Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 02/Oct/2015 às 10:34
23
Comentários

Jovem trans tem dia de 'pesadelo' após visita ao quartel para alistamento militar

Marianna Lively não imaginava que um simples ato obrigatório geraria tantos problemas em sua vida. Após realizar alistamento militar, a jovem teve seus dados vazados na internet por um soldado e passou a ser perseguida: telefonemas com ofensas, fotos espalhadas com xingamentos e até assédio

Marianna Lively trans jovem Exército
A jovem trans Marianna Lively. À direita, imagem registra momento em que ela se apresenta no Exército

Marianna Lively, de 17 anos, afirmou ter sido vítima de discriminação após uma visita ao quartel para resolver pendências relativas ao alistamento militar.

“Esses desconhecidos que estavam ligando, caçoavam de mim por eu ser trans, já outros me diziam ter gostado de mim e queriam deixar telefone para eu entrar em contato”, escreveu Marianna em seu facebook pessoal. Tudo começou na quarta-feira (23/9), horas após ela comparecer a um quartel para realizar o alistamento obrigatório.

Depois de receber ligações inclusive de outros Estados e ser avisada que seus dados estavam nas redes sociais, ela voltou ao quartel e questionou o capitão da base. De acordo com Marianna, ele teria “pedido desculpas pelo transtorno”, complementando que o soldado responsável pelo vazamento seria punido.

As explicações não convenceram a trans, que enfrentou inclusive dificuldades para registrar um boletim de ocorrência. “Pelo o que o delegado me informou, eu teria de ir no batalhão de policia do exército abrir um boletim interno, para haver punição”, contou Marianna, que prometeu “não deixar passar batido”.

Punição

De acordo com o Exército Brasileiro, os autores do vazamento de fotos e documentos de Marianna Lively serão responsabilizados.

Em nota que não divulga o nome dos responsáveis, o Exército afirma que “não discrimina qualquer pessoa, em razão de raça, credo, orientação sexual ou outro parâmetro”.

VEJA TAMBÉM: Como é ser mãe de uma menina transgênero

A nota afirma ainda que o Exército “não compactua com este tipo de procedimento e empenha-se, rigorosamente, para que eventuais desvios de conduta sejam corrigidos, dentro dos limites da lei”.

com informações de Brasil Post e BuzzFeed

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. juliano Postado em 02/Oct/2015 às 11:09

    até eu (em Santa Catarina) recebi as imagens dela em um grupo. já acho um absurdo as pessoas serem OBRIGADAS a se alistar e a compactuar com essa coisa bizarra que é o serviço militar, e aí esses casos começam a aparecer... imagina quantos desses não acontecem internamente e não ficam abafados lá? quanta coisa obscura esconde esse monstro que é o exercito/policia/forças armadas? meu sonho é ver o Brasil seguindo o caminho da Costa Rica: mais educação que 'força' bélica

    • Guilhermo Postado em 02/Oct/2015 às 11:20

      Concordo com você. Onde já se viu serviço militar obrigatório? Se o exército é necessário para a segurança de um país, sua existência é justificada. No entanto, não é certo obrigar as pessoas a se alistarem. Afinal, grande parte dessas pessoas não quer ser soldado e nem ao menos têm vocação para isso.

      • Peterson Postado em 02/Oct/2015 às 11:43

        Pior que isso, ou no mesmo patamar, é que o Brasil nem precisa de quem não quer se alistar pra ter o contingente que quer. Já tem voluntários o bastante pra preencher as vagas.

      • Guilhermo Postado em 02/Oct/2015 às 11:54

        É isso aí mesmo, Peterson. Mais um motivo para deixar de ser obrigatório.;

      • Raphael Postado em 02/Oct/2015 às 18:11

        Naro, é é bem assim não, eles sempre perguntam quem tem ou não intenção de servir mas isso é só procedimento de praxe, não faz diferença. Eu não queria e mesmo assim me chamaram, fiquei mais de um ano nessas visitas e exames, primeiro para o exercito e depois mandaram para marinha. Se fosse para isso, eu preferia ter servido, teria sido menos tempo e ainda teria ganho algum dinheiro.

      • Douglas Postado em 06/Oct/2015 às 11:53

        Raphael duvido muito que você serviu contra a sua vontade. Em relação ao sujeito que se referiu as forças militares como monstro, deve desconhecer muitas coisas sobre esse assunto. Aqui em Brasília, só servem voluntários, os que não não desejarem são liberados sem dores de cabeça. Muitos que querem servir, são jovens das periferias, alguns com pouca escolaridade e desqualificados profissionalmente. Como moro na ultima RA do DF, conheço muitos casos assim, amigos que saíram de lá marceneiros, motoristas, técnicos em informática entre tantas outras profissões. Por outro lado, o exército também dá oportunidade aos universitários, através do NPOR, para a formação de oficiais temporários através do alistamento. Então, no meu contexto social, o exército tem sido realmente a "mão amiga". Infelizmente tive que optar entre o serviço militar e a faculdade, mas quem sabe um dia. Sds.

    • Eduardo Postado em 02/Oct/2015 às 17:16

      prato cheio para sermos invadidos, pois lápis e caneta não enfrenta M16.... mais ou menos isto: "quer paz, prepara-te para guerra", é por isto que temos que ter o serviço militar, cada um de nós somos responsáveis pela liberdade e o futuro de nossa Pátria, pelo menos os que sabem o que isto significa.

    • Eduardo Postado em 02/Oct/2015 às 17:28

      os flashs são dificeis de serem ignorados, lógico que iria dar nisto só dele(a) ir se alistar toda bela já era um motivo de comentários dentro do ambiente, duvido que todos ali ficaram sérios e com pensamentos longe do campo de batalha com ele(a) ao lado.... Não concordo com vazamento de informações pessoais de ninguém por nenhum orgão seja ele público ou privado, mas só a forma de se apresentar já cria uma expectativa bem sui generis, tipo Soldado Benjamin....e mais vai ser triste ver ele(a) de cabelos cortados reco, de farda larga e coturnos, não que não possa por direiro....Opção sexual é problema de cada um, e tem que ser respeitado, mas tem momentos e lugares que apesar de ser direito é bem constrangedor.

      • seila Postado em 02/Oct/2015 às 18:01

        vc fala merda hein... tá loco

  2. André Postado em 02/Oct/2015 às 11:29

    Na minha época o tenente que comandava o alistamento era um homem sério. Em 1984 eu vi ele tratar com muito respeito um rapaz que ninguém negaria ser gay. Do rapaz foi exigido alguns papéis, algumas palavras foram trocadas e o tenente o dispensou de tudo mais, isto incluía um longo exame médico, teste de força, checagem de alinhamento corporal e com vários alistando nus ao mesmo tempo. Era um tipo de rito de passagem que os milicos gostam de aplicar nos calouros, mas, neste caso, os gays ali, simplesmente foram dispensados dessa palhaçada. Parabéns ao tenente Herrerias.

    • juliano Postado em 02/Oct/2015 às 11:50

      por que o gay foi dispensado? por ser gay? não entendi. um gay não pode querer participar do exército?

      • André Postado em 02/Oct/2015 às 15:54

        Ora, se o cara é gay, pra que expor a pessoa? Tanta gente é dispensada do SM. Ela não era um gay disfarçado, tinha o estereótipo, mas, o tenente lhe tratou com respeito, foi o que eu vi. Não estou dizendo se ele queria ou não, ou tenho o direito ou não de prestar o Serviço Militar Obrigatório, sacou?

      • juliano Postado em 02/Oct/2015 às 17:53

        "Não sabichão", fala aí sabichão, eu tava falando do comentário do André. ahhahahahha rindo demais do "algumas arbitrariedades ainda ocorriam"

      • juliano Postado em 05/Oct/2015 às 09:53

        não sou eu que estou errado, é você que tá sempre certo.

  3. José Ferreira Postado em 02/Oct/2015 às 13:32

    Meninas? Vá lá transar com o David. Depois não reclame quando o "furico" estiver a doer.

    • Samael Postado em 02/Oct/2015 às 14:53

      O Naro ao falar "essas meninas" não obriga ele a ter relações sexuais com a menina. Uma menina não deve ser uma potencial fonte de sexo para você nem ninguém. Se você não gosta dessa fruta não é motivo para desdenhar nem diminuir ninguém, cada um tem seu furo e consequentemente deve cuidar dele.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 02/Oct/2015 às 14:58

      Quem é "David"?

    • José Ferreira Postado em 02/Oct/2015 às 15:24

      O David é o nome verdadeiro da pessoa que teve a intimidade exposta. Se o cara coloca no mesmo patamar as mulheres "trans" e as mulheres XX como se fossem a mesma coisa, então, para o mesmo, não deve haver diferenças na hora do sexo.

    • Samael Postado em 02/Oct/2015 às 16:54

      Acredito que para quem amar a Marianna... Não vai ter qualquer diferença.

  4. Marcos Postado em 02/Oct/2015 às 15:00

    Isso mesmo, Samael. Seu José Ferreira deve ter oxiúros na bunda para estar tão incomodado.

    • José Ferreira Postado em 02/Oct/2015 às 15:26

      Oxiúros? Eu não sou da roça.

  5. Thiago Teixeira Postado em 03/Oct/2015 às 10:45

    Sempre partimos para a generalização. O Exército nada tem haver com esses babacas que debocharam dela. Quando estava ingressando no exército em 1997 apareceu uma trans no alistamento, sentou no meio da galera, todos olharam, comentaram mas sem partir para o desrespeito a pessoa. Foi chamada (nome masculino) e dispensada imediatamente sem passar por exame, nada. Hoje não, a mídia ensinou as pessoas e tirar foto, filmar, colocar nessa merda de feice buqui, rir, ofender, agredir, fazer bulling pois estão blindados pela moral e bons costumes pregado pela direita.

    • André Nelson Postado em 03/Oct/2015 às 11:50

      O lado terrível da internet é esse: a falta de escrúpulos. Cabe aos que tem bom senso não levar adiante imagens, comentários e todo tipo de agressão ao semelhante. A internet é uma maravilha, mas, este lado que eu me refiro, potencializou o que o ser humano tem de pior.