Redação Pragmatismo
Compartilhar
Polícia Militar 06/Oct/2015 às 10:17
7
Comentários

PMs soltavam criminosos em troca de galinhas

Durante dezoito dias, um carro da PM do Rio Grande do Norte circulou com um gravador de áudio escondido. Sem saber que estavam sendo gravados, os policiais escancararam a rotina de achaques, tráfico, roubo e tortura. Os policiais receberam queijos e até galinhas para liberar criminosos

polícia militar galinhas rn

Os policiais militares presos na operação ‘Novos Rumos’ receberam dinheiro, queijos e até galinhas para liberar suspeitos de cometer crimes e permitir o tráfico de drogas na região metropolitana de Natal. As descobertas foram feitas por meio de interceptações telefônicas e escutas instaladas dentro de um carro do 9º Batalhão da Polícia Militar (vídeo abaixo).

Um diálogo travado dentro do carro 924 do 9º Batalhão da Polícia Militar é usado pelo MP para ilustrar a série de crimes praticada pelos PMs. Na conversa, os policiais afirmam que “honestidade não vale nada” e questionam por que eles deveriam ser honestos “se os políticos não são”. O mesmo carro, segundo o Ministério Público, foi usado para cometer os crimes de associação criminosa, tortura, corrupção passiva, receptação, furto, roubo e prevaricação entre 2014 e 2015.

Para o MP, as interceptações telefônicas e escutas revelam que o os crimes eram algo “rotineiro” para os policiais. Um dos casos mais emblemáticos aconteceu quando os PMs aceitaram duas galinhas e R$ 60 para liberar o suspeito de um crime. Aconteceu no dia 5 de maio deste ano, em uma abordagem de rotina em que os policiais encontram munição no carro de um homem não identificado em Parnamirim, na Grande Natal.

Depois de receberem as galinhas e o dinheiro, os PMs conversam. “Queres vender a tua? Para eu colocar lá no quintal para comer o mato”, questiona um deles. O outro recusa a oferta: “Não! Vou ficar com ela! Vem Dias das Mães aí!”
Em outra abordagem, os PMs encontraram uma pistola no carro de um vendedor de queijos. Para liberar o suspeito do crime, R$ 1.200 e queijos que estavam no carro foram aceitos como pagamento. Além do alimento e o dinheiro, os PMs ficaram com a pistola apreendida e comercializaram a arma com outro policial. Dois PMs conversaram sobre o caso depois. “Ei! Quer comprar um queijinho?”, pergunta um deles. “Roubaram queijo boy?”, rebate o outro PM. “Peguemos uma pistola ali”, conclui o primeiro policial.

pm galinhas rn

Da mesma forma os policiais militares foram flagrados em interceptações telefônicas tentando comercializar cinco iPhones apreendidos na casa de um suspeito de roubo.”Homi, tu vai pegar isso é? Depois rastrear essas merdas, aí você tá fudido!”, questiona uma pessoa que conversa com o policial. Os PMs roubaram os celulares e mais R$ 2 mil do suspeito do crime, segundo o MP.

A operação ‘Novos Rumos’ foi deflragada na terça para combater crimes cometidos por policiais militares. Com a descoberta do que acontecia na viatura 924, 12 policiais foram presos.

informações de Fantástico e G1-RN

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. poliana Postado em 06/Oct/2015 às 12:02

    Mais um caso isolado, tá vendo pereira? Pode continuar defendendo essa corja...

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 06/Oct/2015 às 14:14

    Este é o caso isolado do dia. Amanhã voltaremos com mais um caso isolado inédito. E quem defende essa escória é safado.

    • José Ferreira Postado em 06/Oct/2015 às 16:23

      São 9000 policiais militares no Rio Grande do Norte. Você acha que todos os 9000 são corruptos. A maioria dos policiais, assim como a maioria dos rio-grandenses-do-norte, são honestos.

      • poliana Postado em 06/Oct/2015 às 18:09

        Todos não, josé ferreira, mas a maioria esmagadora e vc sabe disso.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 06/Oct/2015 às 17:04

      eu sei...é um caso isolado, não representa o todo da nobre instituição...ontem tambem foi.....os 72 da semana passada tambem foram todos casos isolados...e as centenas que sequer vieram a tona tambem foram casos isolados...inclusive amanhã a gente vai ter a chance de conversar mais a respeito, no próximo capítulo de "Casos Isolados da PM"....

      • Denisbaldo Postado em 06/Oct/2015 às 20:48

        "Casos Isolados da PM", estrelando Cabo Pereira!

  3. Rodrigo Postado em 07/Oct/2015 às 14:52

    (Outro Rodrigo) E se usarmos o raciocínio do "caso isolado" a instituições pátrias outras e seus respectivos membros? Aos 3 Poderes, bem como aos... Partidos (todos eles, por óbvio)? A generalização será aceita e todos terão de acabar (conforme o pensamento de alguns) ou, finalmente, será direcionado o foco para a necessidade de fortalecimento das instituições, passando pela efetiva punição e exclusão dos criminosos que nelas adentrarem? Como outro comentarista disse, em post anterior, o foco é retirado do indivíduo (criminoso que adentrou em uma instituição e nela seguiu sendo o mesmo indivíduo criminoso) e levado à instituição, confundindo-se o ser e sua autodeterminação com aquela; há inúmeros criminosos que se valem da condição de agente público ou agente político (e mesmo de dirigente religioso, para irmos além do Estado), visando seguirem com/expandirem sua atuação criminosa, o que é de gravidade ainda maior, mas tal não implica em passar a ser confundida a pessoa física com a jurídica. Apenas, sim, desvia o foco da cobrança e evolução necessárias, do dever de efetivo cumprimento da lei pelos dirigentes (das Polícias, dos 3 Poderes, dos Partidos, das Igrejas, escolas etc.) que se omitam quanto à investigação e punição. Se, pois, “puxarmos a capivara” dos que integram e já integraram o Poder Legislativo, por exemplo, identificaremos aqueles que cometeram atos ilícitos, mas nem por isso defenderíamos (espero poder aqui usar o plural) a extinção de tal Poder.