Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 20/Nov/2015 às 18:00
4
Comentários

A filha de Malcolm X está no Brasil e falou sobre racismo e passividade

Filha de Malcolm X se diz surpresa com a passividade diante da violência racista existente no Brasil e cobra ações mais contundentes. Em palestra em São Paulo, Malaak Shabazz também falou sobre feminismo negro, desigualdade de gênero, representatividade negra na política e governo Obama

Filha Malcolm X Brasil racismo
(Imagens: Alma Preta)

Alma Preta e revista Brasileiros

Em passagem pelo Brasil, a ativista dos direitos humanos e filha do líder negro norte americano Malcolm X, Malaak Shabazz, convidou a população negra a promover ações mais contundentes. Na entrevista que concedeu à imprensa negra após encontro com jovens na cidade de São Paulo, na tarde desta quinta-feira (19), a ativista diz ter se surpreendido pelo fato de as pessoas estarem tão tranqüilas diante da violência racista existente no Brasil.

“[minha mãe] criou seis filhas ao mesmo tempo em que se dedicava à construção de uma sociedade livre do racismo”.

Pelo menos 400 pessoas se aglomeraram no auditório da Galeria Olido, no centro de São Paulo, para ouvir Malaak e, também, dar notícias sobre as condições de vida da população negra. O público era maior, mas muitos ficaram de fora por ordem dos bombeiros. Entre os diversos temas abordados, a ativista norte-americana falou sobre feminismo negro, desigualdade de gênero, representatividade negra na política, governo Obama e também suas impressões sobre o racismo no Brasil e o genocídio afeta sobretudo moradores da periferia.

Na partilha de experiências, Malaak fez análise da conjuntura política e abordou temas que estão presentes tanto na sociedade norte-americana quanto na brasileira, como a repressão policial e a necessidade de articulação entre os movimentos negros.

A ativista compartilhou momentos importantes da biografia de seu pai, mas fez questão de enfatizar o papel da mãe na luta antirracista. A também ativista Dra. Betty Shabbaz, “criou seis filhas ao mesmo tempo em que se dedicava à construção de uma sociedade livre do racismo”. Atuou, sobretudo, na criação de condições para que os jovens negros pudessem ter acesso à educação de forma subsidiada.

Horas antes da palestra, promovida pela Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial (SMPIR), Malaak conheceu o bairro de Cidade Tiradentes, na zona leste paulistana e pode conversar com moradores. Ao final a ativista demonstrou disposição em colaborar com a proposta de construção de um seminário internacional sobre o genocídio da população negra.

OBAMA

Apesar de lamentar a força do racismo depois de tantos anos desde a morte do pai, Malaak comemorou a força que o negro ganhou nos Estados Unidos depois que Barack Obama assumiu a presidência. Ela ressaltou, no entanto, que a ‘islamofobia’ não para de crescer nos EUA.

“Há um movimento negro mais forte, em posições mais altas. Quando Obama se tornou presidente, a velha guarda dos brancos que queriam os negros por baixo simplesmente não conseguiu lidar com um presidente negro. Eles viram a família Obama, uma representação bonita de família negra, que não tinha nada a ver com a imagem do negro marginalizado. Eles ficaram confusos. Obama conseguiu como nunca antes ter mais brancos para votar nos negros. Então, as coisas estão melhorando, mas ainda há muito o que fazer”

MALCOLM X

“Meu pai costumava dizer que não importa se o negro é cristão, judeu ou muçulmano, quando ele sai na rua o branco o tacha como negro”, afirmou ao se referir a Malcolm, assassinado em 1965 durante um discurso no Harlem, em Nova York.

AÇÕES AFIRMATIVAS

Para a ativista, ações afirmativas são absolutamente necessárias, mas enfrentam muita resistência e, nos Estados Unidos, foram criadas para todas as minorias, que englobam mulheres, latinos e negros.

“O problema é que 67% das pessoas beneficiadas por ações afirmativas nos Estados Unidos são mulheres brancas”, explicou, lembrando da criação dos chamados Historically Black Colleges, instituições de ensino superior voltadas para a comunidade negra americana. “Foi muito importante para estudantes que não conseguiam ingressar em universidades como Yale, Harvard e Columbia. Não queríamos ficar só chorando, por isso nós criamos as nossas próprias universidades”, contou.

Atualmente há 215 Black Colleges no território americano, onde 98% dos estudantes são negros.

BRASIL

“Minha mãe vinha todos os anos para o Brasil. Ela trabalhava muito e vir para cá era o jeito que ela tinha de respirar, de descansar. Eu sempre quis vir, estou muito feliz de estar aqui e sei que vou voltar”, disse a ativista.

VEJA TAMBÉM: 9 coisas que pessoas brancas não deveriam dizer sobre racismo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Postado em 21/Nov/2015 às 18:18

    O máximo que a esquerda vai conseguir com isso vai ser transformar o Brasil em algo semelhante aos USA, lugares de negros e lugares de brancos, mas aqui a coisa vai piorar muito mais, meus parabéns.

    • Danilo Postado em 23/Nov/2015 às 00:08

      Jura, Carlos? Hoje já não é assim? Me diga quantos negros você encontra quando vai jantar em um restaurante em Moema (ou Leblon). Parece-me que hoje negros são maioria nas favelas e presídios e minorias em universidades e altos cargos executivos, ou não? Então, pensemos juntos: não existe lugares de brancos e lugares de negros, no Brasil?

    • Eduardo Ribeiro Postado em 23/Nov/2015 às 10:23

      Carlos é menino limitadinho demais, coitado. Tá aprendendo ainda, tem tempo pra melhorar.

    • Pablo Postado em 23/Nov/2015 às 11:03

      Se ela conseguir isso vai ser uma grande evolução, pois, hoje, o negro não tem lugar na sociedade brasileira, tem zona de depósito.