Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 12/Jan/2016 às 19:00
11
Comentários

Noivas meninas: As crianças casadas no Brasil

“Um homem queixou-se à sogra, porque sua mulher, de 12 anos, nunca estava em casa quando ele chegava. Passava as tardes brincando de boneca com a filha da vizinha, deixava a roupa sem lavar, a cozinha suja…”. Reportagem destrincha uma realidade pouco divulgada no Brasil: o casamento infantil

crianças casadas Brasil
Reportagem revela quem são as crianças casadas no Brasil (Imagens: Victor Moriyama/Revista CLAUDIA)

Patrícia Zaidan, MdeMulher

Nunca tinha ouvido falar em casamento infantil no Brasil até 2013. Fiquei estarrecida. Como podia ser verdade? Supunha que fosse uma realidade da África Subsaariana ou do Sul da Ásia, onde fome ou tradições e ritos se impõem. Quem deu a informação foi a assistente social Neilza Buarque Costa, da ong Visão Mundial, ao debater o documentário Girl Rising (Richard Robbins), segundo o qual 66 milhões de meninas estão fora da escola, em todo o Planeta, e uma das razões é o matrimônio precoce. Mas eu imaginei: se tem aqui, deve ser uma situação isolada num rincão profundo.

Por dois anos não me saiu da cabeça um caso da Paraíba, que Neilza contou à plateia: um homem queixou-se à sogra, porque sua mulher, de 12 anos, nunca estava em casa quando ele chegava. Passava as tardes brincando de boneca com a filha da vizinha, deixava a roupa sem lavar, a cozinha suja… Comecei a pesquisar. Tive notícias de tantas adolescentes se submetendo a um marido violento, com dois ou três filhos nos braços. E de homens – alguns com mais de 40 anos – que adoram casar com menininhas firmes de carne e a quem eles podem moldar o caráter.

O tema passou a me doer. A reportagem “Noivas Meninas” está nas bancas, na edição de janeiro, de CLAUDIA – um fôlego que juntou o fotógrafo Victor Moriyama, a estagiária Gabriela Abreu e eu. A primeira descoberta: não se trata apenas de casos em um grotão perdido. O casamento infantil ocorre na maior economia brasileira – a cidade de São Paulo -, na região metropolitana de Curitiba, no Tocantins, em Minas, nas capitais do Pará e Maranhão… Difícil descobrir onde não tem. Hoje, 554 mil garotas de 10 a 17 anos são casadas, calcula um estudo do Instituto Promundo, com base no IBGE, publicado em setembro passado. Como a lei considera crime o sexo com menores de 14, mesmo que consensual, a maioria das uniões é informal. Ainda assim, em 2013, Campo Grande casou no cartório o maior número de brasileirinhas. Partimos atrás de uma amostra nacional. O texto começa assim:

“Catingueiras magricelas e peladas, sol forte, uma cabrita, um bode e algumas galinhas são quase tudo que Ivonete Santos da Silva, 14 anos, vê ao longo do dia e por semanas a fio. Mãe de Rayslani, 1 ano, ela dorme cedo. A casa de taipa onde vive, no sítio Lagoa Nova, em Inhapi (AL), a 289 quilômetros da capital, Maceió, não tem lâmpadas nem TV. Ivonete juntou-se aos 12 anos com Sislânio Silvério, 21, seu primo. Deixou a escola sem aprender a unir as letras: “Era aperreio demais, tudo acontecia na hora do almoço, tinha que fazer comida, me arrumar, sair para estudar”. Não se arrepende. “Só quando estou bem estressada, limpando a casa, e a menina acorda chorando, penso: ‘Meu Deus, o que eu fiz?’ ” Ainda assim, considera que está melhor do que no tempo em que vivia na casa materna. “Um dia, saí calada, o povo estava todo lá pra dentro. Fui embora com Sislânio.” Ele trabalha na roça. Quando tem roça. Há cinco anos, o sertão enfrenta uma seca bruta; a terra está tão dura que é impossível plantar. Na única panela, no fogãozinho de barro, há feijão. Ivonete não faz planos, não pronuncia desejos – pelo menos a estranhos que invadem sua rotina -, mas responde como se sente: “Não sei direito. Sou um pouco mulher, pequena demais, meio criança também”. Quando fecha os olhos, do que se lembra? “De mim desenhando pé de maçã, árvore de morango.” Mesmo que morangos amadureçam a não mais que 30 centímetros do chão, era esse seu deleite na sala de aula. Queria ser professora, acha que não dá mais tempo. “Espero que minha filha case bem tarde, só com 17 anos, e não engane a escola para aprender tudo bem direitinho”, diz.

meninas casadas Brasil
Ivonete da Silva, 14 anos, é mãe de Rayslani, de 1 ano. Thainá Darri, 17, casada desde os 15, está grávida e desistiu de estudar (Imagem: Victor Moriyama/Revista CLAUDIA)

Depois de Inhapi, percorremos Canapi (AL), Colombo (PR), e uma das maiores favelas do país, Heliópolis – não haveria nenhuma dificuldade de encontrar meninas casadas nessa comunidade paulistana. Enquanto Victor fotografava, ali, Thainá Darri, 17 anos, casada desde os 15, dezenas de meninas iam se juntando para saber o que fazíamos. Dei a pauta e elas quiseram saber porque tanta curiosidade sobre algo tão comum. Várias, entre 14 e 16, carregavam um filho.

Thainá é um caso diferente, tem uma consciência política clara, é feminista, está no conselho do meio ambiente da região e é a única das entrevistadas que concluiu o segundo grau. Acabava de receber o resultado do laboratório – positivo para gravidez – e decidiu adiar os planos de fazer uma faculdade. No seu discurso, me chamou a atenção a explicação para seu casamento aos 15: queria privacidade com o namorado e, de certa forma, proteção. “Aqui, as meninas se jogam no funk, bebem e nem sabe quem é o pai do filho delas. O casamento me poupou disso.”

meninas casadas Brasil
Ana Clara e o marido Jaílson

Mãe de Michel Júnior, casada em Canapi desde os 14, Ana Clara dos Santos, 16, fugiu de casa para ficar com seu amado, Jaílson de Oliveira, na época com 16. Duro para ambos é deixar o bebê aos cuidados da mãe de Ana, porque eles não têm condição financeira de criá-lo. A alagoana Jamille Henrique ganhou, aos 14, uma aliança e se viu livre da lida pesada com seus oito irmãos, além do jugo do pai alcoólatra. Embora tenha em Marcelo um parceiro divertido, e com quem gosta “de brincar e de fazer sexo”, seu semblante é triste e sua concepção sobre a vida de mulher, medonha: “Todas apanham. Não acho bom, mas é o que acontece”.

Monique e sua Maria Clara
Monique e sua Maria Clara

Monique Barbosa, aos 15, parece uma madonna, de Michelangelo, com sua Maria Clara sempre a tiracolo. Essa Pietá de Colombo (PR), queria ser policial, mas desistiu, está fora da escola, cansada dos afazeres domésticos e do ciúme do marido. Na mesma cidade, Joyce Pinheiro, mãe de gêmeas aos 15, teme as estrias e que o marido a troque por uma menina mais magrinha. Ela conta: “Das 20 colegas que estudavam comigo, 16 estão casadas ou são mães solteiras”. Ouvimos vários especialistas para entender o fenômeno.

Joyce, Kauany Vitória e Karyne Manuele
Joyce, Kauany Vitória e Karyne Manuele

Saio das reportagens carregando as personagens em mim. Demoro a tirá-las do pensamento. Ivonete, a sertaneja do sítio sem luz, me abraçou longamente quando nos despedimos. Prometi enviar uma revista para alguém ler para ela. E também uma fotografia ampliada. Essa menina-mãe nunca teve uma foto sua. De todas as personagens, foi a que mais interagiu com a câmera. Tem uma força no olhar inexplicável. Encarava as lentes de Victor com muita naturalidade e firmeza. Fico imaginando como Ivonete fará para desamarrar o nó, desbancar seu destino e vencer as agruras todas que enfrenta desde o nascimento. Algo me diz que ela vai conseguir.

PS.: A íntegra da reportagem está na revista CLAUDIA, já nas bancas.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. de ise xe mattos Postado em 12/Jan/2016 às 21:46

    Não sabia desta triste realidade,fiquei estarrecida. Pobre meninas....

  2. Natália Aquino Postado em 12/Jan/2016 às 22:54

    Incrível essa pauta! Fui mãe adolescente, mas na capital, com certa infra-estrutura e não fui obrigada a casar quando engravidei. Mas isso também não é um costume por aqui, eu acho. Tive mãe e tive sorte. Vou procurar pela revista! Parabéns ao envolvidos pelo trabalho

  3. Flávio Postado em 12/Jan/2016 às 23:21

    CLAUDIA? Deve ser a primeira vez na história da revista que fazem jornalismo.

    • Marcelo B Postado em 13/Jan/2016 às 03:18

      msm assim, tem a ver c/ sexo!

    • Dayane Postado em 13/Jan/2016 às 08:58

      Não. Apenas a primeira vez que alguém com predisposição a preconceito e pré julgamento teve com contato com algo que vá além da capa da revista. Tenha a mente aberta, faz bem!😉

  4. Elmira Alves de Almeida ( Postado em 13/Jan/2016 às 02:01

    É duro, mas é a realidade de muitas crianças e adolescente pelo mundo afora! Conheço muitas histórias com esse teor. A minha avó paterna mesmo, foi foi uma criança de 12 anos que se casou com o meu avô, que tinha idade suficiente para ser o avô dela.Pelo o que eu ouvia contar, ela passou as suas poucas e boas com o meu avô, que além de tudo, ele tinha várias(ois) filhas(os) de casamentos anteriores e, as(os) filhas(os) mais velhas(os), não aceitavam minha avó como madrastas das(os) mesmas(os). Por tanto sofrimentos, minha avó faleceu muito cedo, deixando 03 filhos(as) pequenos(as) para serem criados por outas pessoas, pois o meu citado avó, não assumiu o fruto dessa união conturbada.

  5. Marcelo B Postado em 13/Jan/2016 às 03:18

    kd os batedores de panela da Paulista e de varanda gourmet?! se vacilar, os coxa entrarão em contato c/ essas meninas c/ contrato pra trabalhar de empregada, achando que tão resolvendo os "poblema" do mundo!

  6. Rafael Martini Postado em 13/Jan/2016 às 04:05

    Como se pode ver pelos relatos, em geral, essas garotas vêm de lares sem qualquer estrutura familiar, em que sofreram violência de pais e irmãos mais velhos (esses muitas vezes vítimas de vícios e transtornos mentais); não receberam instrução, carinho, apoio material ou moral e, se receberam, foi de forma deficiente; irmãos e agregados em número muito maior do que as condições financeiras da família suportariam com um mínimo de dignidade; e diversas outras condicionantes para que a vontade de se afastar dali seja maior que tudo. Diante de tal quadro, qualquer oportunidade de sair de casa é vista como a chance da vida, independente das condições que se apresentem. E infelizmente, não será difícil que a jovem noiva reviva a situação na qualidade de esposa/mãe.

  7. Trajano Postado em 13/Jan/2016 às 07:56

    Meninas em situação de vulnerabilidade socioeconômica, abuso parental, exploração de trabalho infantil, privação sociocultural, negligência... No que se refere aos mais pobres, o Brasil parece retirar dele mesmo a licença de ser desenvolvido, a plutocracia brasileira sempre se mostrou a mais perversa do planeta, a nossa classe média é inútil e orgulhosa ao declarar sua inutilidade, o estado historicamente só possui rigor em sua ausência ou lentidão, as corporações estão a um nível bestial de selvageria... Lendo a matéria, lembrei de um estudo que resolvi conferir de novo, da Jackowski e colaboradores, 2008, que identificou que crianças submetidas a um ambiente estressante de forma prolongada apresentam comprometimentos na neurogênese hipocampal, bem como alterações volumétricas do hipocampo. As condições ambientais e, em termos mais radicais, as tradições socioculturais, socioeconômicas e de violência do país historicamente deixam muitas crianças brasileiras profundamente doentes e, claro, o cérebro, o corpo, que não dá conta de uma realidade tão massacrante precisa de estratégias drásticas, como o ato de “casar” para fugir de uma realidade de merda para outra, também merda, mais aparentemente menos devastadora. “A alagoana Jamille Henrique ganhou, aos 14, uma aliança e se viu livre da lida pesada com seus oito irmãos, além do jugo do pai alcoólatra”, gente, que tapa na cara do país. Já ouvi relatos de alguns profissionais, no Rio mesmo, que em comunidades carentes, algumas crianças de mais de 4 anos nunca se olharam no espelho em casa, ficam, claro, muito surpresas quando veem seu reflexo pela primeira vez, sem entender inicialmente o que está acontecendo. Se isso não é o suficiente para repensarmos muitas coisas da nossa vida, nossa cidadania, sobre nossa patologia social, cruel, pesada, não sei mais o que é. De qualquer forma, a reportagem está de parabéns.

  8. eu daqui Postado em 13/Jan/2016 às 17:00

    O casamento precoce "poupou do funk e das drogas"? Mas também poupou da independencia sem a qual não há dignidade.

  9. Carlos Postado em 18/Jan/2016 às 08:26

    Na realidade essas meninas não são realmente meninas. Se tornam mulheres precocemente devido à dura vida que levam. Não sei se sabem, mas é algo já comprovado. Em condições onde a vida é muito dura, ocorre um amadurecimento precoce das pessoas, bem como um envelhecimento também precoce. No fundo tudo é fruto de condições sociais desfavoráveis.