Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 28/Jan/2016 às 09:54
25
Comentários

Mulheres e crianças são estupradas como forma de “pagar” entrada na Europa

Relatório divulgado pela ONU esta semana revela que mulheres e crianças que chegam à Europa na condição de refugiadas teriam sido estupradas por europeus como forma de “pagar” pelas documentações necessárias ou mesmo pela própria viagem

mulheres refugiadas estupradas Europa
ONU pede proteção a mulheres e crianças refugiadas (reprodução)

Mulheres e meninas refugiadas e migrantes que se deslocam pela Europa enfrentam graves riscos de violência sexual e de gênero, destacou um relatório divulgado pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR).

A ACNUR, o UNFPA e a WRC concluíram que as mulheres representam o grupo mais vulnerável e que necessitam de medidas adicionais de proteção.

O relatório aponta que diversas mulheres e meninas refugiadas e migrantes já haviam sido expostas a diferentes formas de violência sexual e de gênero. Muitas refugiadas relataram terem sido vítimas de estupro por europeus em troca de abrigo.

Algumas mulheres entrevistadas afirmaram terem sido forçadas a manter relações sexuais como moeda de troca para “pagar” pelas documentações necessárias para viajar ou mesmo pela própria viagem. Em alguns casos, mulheres e meninas foram tão relutantes em adiar a sua partida e a de suas famílias que se recusaram a denunciar crimes de violência sexual e de gênero, ou mesmo a procurarem atendimento médico.

“Muitas mulheres e meninas que viajam por conta própria estão totalmente expostas, não podem contar com sua família ou comunidade para as proteger”, disse Vincent Cochetel, diretor do escritório do ACNUR para a Europa. “Mesmo aquelas que viajam com a família são vulneráveis a abusos. Muitas vezes elas não relatam os crimes e, portanto, não recebem o atendimento que necessitam. Algumas mulheres contam que chegaram a se casar por desespero”.

Este relatório conjunto foi o primeiro produto de uma série de projetos e estudos que agências de ajuda e assistência estão realizando para que se possa avaliar com precisão os problemas existentes e recomendar ações assertivas para solucionar estas questões.

LEITURA COMPLEMENTAR: A jovem holandesa que largou tudo para cuidar de refugiados

O relatório apontou que “mulheres solteiras viajando sozinhas ou com crianças, mulheres grávidas e lactantes, meninas adolescentes, crianças não acompanhadas, crianças que se casam precocemente (que em alguns casos estão com seus bebês recém-nascidos), pessoas portadoras de necessidades especiais e pessoas idosas estão particularmente em situação de risco e exigem uma resposta coordenada e eficaz de proteção”.

Devido as severas condições de inverno deste mês, menos pessoas têm arriscado suas vidas em viagens marítimas para tentar chegar à Europa em comparação aos meses anteriores. Entretanto, uma média de 2.000 pessoas chegam por dia e as estatísticas mostram que uma porcentagem crescente delas são mulheres e crianças.

Até o dia 15 de janeiro de 2016, 55% das pessoas que chegaram eram mulheres e crianças. Em junho de 2015 eram apenas 27%.

A resposta humanitária nas rotas do Mediterrâneo oriental e pelos Bálcãs ocidental tem priorizado a prevenção da violência sexual e de gênero em todas as atividades implementadas. A capacidade de prevenir, identificar e responder de forma adequada, no entanto, depende em grande parte dos Estados e Agências da União Europeia em assumir suas condizentes responsabilidades e adotar medidas apropriadas.

“Pelo fato das instalações de recepção na Europa não terem sido feitas para prevenir ou responder à violência de gênero, mulheres e crianças não estão recebendo a proteção que necessitam e merecem”, disse Sarah Costa, diretora executiva da Comissão de Mulheres Refugiadas. “Deveríamos nos comprometer com as intervenções que sabemos que irão ajudar, incluindo a contratação de especialistas de violência sexual e de gênero ao longo da rota”.

A missão conjunta descobriu que a resposta atual dos governos, organizações humanitárias, instituições e agências da União Europeia e organizações da sociedade civil são inadequadas e não conseguem evitar e responder com eficácia ao perigo, exploração e múltiplas formas de violência de gênero que mulheres e meninas estão enfrentando por toda a Europa.

Como exemplo, apesar das tentativas do ACNUR e de seus parceiros em garantir o bem-estar por meio de abrigos segmentados por gênero, muitos carecem de privacidade, acesso seguro à água, saneamento adequado, centros de saúde e áreas para descanso para mulheres e crianças, expondo-as a um potencial risco de violência sexual e de gênero.

O relatório destacou algumas recomendações-chave para os governos e agências da União Europeia:

. Estabelecer um sistema de resposta coordenada para a proteção de mulheres e meninas dentro e fora das fronteiras;

. Reconhecer os riscos de proteção, capacitar funcionários e criar procedimentos específicos para prevenir, identificar e responder à violência sexual e de gênero;

. Garantir que as respostas à violência sexual e de gênero não façam com que as mulheres parem de denunciar os acontecimentos, ou deixem de acessar esses serviços; e

. Fornecer vias legais para a proteção, especialmente para mulheres, crianças e sobreviventes de violência sexual e de gênero, incluindo o reagrupamento familiar, e a priorização do realojamento e reinstalação para refugiados com necessidades específicas.

ANCUR

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Pe. Carlos Ferreira Postado em 28/Jan/2016 às 12:48

    Canalhas!

  2. Rogerio Postado em 28/Jan/2016 às 12:49

    O racismo europeu contra os imigrantes é absurdo. Até isso estão fazendo! Nada justifica violência, mas os europeus abusam. E são brancos e cristãos. Por isso torço pela islamização total da Europa. Só assim pra acabar como m essa palhaçada.

    • Gabriel Vince Postado em 28/Jan/2016 às 14:38

      Eu li o documento da ONU e onde diz que elas estão sendo estupradas por EUROPEUS? Esse documento diz que elas estão sendo estupradas por outros imigrantes ou quem ajuda e organiza as viagens do seu país de origem para Europa. Tentem novamente. Essa não colou.

      • Tamiris Postado em 28/Jan/2016 às 16:37

        "Muitas refugiadas relataram terem sido vítimas de estupro por europeus em troca de abrigo."

      • Thiago Teixeira Postado em 28/Jan/2016 às 17:39

        Europeus são bonzinhos, cheiros e limpinhos ... Tens razão, já o imigrantes (como disse seu senador SERRA) é tudo de ruim.

      • eu daqui Postado em 29/Jan/2016 às 10:19

        Não tiago toupeira, islamicos é que são justíssimos: eles é que inventaram a democracia , feminismo, abolicionismo e o laicismo. Só um afrovitimopata poderia defender o grupo/religião campeão de hediondez.

    • Raquel Postado em 28/Jan/2016 às 17:19

      Voce é Europeu? Se não é então tenha cuidado com o que diz. Eu sou a favor de acolhermos os refugiados, mas só os Europeus (principalmente dos paises mediterrâneos) sabem o quanto a vida está dificil aqui. Não há emprego para nós quanto mais para os estrangeiros. "Torço pela islamização total da Europa." Ponha piri piri nessa língua e leia um pouco mais sobre a crise económica que a Europa está a enfrentar. Já nem é por nós. Mas nem esses pobres refugiados vão encontrar oportunidades aqui.

    • Marlete Postado em 08/Mar/2016 às 02:22

      Tu é louco? Vai se tratar seu demente... Vai ler e estudar sobre como o islã trata as mulheres. Primeiro nasça mulher e depois peça a islamização de onde você mora.

  3. Maria Célia Postado em 28/Jan/2016 às 13:55

    Se os homens não se sentissem tão acima do bem e do mal isto não aconteceria!

    • eu daqui Postado em 29/Jan/2016 às 10:20

      Fruto da impunidade alimentada pela vitimopatia que rez aque alguém, por estar em situação de "coitadinho" pode atirar pra tudo quanto é lado.

    • eu daqui Postado em 29/Jan/2016 às 10:20

      Fruto da impunidade alimentada pela vitimopatia que rez aque alguém, por estar em situação de "coitadinho" pode atirar pra tudo quanto é lado.

  4. Thiago Teixeira Postado em 28/Jan/2016 às 13:56

    Uma pessoa vulnerável nas mãos de gente covarde, dá nisso.

  5. leila aparecida fernandes Postado em 28/Jan/2016 às 14:47

    nossa que horror ,aproveitando da fragilidades desse povo tão sofrido .

  6. leila aparecida fernandes Postado em 28/Jan/2016 às 14:49

    nossa uma tristeza saber que existe gente tão ruim

  7. Anne Koehler Postado em 28/Jan/2016 às 15:43

    Nao fala merda rogerio. Nao sao so as refugiadas que estao sendo estupradas. Nao eh uma questao de raca, eh uma questao de genero!

  8. Marta Tajra Postado em 28/Jan/2016 às 15:54

    Nada a ver com religião, Rogério. Os cristãos também já passaram por isso em épocas passadas. É só ler um pouco mais de história. Tem mais a ver com BARBARIE da espécie humana. Infelizmente.

  9. Vitor Postado em 28/Jan/2016 às 16:28

    Infelizmente devido a esses psicopatas, todos os homens estão sendo julgados iguais. Não se esqueçam que os estupradores são os primeiros a morrerem na cadeia, pois até os assassinos, ladrões e traficantes possuem mães e filhas.

    • eu daqui Postado em 29/Jan/2016 às 10:21

      Assassino e traficante tá ligando pra mãe e filha? De quem?

  10. Lidia Postado em 28/Jan/2016 às 16:50

    Nojento isso

  11. Tania Postado em 28/Jan/2016 às 19:33

    A barbárie não saiu do homem, ainda que ele tenha alcançado grande desenvolvimento científico e cultural, seja capaz de produzir obras magníficas e escrever orações maravilhosas. Sempre que a ordem política, econômica ou social se desorganiza, os primeiros a sofrer são os mais frágeis. Quando um país se torna vulnerável, sitiado, derrotado, suas mulheres e crianças são as maiores vítimas. Quando a União Soviética desabou, as mulheres russas e ucranianas começaram a ser exportadas como mercadoria. Nos anos noventa quando a crise no Brasil era real, saindo da minha cidade havia sempre na estrada um bando de garotas quase crianças, em pleno dia, se prostituindo. E no caso dessas mulheres e crianças, o crime é duplo, pois elas tinham um país, uma casa, um lar que foi destruído por assassinos sionistas dos EUA e da europa e agora sofrem novamente quando são violentadas nos países em que os ricos, os bilionários, só veem o planeta como um cifrão.

  12. Yara dos Reis Steinfatt Postado em 29/Jan/2016 às 12:55

    Nao entendi esse relatorio...Quer dizer que os europeus vao la´ no meio da guerra, estrupar as mulheres e so depois elas recebem passagen e/ou documentos de viajem? Como isso eh possivel? As que teem documentos, os receberam em seus Pais, em suas Prefeituras etc? A maioria das mulheres viajam com suas familias e seu povo. 69% dos refugiados que chegam aqui sao homens jovens de 16 ate 35 anos. Onde ficam os 55% de mulheres e criancas? Acredito mais que os estrupadores sao tambem refugiados. Aqui na Alemanha eles estao atacandos as mulheres nas ruas porque acham que mulher na rua pode ser usada por qualquer um. Para as mulheres europeias isso ja´ e´ um grande problema. Mesmo para a policia que preve muitos desacertos durante o carnaval.

  13. sidney Postado em 01/Feb/2016 às 22:12

    Europeus e americanos são uma merda de povo.

    • eu daqui Postado em 04/Feb/2016 às 09:11

      Claro: a nata da civilização é brasileiro, com suas taxas campeas de criminalidade, desonestidade, corrupção, pedofilia, femincidio, homofobia, etc. ....

  14. Marcio Postado em 05/Feb/2016 às 17:19

    Sim é um Absurdo sem tamanho. Mas ate hj não consegui entender pq eles querem tanto ir pra Europa com países muito mais ricos, próximos e com a mesma religião como Emirados Árabes e Dubai. Pq tem que ser na Europa? Pq so a Europa tem essa divida? O Sheik de Dubai que tem dinheiro para puxar um braço de mar e fazer uma balneário para bilionários no meio de um deserto não tem o dever de recebe-los e ajuda-los??? Afinal sua fortuna vem dos petrodolares que deveriam pertencer tb a esse povo. Pq so a Europa?

  15. André Cardoso Postado em 22/Feb/2016 às 13:02

    Afinal há selvagens em todos os continentes?! Os midia europeus e norte americanos ensinaram-me que isso é um instinto africano.

O e-mail não será publicado.