Redação Pragmatismo
Compartilhar
História 27/Nov/2015 às 11:35
7
Comentários

A história do senador brasileiro que foi preso antes de Delcídio Amaral

É possível que muitos jovens não saibam, mas o plenário do Congresso Nacional já foi palco de um assassinato, em 1963. Tanto vítima como assassino eram senadores da República. Na época, a Carta Magna também previa que os parlamentares decidissem entre a manutenção e o relaxamento da prisão

Senado assassinato 1963 Arnon Mello
Registros do assassinato no Congresso em 1963 (Arquivo/Pragmatismo Político)

O caso, que ocorreu em dezembro de 1963, causou a morte do senador José Kairala, após ser baleado no abdome. O tiro foi disparado pelo também senador Arnon de Mello (pai de Fernando Collor de Mello), que queria matar o colega de bancada Silvestre Péricles

A prisão do parlamentar Delcídio do Amaral (PT) não foi o primeiro caso de um senador a ser preso em pleno exercício do mandato.

Na década de 1960, o fogo cruzado, literalmente, entre os parlamentares causou a primeira prisão de um senador da república, mais especificamente de dois congressistas.

A fatalidade, que ocorreu durante uma sessão no Senado Federal em dezembro de 1963, foi o final de uma longa disputa política e pessoal entre dois dos principais membros daquela Legislatura.

Se os responsáveis pela briga não se feriram, um inocente acabou sendo morto dentro do Plenário do Congresso. A antiga rixa envolvia os senadores Arnon de Mello (pai do ex-presidente Fernando de Collor de Mello) e Silvestre Péricles, ambos representantes do estado de Alagoas.

A confusão generalizada começou muito antes do assassinato do inocente senador José Kairala, do Acre, que acabou baleado durante a tentativa de evitar um tiroteio entre ambos, dentro do Congresso.

A rixa entre Péricles e Arnon existia desde a época em que eram lideranças regionais de Alagoas e se estendeu por anos, mas o auge da disputa foi quando o senador Péricles ameaçou durante um discurso matar seu rival. Desde então, o pai do atual senador Collor passou a usar uma ‘Smith Wesson 38’ em sua cintura. O enredo para a tragédia estava escrito.

No dia 4 de dezembro de 1963, o pai de Collor era o primeiro orador inscrito e abriu os trabalhos mostrando a que veio. Com a tradicional pompa parlamentar, anunciou: “Senhor presidente, com a permissão de Vossa Excelência, falarei de frente para o senador Silvestre Péricles de Góes Monteiro, que me ameaçou de morte”.

A frase foi suficiente para levar Péricles, que conversava com um colega no fundo do plenário, a apressar-se em direção à tribuna. De dedo em riste, gritou: “Crápula!”.

Numa cena ao melhor estilo filme de velho-oeste, ambos os parlamentares sacaram seus revolveres e o tiroteio começou.

Na tentativa de evitar uma tragédia, os senadores Kairala e João Agripino (tio do atual senador José Agripino, do DEM) se engalfinharam no chão com Péricles para lhe tirar a arma das mãos. Neste momento, Arnon disparou duas vezes contra o rival e acabou atingindo acidentalmente em Kairala. Baleado no abdome, o parlamentar foi levado em estado grave ao Hospital Distrital de Brasília, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu depois de quatro horas.

Após a tragédia, os senadores responsáveis pelo tiroteio foram presos em flagrante e assim como na atual Constituição, a Carta Magna da época também previa que a prisão de parlamentares fosse submetida ao voto de seus pares para ser aprovada ou não. Sob pressão popular, o Senado aprovou por 44 votos a favor e 4 contra a prisão em flagrante de Silvestre Péricles e Arnon de Mello.

Após um curto período de tempo no cárcere, ambos ganharam a liberdade. Cinco meses após o assassinato, o Tribunal do Júri de Brasília julgou o caso e inocentou os dois parlamentares. Numa curiosa matéria divulgada naquela época pela imprensa do Distrito Federal foi citado que durante o período em que Silvestre Péricles esteve preso, ele não se separava de “seu 38, cano longo de cabo madrepérola”, causando constrangimento aos guardas que faziam a segurança do presídio.

O GLOBO

Amigo e sócio de Roberto Marinho, Arnon seria retratado como vítima no jornal do dia seguinte. Discorre o editorial, na primeira página:

“A democracia, apesar de ser o melhor dos regimes políticos, dá margem, quando o eleitorado se deixa enganar ou não é bastante esclarecido, a que o povo de um só estado – como é o caso – coloque na mesma casa legislativa um primário violento, como o Sr. Silvestre Péricles, e um intelectual, como o Sr. Arnon de Mello, reunindo-os no mesmo triste episódio, embora sejam eles tão diferentes pelo temperamento, pela cultura e pela educação”.

Arnon de Mello foi reeleito em 1970 por votação direta. Faleceu em 1983 cumprindo mandato de senador de Alagoas.

informações de Bernardo Mello Franco, arquivos de O Globo e EcoViagem

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Gabriel Postado em 27/Nov/2015 às 13:21

    Um Senado com 48 membros (dois por Estado). Aposto que gastava menos e funcionava tão bem (mal) quanto o nosso.

    • João Paulo Postado em 29/Nov/2015 às 21:32

      Também acho. E cortar pela metade o número de deputados também daria um "up" nas finanças públicas.

  2. poliana Postado em 27/Nov/2015 às 14:28

    "A antiga rixa envolvia os senadores Arnon de Mello (PAI DO EX-PRESIDENTE FERNANDO COLLOR DE MELLO)) e Silvestre Péricles, ambos representantes do estado de Alagoas".................................pq isso n me surpreende???????

    • Marcos Vinicius Postado em 27/Nov/2015 às 16:00

      O mandato de senador parece mais uma capitania hereditária.

      • poliana Postado em 27/Nov/2015 às 16:52

        parece não...é! vc ainda tem dúvidas!?

  3. enganado Postado em 28/Nov/2015 às 09:45

    Precisa dizer mais alguma uma coisa: ___"""Amigo e sócio de Roberto Marinho"""___ . As Famiglias sabem se defender, ainda mais com respaldo dos EUA naquela época que estavam próximos do ""Golpe de 1964"". Pobre BRASIL!

  4. Thiago Teixeira Postado em 28/Nov/2015 às 12:15

    Vivendo e aprendendo. Nunca tinha ouvido falar nessa história. Pai do Collor sócio de Roberto Marinho ... as coisas vão clareando a cada dia ... 1989 pra mim está mais que exclarecido.

O e-mail não será publicado.