Nicolas Chernavsky
Colaborador(a)
Compartilhar
Direita 19/Jan/2016 às 16:19
4
Comentários

O antipetismo não pode vencer o Judiciário

pt ódio direita justiça

Nicolas Chernavsky*

Cada vez mais fica mais claro que o Poder Judiciário está se tornando a válvula de escape para setores de conservadorismo especialmente antipetistas tentarem acabar com o PT. Esta atitude do antipetismo decorre do fato de que as vias eleitorais-democráticas não fornecem perspectivas suficientemente concretas de que o PT, que já liderou o progressismo em 4 vitórias seguidas nas eleições para presidente, será derrotado nas eleições presidenciais de 2018. A existência de Lula dá aos setores mais atrasados do país a convicção de que se o PT existir, Lula provavelmente vencerá, deixando o progressismo pelo menos 20 anos ininterruptos na presidência. Quem acompanha a evolução da pirâmide social brasileira de 2003 para cá sabe que o Brasil passa por uma revolução progressista. O antipetismo não vê outra alternativa a não ser fechar o PT através do Judiciário. Mas a democracia tem outros planos.

Leia aqui todos os textos de Nicolas Chernavsky

O Judiciário brasileiro tem inúmeros integrantes que querem que sua instituição cumpra as leis, em vez de ficar tentando destruir um partido político por razões políticas e não legais. Tendo a crer que essas pessoas, inclusive, não costumam simpatizar com o PT, apesar de algumas fazerem-no. O Judiciário não é como o Executivo e o Legislativo, os quais têm na disputa político-partidária a sua razão de ser e sua legitimidade; o Judiciário perde sua razão de ser e sua legitimidade quando toma partido na disputa político-partidária. Pra isso não se precisa de Judiciário, pois já temos os políticos para isso.

Leia também: Por que escândalos de corrupção envolvendo tucanos não avançam na Justiça?

Os juízes, desembargadores e ministros do Judiciário chegam a seus cargos pelos mais variados processos; seja por indicação política, por indicação de instituições do Estado ou por concurso público. Independente de como chegaram lá, os integrantes desse Poder da democracia brasileira estão imersos em um jogo de forças em que parecem ter que escolher entre serem petistas ou antipetistas, quando existe uma terceira opção: ser um juiz. Examinar a verdade factual, rejeitar os preconceitos e julgar à luz da lei. E ter coragem de inocentar um petista se assim lhe parecer correto.

*Nicolas Chernavsky é jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP), editor do CulturaPolítica.info e colaborador do Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. gustavo0 Postado em 19/Jan/2016 às 17:32

    Não se trata de antipetismo nem falta de coragem, acontece é que anda difícil a inocência de um petista lhes parecer o correto, não há nada que se possa fazer se algumas pessoas decidiram fazerem o que fizeram e se tornarem o que são. Concordo quanto ao fato de que os setores mais atrasados do país tem a convicção de que em 2018 Lula vencerá.

    • Thiago Teixeira Postado em 21/Jan/2016 às 00:01

      Atrasados ... avançados então é Bolsonaro 2018? Aécio? Joaquim Barbosa? Serra?

  2. Héber Pelágio Postado em 20/Jan/2016 às 12:07

    "Independente de como chegaram lá, os integrantes desse Poder da democracia brasileira estão imersos em um jogo de forças em que parecem ter que escolher entre serem petistas ou antipetistas, quando existe uma terceira opção: ser um juiz". Aproveite o ensejo e ensine isso a Tóffoli, ao Levandowisky e ao Min. Barroso! A propósito: eu tenho a mais absoluta certeza de quem Lula nunca mais vencerá, seja em 2018, seja em qualquer outro ano.

  3. eu daqui Postado em 25/Jan/2016 às 14:12

    Servidor é pra observar normas legais e interesse público. Juizes não devem fugir a regra: sepre exercendo seu poder discricionario conforme valores democraticos.