Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 19/Jan/2016 às 12:15
34
Comentários

Youtuber chora após blackface e se justifica: “Sou filha de pai negro”

Para se defender de críticas, youtuber que realizou blackface acompanhada da legenda “Neguinha do Paraguai” argumentou que tem pai negro e “cabelo afro”. Mais tarde, apesar do choro, ela gravou um depoimento que só fez piorar a resposta

Renata blackface racismo negro
A youtuber Renata sem caracterização (esq) e, à direita, caracterizada

“Neguinha do Paraguai”. Essa foi a legenda de uma foto postada pela youtuber Renata Meins, conhecida nas redes sociais pelas suas postagens sobre o ‘universo feminino’, como ela mesma define. As acusações de racismo por conta do ‘blackface’ feito por ela foram imediatas.

A jovem, que tem mais de 300 mil assinantes no Youtube, se defendeu das acusações mais tarde, alegando que é “filha de pai negro, de família negra, logo sou negra”, o que a isentaria da possibilidade de ser racista em sua opinião.

“Sempre me caracterizo com vários tipos de personagem e NUNCA deu problema, foi fazer um negro agora e isso acontece? O negro busca tanto a igualdade e se ofende com uma caracterização?”, pontuou Renata.

O caso da youtuber lembra em muito a polêmica em torno do personagem Africano, interpretado pelo humorista Eduardo Sterblitch no programa Pânico na Band. O personagem foi retratado como alguém que ‘recebe entidades’, que não se comunica de forma civilizada, e era tratado como um ser primitivo. A alta rejeição fez Sterblitch se desculpar e até se afastar do programa, alegando ter ficado deprimido com a polêmica.

Desculpas?

Com base no episódio da youtuber Renata Meins, o jornalista Marcos Sacramento publicou um texto no DCM em que chama a atenção para a dificuldade do brasileiro de admitir o erro. Leia abaixo:

A reação de uma youtuber depois de ser criticada por fazer uma “blackface” no Instagram leva ao questionamento: por que poucas pessoas admitem o erro quando cometem insultos ou gafes racistas?

Com mais de 300 mil assinantes no Youtube e 95 mil seguidores no Instagram, Renata Meins postou uma foto caracterizada de negra após gravar uma paródia do clipe da música “Hello”, de Adele.

A foto, com a legenda “Neguinha do Paraguai”, provocou uma série de comentários acusando-a de racismo. Para se defender, a youtuber argumentou que tem pai negro e “cabelo afro”.

Mais tarde, ela gravou um depoimento que só fez piorar a resposta, apesar do choro, do pedido de desculpas e das revelações de que passou por dificuldades financeiras na infância e o pai alcóolatra morreu de cirrose.

“Eu nunca tinha visto ouvido falar de blackface, agora eu sei né, que pela comunidade negra é proibido pintar-se, se caracterizar de negro. Mas isso não é uma lei, eu não sou obrigada a saber porque não é uma lei, entendeu. Eu fiz na total inocência de como eu já me caracterizei de tantos outros personagens, negro seria só mais um personagem então por não ser lei, eu não sou obrigada a saber que pela lei negra isso é interpretado como racismo”.

Com uma pesquisa rápida no Google, ela descobriria que a blackface não é uma “lei negra”, e sim uma forma de ridicularizar os negros em circos ou espetáculos cômicos surgida nos Estados Unidos durante o século XIX.

Pode até ser considerada “uma forma de arte”, como ela falou no vídeo, porém tem profundas raízes na segregação racial.

Renata poderia se inspirar na resposta de Michel Teló após ele posar com blackface em um protesto contra o racismo. O cantor também se desculpou-se e admitiu que não sabia da existência do recurso, mas sem se alongar no assunto e sugerir que preconceito estava nos olhos de quem o criticou.

Na realidade, a norma é se fazer de vítima e apelar para a resposta clichê de que tudo não passou de um mal entendido, como Fausto Silva fez depois de falar na televisão que a dançarina da cantora Anitta tinha “cabelo de vassoura de bruxa”.

“Brinquei falando que o cabelo era estilo ‘vassoura de bruxa’ porque era um cabelão vermelho. Algumas pessoas que querem transformar a internet em penico começam a achar que aquilo foi racismo. (…) Esse país já está perdendo a graça, a alegria por muitos problemas sérios. Então não vem fazer palhaçada por coisa que não tem”, protestou.

Os ginastas Arthur Nory Mariano, Fellipe Arakawa e Henrique Medina Flores usaram o mesmo expediente quando o vídeo em que aparecem ofendendo o ginasta negro Ângelo Assumpção veio a público.

“Fala galera, gostaríamos publicamente de pedir sinceras desculpas ao nosso amigo Ângelo Assumpção. A brincadeira teve uma proporção muito grande, negativa. Era um momento de brincadeira, e vocês entenderam errado”.

E ainda tem gente acusando os negros de se fazerem de vítimas …

Só Faustão e os rapazes da ginástica podem dizer por que optaram por essas respostas sem-vergonha, mas a fórmula para evitá-las é relativamente simples e foi tema da palestra da consultora em diversidade Vernā Myers no TED.

Para Myers, o caminho para combater o racismo e outras formas de discriminação passa pelo fim da tendência a negar a existência do preconceito.

“Temos que nos livrar da negação. Parem de tentar ser boas pessoas. Precisamos de pessoas verdadeiras. (…) Vão procurar o seu preconceito. Por favor, abandonem a negação e procurem dados de divergência que provarão que, na verdade, seus antigos estereótipos estão errados”.

O conselho é valioso, pois umas das principais reações de quem se mete em encrencas como a de Renata Meins é recusar com veemência o rótulo de preconceituoso. Só não é fácil colocar a ideia na cabeça desse povo.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Celio Pires Postado em 19/Jan/2016 às 12:37

    Se é um vídeo de uma criança se pintando com lama dizendo que queria ser negra, aí é bonitinho... O racismo é um problema sério mesmo por aqui, mas a galera ÀS VEZES pega pesado. Ela realmente não tinha como saber que em 1800 e bolinha se caracterizar como negro era p tirar uma...

    • Danielle Simões Postado em 19/Jan/2016 às 16:29

      "Com uma pesquisa rápida no Google, ela descobriria que a blackface não é uma “lei negra”, e sim uma forma de ridicularizar os negros em circos ou espetáculos cômicos surgida nos Estados Unidos durante o século XIX."

    • Marc Postado em 20/Jan/2016 às 12:06

      ou vc é imbecil ou racista vou torcer pra q vc seja o primeiro caso, pq com URLs como http://www.black-face.com/ dizer q não tinha como saber é ser realmente bem filho da puta, com o máximo respeito q qqr racista merece.

  2. Leticia Cavadas Postado em 19/Jan/2016 às 12:50

    Tenho algumas dúvidas sobre Black fac, a caracterização da YouTuber foi bem diferente do que fez k Michel Telo e os dois são ditos como blackface. Uma pra mim foi bem evidente já a da YouTuber me pareceu um caracterização. Essa caracterização não pode mais? Eu vi o pedido de desculpas da YouTuber, tem coisas ali q não precisavam ser ditas, como a origem dela, desnecessário, mas fiquei feliz por ela ter pesquisado sobre o tema e estar aperta a discussão. Sempre uso como exemplo as declarações da Fernanda Lima quando o assunto é a escolha dela para aquele evento da FIFA e a foto de suas babás negras... Ela sempre se coloca ao léu desses questionamentos, como se tudo fosse absurdo beeeem diferentes dessa YouTuber

    • Felipe Postado em 20/Jan/2016 às 10:05

      Exato.

  3. Rogerio Postado em 19/Jan/2016 às 14:02

    Eddie Murphy sendo negro já se caracterizou de branco e até chinês.

    • Ana Lima Postado em 19/Jan/2016 às 15:00

      Vc não entendeu que é uma questão historica? Que era dessa forma que se humilhavam e ridicularizavam os negros? O que falta ao povo brasileiro é conhecimento,saber as causas.

    • Filipe Postado em 19/Jan/2016 às 15:18

      O pior de tudo são os comentários aqui. Tá pra nascer branco que saiba o que foi ter as pernas e braços presos a correntes.

      • Guilhermo Postado em 19/Jan/2016 às 21:46

        Muitos brancos souberam o que é isso até porque a escravidão não se resume a aquela acontecida nos séculos XVI, XVII... Antes disso houve escravidão em todas as partes do mundo, desde os europeus aos asiáticos, passando pelos nativos americanos. FONTE: A história.

    • simone Postado em 19/Jan/2016 às 15:31

      C. Thomas Howell também fez um filme onde se pintou de preto pra conseguir uma bolsa em uma universidade(Soul mam),é que aqui no Brasil a figura do negro é caracterizada como deboche,como nega maluca,certas musicas e etc.No caso dessa moça ela não fez nada de mais na minha opinião mas é o histórico racista do país que faz o povo não aceitar mais certas brincadeiras.

    • Danielle Simões Postado em 19/Jan/2016 às 16:31

      "Para Myers, o caminho para combater o racismo e outras formas de discriminação passa pelo fim da tendência a negar a existência do preconceito."

  4. José Ferreira Postado em 19/Jan/2016 às 14:50

    As pessoas precisam saber quando uma pessoa se caracteriza como negro e quando uma pessoa faz um "blackface". Creio que ela não tinha a intenção de ofender. Talvez possa ser discutido em relação ao "do Paraguai", pois muitos que são de lá não gostam dessa associação com falsificações (nem a China faz mais isso, pelo menos não com a mesma intensidade).

  5. Juliana Postado em 19/Jan/2016 às 15:08

    São os primeiros a torrar o saco p ganhar uma Graninha fácil em cima disso... São mais racistas que qualquer outro tipo de pessoa...

  6. Dyego Alves Postado em 19/Jan/2016 às 15:09

    E as Branquelas? É racista? Dois negros se passavam por garotas ricas e brancas, estereotipando-as como vadias e burras e todo mundo acha hilário. Claro que sou contra qualquer tipo de descriminação e tem atos que são verdadeiramente absurdos, como jogar uma banana por exemplo... Acho inadmissível.. Mas nesse caso em particular, acho que há uma certa hipocrisia e foi bem exagerado.

    • Rogerio Postado em 20/Jan/2016 às 01:17

      Bem lembrado

  7. Lyn Postado em 19/Jan/2016 às 15:30

    Ninguém pode alegar o desconhecimento da lei para o seu descumprimento. Alegar que não sabia de nada (inocente...) não vale. Está no art. 3º do Decreto-Lei 4.657/42, "Ninguém se escusa de cumprir a lei, alegando que não a conhece."

  8. eduardo de paula barreto Postado em 19/Jan/2016 às 16:40

    .. . TRONCO . Os capitalistas Por serem egoístas Não sabem dividir Querem o mundo todo E exigem que o povo Venha lhes servir. . Odeiam aeroportos cheios E no trânsito gritam: Odeio Esses carros populares! Detestam filas nos cinemas E consideram um problema A Faculdade Zumbi dos Palmares. . Porque acham um absurdo Suas empregadas terem estudo E requererem os seus direitos Querem serviçais acomodados Em cubículos improvisados Como nos navios negreiros. . Se julgam superiores Como se fossem feitores De escravos da atualidade Mas eles são os escravos Porque vivem acorrentados Ao tronco da mediocridade. . Eduardo de Paula Barreto 19/01/2016 .

  9. Viviane Postado em 19/Jan/2016 às 17:31

    Ela não tentou ridicularizar ninguém. Sigo essa moça há algum tempo e não é da índole dela agir com essa intenção. O que ela disse sobre os negros querem igualdade, é verdade. Ela se caracteriza sempre de várias formas e no dia em que é negra isso é ofensivo por que? Eu gostaria sinceramente que alguém me explicasse, porque tenho toda disponibilidade para entender. E creio que ela não devesse se inspirar na resposta de ninguém, não. No máximo, poderia pedir desculpas por causar um desconforto que não imaginou que existisse.

  10. Ana Aquino Postado em 19/Jan/2016 às 18:17

    Eu sou seguidora da Renata e ela sempre se caracteriza para fazer suas paródias, o problema é que as pessoas julgam as outras sem saber o contexto das coisas. Eu sou negra e nem por isso fico ofendida por tudo que as pessoas colocam na mídia. Os que ficaram tão exaltados com a foto deveriam pelo menos conhecer para dar opinião.

  11. bianca Postado em 19/Jan/2016 às 19:52

    bah a frescurite por causa de cor ta tão idiota que é melhor quando ver uma pessoa de outra cor é melhor virar o rosto e fingir que ela não existe pq imadina tudo é tratado como preconceito , então chamar gordo de gordo é preconceito ,é melhor fingir que não viu mesmo, pq eles assumem o preconceito uma vez que aceitam as cotas para universidade, poi é, mas aí e bom ser NEGRO com letra maiúscula

    • Anderson Postado em 20/Jan/2016 às 13:13

      ...quando ver uma pessoa de cor virar o rosto e fingir que ela não existe... Esta é uma das atitudes mais racistas que alguém pode ter com outro ser humano!!! É preguiça de pensar com lucidez, consciência e respeito??? Imagine se as pessoas fizessem isso com você??? Como se sentiria?

    • Thiago Teixeira Postado em 20/Jan/2016 às 23:52

      As pessoas viram a cara para mim desde quando nasci. Talvez você já tenha passado por mim. E nem todo NEGRO se utiliza de cotas para entrar numa universidade.

  12. Jonas Schlesinger Postado em 19/Jan/2016 às 20:10

    Ué, ela é negra sim. Se muita gente diz que Mariah Carey, Beyoncé, Rihanna, Halle Berry são negras, é óbvio que ela tem ascendência negra. Agora a coisa está indo de mal a pior. Negros racistas? Negros atacando outros negros? Xiii. Pra mim não passam de haters, como ratos, têm em todo lugar. Ignore-os, fim.

  13. poliana Postado em 19/Jan/2016 às 20:30

    afffffffffffff!!!!!!!!!!!!!!!! q doença!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  14. Ueder Cardoso Postado em 20/Jan/2016 às 03:57

    Muda-se para Europa. Aqui não é seu país. Aqui, os brasileiros, tem sangue da diversidade cultural. Isso é histórico.

  15. Ueder Cardoso Postado em 20/Jan/2016 às 04:00

    Deveria haver protestos pela web também. Se alguém comete gafes em publicações no blog ou no youtube. Perde inscritos e seguidores. Assim, vamos ver vai render o trabalho racista.

  16. Priscila Postado em 20/Jan/2016 às 09:27

    O brasileiro e o problema sério de interpretação de texto....os comentários me dão pena, como saíram da ignorância, sem saberem interpretar.

  17. Robeto Pedroso Postado em 20/Jan/2016 às 09:58

    sugestao de filmes para entender pensar e refletir sobre o assunto: Dear White People, A Hora do Show (Bamboozled), Quanto Vale ou É por Quilo?, e o classico Faça a Coisa, confiram vale a pena.......

  18. luis Postado em 20/Jan/2016 às 16:24

    Olha os inimigos que a esquerda inventa... Força Renata! Resista ao ódio esquerdista que é já que eles inventam outro espantalho para encher!

    • Thiago Teixeira Postado em 20/Jan/2016 às 23:47

      Isso!!!! Força Renata!!!! Continue a difamar a minoria esquerdista, pobre e negra desse país nojento. Você é mais linda de calo liso e loiro, dane-se os Nazinegristas! RACISMO É MI MI MI!!!!!! PARABÉNS.

      • luis Postado em 21/Jan/2016 às 09:50

        Essa pobre menina trabalhadora virou o novo Hitler na cabeça oca esquerdista deste país...

  19. luiz a s monjelo Postado em 21/Jan/2016 às 10:15

    a pergunta simples é se não foi preconceito e se é negra porque se caracterizar de negra ???

  20. luiz a s monjelo Postado em 21/Jan/2016 às 10:16

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  21. Caio Postado em 01/Feb/2016 às 22:54

    Nada a ve