Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 26/Nov/2015 às 11:51
25
Comentários

"Foi brincadeira, ele não é racista", diz esposa de gerente que entregou bananas

Esposa de gerente que entregou bananas como 'homenagem' ao Dia da Consciência Negra justifica atitude do marido, mas vítimas não engolem versão. "Não perdoo. Isso não é brincadeira que se faça com conhecidos e muito menos com desconhecidos. Tinha que cumprir pena. Se a punição não for severa, ele não vai parar de fazer nunca", desabafou uma das vítimas

racismo banana gerentes racistas tijuca

Mulher de Ascendino Correa Leal, de 68 anos — gerente do restaurante Garota da Tijuca, na Zona Norte do Rio, que foi preso por injúria racial após entregar bananas a funcionários de uma entregadora no Dia da Consciência Negra —, a dona de casa Maria Leal afirma que o marido não é racista, e defende que a atitude não passou de uma brincadeira. O gerente do estabelecimento foi demitido esta semana.

Ele é muito brincalhão. Sempre fez essas brincadeiras e eu dizia para ele parar de fazer isso, porque um dia se daria mal. Deu no que deu. Fez a brincadeira no lugar errado, na hora errada e com a pessoa errada. Mas ele não é racista. Tanto que meu pai e meu irmão são negros, e ele sempre os amou muito — diz ela, que tem 58 anos.

Depois de ser liberado, mediante o pagamento de uma fiança de R$ 800 — determinada pelo delegado da 19º DP (Tijuca), onde o caso foi registrado —, o gerente foi afastado do trabalho pela direção do restaurante e, de acordo com Maria, deixou a cidade na tarde desta segunda-feira.

— Não posso dizer para onde foi, mas um casal de amigos passou e levou ele para viajar, porque ficamos assustados com a repercussão. Não estão deixando nem ele ver televisão. Meu marido é hipertenso, está muito nervoso. Tenho medo de perder ele — conta Maria.

A dona de casa afirmou ainda que o marido trabalha há 30 anos no restaurante e que a direção do estabelecimento tem oferecido ajuda, mas não especificou de que tipo.

Na última sexta-feira, o gerente teria oferecido duas bananas a três homens negros, funcionários de uma entregadora, que foram deixar mercadorias no estabelecimento. O acusado teria dito ainda que as frutas eram uma homenagem ao Dia da Consciência Negra. Um dos entregadores sentiu-se ofendido e acionou a Polícia Militar.

‘Não perdoo’

O discurso de Maria não convence William Dias Delfim, um dos entregadores que recebeu a banana das mãos de Ascendino. Ele nunca havia feito entregas naquele restaurante antes e não conhecia o gerente.

— Isso não é tipo de brincadeira que se faça com conhecidos e muito menos com quem você nem conhece. Não perdoo o que ele fez. Depois de entregar a banana para o Osmar (Ribeiro, também entregador) que foi lá dentro, ele fez questão de dar a volta no caminhão para entregar outras duas bananas para mim e para o motorista. Disse que era uma homenagem ao Dia da Consciência Negra, porque nós somos da mesma raça — conta William.

De acordo com o entregador, Ascendino só tentou explicar que era uma brincadeira depois que a polícia foi acionada.

— Ele veio querendo pedir desculpas e até perguntou se a gente não queria almoçar no restaurante para deixar aquilo tudo de lado — diz.

William criticou o fato de o gerente ter sido liberado no mesmo dia da prisão, após pagar a fiança.
— Tinha que cumprir a pena. Se a punição não for severa, ele não vai parar nunca de fazer isso.

as informações são do jornal carioca EXTRA

Recomendados para você

Comentários

  1. sergio ribeiro Postado em 26/Nov/2015 às 11:57

    Conheço gente que realmente brinca assim, mas coloco que é de extremo mau gosto. Ainda vai fazer isso com desconhecidos? Se não for racista, é tremendamente sem noção.

    • João Postado em 26/Nov/2015 às 18:01

      Desde quando defender-se de injúria racial e vitimizar-se? Conseguir privilégio? De qual planeta vc veio cara? Ainda utiliza essa fala para desqualificar a injúria sofrida por essas pessoas e para escamotear seu preconceito e sua visão limitada de mundo. Lamentável o nível da ignorância alheia.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 26/Nov/2015 às 18:34

      Impressionante como o episódio da torcedora do Grêmio ainda machuca alguns corações amargurados. Graças a atitude EXEMPLAR do goleiro Aranha, que jamais será perdoado pelo Pereirinha. Negro bom pra ele é submisso, lacaio, servil. Não um desses "pretinhos petulantes" como Aranha. Negro bom é um Pelé, um Timóteo, um Holiday....

    • Katia Postado em 27/Nov/2015 às 00:43

      Você é outro sem noção de fazer um comentário desses. muito provavelmente já afirma em causa própria, pq. é sem noção e corre o risco de ser preso. Como vc ousa afirmar que é vitimização? Vc é negro , por acaso? Seus filhos são negros ou você é daqueles que afirma que "até tem amigos negros". Eu hein !!! Foi pouco o que aconteceu. Paga fiança e o dinheiro fica para o Estado, dá um prejuízo na imagem pública do restaurante e o cidadão trabalhador, humilhado durante o serviço fica com mais esse registro na sua longa lista de vitimização ... ahhhhhhhh Pereira, Pereira ....

    • sergio ribeiro Postado em 27/Nov/2015 às 10:16

      Aí você viajou, Pereira! Racismo é crime grave e sério. O que eu disse é que existe gente que faz piadas idiotas e sem noção de sua gravidade. A torcedora do Grêmio foi racista mesmo e mereceu o processo e o esculacho que levou.

    • Thiago Teixeira Postado em 27/Nov/2015 às 11:11

      No caso do Senador Delcídio? Foi falta de noção ou emoção exacerbada? Foi não foi? E está preso. Qual é diferença dos crimes? Ata, racismo não vem ao caso.

    • sergio ribeiro Postado em 30/Nov/2015 às 11:28

      PQP, cada uma! O que o Delcídio tem a ver com o pato? Ele claramente tentou obstruir a justiça e foi preso.

  2. Carolina Postado em 26/Nov/2015 às 12:39

    "Se a punição não for severa, ele não vai parar nunca de fazer isso." Ele não vai deixar de fazer isso e ninguém vai, pq as leis não são cumpridas, pq quem as faz valer perpetua o preconceito minimizando-o como uma "brincadeira", uma "piada". As piadas e as brincadeiras são tb responsáveis por perpetuar o preconceito do brasileiro, que tipicamente não se acha preconceituoso pq "tem um amigo negro", "fala com pessoas negras" ou "até já namorou um negro"!

    • Rosalia Postado em 26/Nov/2015 às 14:55

      Falou tudo menina.Assino embaixo....

  3. Tony Fernanndes Postado em 26/Nov/2015 às 13:21

    Racismo a brasileira, o velado sobre o manto de uma simples brincadeira!

    • Trajano Postado em 26/Nov/2015 às 21:53

      Exatamente! E olha que eu esperava que algum advogado ou parente fosse apresentar o velho discurso saúde mental x ato criminal para justificar a ação do acusado, como aconteceu com aquele ex-candidato do PSDB que jurou a presidenta de morte e depois a família justificou como transtorno psicológico. Fala sério! Mas ainda que o cidadão comesse cocô e desse “boa noite” pro Willian Bonner, seria muito difícil manter o discurso da psicose na defesa. E alguém precisa avisar para essa senhora que, sim, óbvio que foi brincadeira e o problema é justamente esse: brincadeira é coisa de criança; ali todos são adultos, trabalhadores, mas mesmo assim o cara resolveu “brincar” com teor racista como se eles não fossem cidadãos racionais e críticos como qualquer outra pessoa saudável, como se eles tivessem a mentalidade infantilizada, como se eles tivessem que se submeter à chacota. Aliás, estou na dúvida do que é mais racista: o fato dele oferecer bananas para os entregadores como “homenagem ao Dia da Consciência Negra” ou o fato dele oferecer almoço para se retratar, como se ferir a dignidade de alguém pudesse ser remediada com um prato de comida. Aff!

      • Pedro Postado em 27/Nov/2015 às 07:10

        Trajano, eu gosto muito dos seus comentários e da sua paciência com a burrice que escorre nas seções de comentário desse site. Mas ha uma questão que realmente precisa ser observada: até que ponto podemos esperar que "tiozoes", velhos ignorantes, etc consigam adaptar o senso de humor deles, as condutas deles, a uma sociedade que busca respeitar os negros e as minorias. Eu vi um video de um comediante americano extremamente politicamente incorreto, Bill Burr, mas que o faz com muito mais qualidade que nossos Gentilis que não sabem ser politicamente incorretos. Eis o link https://www.youtube.com/watch?v=Uc3HiKQDPCQ. Me lembrou um triste momento da minha vida: minha avo, uma mulata, ja com alzheimer e completamente fora de si, disse: "na época de jesus o mundo era muito melhor porque não havia negros". Eu fiquei boquiaberto e não tinha absolutamente nada a responder ou discutir com ela. E ha muitos "tiozoes" ignorantes, que não tem doenças cognitivas, nada disso, mas são absolutamente incapazes de integrar novas condutas sociais. Não é o caso desse cara, pois se ele tem capacidade de tocar seu restaurante, tem sim a capacidade de entender essas regras simples: não estou defendendo esse cara em particular. Mas não devemos nos surpreender ao testemunharmos mentes em decadência papagaiando preconceitos e absurdos: eles cresceram ouvindo esses absurdos. Precisamos ouvir isso saindo de suas bocas para entendermos bem o subconsciente da nossa sociedade. Vemos diariamente uma turma jovem fazendo isso: esses sim é que precisamos combater. Abs.

      • Trajano Postado em 29/Nov/2015 às 11:46

        Olá Pedro. Lamento muito por sua avó. Olha... Somente quem conviveu com uma pessoa querida portadora de doença neurodegenerativa pode dizer como é difícil. Os sintomas que caracterizam um quadro demencial são amplamente incapacitantes, muito além do que comportam as classificações do CIF da Organização Mundial de Saúde. O que posso dizer é o quanto é importante diferenciarmos os aspectos do envelhecimento saudável do patológico. Envelhecer por si só não é doença. O senhor da banana teve uma longa vida para repensar certas posturas – racismo não é discussão tão atual assim; tiozões possuem o luxo da escolha que um cérebro saudável permite, diferente de quem está doente e que não dispõe recursos neurobiológicos suficientes para realizar escolhas conscientes. Ainda que alguém tenha sido educado com um viés racista, a desculpa da formação se perde quando se adquire autonomia, vida adulta. É claro que estão conscientes que podem ofender os outros, aliás, uma das características do humor é a agressividade. É mais difícil mudar quando idoso, mas não é impossível - respeito, empatia e compaixão não são valores novos - e já que escolheram o caminho mais fácil que é o da satisfação pessoal em detrimento da satisfação do outro, que enfrentem as consequências dos seus atos. Penso que devemos combater o racismo praticado por indivíduos de qualquer faixa etária e para além, em respeito aos portadores de quadros psiquiátricos e/ou neurológicos graves e seus familiares, rechaçar os canalhas que fingem determinada patologia para escaparem de suas responsabilidades civis. Todo mundo tem pensamentos sombrios, agressivos, bizarros, mas isso não significa que devemos nos comportar seguindo o que temos de pior. A sociedade não deve se curvar aos mimos dos nossos caprichos e se não abandonamos velhos hábitos e preconceitos, isso é da nossa escolha e revela aspectos da nossa personalidade e o que esperamos e entendemos da sociedade, tanto para o bem quanto para o mal. Pedro, agradeço muito por seu comentário. A internet às vezes serve para alguma coisa relevante, como é o seu relato e opinião. Um abraço!

  4. Alfredo Batista Postado em 26/Nov/2015 às 13:56

    Não sei quem teve a atitude mais patética, o gerente ou a esposa dele tentando justificar o injustificável!

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 26/Nov/2015 às 14:23

    Não tem que perdoar mesmo. Está coberto de razão o entregador. Passar a mão na cabeça de racista, perdoar e ficar de mimimi é errado. Perdoar é seguir a cartilha branca fascista segundo a qual o negro tem que baixar a cabeça e pedir desculpa até por existir e estar respirando. Fala que é "brincadeirinha", mas ninguém se põe no lugar do negro que, trabalhando, recebe uma banana e é humilhado por um branco racista. E é brincadeira somente quando o caso ganha repercussão, quando chega a polícia, quando clientes começam a boicotar o comércio, aí se torna brincadeirinha ingênua, "ainn não se pode nem chamar um pretinho de macaco mais....o politicamente correto matou o mundo". E essa senhora que se dê por satisfeita por estar com o marido racista hoje de boa, viajando, andando sem nenhum osso quebrado e sem nenhuma cicatriz. Deu sorte de o marido ter manifestado seu racismo contra pessoas de bem, humildes, que tem filho pra criar e prezam pelo seu trabalho. A "brincadeira" podia ter rendido internação médica, fraturas e escoriações para o racista, e tudo que eu diria é "bem-feito, o racista mereceu".

    • Eduardo Ribeiro Postado em 26/Nov/2015 às 18:19

      Oi????

    • Denisbaldo Postado em 26/Nov/2015 às 19:53

      Não estranha não Eduardo, foi assim que ele conseguiu a dele. Então ele acha que todo mundo é igual.

  6. cris Postado em 26/Nov/2015 às 14:26

    Alguem tem que fazer as pessoas entenderem uma hora dessas que fazer brincadeirinhas e gracinhas racistas é ser racista, kkkk

  7. Denisbaldo Postado em 26/Nov/2015 às 14:42

    Mesmo sendo uma "piada", gera constrangimento, portanto é ofensiva, ou seja, é um ataque ofensivo de cunho racial. Concluindo, é um crime, crime de injúria. Se ELE chama isso de "piada" é porque ELE acha isso engraçado, mas não retira em nenhum momento o teor ofensivo e criminal do ato. Os terroristas também sentem prazer e devem rir ao explodir bombas nos estabelecimentos. Outros acham engraçado pichar muros, e por aí vai. Ser piada ou não para quem pratica tal ato é totalmente irrelevante. Se ele é "brincalhão" deveria escolher outra brincadeira, porque essa aí é crime.

  8. VALQUIRIA Postado em 26/Nov/2015 às 15:10

    "ELE NÃO É RACISTA TANTO QUE MEU PAI E MEU IRMA~SÃO NEGROS E ELE SEMPRE OS AMOU" Á VÁ!

  9. Donizeti Postado em 26/Nov/2015 às 22:42

    Dona Maria, seja leal, seu marido é muito brincalhão ou muito nervoso?

  10. poliana Postado em 27/Nov/2015 às 14:09

    MANDELA, "IMERECIDOS"!!!!!!!!!!!!!!!!!!????? COMO É Q É PEREIRA??????????????????????????????

  11. Jonas Schlesinger Postado em 29/Nov/2015 às 00:11

    É notável quando eu me deparo com um artigo como este! Fala sobre o racismo de uma pessoa que, no calor das suas emoções, despejou o seu preconceito ao outro. O gerente não era nenhum simplório a ponto de não saber o que estava fazendo, merecendo ou não, ele teve que pagar por sua "brincadeira de mau gosto". Quantas "brincadeiras de mau gosto" são feitas neste Brasil com mais de 200 milhões de cabeças? São muitas com pensamentos diferentes. Não é à toa que eu fico matutando a respeito de alguns comentaristas da internet (até mesmo do Pragmatismo Político) sobre as suas posições ideológicas. Muito bem, há sujeitos por aqui (e são bem conhecidos) que são a favor da descriminalização da maconha, são a favor do casamento de homossexuais, feminismo, ou seja, do mais progressista e liberal possível; todavia, num artigo que eu li há meses atrás (a respeito da morte do primeiro brasileiro condenado à morte na Indonésia) um desses comentaristas tupiniquins (pró-tudo o que for relacionado ao PT, não pró-esquerda) respondeu que é favor da polícia militar e não se sentiu consternado com a morte do rapaz, como ficara a presidente Dilma. Também quando li, em fevereiro, sobre a vitória da Beija-Flor que ocorrera através do patrocínio do presidente da Guiné Equatorial (que é negro, por sinal), eu vi dos mais diversos insultos à escola, seus dirigentes e até ao presidente daquele país. Tanto aqui quanto em outros sites, as mesmas pessoas que põem uma flor no cano da espingarda de um soldado querendo promover a paz e o liberalismo, são as mesmas que brandem suas críticas como se fossem espadachins prontos para socar a espada no peito do inimigo. Ora, o brasileiro é assim: quando o nicho em que o certo cidadão se encaixa está sendo prejudicado, ele o defende com unhas e dentes, se não for, ele não faz nada ou até se opõe. É igual aquele ditado do populacho: farinha pouca, meu pirão primeiro. E ainda têm pessoas que, no alto de suas sandices político-ideológicas, pensam que estão promovendo a esquerda. Na verdade, essas pessoas, tanto aqui quanto em qualquer lugar, são como lobos em pele de cordeiro; disfarçam-se como progressistas, mas não estão nem aí para isso; quer mais é que um certo partido político X continue no poder ou partido Y retire o outro do poder. Deus me livre de ser assim. Sempre mostrei ser o que sou: diferente deste cidadão que deu as bananas aos entregadores e destes que o criticam, mas são iguaizinhos a ele num outro aspecto. Ah! Mas sempre vão acabar dizendo que foi "uma brincadeira de mau gosto". O que me resta?... Bola pra frente.

    • Trajano Postado em 29/Nov/2015 às 10:42

      Schlesinger, não é melhor você dar nomes aos bois ao invés de criticar no vazio e finalizar com um “eu sou diferente”? Dê a oportunidade para a pessoa se defender, até porque você tascou uma salada de opiniões, apimentou com cegueira de militância partidária, mas estamos em um assunto de racismo que, ao menos acho, deve ser suprapartidário.

  12. mona Postado em 29/Nov/2015 às 13:07

    Pereira, acredita mesmo que Isabel assinou a lei Áurea por altruísmo, como ensinado nas escolas? Ela o fez porque não havia mais opção, fomos o último país a abolir a escravidão e um dos que mais tinham escravos no mundo, eles estavam em pé de guerra, era uma bomba relógio. As elites (sempre eles) viram isto e mais: haviam muito mais negros que brancos, o Brasil estava se tornando um pais de brasileiros negros, então aproveitaram a recessão na europa e promoveram a "recolonização" brasileira. Pense nisso.