Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 14/Dec/2015 às 20:13
33
Comentários

Religiosos pressionam e ‘Azul é a cor mais quente’ sai de circulação na França

Por pressão de religiosos, Justiça francesa retira de circulação filme 'Azul é a cor mais quente'. Tribunal disse que cenas de sexo entre mulheres podem 'ferir a sensibilidade do público jovem'

azul cor mais quente filme

O Tribunal Administrativo de Paris retirou de circulação nesta quarta-feira (09/12) o filme “Azul é a cor mais quente”, do diretor tunisiano Abdellatif Kechiche, após a associação Promouvoir, de orientação ultracatólica, entrar na Justiça no ano passado.

A organização criticava a então indicação oficial da produção, que pode ser vista por pessoas a partir de 12 anos.

O tribunal afirmou que as “sequências de sexo entre duas mulheres jovens apresentadas de maneira realista” podem “ferir a sensibilidade do público jovem”. Segundo a decisão, o filme está suspenso na França enquanto a classificação não for elevada.

De acordo com o tribunal, a classificação de 12 anos foi resultado de um “erro de apreciação” do Ministério da Cultura e a ministra da pasta, Fleur Pellerin, deve conceder uma classificação mais elevada à película nos próximos dois meses. O Ministério da Cultura anunciou que irá apresentar um recurso ao Conselho de Estado, última instância da jurisdição administrativa da França.

O filme estreou nos cinemas franceses em 2013, mesmo ano em que foi o vencedor da Palma de Ouro, prêmio máximo do Festival de Cannes. A história narra a relação de amor entre duas jovens, Emma e Adèle (interpretadas pelas atrizes Léa Seydoux e Adèle Exarchopoulos, respectivamente), e mostra cenas explícitas de sexo entre elas.

Opera Mundi

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Guilhermo Postado em 14/Dec/2015 às 21:13

    Ah não deveria sair de circulação, mas essa classificação de 12 anos realmente está errada.

  2. doug Postado em 14/Dec/2015 às 22:28

    Concordo , um filme desses para 12 anos está errada, devem apenas colocar como filme para maiores

    • Douglas Postado em 15/Dec/2015 às 08:36

      Verdade, tem cenas explícitas nesse filme. Fora isso tirando o fato de eu achar um filme ruim não deveria sair de circulação.

      • rafa santos Postado em 21/Dec/2015 às 00:59

        que delícia. mas realmente - só acima dos 16, oficialmente

      • eu daqui Postado em 01/Jan/2016 às 14:04

        Delicia pra homem é fazer e não ver. Por isso precisa ficar perseguindo a divergencia.......

  3. Thiago Teixeira Postado em 14/Dec/2015 às 22:41

    O melhor filme de todos os tempos na minha concepção!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! A Classificação deveria ser 32 anos ou atestado emocional de afirmação sexual kkkkkk.

    • Rogerio Postado em 15/Dec/2015 às 04:33

      Para maiores de 18 e menores de 70. Um idoso vendo aquilo infanta!!!

    • Trajano Postado em 15/Dec/2015 às 21:30

      Ué? Se adolescente de 12 anos quiser acessar pornografia pela internet, ele vai fazer. A facilidade de acesso através da internet é imensa, mesmo se não for em casa, será em algum hotspot fácil de achar em qualquer grande cidade. E o filme nem pornográfico é, gente! Já vi criança se gabando de pegar senha do facebook dos outros através de wi-fi disponibilizado em ambientes comerciais e, convenhamos, mesmo sem saber os paranauê dos hackers, pra pornô é a coisa mais fácil que se tem. Concordaria em parte se ainda estivéssemos no período do VHS, aí a coisa funcionaria, mas hoje em dia? Pfff! Parecemos uma cambada de adultos querendo censurar enquanto adolescentes já foram muito mais longe do que podemos imaginar e do que nem sonhamos que a internet pode oferecer. Não entendo, realmente, essas classificações indicativas. Estamos protegendo quem do quê? Não é ser tiozinho liberal, não, nada disso. Mas é que uma instituição querer proibir filme com cenas de sexo em cinema em temos de internet me parece ser pior do que tampar o sol com a peneira. Não funciona: só funciona para atrair publicidade para instituições e demonstração de poder/influência porque na prática, adolescente verá se quiser, com ou sem proibição.

      • Pedro Postado em 16/Dec/2015 às 08:02

        Mesmo antes da internet, da molecada arrumava um jeito de consumir pornografia pesada. Quem nunca? Revistas e fitas VHS circulavam pelos três colégios particulares paulistanos que frequentei. A internet apenas facilitou muito o acesso. Acho que a classificação precisa sim existir como uma "sugestão": eu reconheço agora, aos 33 anos, que a pornografia que consumi aos 14, 15 não era apropriada para mim. Mas é realmente apenas uma sugestão: o jovem que quiser consumir pornografia, ou qualquer obra de arte que tenha sexo no conteúdo, o fara. E sejamos sinceros: a molecada ja esta tao saturada de pornografia, que as cenas desse filme são "soft core". Colocar uma indicação de 18 anos apenas faz com que o moleque acelere para as cenas picantes, se frustre e volte ao computador. No entanto, sim, precisa haver no mínimo o senso de que expor jovens a situações de cenas que eles não tem maturidade para digerir é o minimo a fazer. A existência do fácil acesso não justifica o não-aconselhamento.

      • Trajano Postado em 16/Dec/2015 às 18:37

        Realmente não justifica a retirada de aconselhamento, uma vez que existe uma indústria por trás do filme que lucra com a diminuição da classificação indicativa. Só que instituições gastarem tempo e dinheiro para influenciar corte na faixa etária é uma coisa estranha, uma vez que a facilidade de acesso às imagens e vídeos de sexo explícito é evidente. E lembrando que não estamos falando de um filme pornográfico também. Quem quiser, verá coisa muito mais escrachada, bem longe dos holofotes das guerrinhas morais dos adultos. Esta é a questão principal, em minha opinião. Por isso, protegendo quem do quê? Se for de conteúdo erótico à adolescentes em filmes da moda, realmente alguma coisa está errada.

      • Pedro Postado em 16/Dec/2015 às 21:05

        O objetivo deve ser informar. Nao é possível "proteger" ninguém do conteúdo. Pode-se conter uma criança de 10, 11 até 12 anos (pais próximos). Mas quem conhece a molecada, sabe que, pelo menos entre os meninos, aos 13 "o bicho começa a pegar", e eles vêem coisas na internet que adultos muitas vezes jamais ouviram falar. "Proteger" é impossível: mas vale a pena dar uma indicação correta do conteúdo, e ser correto com isso. Sobre filmes da moda: como eu disse, um menino simplesmente acelera para a parte picante, se entedia e vai para o computador. Mas é melhor avisar "contém cenas de nudez/sexo explicito", etc. O mesmo para filmes muito violentos.

      • rafa santos Postado em 21/Dec/2015 às 01:00

        verdade, Trajano

      • Mauricio Patrício Jr Postado em 23/Dec/2015 às 02:19

        Claro, toda criança tem maturidade pra lidar com sexo, né?

      • Trajano Postado em 31/Dec/2015 às 00:56

        Maurício, não sei se o comentário que apresentou se refere ao que escrevi. De qualquer forma, obviamente que nenhuma criança deve encarar o sexo tal como os adultos e este assunto deve ser tratado longe de uma tela de cinema que possui uma indústria lucrativa por trás. O mesmo vale para adolescentes: mesmo nos casos de desenvolvimento precoce, quando já apresenta semelhanças ao de um adulto jovem a partir dos 13-14 anos, isso não significa que ele ou ela estará preparado(a) a lidar com isso: sexo não é somente corpo e o próprio corpo dificilmente estará apto às demandas que o sexo pode representar em múltiplos aspectos. O que estou questionando é a ineficácia de evitar que adolescentes tenham acesso a um conteúdo mais explícito e por isso citei as facilidades da internet como exemplo. Este é o ponto. Assim, neste caso do filme, pra mim é só a ponta do iceberg, ao passo que as pessoas consideram que estão resolvendo alguma coisa. Existe muito de demonstração de poder de uma instituição sobre a sociedade e menos de medidas reais de proteção, uma vez que se o foco é impedir que adolescentes tenham acesso a dado conteúdo no cinema, existem outras vias muito mais fáceis de acesso – e de conteúdo muitíssimo mais pesado. Aumentar de 12 para sei lá qual idade este filme francês protege quem do quê? A questão que apresentei é esta: ineficácia da medida ou a superexposição da medida como propaganda de dada instituição, enquanto, no real, tudo continua na mesma. Não estou criando polêmica alguma; a classificação neste caso realmente precisa aumentar, concordo, mas, na prática, isso não protege ninguém de conteúdo adulto: se um adolescente quiser ver, ele conseguirá, mesmo com a classificação de 18 anos. Um abraço!

    • eu daqui Postado em 01/Jan/2016 às 14:02

      Vc não poderia assistir nada, então, já que seu unico atestado é de saco de odio.

  4. Alan Kevedo Postado em 14/Dec/2015 às 23:03

    Se fosse um religioso brasileiro, eu me conformaria, Mas francês? Onde é fácil aprender sobre humanismo e o significado do racional e o distintivo da atraso que é a fé? Cruz-credo.

    • Rogerio Postado em 15/Dec/2015 às 04:34

      Se fosse um religioso muçulmano... Extremista. Mas como foi igreja católica, ou seja, religião dos europeus...

  5. Sandra Lúcia Postado em 14/Dec/2015 às 23:10

    Charlie Hebdo pode expor charges com cenas de sodomia com muçulmanos em todas as bancas de jornal, mas duas meninas não podem se amar,porque é pornográficos para outras meninas de mesma idade. A França, assim, se iguala a qualquer republiqueta de bananas. E a "civilização" continua permitindo que nos matemos na frente das crianças, mas o amor pode "ferir a sensibilidade do público jovem".

    • Davi Postado em 15/Dec/2015 às 00:56

      Perfeito seu comentário, Sandra.

    • Bruno Giminiani Postado em 15/Dec/2015 às 03:44

      Sandra, quanta lucidez em seu comentário!!! Me entristesse ver q um primor da sétima arte é reduzido a um "pornô cult". Uma história emocionante de amor entre duas pessoaa é reduzida a uma cena de sexo explícito. Como vc disse: "ferir a sensibilidade do público jovem"!!!! Que sensibilidade? A do preconceito? A da intolerância para c a diversidade? A da hipocrisia? Obrigado por fortalecer, com seu comentário, minha esperança num mundo mto melhor. Onde " a moral e os bons costumes" são ditados pela ditadura da ignorância. Infelizmente, ainda vivemos na sociedade das novelas, BBB,...., do radicalismo religioso. Me desculpe a pretensão, mas acho q Sartre ficaria mto orgulhoso de vc... rsrs

    • Rogerio Postado em 15/Dec/2015 às 04:35

      O Charlie Hebdo também retratou uma ministra NEGRA como macaca.

      • rafa santos Postado em 21/Dec/2015 às 01:06

        no Brasil de Lula, a revista seria devidamente sancionada pelo racismo. nesse ponto estamos mais evoluídos. tenho amigos camaroneses que venceram na polícia e na justiça questões raciais no Brasil, e falam com muito respeito da atuação que a polícia e a justiça brasileiras tiveram em seus casos - e dizem que na França poderiam ter tido respostas mais frustrantes. é um erro frequente generalizarmos complexos de viralatice.

    • Pedro Postado em 15/Dec/2015 às 06:47

      Nem tanto a uma republiqueta de bananas, mas ao império da ignorância que é a Roma moderna estadunidense. Uma amiga minha, lésbica ja senhora criticou esse filme. Ela disse que as cenas de sexo são "lésbicas para homens". Ela alegou que a cenas intimas entre as meninas não corresponde a como mulheres interagem, mas sim as taras do diretor (homem), e o imaginário masculino sobre o sexo lésbico. Enfim, respeito o que ela disse, não entendo do assunto. Mas tirar o filme (que no geral é excelente) de circulação é um pouco demais.

      • Carol Postado em 15/Dec/2015 às 09:19

        Também não gostei do filme, mesmo fazendo parte do "público alvo". Concordo que a classificação estava errada, mas proibir o filme já é algo sem cabimento.

      • rafa santos Postado em 21/Dec/2015 às 01:07

        poxa, tomara que façam um bem bom menos "tara masculina" - mas agora tô doido pra ver esse, rsrs

    • Thiago Teixeira Postado em 15/Dec/2015 às 22:28

      Tenho a mesma percepção, mas parece que o humor e cultura tem limites para os conservadores, por exemplo, escrachar muçulmano pode, preconceito pode e deve, traição pode, putaria e ostentação é moderno, agora liberdade sexual (no caso o homossexualismo) ... já cheira a esquerda, vamos censurar.

    • rafa santos Postado em 21/Dec/2015 às 01:02

      exato. mas 12 anos é cedo, oficialmente

  6. Seisdedos Postado em 15/Dec/2015 às 09:33

    Pedofilia dentro da igreja católica pode??? e em vez de ser combatida é defendida por advogados com muitos milhares de dólares...

  7. Rodrigo Postado em 15/Dec/2015 às 11:24

    (Outro Rodrigo) Um Governo liberando classificação indicativa para filme com cenas de sexo para pessoas a partir de 12 anos? Se há liberdade de orientação sexual, de outro lado também há uma adequação de filmes para determinadas audiências.

    • rafa santos Postado em 21/Dec/2015 às 01:08

      tens aí um ponto a ser pensado. não é ponto pacífico.

  8. Eduardo Ribeiro Postado em 15/Dec/2015 às 11:53

    Resta saber quem é o tapado que cuidou dessa parte aí e permitiu que um filme desse calibre fosse 12 anos. Aí por causa de uma incompetência tão cavalar, dá-se voz pra uma ultrapassada associação ultracatólica sair cantando vitória, que mostrou sua força, que fez pressão e tirou do ar um filme que tirava os jovens do caminho da religiosidade, que estimulava homossexualismo entre adolescentes, que lugar de propaganda LGBT é no lixo, que foi uma vitória da família francesa...polêmica besta e completamente evitável, e que só serviu pra dar munição pro mimimi religioso.

    • rafa santos Postado em 21/Dec/2015 às 01:10

      e deixou um monte de gente afim de ver o filme, aqui e lá

  9. Adalberto Postado em 15/Dec/2015 às 19:07

    Perda de tempo proibirem, pois a internet taí pra quem quiser ver sem a menor censura.