Redação Pragmatismo
Compartilhar
Drogas 23/Oct/2015 às 17:26
9
Comentários

Três ex-policiais fumam maconha pela primeira vez em décadas [vídeo]

Depois do sucesso das três vovós fumando maconha pela primeira vez, produtora convida três ex-policiais, entre 60 e 75 anos, para experimentar a erva. Confira o resultado

policiais maconha primeira vez

Depois do viral das três avós fumando maconha pela primeira vez em novembro passado, o canal Cut Video lançou no Youtube, nesta terça-feira (20/4), outro vídeo do tipo: três ex-policiais, entre 60 e 75 anos, fumam maconha pela primeira vez em décadas.

O vídeo foi gravado em Washington (EUA) onde o uso recreativo da erva foi liberado no final de 2014. “Acho que um bom motivo para legalizar é que você tem um produto de qualidade, (sabe) o que é, de onde veio e o que pode fazer com você”, afirma o aposentado Reen, que não fumava erva desde os tempos de faculdade.

O vídeo foi publicado hoje em homenagem ao dia de ‘celebração da maconha’, nos Estados Unidos (a data invertida é 4/20, referência ao horário usualmente atribuído ao consumo da maconha, na chamada ‘cultura canábica’).

Antes de fumar, Reen, David e Robert começam fazendo testes de sobriedade. Com ajuda do cinegrafista, acendem um bong – instrumento que potencializa o efeito do fumo – e começam. A primeira pérola surge poucos minutos depois: “Acho que não fiz direito, ficou preso no meu bigode”.

Aproximadamente 10 minutos depois de terem fumado, eles começam a relembrar se já prenderam ou não pessoas por posso de maconha. Em seguida, Reen – o da fumaça presa no bigode – diz que acha que a erva seja uma porta de entrada para outras drogas.

Robert, a favor da legalização, rebate com a melhor pérola: “Se você pensar bem, todo mundo que é viciado em heroína começou tomando leite”. Com perplexidade, o cinegrafista pergunta se ele está afirmando que leite é entrada para as drogas. “Aparentemente! Esse é o argumento em volta da maconha e não acho que esteja correto”, ironiza o aposentado.

Vinte e cinco minutos depois, eles fumam mais um pouco e refazem os testes de sobriedade, como andar em linha reta e colocar a mão direita na ponta do nariz. Quando David fala para Reen levantar o pé direito e mantê-lo suspenso por 20 segundos, ele pede risonho: “Não pode ser cinco?”.

Ao fim, os três afirmam que usariam de novo maconha. Reen até mesmo confessa que sua dor de cabeça passou.

Vídeo:

Correio Braziliense

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. gustavo0 Postado em 23/Oct/2015 às 20:59

    Luciano Hulck curtiu isso.

  2. Samael Postado em 24/Oct/2015 às 16:10

    Poxa Naro... Maconha?! Você é contra?! Você com essa coxinha na larica ai?! Você já ouviu falar da Lei seca com certeza e as consequências. Pois acredito que assim como a Lei seca além de criar a máfia ainda lançou no mercado negro fabricações independentes com substancias como tintas e solventes que causavam cegueira entre outros. A mesma coisa acontece com as drogas. Explica seu ponto ai que estou curioso.

  3. Samael Postado em 24/Oct/2015 às 16:15

    O Brasileiro paga um pau ou baba um ovo tremendo para os EUA, agora quando se trata de aborto ou Maconha...... O negocio muda! Porque? O Problema do Brasil será o brasileiro?!

  4. julia Postado em 24/Oct/2015 às 20:53

    Um trinômio interessantes para se pensar na luta pela legalização da maconha: Indústria farmacêutica, indústria têxtil e, obviamente, mercado internacional de drogas! Coxinhas que pegam abuso do G1 e vem aqui fazer uma visita de cortesia deveriam estudar esse tema melhor! =D

  5. Trajano Postado em 24/Oct/2015 às 22:38

    Três senhoras e três senhores distintos e simpáticos experimentam maconha pela primeira vez e rendem milhões de visualizações no Youtube. Comprometeram suas reputações? Mancharam a história de vida de cada um? Compraram um passe para o inferno? Abriram as portas para drogas mais pesadas? Precisamos de uma sociedade menos apegada aos mitos, menos agarrada aos joguetes simbólicos religiosos e sociopolíticos; precisamos de mais pragmatismo, presentificação, criatividade, postura democrática. Qual o problema crucial para deixar o uso de cannabis na clandestinidade se não é o moralismo de beira de esquina que apenas beneficia os operadores do tráfico de drogas? Qual o sentido de legalizar o uso de bebidas alcoólicas e tabaco e não regulamentar o uso de maconha? O tema não se restringe à esquerda ou direita, não é somente político, mas, principalmente, social: o Estado não pode mais se dar ao luxo de proteger o mercado do narcotráfico, uma vez que a proibição apenas fortalece o submundo, invade o país de dinheiro não declarado e abastece os bolsos de assassinos, dos criminosos do colarinho branco e das instituições lavadoras de dinheiro – todos sangrando a sociedade. Não uso maconha, não acho graça alguma. Mas qual o problema do cara plantar sua erva ou ir para um clube especializado? Até porque, não me parece que exista alguma dificuldade atualmente se alguém quiser apertar um baseado. Não tem sentido algum mantermos nas mãos do tráfico a venda desse produto: só faz sentido para quem ganha seus milhões na surdina graças à ineficácia do Estado. Já ganharam dinheiro demais. Muitos assassinatos já aconteceram. Chega, já deu! Regulamentem esse troço logo!

    • poliana Postado em 25/Oct/2015 às 13:07

      Perfeito, trajano. Penso exatamente como vc.

  6. C.Paoliello Postado em 25/Oct/2015 às 13:34

    Soberania nacional está ameaçada pela lava-jato: Vara de Guantánamo defende interesses antinacionais: http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Quando-a-Lava-Jato-atenta-contra-o-Estado-brasileiro-e-sua-soberania/4/34807

  7. João Carlos Postado em 25/Oct/2015 às 22:18

    Ainda bem que no Brasil existe aposentadoria compulsória. Às vezes a idade afeta mais a mente do que o uso de drogas, né...

  8. Márcio Ferreira Postado em 26/Oct/2015 às 23:02

    O PP tem trazido essa ideia governista de simpatizar com legalização da maconha. Mas o objetivo está muito longe de acabar com a violência ou conceder ao cidadão o direito a livre escolha. Trata-se simplesmente de aumentar a arrecadação de impostos. Sim, o combate deu pouco resultado, mas talvez esteja sendo feito da maneira errada. Não significa que se deva desistir. É preciso muita ingenuidade para acreditar que vai mesmo diminuir o tráfico. Isso não aconteceu sequer com os Países Baixos. Lá o consumo é tolerado, mas o cultivo é proibido. De onde acham que ela vem? Isso mesmo, dos traficantes! E convenhamos, traficante neerlandês é um escoteiro perto de traficante brasileiro, tanto em termos de malandragem quanto de violência. Os coffee shops de Amsterdã atraem turistas loucos para se drogarem com tudo o que têm direito e mais, e fazem bombar o narcotráfico nos bairros boêmios. Alguém já ouviu falar do Red Light District? O bairro está sendo recuperado aos poucos depois de tanta degradação com drogas e prostituição. A prefeitura cassou a licença de bordéis e coffee shops da região. E podem acreditar: as vitrines exibiam as mulheres mais feias da Europa. O governo de lá divulgou que 95% da maconha plantada é consumida por turistas estrangeiros e exportada para outros países. O Ministro da Justiça Ivo Opstelten desabafou: “O nosso estudo mostra que não faz sentido regulamentar a maconha à venda nos coffee shops porque o cultivo ilegal vai continuar”. Mas vamos lá: suponhamos que seja legalizada e a população "consuma com moderação", como já faz com o álcool (#SQN). Vem uma graninha a mais com os impostos. Mas vai outra grana preta embora com a redução da produtividade já que o barato vai ser forte e outra grana maior ainda embora com a saúde, em forma de problemas respiratórios, tratamento de vício, em acidentes de trânsito e o escambau. E vem o zé droguinha dizer que fuma diariamente há 10 anos e não é viciado. Outro diz que é de boa, consome porque só quer se divertir. Mas estão financiando a porcaria do narcotráfico há anos conscientemente! Ah, mermão! Quer mesmo acabar com a violência? Faz a tua parte e não consome! Ou espera liberar. Enquanto isso, não sustente a ilegalidade.