Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 17/Dec/2015 às 18:50
4
Comentários

Planalto derrota Cunha e Temer e Picciani volta à liderança do PMDB

Com ajuda do governo, Leonardo Picciani reverte o voto de sete deputados e volta à liderança do PMDB na Câmara Federal. Medida representa duro golpe contra Eduardo Cunha e Michel Temer, responsáveis por articular sua destituição

Leonardo Picciani PMDB
Leonardo Picciani volta à liderança do PMDB na Câmara.

Após uma tumultuada checagem de assinaturas, o deputado federal Leonardo Picciani (RJ) foi restituído nesta quinta-feira (17), com o apoio do Palácio do Planalto, à liderança do PMDB na Câmara.

O peemedebista protocolou na secretaria-geral da Mesa Diretora da Casa abaixo-assinado com o apoio de 36 dos 69 integrantes da bancada do PMDB para retornar ao cargo.

Em movimento articulado pelo vice-presidente Michel Temer, ele havia sido destituído na semana passada e substituído pelo deputado federal Leonardo Quintão (PMDB-MG), apoiado pelo grupo do partido favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Para oficializar o retorno de Picciani ao posto, a secretaria-geral teve de checar a autenticidade das assinaturas, o que foi feito sob clima de tensão e confusão.

O órgão não queria reconhecer a autorização dos deputados Vitor Valim (CE), Jéssica Alves (AC) e Lindomar Garçon (RO), que haviam assinado o abaixo-assinado anterior que levou Quintão ao posto de líder.

Para solucionar o problema, aliados de Picciani fizeram força-tarefa para convocar os três a comparecer pessoalmente à secretaria, imbróglio que durou quase duas horas.

No período, além do corre-corre de assessores e aliados de Picciani, deputados governistas acusaram o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de atuar com Micher Temer para obstruir o processo.

“Lamentamos o desserviço que Michel Temer está prestando ao país. O Eduardo Cunha está fazendo tabelinha com o vice-presidente para cometer todas as aberrações possíveis”, criticou o vice-líder do governo, Silvio Costa (PTdoB-PE).

O deputado federal Hildo Rocha (PMDB-RJ) chegou a ameaçar ingressar com medida judicial caso Picciani não fosse restituído. Com a situação resolvida, o peemedebista resumiu o episódio como um “entrave burocrático”.

Ele também não descartou disputar à reeleição da liderança da bancada do PMDB em eleição marcada para fevereiro.

Ofensiva e contra-ofensiva

Para voltar ao cargo, Picciani contou com uma força-tarefa do governo federal, que mobilizou ministros do partido. O esforço concentrado contou com as participações de Kátia Abreu (Agricultura), Marcelo Castro (Saúde), Celso Pansera (Ciência e Tecnologia) e Helder Barbalho (Portos).

Ao todo, Picciani conseguiu reverter o voto de sete deputados federais, que haviam participado do abaixo-assinado de Quintão. Segundo a Folha apurou, o Palácio do Planalto ameaçou cortar cargos e reverter acordos caso eles não apoiassem o retorno do parlamentar carioca ao cargo.

De acordo com relatos de peemedebistas, Helder atuou pessoalmente para reverter os votos de Simone Morgado e Elcione Barbalho, ambas do Pará. Com Vitor Valim, o esforço foi capitaneado pelo líder do PMDB no Ceará, Eunício Oliveira (CE).

Em uma contraofensiva, aliados de Quintão, que permaneceu no posto por oito dias, já se mobilizam para apresentar uma nova lista nesta quinta-feira (17) que o reconduza ao posto.

“Eu vejo isso como um equívoco. Nós demos um passo importante para acabar com esse procedimento que é ruim para o partido. Em fevereiro, teremos eleição diretas, e quem quiser poderá disputar para ser eleito no voto”, disse Picciani.

O peemedebista informou que falará ainda nesta quinta-feira (17) com Temer e disse que buscará o diálogo com ele, apesar dele ter atuado por sua retirada do posto de líder do partido.

“O PMDB é um partido grande, no qual não cabem medidas cartoriais”, afirmou.

Folhapress

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Phelipe Postado em 17/Dec/2015 às 20:18

    Temer cresceu os olhos querendo ser o salvador da pátria, sujou foi a biografia e rachou o PMDB!!!!!

  2. Zeca Rodrigues Postado em 17/Dec/2015 às 20:24

    Está mesmo virando um lupanar.

  3. Onda Vermelha Postado em 18/Dec/2015 às 01:55

    Temer e Cunha podem até reverter esse "jogo" até volta do recesso, mas as fraturas expostas do PMDB nunca estiveram tão expostas em praça pública...aguardemos os próximos capítulos, mas vai ser difícil juntar os cacos. Estou curioso para saber como seria uma "relação institucional" entre Dilma e Temer após esse festival de traições deste "mordomo de uma casa de horrores". Será que ele acreditava que seria fácil depor uma Presidente da República legitimamente eleita realizando "tenebrosas transações na calada da noite" com o Cunha, Moreira Franco, Geddel, Padilha, Paulo Skaf e depois pousar de "pacificador" perante a opinião pública. Ora, ora, ora...

    • Rogério Britto Postado em 19/Dec/2015 às 09:39

      Se mostra muito inocente! Este cidadão sempre esteve a margem da clareza, e fez carreira utilizando "métodos" costumeiramente utilizados pela polícia paulista. Portanto, não podemos esperar nada além disso.