Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 30/Jan/2016 às 14:07
48
Comentários

Antropólogo derruba a ideia de que no Brasil há democracia racial

Doutor em Ciências Sociais da Universidade de São Paulo (USP) reforça que o Brasil possui um quadro ‘gritante’ de discriminação. Acha exagero? Não é o que mostram os números. Professor se aprofunda na crença de setores da sociedade brasileira de que ‘não existe racismo’ por aqui e de que tudo não passa de ‘vitimização’

Racismo democracia racial mito Brasil
O professor Kabengele Munanga (divulgação)

Thiago de Araújo, BrasilPost

Ainda hoje há, no Brasil, quem negue a existência do racismo. Discussões sobre questões raciais não surpreendem o antropólogo congolês Kabengele Munanga. Aos 73 anos, o doutor em Ciências Sociais e professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP) sempre reforça que o Brasil possui um quadro ‘gritante’ de discriminação. Acha exagero? Não é o que mostram os números.

“Os dados mostram que, à véspera do Apartheid, a África do Sul tinha mais negros com diploma de nível superior do que no Brasil de hoje”, afirmou Munanga, em audiência pública promovida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 2010. O debate girava em torno das políticas de acesso ao ensino superior. Os opositores anunciavam que o País estava prestes a viver uma ‘guerra racial’. Não foi o que se viu.

“Não houve distúrbios, linchamentos raciais em nenhum lugar. Não apareceu nenhum movimento ‘Ku Klux Klan’ à brasileira”, comentou o antropólogo. “O que se busca pela política de cotas para negros e indígenas não é para terem direito às migalhas, mas sim para terem acesso ao topo em todos os setores de responsabilidade e de comando na vida nacional onde esses dois segmentos não são devidamente representados, como manda a verdadeira democracia”.

Mas e a tão conhecida ‘democracia racial’, nascida pelas mãos de Gilberto Freyre? Antes de mais nada, é preciso compreender do que se trata o preconceito. O professor Munanga assim define o termo:

“Preconceito como o próprio termo diga preconceito é uma ideia preconcebida, um julgamento preconcebido sobre os outros, os diferentes, sobre o qual nós mantemos um bom conhecimento. E o preconceito é um dado praticamente universal, pois todas as culturas produzem preconceito. Não há uma sociedade que não se define em relação aos outros. E nessa definição acabamos nos colocando em uma situação etnocêntrica, achando que somos o centro do mundo, a nossa cultura é a melhor, a nossa visão do mundo é melhor, a nossa religião é a melhor, e acabamos julgando os outros de uma maneira negativa, preconcebida, sem um conhecimento objetivo. Isso é o preconceito, cuja matéria prima são as diferenças, sejam elas de cultura, de religião, de etnia, de raça no sentido sociológico da palavra, de gênero, até de idade, as econômicas. Todas as diferenças podem gerar preconceitos”.

Na mesma entrevista, concedida à Boa Vontade TV, o congolês se aprofundou na crença de setores da sociedade brasileira de que ‘não existe racismo’ por aqui. De que tudo não passa de ‘vitimização’. Nada disso é surpreendente, de acordo com ele.

“Cada país que pratica o racismo tem suas características. As características do racismo brasileiro são diferentes. Por que o brasileiro não se considera racista ou preconceituoso em termos de raça? Porque o brasileiro não se olha no seu espelho, nas características do seu preconceito racial. Ele se olha no espelho do sul-africano, do americano, e se vê: ‘olha, eles são racistas, eles criaram leis segregacionistas. Nós não criamos leis, não somos racistas’. Tem mais: tem o mito da democracia racial, que diz que não somos racistas”.

Nem mesmo pessoa flagrada em um ato de racismo vai admitir. E isso é esperado, pelo menos no Brasil.

“Esse mito (da democracia racial) já faz parte da educação do brasileiro. E esse mito, apesar de desmistificado pela ciência, a inércia desse mito ainda é forte e qualquer brasileiro se vê através desse mito. Se você pegar um brasileiro até em flagrante em um comportamento racista e preconceituoso, ele nega. É capaz dele dizer que o problema está na cabeça da vítima que é complexada, e ele não é racista. Isso tem a ver com as características históricas que o nosso racismo assumiu, um racismo que se constrói pela negação do próprio racismo”.

Recentemente, foi acalorada a discussão a respeito da Base Nacional Comum Curricular (BNC) gerou muita discussão – e críticas –, sobretudo no que diz respeito ao ensino da história, que passaria a privilegiar temas envolvendo Brasil, Américas e África, em detrimento à Antiguidade Clássica e à Idade Média. Mais uma vez, o movimento parece esperado, de acordo com o que Munanga pensa acerca da presença africana e negra no contexto nacional.

“O brasileiro gostaria de ser considerado como europeu, como ocidental. Isso está claro no sistema de educação. Nosso modelo de educação é uma educação eurocêntrica. A escola é o lugar onde se forma o cidadão, onde se ensina uma profissão. Há escolas que sabem lidar com os dois lados da educação: ensinar a cidadania e a profissão. A história que é ensinada é a história da Europa, dos gregos e dos romanos. No entanto, quem são os brasileiros? Os brasileiros não só descendentes de gregos e romanos, de anglo-saxões e de europeus. São descendentes de africanos também, de índios, e descendentes de árabes, de judeus e até de ciganos. E se olharmos o nosso sistema de educação, onde estão esses outros povos que formaram o Brasil? Então, há um problema no Brasil, além de essas pessoas serem as maiores vítimas da discriminação social, no sistema de educação formal elas não se encontram, elas são simplesmente ocidentalizadas, são simplesmente embranquecidas.

Se colocarmos as questões: “quem somos, de onde viemos e por onde vamos?”, vamos ver que o Brasil nasceu do encontro das culturas, das civilizações, dos povos indígenas, africanos que foram deportados e dos próprios imigrantes europeus de várias origens. Comemoramos os cem anos da imigração japonesa, e fala-se mais dos cem anos da imigração japonesa do que dos 600 anos da abolição. Não tenho nada contra isso, mas fala-se muito pouco da abolição. Então, se queremos saber quem somos, devemos conhecer todas as nossas raízes, aqueles povos que formaram o Brasil, alguns dizem que somos um país mestiço, mas essa mestiçagem não caiu do céu. Já que não queremos reconhecer a diversidade das coisas, suponhamos que sejamos todos mestiços, vamos pelo menos estudar as raízes da nossa mestiçagem, isso faz parte da nossa cultura. Mas o brasileiro não se incomoda, o brasileiro quer se ver como europeu ocidental, parece que o brasileiro não se enxerga”.

Há avanços, mas o caminho é longo para que a diversidade prevaleça, assim como a igualdade de oportunidades no Brasil. Para o professor da USP, cada preconceito demanda o seu próprio antídoto. No caso do racismo, é ilusório esperar que ele venha pelo caminho das leis. Não, o campo de combate está sediado na sala de aula, desconstruindo mitos até mesmo para quem é vítima neste processo e aceita tal condição.

“Preconceitos são muitos, por isso você não pode ter uma formula geral para combater todos os preconceitos. Em primeiro lugar, você não se combate com a lei, que combate os comportamentos concretos que podem ser observados, flagrados e punidos. Os preconceitos são em um terreno em que você não combate com a leis, por isso a educação é importante. A educação é um dos caminhos para combater os preconceitos, não as leis”.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Eduardo Ribeiro Postado em 30/Jan/2016 às 20:07

    Você é burro, é safado, é cego ou é apenas troll mesmo? Situe-se numa das 4 opções para eu saber como te tratar.

    • José Ferreira Postado em 30/Jan/2016 às 22:18

      Vai bater no cara, seu brigão. Não se constrói um argumento quando que chama outra pessoa de "burro", "safado" e outros.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 31/Jan/2016 às 08:38

      Pouxa, que revolta...o coxinha anagrama da encarnação do mal supremo do Brasil hoje, encarnação de tudo de ruim que existe no mundo, e o Istoriador Sem H, cuja vida é severamente abalada toda vez que uma matéria sobre racismo vem pro ar. Fico feliz, incomodei pessoas certas. Jovens, eu fiz uma mera constatação. Ninguem precisa ser "ui educado" para fazer constatações técnicas e objetivas como a que eu fiz. E eu não tive a mínima intenção de "aaiiinnn construir argumento"...minha intenção é constatar. Existe interlocutor para eu "debater" por acaso? Pra que eu vou perder tempo construindo argumento com quem não o fez em nenhum momento? "Vitimização" é argumento agora? Ou é uma palavra maldita que fala demais sobre carater, igual "mortadela"? Construir argumento com quem é inescapavelmente ( ) burro, ( ) safado, ( ) cego ou ( ) troll? Não sejam burros. É preciso ser muito ingênuo pra achar que um cidadão que vomita ódio e preconceito em suas palavras, que nega o racismo e que usa a palavra "vitimização", precisa ser adulado, acariciado, abordado com "voz de criança" pra não ofender, e gentilmente convencido. Não há diálogo com fascista, vocês ainda não aprenderam.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 31/Jan/2016 às 21:05

      Narinho anagrama do fascista supremo do Brasil segue confundindo a ação do opressor com a reação do oprimido. Tem jeito não....

    • Eduardo Ribeiro Postado em 31/Jan/2016 às 21:09

      E Rodrigo...vi opinião nenhuma, menino...opinião é "azul é mais bonito que verde" ou "sorvete de chocolate é mais gostoso que de morango". Falar de vitimismo no contexto de racismo não é opinião, é bostejada, é safadeza. Agora, DUPLA safadeza, porque esconde o próprio preconceito atrás do "direito a opinião". Equivale a um "aaaiiiinnnnn nem direito de ser racista eu tenho mais". A não ser que você não seja safado. Por isso perguntei e não obtive resposta. O que você é? ( ) burro, ( ) safado, ( ) cego ou ( ) troll?

    • eu daqui Postado em 01/Feb/2016 às 13:12

      Vc não chega nem a burro pra ter que xingar por não suportar divergencia. Vai fazer revolução, fracassado !

    • Eduardo Ribeiro Postado em 01/Feb/2016 às 14:37

      Não vi divergência. Já gabaritei a respeito. Já passei a informação. Vocês me trazem de volta a conversa para andar em círculos. Já ensinei: divergência é outra coisa. Negar o racismo é negar fato. Negar o racismo é tipo negar que no céu tem uma esfera brilhante amarela quente pra caramba a que um dia atribuiram o nome de Sol. Quem nega o Sol é o que? Tem cabimento falar de "divergência" com um maluco que dá a entender que "não tem bola quente amarela nenhuma no céu, isso é invenção sua"? De forma que negar o racismo não é divergência. Vocês tem que parar de falar de "divergência/opinião" onde NÃO CABEM estes conceitos. Negar o FATO racismo e falar, dentro do contexto do FATO racismo, de "vitimismo" e de "extrema miscigenação" - COMO SE FOSSE INDISCERNÍVEL UM NEGRO DE UM BRANCO NA SOCIEDADE BRASILEIRA, "É TUDO A MESMA COISA, ESTAMOS MISCIGENADOS AO EXTREMO" - , aí é uma das 4 opções que eu dei e ninguém marcou o X ainda: ( ) burrice, ( ) safadeza, ( ) cegueira ou ( ) trollagem.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Feb/2016 às 10:52

      Ah...você não leu? Vou relembra-lo, menino-anagrama. O PROBLEMA DO BRASIL NÃO É RACIAL. Está lá escrito. Suba a tela e você lerá a afirmação do jovem Rodrigo na qual ele NEGA COM EXTREMA CLAREZA haver no Brasil um problema de racismo. Mais: O BRASIL É EXTREMAMENTE MISCIGENADO E POR SER MISCIGENADO NEGROS E BRANCOS SÃO INDISCERNÍVEIS, PORTANTO TRATAR A HIPÓTESE DE RACISMO COMO REALIDADE É VITIMISMO. Está escrito lá também, preto e branco é tudo igual, então quem reclama de racismo está se fazendo de vítima, pois como pode haver racismo se são todos iguais porque miscigenados ao extremo? É deveras curioso como em poucas palavras o cidadão lá conseguiu dizer tanta coisa, né? Deixe de preguiça, role a tela pra cima e releia, com atenção. Se tiver mais alguma dúvida de interpretação de texto me avise, eu ensino você.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Feb/2016 às 16:01

      "O problema do Brasil não é racial, é principalmente socioeconômico". Se ele quisesse dizer que o problema racial é um problema menor que o socioeconômico, ele diria que "o problema do Brasil é mais socioeconômico e menos racial", ou "o problema do Brasil é principalmente socioeconômico, não obstante o problema racial". Há mil maneiras de se colocar na balança um e outro fator, e escrever uma frase de 2 linhas colocando um problema mais preponderante do que o outro. Mas esse garoto optou por NEGAR o racismo. Desculpa, Anagrama. O "não" nega o racismo. Pelo modo como ele construiu a frase, o "não" matou ele e matou você. O "não" inclusive tirou o racismo como um dos problemas do Brasil. Reescrevendo a frase imbecil: """O Brasil tem um problema principal, que é socioeconomico, e tem outros problemas menores, entre os quais o racismo não é um deles""". Como plus, para confirmar minha visão vitoriosa, ele afirma que somos "extremamente miscigenados enquanto nação", cenário no qual o racismo, segundo ele, é mera HIPÓTESE. Se é hipótese, é porque.........tcharan!!!! Não existe. Se ainda lhe restar alguma dúvida sobre interpretação de texto, ou sobre intenções obscuras de um racista fazendo malabarismo argumentativo para não parecer que ele é racista, me chame de novo.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Feb/2016 às 16:54

      Rodrigo diz: Racismo = NÃO = mera hipótese. Naro diz: Rodrigo não nega o racismo. E eu que estou fragorosamente errado. Tá sertinhu então...

    • Isis Postado em 12/Feb/2016 às 21:41

      Perfeito. Acho que ele é um imbecil iletrado.

    • Isis Postado em 12/Feb/2016 às 21:41

      Perfeito. Acho que ele é um imbecil iletrado.

  2. Lann Postado em 30/Jan/2016 às 21:42

    Sem demagogias. Defendemos os nossos. Ninguem ta nem ai pro próximo. Essa é a verdade. Somos animais tentando passar por cima dos instintos para superar as diferenças sociais. Negros, Brancos, Indios, Indianos, Japoneses, Árabes, o escambal, ninguém se gosta e quem saiu na frente lá atrás se da melhor hj em dia.

    • Thiago Teixeira Postado em 01/Feb/2016 às 09:47

      Eu gosto de loiras, orientais, ruivas, branquinhas, mulatas, negras, indiazinhas, e todo qualquer tipo de mulher cheirosa. Quem se limita a raça não é gente, e sim um animal (e côrno).

  3. Rogerio Postado em 30/Jan/2016 às 22:07

    O aumento de negros nas universidades aumentou a criminalidade nesse meio?

  4. Claudia Postado em 30/Jan/2016 às 23:54

    Sua negação do óbvio confirma o que o antropólogo disse acima.

  5. Jonas Schlesinger Postado em 31/Jan/2016 às 21:42

    Verdade seja dita: há mais fatos concretos do que vitimismo. Uma vez eu tinha uma mente fechada, hoje vejo que vitimização parte de pouquíssimas pessoas que querem se aproveitar à custa de alguma causa das minorias. O fato é que tirando 1% de vitimização, o que sobra? 99% de quê? Mas os trouxas querem acreditar que é 99% de vitimização. É lastimável quando preto não tem a mesma oportunidade que branco, e ainda leva tiro nas costas pela polícia QUE DIZ QUE A ARMA ESCORREGOU. E que os pastores condenam dizendo que vão para o inferno. Por isso quando surge um ditador preto que nem o da Guiné eu não sinto pena da população, acho é bem feito. Séculos de exploração européia em terras africanas dá nisso.

    • Leonardo Postado em 01/Feb/2016 às 12:18

      "Por isso quando surge um ditador preto que nem o da Guiné eu não sinto pena da população, acho é bem feito" Mas população da Guiné tbm eh preta.

      • José Ferreira Postado em 01/Feb/2016 às 22:11

        A população da Guiné é negra. "Preto" é a ausência de luz, ou seja, não é cor. O negro é cor.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Feb/2016 às 10:28

        """"""""Vou apontar uma diferença irrelevante entre duas palavras que apontam pro mesmo aspecto no também irrelevante contexto léxico, depois vou supervalorizar essa suposta diferença com ares de sabedoria e intelectualidade, tudo para emular uma preocupação com o secular racismo do Brasil, preocupação essa que eu na verdade não tenho...e ninguém vai perceber minha estratégia...hihihi eu sou muito esperto""""""""

      • José Ferreira Postado em 02/Feb/2016 às 11:51

        Não é irrelevante, caro Eduardo Ribeiro. O termo "preto" é aceito para identificar a cor de um pneu (apesar de não ser uma cor), e o termo "negro" é o adequado para identificar algo do mundo natural (como os seres humanos). Não é uma "viagem".

      • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Feb/2016 às 14:28

        Eu apenas desnudei sua estratégia. Não fui eu quem disse que é "viagem". Pior pra você: quem disse foi o anagrama do Bolsonaro (!!!!!!!!!!!!!!!!!!). Também pudera: todo esse malabarismo desgraçado para dizer absolutamente nada...mil voltas para forçar um profundo significado de algo que não tem o menor valor, que tem relevância zero, abaixo de zero...relevância negativa...e sem esquecer que é apenas um simulacro, uma pantomima. """""""""Vejam como me preocupo profundamente com racismo...trabalho fortemente na desmistificação da palavra "preto" no léxico brasileiro e na sua inequívoca inadequação no âmbito da delimitação dos grupos étnicos brasileiros, haja vista que nem mesmo trata-se de uma cor...estou portanto na linha de frente no combate ao racismo"""""""""""".....pare de passar vergonha, Istoriador.

      • José Ferreira Postado em 02/Feb/2016 às 15:43

        Caro Eduardo Ribeiro. O que eu disse é apenas uma questão técnica, e não sou um "pioneiro" por conta disso. A minha resposta é para o Naro e para você. Você pode julgar isso irrelevante, mas outras pessoas não pensam desse modo.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Feb/2016 às 16:05

        Uma ótica puramente técnica de "paleta de cores" no contexto do racismo e da democracia racial. Profundamente relevante. Parabéns, Istoriador.

  6. Carlos Postado em 31/Jan/2016 às 22:08

    https://www.youtube.com/watch?v=GOuv1hw5GII Filosofo acabando com o vítimismo da esquerda, que é uma verdadeira fabrica de criminosos.

    • eu daqui Postado em 01/Feb/2016 às 13:10

      Tosd vitimismo é fabrica de criminoso, não só o da esquerda.

    • Bruno Ferreira Postado em 04/Feb/2016 às 14:02

      Cara, vai ser boçal noutro lugar, pqp velho

  7. Thiago Teixeira Postado em 01/Feb/2016 às 09:44

    Concordo. Esse Antropólogo (como deixaram esse cara virar doutor não é mesmo?) é um nazinegrista. Todas as capas de revistas (Nova, Marie Clarie, Contigo ...) são negras, a gente liga no Globo Rural e os donos de fazenda são todos negros, técnicos de futebol, pilos de avião, diretores de empresas, juízes, delegados, médicos, dentista ... só negão. É tudo mimimi esse racismo, que vão pro inferno os vitimistas, o BRASIL é uma miscigenação exemplar. E depois chamam a gente de coxinha, cada uma ...

    • Zeca Rodrigues Postado em 01/Feb/2016 às 23:10

      grandes merda aparecer nas capas dessas revistas do mundo branco. isso não quer dizer nada, rapaz. entra num restaurante e me explica por que os brancos estão todos sentados sendo servidos e o "resto" tá atrás do balcão. é por mérito, né mesmo?

    • Thiago Teixeira Postado em 02/Feb/2016 às 06:51

      Sério???? Nos restaurantes só tem brancos sendo servidos???? Onde? Que pais você se refere? No Brasil pelo que sei, ao entrar numa churrascaria de 79,99 por pessoa só tem negão. Deixa de ser vitimista, afrocoitadista e revanchista. (aconselho a ler um texto duas vezes antes de fazer uma reação, má interpretação leva a nota zero).

    • Zeca Rodrigues Postado em 02/Feb/2016 às 10:20

      olha, francamente não vejo isso. mas se vc vê... aqui no Catete RJ, não rola essa. Vem cá, vc já viu aquele filme Histórias Cruzadas? O que achou?

    • poliana Postado em 02/Feb/2016 às 15:08

      zeca, ele foi irônico!!!!!!!!

    • Zeca Rodrigues Postado em 03/Feb/2016 às 16:40

      tem razão, Poliana! Desculpe, Thiago.

    • Thiago Teixeira Postado em 04/Feb/2016 às 18:19

      Zeca, Poli, entrem nesse site e vão descobrir porque as vezes eu escrevo ironicamente, é muito engraçado, é a SAGA DOS HOMENS BONS kkkkkkkkkkk altas rizadas! http://www.hariovaldo.com.br/site/

  8. eu daqui Postado em 01/Feb/2016 às 13:09

    ESSA ideia que ele pensa ter derrubado há muito já estava bem derrubada: democracia racial tem não. Tem é racismo sim. E vitimismo também.

  9. Cecimila Calc Postado em 01/Feb/2016 às 16:57

    Pegar uma minoria quase insignificante e usar como argumento pra desmoralizar uma realidade é um recurso fascista, altamente ludibrioso e cruel. Essa expressão mimimi é um retrocesso no avanço do respeito ao próximo, porque ela só serve pras pessoas desmoralizarem os sentimentos alheios. E esse papo de vitimização tem sido fortemente relacionado a qualquer tentavida de alteração do status quo.

  10. Cecimila Calc Postado em 01/Feb/2016 às 16:58

    Que o negro continue ignorante e pobre... Que as mulheres continuem trancadas em casa sendo exploradas, que os gays continuem dentro de seus armários com medo e vergonha. Isso é o que as pessoas que falam de mimimi e de vitimização querem!!!

    • poliana Postado em 02/Feb/2016 às 15:15

      discurso demagógico e vazio! no plano utópico é tudo muito lindo! isso todo mundo quer (será mesmo?)! agora no mundo real, efetivar esse "sonho", ainda q fosse uma realidade, levaria anos pra obtermos os resultados. até lá, a triste realidade das minorias continuaria? tornarem reais as políticas afirmativas é"tapar o sol coma peneira"ou vitimismo?

    • poliana Postado em 02/Feb/2016 às 19:29

      naro...dizer q o país precisa de educação de qualidade, é fazer um discurso demagógico e vazio sim! isso é algo ÓBVIO! é claro q precisamos de uma educação de qualidade, uma saúde pública de qualidade e qq outro serv público de qualidade! olha q discurso lindo! é claro q qq nação necessita dessas coisas! ocorre q pra atingirmos a excelência na educação, precisaríamos de anos de investimentos. o japão e a coreia do sul fizeram isso em 50 anos! agora imagine q nosso paós fosse como o japão, nossos políticos fossem sérios e decidissemionvestir no ensino público. teríamos os mesmos resultados q os países mencionados a longo prazo, tlvz tb em 50 anos...e ATÉ LÁ, O Q FAZER??? e a geração atual? e a próxima geração daki há alguns anos?! vão continuar refém dessa sociedade tão desigual?! e vc diz q políticas afirmativas é algo demagógico? olhe qtos países de 1º mundo adotaram tais políticas há anos pra tentar diminuir tais desigualdades...veja o exemplo dos eua...mas aki no brasil é demagogia concretizar tais políticas? é comprar votos pra se perpetuar no poder?

    • poliana Postado em 02/Feb/2016 às 19:31

      e mais uma vez vc vem dizer q eu sou petista lacradora e idolatro lula e dilma..vc só pode estar doente!!!! realmente, vc falar assim é de uma má fé impressionante! quero q vc ache um post meu aki idolatrando lula e/ou dilma! vc só sabe me citar fora de contexto (o q já demonstra sua má fé) e inventar o q n existe!! idolatria né comigo, querido! tampouco com políticos! com raríssimas exceções como mandela e o pepinho, os demais tem o meu total repúdio!

    • Jonas Schlesinger Postado em 03/Feb/2016 às 03:02

      Eu shipo o Naro com a Poliana. Nariana ou Poliaro.. Do ódio nasce o amor.

    • poliana Postado em 03/Feb/2016 às 15:40

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!! e o naro já disse uma vez q eu era a mulher perfeita pra casar! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...bjo narinho...vc n respondeu a minha colocação, mas ok.

    • poliana Postado em 04/Feb/2016 às 14:01

      oi??? eu n reconheço os erros do pt??? eu vou votar em lula em 2018??? pq eu disse q enqto a polarização pt x psdb existir,vou votar no pt, vc acha isso idolatria? eu já disse aki q meu candidato em 2018 é o ciro gomes. onde vc viu q eu vou votar em lula?? vc só pode estar doido,namoral! e qdo disse q vc n respondeu meu post, foi o anterior, falando das políticas afirmativas...enfim...

  11. Zeca Rodrigues Postado em 01/Feb/2016 às 23:34

    me diz uma coisa: você sentaria pra ver o documentário da Nina Simone? acho que não, né?

    • Zeca Rodrigues Postado em 03/Feb/2016 às 22:07

      rapaz, desse jeito marrento que você se expressa já dá pra ver que não tem discussão, que é dono da verdade, mas qual verdade né? Pode até ser dor na consciência tb, mas isso é uma coisa que a direita jamais sentiu, ao que parece. E com o tempo os postos serão preenchidos, as coisas caminhando como estão, não vai demorar a acontecer, é o que se espera, mas sem essas suas certezas, que já sabemos aonde nos levam...

  12. poliana Postado em 05/Feb/2016 às 00:23

    Naro, pq eh tão difícil pra vc entender q entre pt e psdb, eu e tantos outros milhões, inclusive VC, votamos no menos pior? Eram as opções q tínhamos...vc queria o q? Nem vc conseguiu anular seu voto! Votei bo pt por falta de opção e por ser anos luz menos pior q o psdb! Mas se vc acha q isso eh uma questão de idolatria, aí são outros 500. E sim, minha opção pra 2018 eh o ciro gomes. Agora se ele se aliar ao psdb e apresentar o msmo programa de governo desse partido, como fez a marina silva, obviamente n terá o meu voto! Mas por ora, ele eh sim a minha 1* opção em 2018.

    • poliana Postado em 06/Feb/2016 às 14:09

      naro, certamente se "comemorei", foi visualizando a disputa entre o lula e o aécio, ou o alckimin, ou o serra, ou qq outro candidato TUCANO! como já afirmei várias vezes, dentro desse cenário POLARIZADO, SIM, votarei no pt. MAS PSDB, JAMAIS! eu n insisto com o pt, votei no pt nas últimas eleições, assim como vc! nas próximas, em 2018, são outros 500!! vc acha q é o pt q dá prejuízo ao país!? o psdb está tudo ok, né?! esse discurso é extremamente demagógico, como se somente no pt existe corrupção e ele é o responsável por todas as desgraças históricas q assolam o país!!! RECONHECER SEUS MÉRITOS NINGUÉM QUER, NÉ?! mas enfim, realmente, essa discussão é falida, vamos parar mesmo...

  13. Hilton Postado em 08/Feb/2016 às 19:21

    Excelente trabalho que o Doutor Kabengele Munanga vem fazendo. Parabéns!!! O Brasil tem uma longa batalha contra essa desigualdade que é vista da Lua. Você tem com certeza milhões de brasileiros gratos pela sua dedicação e excelência.