Nicolas Chernavsky
Colaborador(a)
Compartilhar
Esquerda 27/Jan/2016 às 11:04
3
Comentários

E se a Frente Brasil Popular fizesse Prévias Progressistas?

Não há nenhuma organização no Brasil mais apropriada do que a Frente Brasil Popular para organizar Prévias Abertas Progressistas para escolher o(a) candidato(a) a presidente(a) progressista para as eleições presidenciais de 2018; para quem acha que é cedo, é bom lembrar que faltam cerca de 2 anos e meio para essas eleições

política brasil esquerda direita frente popular

Nicolas Chernavsky*

Todo mundo está vendo o que as prévias abertas podem fazer, observando a campanha de Bernie Sanders nos Estados Unidos. Antes pouquíssimo conhecido naquele país e absolutamente desconhecido fora dele, com as prévias abertas Sanders tem condições reais de vencer Hillary Clinton e disputar com os Republicanos a presidência.

François Hollande, o presidente da França, disputou prévias abertas para ser o candidato do Partido Socialista em 2012. Michele Bachelet também venceu prévias abertas (duas vezes, aliás), no Chile, para ser a principal candidata progressista à presidência. Romano Prodi venceu prévias abertas na Itália para as eleições de 2006, e a lista continua. O Brasil tem uma oportunidade histórica para as eleições de 2018 de realizar uma maravilhosa prévia progressista, juntando PT, PCdoB, PSOL, PDT e outros partidos se possível, com o(a) vencedor(a), em uma disputa em dois turnos, sendo apoiado(a) pelos outros partidos nas eleições organizadas pelo Estado em 2018.

Isso pode até ser um sonho, mas não era um sonho acabar com a fome no país? Não era um sonho quase erradicar a miséria absoluta? Sei que temos o Lula para ser candidato em 2018, mas ser candidato por falta de opção seria uma situação desagradável e eleitoralmente perigosa para o progressismo brasileiro. Que bom seria se a Frente Brasil Popular organizasse uma grande prévia em que, por exemplo, Lula ou Jaques Wagner, pelo PT, debateriam com Jean Wyllys ou Marcelo Freixo, pelo PSOL, que debateriam com Jandira Feghali ou Orlando Silva, pelo PCdoB, que debateriam com Ciro Gomes ou Ronaldo Lessa, pelo PDT, que quem sabe debateriam com outros(as), e que fosse o povo brasileiro, sem precisar estar filiado a nenhum partido, que decidisse quem deles(as) seria o(a) representante do progressismo em 2018.

Leia aqui todos os textos de Nicolas Chernavsky

A Frente Brasil Popular é uma esperança para o Brasil. Surgiu agrupando um conjunto de partidos progressistas e fazendo a ponte que precisa ser reconstruída entre o movimento social organizado e não organizado e os partidos progressistas brasileiros. Agora que as campanhas serão feitas sem dinheiro de pessoas jurídicas, temos essa grande oportunidade de recuperar o elo de confiança entre povo e política, para que com a força do mecanismo democrático das Prévias Abertas Progressistas possamos revolucionar nossa cultura política. O progressismo precisa ouvir o povo, e isso se faz com prévias abertas. Sem dúvidas, um(a) candidato(a) que sair vencedor(a) dessas prévias vai ter uma força que o conservadorismo não vai poder superar. Temos muito trabalho a fazer, rumo às prévias e rumo ao futuro!

*Nicolas Chernavsky é jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP), editor do CulturaPolítica.info e colaborador do Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. José de Pindorama Postado em 27/Jan/2016 às 18:45

    Caros Comentaristas, boa noite! Tenho minhas preferências por regimes políticos; que se tornam irrelevantes nesse momento; contudo, na situação Política atual provocada, em parte, no meu entender, pela falta de coerência do nosso sofrido povo, desinformado, e cativo da grande mídia. Devemos, unir todas as Forças Progressistas e que Amam, de fato, essa Nação a fim de buscar organizadamente, alternativas realmente sérias para sair da letargia que nos encontramos. Temos de sensibilizar o povo, que não adianta desejar educação universal, e saúde gratuitas, e votar naqueles que defendem o ensino privado; e defendem os planos de saúde. Isso só são poucos exemplos. A Dívida Pública é algo que não podemos deixar de auditar; temos de reformar profundamente o poder Judiciário; estabelecer uma Legislação para a Mídia; retomar os projetos de fortalecimento das Forças Armadas Nacionais urgentemente; poderíamos discorrer até se tornar enfadonho com sugestões e ações. É importante e necessário que comecemos já com essa articulação, Estado por Estado, é imperativo levar as informações corretas ao sofrido Povo Brasileiro. Paz e Sabedoria ao Brasil e ao seu Povo!

  2. Oblivion Postado em 27/Jan/2016 às 22:11

    Sobre as prévias, pode ser, de minha parte votaria no Ciro. Sobre o Lula, por mais que a "grande" mídia tente, ela não vai conseguir retirar a importância dele na história do Brasil. Baseando-me no Trump, claro que em uma brincadeira, o Lula sim poderia dar tiros em pessoas na rua que ele não perderia o lugar de destaque que a história reserva a ele, e isso os vassalos da casa grande deveriam saber. Eu acredito que toda a caçada que a grande mídia e alguns vassalos da casa grande vêm fazendo a ele fará ele querer dar as respostas nas urnas, com a eleição dele em 2018. Mas na verdade, essa resposta é dada toda vez que um filho ou uma filha de pais analfabetos se forma na universidade, ou vai se especializar em outro país, ou passa em um concurso público disputado, ou é admitido(a) em um emprego que dará a ele ou ela em um ano o rendimento financeiro que os pais não tiveram em uma vida, etc. Acreditando nisso, gostaria de ver o PT apoiando o Ciro Gomes por toda a importância que ele teve na estabilização econômica do Brasil, pelo apoio a todos os 2º turnos que o PT disputou nas eleições presidenciais depois de 98, por formar a tropa de choque contra o primeiro golpe do impeachment (na época do mensalão), por ser o principal defensor (pelo menos na minha interpretação) da Dilma contra essa ofensiva cínica e covarde de agora, por desmascarar FHC (que não é o pai do Real e nem o responsável pela estabilização econômica do Brasil, coxinhas do meu Brasil), e Cunha/Temer. Falando nisso, antes de prévias, os parlamentares e políticos progressistas não podem esquecer que ainda há um câncer no parlamento brasileiro e que pautas conservadores vem preocupando os que sonham em ver o Brasil um país mais justo, mais igualitário, com mais igualdade de oportunidades, ou seja, mais democrático de verdade.

  3. Marlon Assis Postado em 29/Jan/2016 às 11:03

    Gostei da ideia.