Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 28/Oct/2015 às 11:56
4
Comentários

Letícia Sabatella relata assédio que sofreu aos 12 anos: 'um nojo daquilo'

"Coração a mil, um nojo daquilo". Letícia Sabatella entra em campanha e revela primeiro assédio aos 12 anos. Campanha #primeiroassédio, do Coletivo Think Olga, incentiva mulheres a denunciarem abuso. Confira a íntegra do depoimento da atriz

Letícia Sabatella assédio 12 anos

A atriz Letícia Sabatella aderiu à campanha virtual #primeiroassédio, criada pelo coletivo Think Olga para incentivar mulheres a denunciarem abusos e outros tipos de violência que sofreram.

O desabafo foi feito em seu perfil no Facebook. Sabatella revelou que tinha 12 anos quando foi vítima do assédio de um homem que passava de carro numa rua deserta. “Coração a mil, um nojo daquilo”, falou a atriz sobre o momento em que foi abordada por um homem em uma rua deserta.

VEJA TAMBÉM: Músico debocha de mulheres que relataram ter sofrido assédio sexual

“Eu devia ter 12 anos. Voltava de ônibus da aula de Ballet. Descia na rua da minha casa, umas duas grandes quadras antes, acostumada a esse caminho. A rua deserta e larga”, contou Letícia.

Em seguida ela conta que um homem em um carro pediu informações e disse não estar escutando o que ela dizia.

“Eu falei mais alto e, de algum modo ele fez com que eu me aproximasse do carro para que ele conseguisse ‘ouvir e entender’ direito. Foi então que percebi seus olhos verdes avermelhados e estatelados, um pau gigantesco em suas mãos, o olhar doente e pessimamente intencionado”, disse a atriz.

“Eu o vi descer a rua ao longe, virar o carro e ainda voltar na minha direção, passando novamente pelo ponto onde eu o ameaçava com meu olhar fixo em seus movimentos, o tijolo na mão”, afirmou.

Confira a íntegra do relato da atriz:

“Eu devia ter 12 anos. Voltava de ônibus da aula de Ballet, no Teatro Guaíra. Descia na rua da minha casa, umas duas grandes quadras antes, acostumada a esse caminho. A rua deserta e larga , de calçadas largas, casas com jardins e portões distantes da rua, eu pela calçada, passarinhos e silêncio.

Um carro, um corcel vermelho, vinha pela rua ampla, reta e longa, parou à minha altura, eu na larga calçada mais próxima aos jardins das casas do que da rua, perguntou-me: ‘Qual o nome dessa rua?’.

– Raphael Papa.

-‘Hein? Não consigo ouvir’.

Eu falei mais alto e, de algum modo ele fez com que eu me aproximasse do carro para que ele conseguisse ‘ouvir e entender’ direito.

Foi então que percebi seus olhos verdes avermelhados e estatelados, um pau gigantesco em suas mãos, o olhar doente e pessimamente intencionado!

A rua deserta, ainda uma longa distância até minha casa.

Olhando fixamente em seus olhos, dei passos precisos, sem pressa, pra trás, peguei, sem tirar os olhos dos dele, um tijolo de um montinho de construção, atrás de mim e fiquei parada, pronta para o que viesse.

Ele ainda hesitou, antes de partir lentamente, seus olhos em mim, eu o vi descer a rua ao longe, virar o carro e ainda voltar na minha direção, passando novamente pelo ponto onde eu o ameaçava com meu olhar fixo em seus movimentos, o tijolo na mão.

Quando o vi desaparecer da minha vista, corri até minha casa, coração a mil, um nojo daquilo, a minha forma de medo.

A gratidão pelo tijolo da construção.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Erika Postado em 28/Oct/2015 às 15:59

    Oi, a reportagem está excelente! Só queria mencionar que a # da campanha da página Think Olga é na realidade #primeiroassedio e não #meuprimeiroassedio. Só para o pessoal não confundir, visto que o website do pragmatismo político é muito visitado e muito confiável. Obrigada! :)

  2. Jose Antonio Postado em 28/Oct/2015 às 18:53

    E o babaca aecista do pseudo-roqueiro Roger fez piadinha em cima da campanha além de se gabar de seu primeiro assedio.

  3. Alvaro Postado em 28/Oct/2015 às 20:04

    Pô Jose Antonio, não dá pra levar o Roger a sério... sempre foi um filhinho de papai...

  4. Thiago Teixeira Postado em 29/Oct/2015 às 07:45

    "...um pau gigantesco em suas mãos..." Meu, por um instante achei que estava lendo aquelas novelinhas da revista Private.