da BBCCNN e NYTimes

Segundo o coronel Mohammed Samir, porta-voz das Forças Armadas egípcias, a corte deveria ter sentenciado um jovem de 16 anos com o mesmo nome da criança.

Ahmed Mansour Qurani Ali foi condenado na semana passada, juntamente com outras 115 pessoas, por suposta ligação com protestos organizados em 2014 por seguidores da entidade islamita Irmandade Muçulmana.

O advogado do garoto apresentou documentos que comprovam que o menino era um bebê de um ano à época dos fatos.

Em publicação no Facebook, o coronel disse que Ahmed Mansour Qurani Sharara, de 16 anos, deveria ter sido condenado, e não Ahmed Mansour Qurani Ali.

Ainda não estava claro o que aconteceria com a criança após o reconhecimento do erro.

O advogado do menino disse que o nome dele foi incluído em lista de suspeitos por engano – e que oficiais de Justiça não checaram sua certidão de nascimento para verificar a idade à época do suposto crime.

Ele foi consequentemente condenado por quatro homicídios, oito tentativas de homicídio e vandalismo contra bens públicos.

Em 2014, a ONU alertou que o sistema judicial do Egito não oferecia garantias de julgamentos justos e que muitos processos eram permeados por irregularidades.

No mesmo ano, a polícia fez a primeira busca por Ahmed , e quando se deu conta de que ele era um bebê, deteve seu pai, que ficou preso durante quatro meses.

Justiça

A Justiça do Egito está sob críticas constantes desde o golpe militar que derrubou o presidente Mohammed Morsi em 2013, o que motivou protestos em massa pelo país.

Morsi, membro da Irmandade Muçulmana, havia sido eleito nas primeiras eleições democráticas no Egito desde a deposição do ditador Hosni Mubarak, em 2011. A escolha desagradou setores seculares, e Morsi acabou derrubado do poder em um golpe de Estado.

Desde então, mais de 1.000 pessoas foram mortas e 40 mil teriam sido presas em ações de repressão a dissidentes.

com informações de BBC e CNN

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Ricardo Postado em 23/Feb/2016 às 17:45

    Ou seja, foi um engano, nenhuma criança foi condenada. Que sensacionalismo barato heim?

    • Kan Robert Postado em 23/Feb/2016 às 19:13

      A correção do erro ou engano como preferir chamar esse absurdo, não significa que não ocorreu a condenação! Criança foi condenada sim! A pena só foi revista porque não era de morte, mas sim perpétua! Sensacionalismo barato porque não era o seu filho!

    • Plínio Postado em 23/Feb/2016 às 19:18

      "Ahmed Mansour Qurani Ali foi condenado na semana passada, juntamente com outras 115 pessoas, por suposta ligação com protestos organizados em 2014 por seguidores da entidade islamita Irmandade Muçulmana." Não está claro?

    • Lucas Postado em 23/Feb/2016 às 19:31

      Concordo. Sensacionalismo bem barato.

    • André Postado em 23/Feb/2016 às 20:06

      O problema é que temos analfabetos funcionais aqui e lá! O erro óbvio só foi admitido pela obviedade aberrante. Fosse alguém com 16 anos a condenação seria cumprida, mesmo que errada. Esse é o ponto.

    • beto Postado em 23/Feb/2016 às 21:32

      Ricardo, imagine, chegam policiais, representação do Estado, na sua casa procurando por seu filho que deve ser levado para cumprir a pena perpétua, não encontrando alguém "capaz" levam você, que fica meses aprisionado. Sei lá cara, não acho que é sensacionalismo, acredito que em regime democrático isso não aconteceria. Se no mínimo o filho possuísse o mesmo nome que o pai, acredito que não foi o que se procedeu. Logo, no meu entendimento fica claro que um regime militar não possui capacidade de garantir a segurança dos seus civis, engraçado né?! Mas não é, é logico! Militares não são capacitados para tratar questões fora do âmbito da segurança nacional, sua manutenção e permanência só vem como uma forma de extinguir direitos civis. Bom Ricardo, isso foi que ficou ao meu entendimento, que creio ainda ser raso.

      • Daniel Lourenço Postado em 24/Feb/2016 às 08:37

        O TÍTULO da notícia é sensacionalista, pois induz o leitor em erro. O resto da notícia está bem e é fácil de entender o sucedido. Porém, no TÍTULO, onde se escreveu "Criança de 4 anos é condenada a prisão perpétua", deveria escrever-se: "Justiça admite erro e iliba criança de 4 anos que tinha sido condenada a prisão perpétua". Esta segunda versão é a adequada.

    • silisboa Postado em 23/Feb/2016 às 22:38

      "Verdade principalmente porque o pai do menino ficou quatro meses preso até o julgamento da criança, causaram dano a família mas ele não foi preso foi só um errinho bobo toda essa injustiça e desrespeito com as pessoas é puro sensacionalismo barato né?".

  2. kris Postado em 23/Feb/2016 às 18:18

    Ação do advogado e repercuçao da mídia... Vamos sempre nos agitar para evitar os abusos de acontecerem, em qualquer lugar... Ufa!

  3. Evellyn Postado em 23/Feb/2016 às 19:16

    Ricardo você leu o texto?! a criança FOI condenada!! Após a repercussão do caso eles admitiram o erro porém ainda não foi informado o que será feito com a criança. mesmo ficando claro que não podia se tratar de Ali o pai dele ficou preso por quatro meses. Por aí vc já tira como anda a justiça do país.

    • Daniel Lourenço Postado em 24/Feb/2016 às 08:37

      O TÍTULO da notícia é sensacionalista, pois induz o leitor em erro. O resto da notícia está bem e é fácil de entender o sucedido. Porém, no TÍTULO, onde se escreveu "Criança de 4 anos é condenada a prisão perpétua", deveria escrever-se: "Justiça admite erro e iliba criança de 4 anos que tinha sido condenada a prisão perpétua". Esta segunda versão é a adequada.

  4. Boçalnaro Postado em 23/Feb/2016 às 19:29

    Não sabe ler, parceiro??! ELE FOI CONDENADO, o pai, preso por 04 meses. TUDO POR ENGANO. Depois o tribunal assumiu o erro e voltou atrás. QUATRO MESES preso por engano. TÁ BOM PRA VOCÊ NÃO?!

  5. Fernando Brito Postado em 23/Feb/2016 às 20:24

    Na boa. O que se queria de um país muçulmano governado por uma ditadura ? Direitos Humanos respeitados ? O pior é que esses aí até são mais benevolentes, pois os da Irmandade Muçulmana ou de outro fundamentalismo religioso são um pouco mais cruéis. a criança já teria sido executada.

  6. Emmanuelly Christiny Postado em 23/Feb/2016 às 21:18

    Meu Deus quanta tristeza no mundo 😔😔

  7. vera lucia oliveira Postado em 24/Feb/2016 às 07:16

    Achei q o Egito se parece com o Brasil pq o presidente eleito que ñ agradou a setores seculares a,acaboud estituido por um golpe.