Redação Pragmatismo
Compartilhar
Religião 29/Jan/2016 às 08:52
3
Comentários

O avanço das religiões nas concessões públicas

religiões televisão concessão pública estado laico

Helena Martins e Bia Barbosa, Geledés

A maioria da população brasileira não sabe, mas o espaço ocupado pela transmissão dos sinais de rádio e televisão é público, o que dá às emissoras o dever de respeitarem, em sua programação, os princípios constitucionais. E o Brasil é um Estado laico. Não é demais, portanto, esperar que a programação do rádio e da TV não privilegie nenhuma religião e tampouco seja espaço para o proselitismo religioso.

Porém, se você já cansou de “zapear” em busca de conteúdo não-religioso na TV, prepare-se para usar ainda mais o controle remoto. Desde 2012, a Rede Globo tem estabelecido uma forte parceria com o setor evangélico, o que foi expresso na cobertura do musical “Festival Promessas”, na contratação de artistas gospel para a gravadora do grupo, a Som Livre, e na inclusão de personagens evangélicas na teledramaturgia – Ivone (Kika Kalache), de “Cheias de Charme”, e Dolores (Paula Burlamaqui), de “Avenida Brasil”. Líderes evangélicos reunidos em 2012 com a maior emissora do Brasil pediram mais: uma heroína evangélica no horário nobre.

A parceria com a emissora é mais uma mostra da penetração das igrejas na mídia, um fenômeno que não é recente, mas que ganha proporções cada vez mais significativas. Levantamento realizado por Figueredo Filho, apoiando-se em dados de 2006, revela que 25,18% das emissoras de rádio FM e 20,55% das AM nas capitais brasileiras são evangélicas – muitas neopentecostais que, hoje, concorrem com a Igreja Católica, antes liderança no número de altares eletrônicos.

Leia também:

Proposta que transforma religiosos em seres “intocáveis” volta a tramitar
“Países com democracias laicas são mais prósperos, felizes e saudáveis”

Dados divulgados pela Folha de São Paulo revelam que o “televangelismo”, hoje, ocupa 140 horas semanais da TV brasileira. A Rede TV, líder na programação religiosa, vende 46h de sua programação semanal para igrejas; já a Record, da Igreja Universal, disponibiliza 32h. O terceiro posto deste ranking é ocupado pela Band, com 31h. Levantamento realizado pelo Intervozes denuncia casos como o do Canal 21, também do grupo Bandeirantes, que arrenda 22 horas diárias de sua programação à Igreja Mundial do Poder de Deus.

Já o poder público tem se eximido de enfrentar os interesses das igrejas e garantir que o sistema de comunicação não sirva ao proselitismo religioso. A ausência de ações dá-se mesmo quando esses grupos usam seus representantes no Congresso Nacional para manter e até mesmo ampliar suas redes de comunicação. Nesses casos, a tríade comunicação, religião e política mostra todo o seu poder de sustentação ideológica, política e econômica. E parlamento e mídia viram espaços para a publicização de discursos baseados no tradicionalismo, na defesa da família e da moral cristã.

Na esteira do fortalecimento do conservadorismo da sociedade, pautas históricas como o aborto, o casamento civil de pessoas do mesmo sexo e, ainda, a democratização dos meios de comunicação continuam interditadas no debate público. Essa situação faz com que seja urgente inscrever, na agenda dos movimentos sociais, a luta contra o conservadorismo e em defesa da pluralidade e da diversidade na mídia – inclusive de credos.

É este um dos objetivos do Projeto de Lei de Iniciativa Popular por uma mídia democrática, que pretende coletar mais de um milhão de assinaturas por um novo marco regulatório do setor no país. Do contrário, veremos os espaços públicos serem ocupados por setores que desconhecem os avanços políticos conquistados por grupos que foram, historicamente, oprimidos, mas que há tempos lutam por uma sociedade igualitária e livre de todo preconceito.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Rogerio Postado em 30/Jan/2016 às 21:39

    Estado laico não é estado ateu. Não há uma religião oficial porque todas são oficiais. Programação católica, evangélica, espírita, etc... Tem todo o direito à se expressar na TV. A mesma mídia que dá espaço aos religiosos da espaço aos LGBTQXYZE=MCAOQUADRADOPUTAQUEPARIUCADAVEXBOTAMAISLETRA. Já teve novela espírita A Viagem. Já teve novela muçulmana O Clone. Os dez mandamentos foi record da Record. O povo não aguenta mais beijo gay é patifaria. O povo quer programas religiosos. Muito melhor do que BBB e A Fazenda. Porque não reclamar dessa palhaçada? Só mostra mulher como objeto. Isso é correto para o estado laico? Se há audiência é porque o povo pede. Porque o CQC faliu? Casseta e planeta? Porque o povo não quer mais porcaria.

    • Rogerio Postado em 01/Feb/2016 às 15:39

      *Beijo gay E patifaria. o corretor acentuou.

  2. Jonas Schlesinger Postado em 31/Jan/2016 às 22:22

    Lamentável isso. Política e religião são que nem a água e o óleo, nunca se misturam. Isso é evidente desde os primeiros séculos depois de Cristo aos nossos tempos com os sunitas da Arábia e passando pelo fundamentalismo da igreja evangélica latino americana.