Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 08/Jan/2016 às 16:05
15
Comentários

Internautas ironizam 'festa black' sem negros no Rio de Janeiro

Festa com logo e nome que remetem a um negro com cabelo black power teve, ironicamente, esmagadora maioria branca. Em resposta à gafe, internautas publicaram milhares de críticas e compartilharam fotos de seu black power

Festa black imagens racismo
(Imagens: Bruno Contrino – Fotografia / Sand Filmes)

Uma festa no Rio de Janeiro chamada “Meu Black é Assim” está provocando grande discussão no Facebook. O motivo? Não há nada de “black” nas fotos postadas da festa realizada no último dia 25.

Apesar de o nome remeter ao cabelo black power e de o logo da festa estampar o desenho de um negro com cabelo black power em disco de vinil, a festa, ironicamente, tinha a maioria… branca.

É claro que isso não passou em branco batido pelos usuários da rede social e a página da festa recebeu em poucos dias milhares de críticas. “Meu black é assim tão white [branco]”, comentou uma usuária. “Só faltou distribuir aquelas perucas bizarras”, disse outro. “Cadê o black?”, questionou um jovem. “Blackfraude”, brincou outro usuário.

De fato, das quase 300 fotos da última festa “Meu Black é Assim”, é possível encontrar cerca de uma dúzia em que aparecem negros.

Depois de uma enxurrada de comentários ironizando a festa “black sem black”, a página respondeu que o nome da festa é “no contexto Black da blackmusic” e que ela está aberta para “qualquer pessoa, público em geral.”

Em resposta às justificativas dos organizadores da festa e como forma de protesto, muitos jovens compartilharam fotos de seus cabelos black power com a descrição “Meu black é assim”.

Confira fotos postadas nos comentários da página de alguns “blacks” que faltaram na tal festa “black”:

1
2
3
4
5
6
7
8

HuffPost Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Guilhermo Postado em 08/Jan/2016 às 17:46

    Gente, nada a ver. "Black" é um estilo de música. No caso, deve ter sido confundida com o estilo de cabelo que era moda nos anos 70/80.

    • Isabela Postado em 08/Jan/2016 às 18:23

      Até onde sei o tema da festa foi com base no estilo musical mesmo.

    • Renata Postado em 08/Jan/2016 às 18:46

      Não ameniza, mano... Mico total

      • Guilhermo Postado em 09/Jan/2016 às 15:03

        Já fui numa festa com o tema oriental no qual não vi sequer um único japonês, chinês, coreano etc. Acho que não tinha nem descendentes de um "povo dos olhos puxados" ali. Mas isso não os impedia, de forma alguma, de participarem. Foi apenas uma festa temática, assim como o caso acima da festa Black (estilo de música na qual pessoas de todas as etnias são livres para curtir).

  2. Rodrigo Postado em 08/Jan/2016 às 18:11

    (Outro Rodrigo) Pessoas negras foram impedidas de entrar ou, ainda, a festa foi seletivamente feita para pessoas não negras? No mais, como acima dito, "black" é estilo de música, só faltando aparecer alguém para dizer que é apropriação cultural (mera ironia, mas que deve ser desnecessária)...

  3. A couto Postado em 08/Jan/2016 às 18:22

    Faltou ver a logo da festa pra entender a matéria. E se fosse referência a música seria minha black.

  4. Fabiano Postado em 08/Jan/2016 às 18:38

    "Meu Black" é o nome da festa e ainda tem como logo um rosto de um homem com um Black. Por favor né ? Além disso, "Black" quando se trata de Black Music é de origem negra. Mas o povo adora fingir que não está acontecendo nada né. Risos.

    • Leonardo Postado em 08/Jan/2016 às 22:43

      Tinha q ter barrado esses brancos imundos. Ne?

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 09/Jan/2016 às 09:50

    Estou na dúvida se é uma nova forma de negar o próprio racismo ("eu nem sou racista, até me finjo de preto") ou se é uma apropriação ("está super na moda ser preto, desde que você seja branco"). Ou se é apenas uma provocação racista gratuita. Sei que é uma situação extremamente nojenta e odiosa, e infelizmente mais comum do que se imagina, essa playboyzada branca pagando de mano, de vida loka, malandrão força jovem americanizado, cantando Homem na Estrada e ouvindo Jesus Chorou no talo dizendo que se identifica com a letra...é de um ridículo que não se mede. Festa black do gueto na MANSÃO BOTAFOGO, na noite de Natal. Adivinha onde estava o Meu Black? Meu Black não pôde curtir o Natal com a família e amigos. Meu Black estava na porta controlando entrada e saída dos riquinhos que gastaram 10 mil pra curtir a festa. Meu Black era apenas o segurança na Mansão Botafogo na festa Meu Black. E tem quem não veja nada de errado, está tudo sertinhu em seu respectivo lugar, tudo na santa paz...

  6. Thiago Teixeira Postado em 09/Jan/2016 às 13:12

    Nada de mais. Mais uma baladinha rotineira da classe média branca. Não vi nada de racismo ou coisa do gênero. Se fosse festa Ninja, festa Árabe, festa Esquimó, festa Caribenha ... todos (as) estariam vestidos do mesmo jeito e seriam os mesmos tipos a aparecerem na noite.

  7. iran Postado em 10/Jan/2016 às 19:24

    E o estilo da music mesmo. Qualquer outra coisa é exagero ou tese freudiana

  8. sergio ribeiro Postado em 11/Jan/2016 às 16:36

    Eita povo que gosta de ver pelo em ovo.

  9. irineu Postado em 12/Jan/2016 às 13:13

    as barangas brancas de sempre... repito o a frase millor: estúpido é o que todo estúpido pensa que não é pq conseguiu ganhar dinheiro sendo.... afff. essa classe média carioca envergonha o Brasil

  10. sidney Postado em 13/Jan/2016 às 00:18

    Deixa os branquelos curtirem um pouquinho da negraiada. Tudo agora é preconceito? Se soltar um peido vão dizer o que agora, que sou maleducado?

  11. Roberto Pedroso Postado em 24/Jan/2016 às 12:31

    Para Pensar refletir e analisar sobre estas questões alguns títulos de filmes interessantes: Dear White People,Vénus noire, Quanto Vale Ou É Por Quilo,e o clássico Faça a coisa Certa,confiram vale a pena.....