Redação Pragmatismo
Compartilhar
Religião 04/Sep/2015 às 15:35
17
Comentários

Igreja Universal é condenada a indenizar portador de HIV que parou tratamento

Justiça condena Igreja Universal a indenizar portador de HIV em R$ 300 mil. Paciente foi induzido a interromper tratamento e a deixar de usar proteção nas relações sexuais com a esposa. Hoje ela também é portadora do vírus

Aids igreja universal templo salomão
(Imagem: Templo de Salomão, maior palco da Igreja Universal do Reino de Deus/SP)

por Jean Wyllys

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS) condenou a Igreja Universal do Reino de Deus a indenizar, em 300 mil reais, um portador de HIV/AIDS que foi induzido a interromper o tratamento para que fosse, então, curado pela fé. Além de interromper o tratamento, foi convencido a entregar valores e, pasmem, a deixar de usar qualquer forma de proteção ao fazer sexo com sua esposa como uma prova de sua fé. Hoje ela também é portadora do vírus!

A recusa do tratamento médico em prol da fé agravou muito seu estado de saúde. Exames médicos confirmam a rápida piora em seu quadro a partir de 2009, quando começou a frequentar os cultos. Nesta época, chegou a ficar 40 dias internado em coma induzido.

O charlatanismo travestido de fé é uma grave ameaça à saúde pública, e os órgãos públicos de saúde jamais se posicionam contra a ação destas pessoas. É preocupante perceber que o próprio Ministério da Saúde sequer tenha empreendido uma campanha de conscientização contra a oferta destes tipos de tratamento que exigem a interrupção do tratamento médico.

Recentemente vimos, também, o Legislativo tentando legalizar os tratamentos de reversão da homossexualidade empreendidos por grupos religiosos. Tratamentos que já provocaram grandes escândalos no exterior e que são diretamente responsáveis por vários suicídios e episódios de exploração sexual.

Há, também, comunidades terapêuticas ligadas às instituições religiosas que recebem, do Governo Federal, recursos destinados ao tratamento compulsório de usuários de drogas. Estas instituições não oferecem qualquer suporte à saúde mental, não são fiscalizadas e muito menos contam com acompanhamento médico, oferecendo um tipo de tratamento laboral que, muitas vezes, coloca pacientes em situação análoga à escravidão.

Ainda que estas instituições tenham total liberdade de oferecer tratamentos à base da fé, capitalizar financeiramente com o sofrimento alheio e impedir que uma pessoa busque tratamento médico não pode ser entendido como um ato de menor importância. Há pessoas morrendo à míngua por conta das promessas de cura inclusive em redes sociais! O Estado também precisa ser responsabilizado por não conscientizar estas pessoas sobre a importância de jamais abandonar os tratamentos médicos.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Pereira Postado em 04/Sep/2015 às 15:38

    óHHHH igreja universal ??? Edir macedo ???? PRB ???? tudo amigo do PT.

    • poliana Postado em 04/Sep/2015 às 16:23

      isso não tem nada a ver com política, pereira! será q nem numa tragédia como essa vc consegue deixar de lado o seu ódio ao pt? o q o método da igreja universal pra enganar fiéis, arrebatar seguidores e fazer fortuna tem a ver com política? com rixa partidária? q doença!!!!!!!!!!

    • Trajano Postado em 04/Sep/2015 às 20:20

      Da mesma forma que a Globo, a Universal é amiga de todo mundo e amiga de ninguém. Ela tem sua própria agenda, suas próprias ambições, seu próprio modus operandi e ai de quem se intrometer em seu caminho. A sociedade é um instrumento, não um objetivo. Se dançar conforme a sua música, qualquer um, seja PT, PMDB, PSDB, PP, PTB, PSC, PSOL e a quase infinidade de partidos serão todos amigos por quatro anos até a próxima renovação dos votos de amizade e lealdade.

    • Ronaldo Postado em 05/Sep/2015 às 14:42

      Que paixão bandida Pereira! Foste seduzido e abandonado por algum petista pra carregares tanto ódio nesse teu coraçãozinho magoado? Perdoa Pereira, perdoa....

  2. sergio ribeiro Postado em 04/Sep/2015 às 15:59

    300 mil? Isso eles ganham só com uma passada de sacolinha. Deveriam pedir muito mais desses vigaristas. É preciso denunciar, pois há um grande número de pessoas que perderam suas economias, sua saúde e até sua família por conta da picaretagem desses caras.

  3. Juniperos Postado em 04/Sep/2015 às 16:10

    Esta igreja já é famosa pela insanidades, como o caso da epilética que foi agredida e suas constrangedoras sessões teatrais de extração de “demônios” e formação de “gladiadores”, fazem margem a outra duvida: quem, com um mínimo de decência e discernimento se arrisca num lugar desses? As pessoas realmente acreditam que precisam seguir uma escoria como essas para se aproximar de “deus”? Ouvi um relato testemunho real, de um jovem da minha região, totalmente crédulo da cura de “aids e câncer” de uma jovem, do meio deles. Ao relatar que essas doenças eram mortais em muitos casos, e que seria uma grande crueldade iludir fiéis, principalmente os doentes, ele se revoltou pois “deus” falava através de seu pastor. Ele não disse isso pejorativamente, ele realmente estava cético que o pastor podia curar câncer e aids apenas tocando as pessoas. Como alguém tem estomago para praticar esses atos?

  4. Eduardo Ribeiro Postado em 04/Sep/2015 às 16:14

    não tem segredo: charlatanismo resulta em tragédia, e nada mais....e ficou barato demais, o crime cometido por essa corja é inquantificável em valores, acabar com 2 vidas via exploração da credulidade...300 mil - ou seja, 150 mil é o que vale cada vida destruida - é dinheiro de uma tarde de terça-feira tediosa...

  5. poliana Postado em 04/Sep/2015 às 16:21

    escória evangélica!!!!!!!!!!! lamentável!!!!!!!!!!! revoltante!!! enqto. isso, seus líderes seguem fazendo fortuna as custas da ignorância e fé cega de um rebanho de semi analfabetos. "fé cega faca amolada". lamentável!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  6. Trajano Postado em 04/Sep/2015 às 20:10

    Ao melhor estilo empresarial em terra de Marlboro: perdemos um pouco com processos judiciais em alguns dias e lucramos aos montes em todo o resto do ano. Então, quando as práticas empresariais escusas encontram as práticas religiosas espúrias surge o teonegócio, indecoroso até o último fio de cabelo, intensamente canastrão até o absurdo, transações financeiras até o obscurantismo do breu, isento de tributação até rachar a sociedade e parasitário da esperança até a última contagem de carga viral.

  7. João Paulo Postado em 04/Sep/2015 às 21:24

    Eu sou ateu, logo, tudo relacionado a milagres e curas é um grande absurdo. Com base em trechos da decisão, disponíveis em outro sites, parece-me que houve parcialidade do julgador. Até porque parece que o julgamento se deu com base apenas em indícios, todos eles contrários à IURD. Aparentemente, os indícios favoráveis foram desconsiderados. Há quem acredita apenas em Deus e que todos os problemas decorrem/só podem ser resolvidos pelo homem; há quem crê em milagres pela fé; há quem acredite noutras divindades; quem acredite que o verdadeiro Deus é a natureza; há crenças em duendes; enfim, há diversas manifestações de fé e todas devem ser igualmente respeitadas. Por mais que nos soem estranhas. Tenho opiniões críticas contra todas essas religiões, a começar pela Católica, que sempre incentivou o não uso de preservativo com base em premissas morais que decaíram há décadas na sociedade brasileira. Cabe indagar sobre o pensamento daquele que se diz crente, na sua perspectiva religiosa: será que não houve cura porque não houve fé o suficiente? Enfim, como julgar determinada organização religiosa como "boa" ou "charlatã"? Todas as premissas religiosas são tênues e suas interpretações dependem muito da autonomia de nossa vontade. Acho que é necessária cautela antes de "satanizar" uma igreja, ainda que seja a Universal.

    • Trajano Postado em 06/Sep/2015 às 07:27

      João Paulo, entendi o seu comentário. E o parabenizo por ser um ateu tão ponderado. Mas como estamos em um debate, vou me dar a licença de discordar. Você está sendo ponderado com uma instituição cujo líder não faz questão alguma de ponderar suas ações. Você está relativizando com quem relativiza coisa alguma que contrarie seus interesses financeiros. Você está sendo educado com quem não tem nenhum pudor em ser indiscreto em suas ações. Macedo, no início da década de 1990: “Nunca você pode ter vergonha, não pode ter timidez. Peça! Peça! Se tiver alguém que não dê, tem um montão que vai dar”. Macedo, em 2015, sobre a tática “ou dá ou desce” divulgada na imprensa em 1992: “Não me arrependo(...). Eu falei aquilo que pensava e penso. E vou continuar pensando''; “Se você dá, você recebe. Se você não dá, você não recebe”; “Só os estúpidos pensam em teologia da miséria”. Tudo isso está disponível na internet, por escrito, em vídeo, só não tem ainda opção de 3D. Não há gentileza, ponderação, relativização, educação ou coisa que o valha, uma vez que a moralidade aqui se constitui e se mede unicamente pelo sucesso financeiro. E é possível entender este princípio, afinal, quando tudo se volta à obtenção de acúmulo de riquezas, ética e moral tornam-se somente instrumentos que serão utilizados com bastante precaução, em doses homeopáticas. Tão antigo quanto a ideia de lucro. João Paulo, enquanto relativizamos questões como essa, o teonegócio joga na nossa cara todos os dias, de forma descarada, o motivo de sua existência. Toda empresa quer lucro e ninguém pode questionar que a Universal sabe muito bem como fazer este dever de casa. Só que diferente de uma empresa, igrejas possuem muitas regalias fiscais. Quando bilhões circulam em um país e o Estado não possui o mínimo de controle nestas transações, se torna um problema fiscal. Quando um portador de HIV processa uma igreja por “propaganda enganosa” passa a ser um problema jurídico e social. Como um país não fiscaliza uma quantidade assombrosa de dinheiro circulando? De onde veio tanto? É perigoso, é danoso, e por que é permitido? Quais são as famílias que se beneficiam diretamente com as riquezas desta indústria? É uma questão social, política, jurídica, fiscal e lá longe uma questão de fé a ser discutida. Empresa não tem fé, mas, sim, lucratividade. Como você mencionou cautela antes de "satanizar", você ultrapassou a ponderação e iniciou um discurso extremamente otimista: se satanás estivesse ali, então estaríamos falando de espiritualidade; se fosse a satanização das práticas religiosas, logo estaríamos falando de religiosidade. Nem um nem outro. O assunto é dinheiro, é lucro, é publicidade, é isenção fiscal, é manipulação, é patologia social e psicossocial, enfim, é tudo menos Deus ou Diabo.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 06/Sep/2015 às 14:45

      """""Enfim, como julgar determinada organização religiosa como "boa" ou "charlatã"?"""""" Pediu dinheiro em troca de cura ou de salvação? Vendeu terreno no céu? Sua cúpula dirigente caga dinheiro, tem emissoras de tv, rádio, aviões, limpam a bunda com nota de 100, e isso às custas de doações de fiéis? A fé dos fiéis e o compromisso de contribuições financeiras são recompensados ​​na vida terrena com riquezas materiais? O oposto é verdadeiro? Então é charlatã e pronto. Não há o que debater. Nem vamos entrar em outras questões como propagação do ódio, da intolerância, do preconceito, do obscurantismo, do projeto nefasto de poder político....

    • João Paulo Postado em 07/Sep/2015 às 01:58

      Trajano e Eduardo, concordo integralmente com suas colocações. Fiz um exercício de reflexão difícil, uma vez que estamos tratando da IURD. Minha intenção jamais foi defendê-la! Na verdade, a minha intenção era ponderar mais sobre a questão da responsabilidade da Igreja (bem intencionada, o que não enfatizei) por atos de seus fiéis, mas acabei comprometendo meu comentário.

  8. Lila Postado em 05/Sep/2015 às 10:27

    Muito triste isso. A fé ajuda, mas se estamos em um mundo material jamais devemos abandonar o tratamento. Procurar estas seitas, reconhecidamente de charlatãos, fanáticos e ignorantes é um ato se desespero. As pessoas devem ser advertidas para não procurarem estes lugares, pois se entrarem dificilmente sairão. Procurem uma religião séria, que não exija bens ou dinheiro, observe como agem os que frequentam, fujam da ignorância e fanatismo.

  9. Thiago Teixeira Postado em 08/Sep/2015 às 14:12

    Eu acho que a igreja é um local para PRÁTICAS RELIGIOSAS. O que for falado lá dentro, fica lá dentro. Se a pessoa traz as dicas ou informações para a sua vida cotidiana, seja na política como de saúde pública com vem a ser o caso, é problema do (a) frequentador (a). A igreja, na minha opinião, nada tem haver com o fato dessa triste pessoa contaminar o vírus.

  10. Luiz Mourão Postado em 24/Sep/2015 às 15:17

    Religião é, mesmo, tudo de bom... IGNORÂNCIA e TEMOR (do castigo divino), aí vamos nós!! Esses ESPERTOS, alguns MILENARES, dominam a Mente Humana geralmente atemorizada por supostos castigos divinos apenas por questionar os tais livros ditos sagrados, e a colocam de joelhos, em sua condição mais baixa e submissa... Christopher Hitchens bem o disse: "deus não é GRANDE!"... CONSCIÊNCIA PESSOAL no pensar e no agir: eis o que promove um mundo melhor para todos... SEM DEUSES... ATEÍSMO = CORAGEM!! Porque não temos MEDO de deuses nem de demônios nem dos MENTORES das religiões....

  11. Manoel Postado em 21/Nov/2015 às 17:04

    Vendendo a esperança de cura de doença, de melhoria de vida e outras coisas, o líder desta 'igreja' se tornou um dos homens mais ricos do Brasil, com apartamento de 4 quartos em Nova Iorque, carros de luxo, avião particular, castelo em S. José dos Campos. Seu nome: Edir Macedo, originalmente um simples funcionário dos Correios. Como ele há outros pastores, como Silas Malafaia, que se enriqueceram como falsos profetas vendendo o nome de Deus para os desesperançados. Deus que eu saiba é Pai e, como tal, não explora seus filhos terrestres. Seu Filho divino, Jesus, teve, pela primeira vez, raiva e expulsou os vendilhões do templo em Jerusalém. Deus me livre destes falsos profetas da atualidade!