Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 23/Nov/2015 às 17:57
24
Comentários

Ex-blogueiro da Veja responsabiliza mulheres pelas agressões sofridas

Ex-blogueiro da Veja afirma que mulheres que apanham em relacionamentos abusivos têm responsabilidade sobre a situação: “muitas sentem gozo pela postura de vítima”, defende Constantino. No Brasil, quase 5 mil mulheres são mortas por ano em decorrência de violência doméstica, uma média de treze a cada dia

Rodrigo Constantino Mulheres blogueiro
Rodrigo Constantino foi demitido da Veja no meio do ano

Revista Fórum

“Muitas escolhem essa situação não pelos filhos ou pelos próprios parceiros, e sim pelo gozo que sentem na postura de vítima”. A frase foi escrita pelo ex-blogueiro da revista Veja Rodrigo Constantino no texto [leia abaixo] em que coloca parte da culpa nas mulheres vítimas de violência doméstica pelas agressões que sofreram.

No artigo, publicado em seu blogue nesta segunda-feira (23), Constantino se pergunta “até que ponto a vítima de agressões recorrentes não faz parte do problema”.

Sua tese é de que mulheres têm a chance de abandonar relacionamentos abusivos e violentos e que, se não o fazem, têm responsabilidade sobre a situação.

O blogueiro nasceu e foi criado no Brasil, onde está a maioria absoluta de seus leitores, onde 4.762 mulheres foram mortas somente em 2013, uma média de treze a cada dia, segundo o Mapa da Violência 2015.

O estudo revelou que 55,3% desses crimes aconteceram no ambiente doméstico, sendo 33,2% cometidos por parceiros ou ex-parceiros das vítimas. Além disso, entre 2003 e 2013, os homicídios de mulheres negras aumentaram 54%, passando de 1.864 a 2.875.

Leia abaixo o texto de Constantino:

Por que tantas mulheres agredidas continuam com seus agressores?

Acabei de publicar um texto sobre um idoso agredido por seu caseiro, e fui ler o artigo de Ligia Bahia no GLOBO. Ela defende que a agressão a mulher não é uma questão individual ou sequer legal, e sim um problema de saúde pública.

Em seguida, diz que a pergunta de por que as mulheres permanecem em relações conjugais violentas deve ser substituída pela “escuta”, ou seja, não devemos tratar essa mulher como conivente em sua desgraça, e sim como vítima apenas.

Pensei: se o proprietário do restaurante que foi agredido pelo caseiro aceitasse um simples pedido de desculpas e uma promessa de mudança, colocando-o novamente para cuidar da casa, será que ele teria alguma parcela de responsabilidade num eventual novo caso de agressão?

Até que ponto a vítima de agressões recorrentes não faz parte do problema? A “escuta” que Ligia Bahia sugere para transformar a mulher que apanha somente em vítima foi feita durante vários anos pelo psiquiatra britânico Theodore Dalrymple. Sua conclusão é diametralmente oposta à da professora da UFRJ.

Dalrymple considera desumano e sensacionalista isentar a mulher totalmente de culpa ou responsabilidade, quando ela é vítima recorrente de agressões. Ele conheceu várias, e perguntava por que não abandonavam os parceiros agressores. As respostas variavam, mas sempre em torno de uma vitimização que trazia algum gozo a elas.
O namorado era um pobre coitado que finalmente iria mudar. Ele precisava muito dela, pois sem ela ele estaria perdido de vez na vida. Preservar o parceiro em casa era melhor para os filhos, mesmo que ela tenha que pagar o preço de apanhar de vez em quando. E por aí vai.

Tais desculpas jamais convenceram o psiquiatra, que cobrava delas uma postura de responsabilidade nesses atos. Elas, no fundo, sabiam que seriam vítimas novamente das agressões. Dalrymple, que é o contrário de sensacionalista, nunca deu moleza para que essas mulheres agredidas pudessem bancar as eternas vítimas, como fazem intelectuais de esquerda.

Ninguém vai sustentar que é muito fácil se livrar do parceiro agressor, ou que o próprio medo não seja um fator envolvido na escolha. Mas eis o ponto central aqui: há escolha! Por mais difícil que ela seja, existe a possibilidade de escolha. E acredito, com Dalrymple, que muitas escolhem essa situação não pelos filhos ou pelos próprios parceiros, e sim pelo gozo que sentem na postura de vítima.

O caso do candidato do PMDB à prefeitura do Rio, Pedro Paulo, trouxe à tona uma vez mais o assunto, e as duas agressões relatadas e conhecidas são suficientes para enterrar seu sonho de concorrer de fato ao cargo do companheiro Eduardo Paes. Não se pode aceitar alguém que bate na própria mulher. Sua carreira política merece ser destruída.

Mas é preciso lembrar que sua mulher, a mesma que foi agredida ao menos duas vezes, continua com ele. A esperança venceu a experiência? Eis a pergunta que deixo no ar para o leitor, então: se houvesse um terceiro episódio, ela estaria totalmente isenta de responsabilidade nele?

Esquerdistas como Ligia Bahia querem que o estado cuide de tudo como tema de “saúde pública”. Direitistas como Theodore Dalrymple cobram maior responsabilidade individual, sem vitimizar pessoas que, mal ou bem, escolhem seus destinos sempre como eternas vítimas. Quem está com a razão? A visão que transforma a mulher agredida em vítima indefesa incapaz de reagir, ainda que legalmente ou pulando fora da relação doentia, não vai contra o feminismo tradicional que tenta fortalecer as mulheres?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Tony Fernanndes Postado em 23/Nov/2015 às 18:33

    Tai a motivação para este texto do Constantino a politica " O caso do candidato do PMDB à prefeitura do Rio, Pedro Paulo, trouxe à tona uma vez mais o assunto, e as duas agressões relatadas e conhecidas são suficientes para enterrar seu sonho de concorrer de fato ao cargo do companheiro Eduardo Paes. Não se pode aceitar alguém que bate na própria mulher. Sua carreira política merece ser destruída. Novamente alguém ira concordar com essa Lama que Rodrigo Constantino escreve.

  2. Leandro Postado em 23/Nov/2015 às 18:39

    Lamentável... mais uma criatura que não tem o que dizer e quando resolve abrir a boca, solta um disparate desse. Nojo, muito nojo!

  3. André Postado em 23/Nov/2015 às 18:45

    Mas o que se poderia esperar de um pseudo intelectual de internet, que conseguiu ser demitido da VEJA kkkkk, serio divulgar um texto de alguém que conseguiu ser demitido da veja, no minimo é piada kkkkkkkk esse cara DA pra HUMORISTA .......kkkkkk

  4. Talita Postado em 23/Nov/2015 às 20:03

    Não entendo a razão de vocês darem tanto IBOPE pra um imbecil como o Constantino. AFF! Me poupem!

    • Leonardo Postado em 23/Nov/2015 às 20:43

      O Constantino pra virar boçal tem que evoluir muito

  5. Peterson Postado em 23/Nov/2015 às 20:21

    Gente, ele já saiu da Veja. Pode parar de prestar atenção nele agora.

  6. lecticia Postado em 23/Nov/2015 às 21:14

    Então o jornalista lê apenas um livro sobre o assunto e julga saber... Ninguém que é vítima goza do estado de vítima. Esta é uma visão mazoquista de quem sofreu um dia, arcou com o sofrimento, assumiu certas responsabilidades e acredita que todas as pessoas devem se retirar completamente sozinhas dos seus problemas circunstanciais. A questão de toda violência nesta sociedade é ampla e o governo tem bastante responsabilidade sobre ela, já que por centenas de anos oprimiu o povo, distorceu a educação para que a desigualdade social permanecesse e para que ele usasse as pessoas como escravas. As pessoas que não são solidárias aos menos favorecidos, aos que vivem à margem, são egoístas. As pessoas que amam criticar qualquer auxílio que o governo presta, ou que organizações ou movimentos prestam em socorro às vítimas (vítimas sim), estão no estado de ignorância ainda. Se julgam superiores. Pior ainda são os que fazem suas conjecturas filosóficas e de julgamentos com base nas distinções de partidos políticos. Ridículo o texto desse jornalista. A única questão que tem um tanto de coerência é que realmente TODOS NÓS somos responsáveis por nossas escolhas, por nossos atos, mas isto não alivia em nada a responsabilidade que o governo tem, e porque não dizer tantos empresários tem também acerca da pouca educação que nosso povo conseguiu e pouca evolução em termos financeiros.

  7. Marcos Cardoso Postado em 23/Nov/2015 às 21:27

    "KIPORREÇA"

  8. André Oliveira Postado em 23/Nov/2015 às 22:40

    Como esse cara é nojento, asqueroso. Ele faz uma análise tão absurda da questão da violência contra a mulher que até assusta tanta asneira ter tanta repercussão e tanta validação social. Que felicidade ver uma substância como essa dizer que é de direita. A esquerda não merece um lixo desses..

  9. Bruna Postado em 23/Nov/2015 às 22:49

    Vai tomar no cu , Constantino. As agressões domésticas não são apenas entre casais. existem entre irmãos e irmãs. Sobrinho que agride tia, fisica e psicologicamente. Com vários B.Os. E o que a justiça fez? NADA!!!! Agressões entre familiares, onde os avós tentam proteger netos, filhos violentos dentro da própria casa. Estão esquecendo este lado, que é o mais triste. O psicológico, onde muitas vezes, acada em homicídio, suicídio, famílias destroçadas. Vai tomar no cu, sacana !!!

  10. Carlos Postado em 24/Nov/2015 às 00:57

    Esse idiota quer holofotes já que vive hoje de doações.

  11. Tammy Postado em 24/Nov/2015 às 01:48

    Como uma pessoa consegue desenvolver um raciocínio estúpido desses só para dar um desfecho político mais estapafúrdio ainda??

  12. Alberto Ferreira Postado em 24/Nov/2015 às 03:21

    Fico pensando. Talvez o Constantino seja pago para ser um ativista, empedernido, contra qualquer pauta ou bandeira que mesmo que não sejam de esquerda ou tenham a ver com a preferência de sistema econômico ou visão política esquerdista, sejam abraçadas por pessoas ou grupos afeitos a essas idéias que se pareçam ou de alguma forma possam ser associadas de alguma forma ao pensamento esquerdista,no intuito de esculachar. Uma espécie de desconstrução pela via ideológica. Se o motivo não for o venal então só me resta pensar que ele é mesmo um perfeito imbecil.

  13. Luis Guilherme Postado em 24/Nov/2015 às 05:57

    O Constanfino não disse isso que foi atribuído a ele no título, apenas disse que muitas vezes as mulheres também tem sua parcela de culpa ai permanecer em relacionamentos abusivos.Sou sobrinho de policiais, cresci ouvindo histórias sobre casos concretos de violências doméstica, e incontáveis vezes a esposa do perpetrador decidia continuar com o cara não por medo ou necessidade econômica, mas por amor, por acreditar que o parceiro no fundo era uma pessoa boa...

    • João Paulo Postado em 24/Nov/2015 às 12:13

      Concordo. O Estado não pode ser responsabilizado pela omissão e/ou conveniência da própria vítima. Claro que - no contexto do blog desse infeliz - a intenção é atacar mulheres. Por si só, nada demais no texto, que apenas fala o óbvio.

  14. George Postado em 24/Nov/2015 às 09:19

    eu já nem me surpreendo com esse idiota.

  15. André Postado em 24/Nov/2015 às 09:43

    Há uma "acusação" feita pelo constanTE CREtino, mas esperava que houvesse um ARGUMENTO no texto do pragmatismo. Não há. Só há uma desqualificação que não contribui para o raciocínio do leitor!

  16. Eduardo Ribeiro Postado em 24/Nov/2015 às 10:53

    Pena desse coitado. Mais um texto-vergonha. Fora da Veja, vai viver disso aí, de brilharecos de 1 ou 2 dias oriundos de textos bisonhos como esse. Em poucas semanas será um personagem rancoroso circunscrito à sua meia dúzia de fãs debilóides/meninos mijados de internet. Frustrado pelo ostracismo, tenho medo que surte e cometa alguma barbaridade por aí.

  17. ejedelmal Postado em 24/Nov/2015 às 11:08

    O Pondé não havia dito que direitista não pega ninguém? Taí a resposta. Só falta o Transtortino dizer que isso é meritocracia.

  18. Marcos Vinicius Postado em 24/Nov/2015 às 14:40

    Não tive estômago pra ler essa porcaria! Parem de dar ibope pra ele.

    • Thiago Teixeira Postado em 24/Nov/2015 às 18:53

      De acordo. Estamos revirando lixo, aposto que nos últimos dias grandes textos foram produzidos por jornalistas ou não, bem intencionados e seus artigos ficam no esquecimento.

  19. Fernando Rezende Postado em 25/Nov/2015 às 08:43

    O que vocês querem de um cara que nem pra Veja serve mais?

  20. Rui Ricardo Soares Melo F Postado em 25/Nov/2015 às 21:34

    Esse blogueiro tortura as mulheres por que ele é um nazi-fascista

  21. Jornalista Kirk Douglas Postado em 28/Nov/2015 às 23:47

    Creio que não seja bem por esse prisma em que as mulheres são culpadas. Melhor que fosse puxado o gancho de que as mulheres são ameaçadas caso decidam se separar do agressor. Esse é o pilar maior que muitas vezes induz ao crime consumado. As mulheres não são culpadas por estarem com homens violentos sofrendo agressões. Elas se tornam escravas e não podem se libertar ao bel prazer devido às retaliações possíveis a serem sofridas. Esse jornalista, se for casado, deve ser muito violento com a esposa ou filhos.