Redação Pragmatismo
Compartilhar
Violência 27/Jan/2016 às 13:07
7
Comentários

Barbárie: Grafiteiros são torturados no Rio de Janeiro

Grafiteiros são torturados e humilhados no Rio de Janeiro. Vídeo mostra três jovens só de cuecas, cobertos de tinta e sendo espancados com uma barra de ferro. Seguranças teriam confundido os jovens com pichadores

barbárie violência grafiteiros rio de janeiro saara
Imagem: Pragmatismo Político

Revista Fórum

Um vídeo publicado na internet (assista abaixo) mostra três grafiteiros sendo agredidos no centro do Rio de Janeiro. Eles foram obrigados a ficar só de cuecas, pintados com tinta e espancados com uma barra de ferro. Os responsáveis pela ação seriam seguranças da Sociedade de Amigos das Adjacências da Rua da Alfândega (Saara), que teriam confundido os jovens com pichadores.

O caso aconteceu na última quinta-feira (21). No vídeo, é possível ouvir diversas ameaças e xingamentos. “Tira a mão que eu vou quebrar ela (sic). Se tu (sic) olhar para mim, vou estourar a tua cara”, disse um dos agressores. “Agora todo mundo vai apanhar nessa porra. Não bota o pé. Vou quebrar o pé”, continuou.

Uma das vítimas contou em uma rede social que, pouco antes do ocorrido, tinha participado de um evento de grafite no bairro de Santa Teresa. “Fomos abordados por cinco acéfalos na madrugada, que nos espancaram com barras de ferro por nos estereotipar como vândalos. Tive duas fraturas na perna e nem quero postar fotos do resto do corpo, que está coberto de hematomas”, relatou.

Diante da gravidade da situação, várias pessoas se mobilizaram em solidariedade aos jovens. Está marcado para o dia 21 de fevereiro um ato, denominado “Graffitaço da Paz”, na mesma região onde o crime ocorreu. Vale lembrar que o grafite é permitido por lei, em lugares autorizados, no município do Rio, desde 2013.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Guilhermo Postado em 27/Jan/2016 às 14:45

    Grafite é uma arte legal. Pode ser usada em várias áreas deterioradas das cidades para melhorarem seus aspectos. O que irrita são as pichações que não param de crescer. Pichações enfeiam as cidades. Por mim podiam obrigar os pichadores a repintarem as paredes estragadas por eles ^^

    • Annyele Postado em 27/Jan/2016 às 14:58

      Nem se fosse pichadores! Eu acho horrível a pichação além de falta de respeito mas isso ai não tem palavras. Que coisas horrorosa esses agressores.

  2. Guilherme Postado em 27/Jan/2016 às 15:52

    Essência da ignorância

  3. Rodrigo Postado em 27/Jan/2016 às 16:37

    (Outro Rodrigo) 1- tortura é crime, cabendo mesmo denúncia à OEA, em caso de omissão do Estado brasileiro; 2- esses rapazes são grafiteiros (quem usa o grafite como arte, fazendo várias intervenções legais e válidas) ou são pichadores que emporcalham as casas de tantos e o patrimônio público? (sempre fazendo aquela ressalva de que uma coisa não justifica a outra, sendo mera ressalva à qualificação dada aos rapazes agredidos).

    • Rodrigo Postado em 27/Jan/2016 às 19:31

      (Outro Rodrigo) Erro meu (quanto à qualificação dada aos rapazes agredidos), pois os rapazes se autodeclararam como grafiteiros e não como pichadores.

  4. Jonas Schlesinger Postado em 27/Jan/2016 às 17:55

    Legal, matéria educativa.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 28/Jan/2016 às 11:18

    A lógica dos caras é tão perversa, doentia e degenerada, que a justificativa é "confundimos com pichadores". Ou seja: se fossem de fato pichadores, então a tortura, o espancamento e a humilhação estariam ok, estariam plenamente justificados. E tem quem aceita de boa essa explicação aí....""ah, voces confundiram com pichadores, então tá de boas...vocês apenas humilharam e torturaram as pessoas erradas, não foi culpa de vocês"". Isso é extremamente preocupante, porque eles contam com a concordância e conivência da sociedade no que tange a tortura, espancamento e humilhação. Se o panorama fosse de condenação a estes atos bárbaros, eles nunca justificariam assim (nem agiriam assim). A degeneração moral brasileira é galopante.