Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 21/Sep/2015 às 19:58
17
Comentários

Fala de atriz contra mulheres gordas reacende o debate: preconceito tem cura?

Gordofobia, racismo, homofobia: Há cura para as doenças sociais? Declaração de atriz global, que afirmou se sentir "profundamente incomodada" com mulheres gordas (e também repudiá-las), reacende debate sobre preconceitos

Betty Faria gordas mulheres

“Todo mundo tem o direito de falar o que quiser. Eu, por exemplo, não gosto de mulheres gordas. Elas me incomodam profundamente. Tenho repulsa, rejeição.” A declaração da atriz Betty Faria, que movimentou as redes sociais nesta semana, foi só mais um episódio de demonstração pública de intolerância, entre tantos que vêm se acumulando na sociedade brasileira. Casos de preconceito, racismo e xenofobia vêm ganhando contornos assustadores.

Divergências de opinião descambam para a pancadaria verbal. Todo assunto é motivo de torcida, contra ou a favor. Uber versus táxis, motoristas versus ciclistas, mães do parto natural versus mães da cesariana, gordos versus magros, coxinhas versus petralhas. E o certo será sempre o que tiver a mesma opinião, seja ela qual for. Debate, diálogo e convivência com o diferente estão fora de cogitação.

O psiquiatra Arthur Kaufman entende que esse desejo de impor ao outro a sua verdade existe desde o início dos tempos.

— Por que os cristãos fizeram as Cruzadas? Para converter os hereges, ou matá-los. Os portugueses aqui também mataram índios porque eles não acreditavam em Deus. Que Deus? Eles tinham Tupã. Essa ideia de que ‘é isso ou aquilo’ não é um fenômeno simples, caso contrário poderia ser curado com alguma medida.

Mas será que há algo que explique tamanha intolerância? Esse tipo de comportamento é apenas um desvio social ou encontra algum respaldo científico? Embrutecemos, todos?

Para o psiquiatra Estevam Vaz, é possível ter uma compreensão psicodinâmica, mais do que uma explicação científica.

— Quase todos nós temos preconceitos, podemos lidar e até termos uma certa autocrítica sobre eles. Outros indivíduos, mais chucros e intolerantes, podem manifestar abertamente seus preconceitos e traduzi-los nos mais variados tipos de agressão e violência, que vão do mero bullying com o coleguinha de classe até o assassinato, conforme temos visto tantas vezes.

O preconceito, por si só, não é suficiente para caracterizar um desvio de conduta. Isso vai depender muito da associação com outros traços de personalidade, que podem levar à manifestação na forma de ações agressivas ou violentas.

O psiquiatra explica que, por exemplo, um cidadão pode ter um leve “preconceito” com tatuagens, ser um daqueles que jamais fariam uma no próprio corpo e acham aflitivo ver pessoas muito jovens, às vezes, com grandes extensões de pele inteiramente tatuadas. Causa “aflição” pensar que nunca mais poderão ter seu corpo restituído à sua forma original.

— Mas este preconceito não impede que o sujeito conviva com pessoas queridas e amadas que têm tatuagens.

Kaufman reforça a hipótese de que, sim, todo mundo tem uma sombra e ela é revelada com intensidade pelas redes sociais. E também acredita que a agressão e a intolerância, muitas vezes, estão a serviço da inveja.

— Na luz, se usa a pólvora para construir estrada; na sombra, se usa para matar pessoas. Suponha alguém que joga futebol, mas joga mal. E do outro lado tem um cara negro que é um craque. Do que ele vai ser chamado? De macaco. Da mesma forma se é uma pessoa idosa, gorda, judia, gay, manca. Por onde eu vou te pegar para te humilhar? Em te humilhando, eu me sobressaio.

Há, ainda, uma falta de compreensão sobre os limites da liberdade de expressão, que não é um direito ilimitado e deve ser exercido respeitando a liberdade do outro. É o caso da declaração de Betty Faria. Estevam Vaz garante que não existe um quadro de fobia específica a gordos, do mesmo modo que existe fobia a insetos, à altura ou a ambientes fechados. O caso, portanto, envolve mais um preconceito.

Este sentimento intenso e radical contra o que causa “repulsa” faz ainda mais vítimas quando se trata de questões raciais ou de gênero. Foi o que ocorreu com Maju Coutinho, a moça do tempo do Jornal Nacional, vítima de ataques violentos nas redes sociais, e com Maria das Dores Martins, 20 anos, a jovem negra que postou uma imagem abraçada ao namorado branco (relembre aqui), Leandro Freitas, 18.

Punição

Para o psiquiatra Artur Kaufman, punir os culpados pelos ataques de intolerância é a única forma de barrar esse tipo de comportamento.

— Tem de achar os culpados pelos ataques, processar e colocar na cadeia. O que aconteceu com a cinegrafista húngara, que chutou os imigrantes sírios, por exemplo. Ela se desculpou, mas, ainda assim, tem de pagar pelo que fez. Só com punição à altura daquilo que foi feito pode resolver.

Resposta de Betty Faria

Questionada sobre o teor de suas declarações, a atriz Betty Faria, já foi garota-propaganda do programa de emagrecimento Vigilantes do Peso, declarou: “Estamos com problemas de CPMF, o Brasil em crise, o Rio de Janeiro cheio de armas, a Europa com crise imigratória, tantos problemas… Isso é tão… Que não vou nem falar sobre isso”.

R7, com informações de Geledés

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. João Paulo Postado em 21/Sep/2015 às 20:09

    "Tem de achar os culpados pelos ataques, processar e colocar na cadeia. O que aconteceu com a cinegrafista húngara, que chutou os imigrantes sírios, por exemplo. Ela se desculpou, mas, ainda assim, tem de pagar pelo que fez. Só com punição à altura daquilo que foi feito pode resolver." Volta e meia, eu digo isso. Direito sem sanção, não é Direito. A punição não converterá preconceituosos, mas servirá como inibidor das futuras gerações.

    • carlos Postado em 22/Sep/2015 às 05:44

      Sem querer plantar a semente da polêmica, já que entendo as suas razões, mas isso é o que dizem também os que defendem a redução da maioridade penal, os cidadãos de bem. A generalização dessa concepção leva a acreditar que toda justiça deve ser punitiva. Aproveitando o gancho da matéria, Beth Faria não é aquela que tempos atrás sofreu preconceito por ser considerada um pouco velha para usar bikini na praia? Quando ela foi à midia chorar, não lembrou da guerra no Irak e nem da crise mundial.

      • João Paulo Postado em 22/Sep/2015 às 11:41

        Não me recordo dessa celeuma, mas igualmente deve ser repreendida (discriminação contra o idoso). Referi-me à frase do texto, porque acredito que justiça só se faz com punição, o que não necessariamente deve ocorrer por meio de prisão.

  2. Carlos Menezes Postado em 21/Sep/2015 às 21:23

    Essa senhora, faz pouquíssimo tempo, foi criticado por estar na praia com trajes de banho "incompatíveis" com a idade e silhueta dela, segundo os críticos e ficou toda magoadinha com o preconceito. Agora solta uma dessas !!! Rir para não chorar

  3. Guilhermo Postado em 21/Sep/2015 às 21:49

    Drama demais se preocupar com isso. Preconceito é algo ridículo, mas isso é só uma opinião pessoal dela. Talvez ela deveria ter declarado isso de outra forma, mas obesidade não é algo atraente aos meus olhos também, embora a obesidade não me cause incômodo. Magreza em exagero também é feio, até pior que a obesidade (na minha opinião)..

    • Marcos Vinicius Postado em 23/Sep/2015 às 13:54

      Sim, mas foi uma opinião preconceituosa e intolerante. É bom pôr os pingos nos "i".

  4. Irion Postado em 21/Sep/2015 às 22:57

    Coitada!

  5. Denisbaldo Postado em 21/Sep/2015 às 23:53

    A Betty Farinha deve estar de rolê com a Susana Vieira novamente...

  6. Vinicius Postado em 22/Sep/2015 às 04:04

    Ela só emitiu sua opinião. Ela tem esse direito.Essa ditadura de opinião é um saco. Onde fica a liberdade de expressão?Ela só disse verdades, gordos não são atraentes mesmo. E com tanta coisa acontecendo no mundo, uma bobagem dessas ganhar tanta proporção. (IRONIA) *Outro Vinicius

  7. Vinicius Postado em 22/Sep/2015 às 04:09

    Sim obesidade é doença. Mas a atriz em sua fala não se referiu a isso, e sim à estética e pelo trecho também se deu a entender que a repulsa dela é só à mulheres. *Outro Vinicius

  8. Juniperos Postado em 22/Sep/2015 às 09:29

    Depoimentos lamentáveis do psicologo e dela, que obviamente não nasceu limítrofe, com deformidade alguma e pelo que parece, não tem problema de obesidade. Quando a pessoa não sabe agradecer ( diga-se uma ingrata), não sabe ver a felicidade que lhe foi presenteada, e não conseguindo ver a própria felicidade, gasta seu tempo tentando fazer outras pessoas infelizes. Absurdamente imaturo e mesquinho. obesidade e mais que estética é problema de saúde. Só quem é sabe os literais apertos pelos quais passam. Eu achava que você era melhor que isso Betty.

  9. Eduardo Ribeiro Postado em 22/Sep/2015 às 10:03

    Quem vê pensa que BF esta preocupada com a saúde de quem é obeso. Obesidade deve sim ser tratada, com fins de saúde, e não desprezada, causar repulsa, causar nojo, causar incomodo, causar profundo repúdio, por motivos meramente estéticos. Não seja burro.

  10. Eduardo Ribeiro Postado em 22/Sep/2015 às 10:16

    É um misto de preconceito (burro, imensamente burro, completamente gratuito e injustificado) com contradição violentissima (pelo episodio semelhante que vivenciou 2 anos atrás ao usar biquini na praia) e safadeza (por usar as mazelas mundiais como carta branca para expor seu preconceito e não querer ser esculhambada por isso). Ela quer holofotes e achou que avacalhar a obesidade seria uma boa maneira de consegui-los.

  11. Rodrigo Postado em 22/Sep/2015 às 14:50

    (Outro Rodrigo) Aí ela poderia parar e pensar... "Poxa, será que eu me sentiria bem se alguém dissesse que tem repulsa, nojo, não se sente bem, assim não gostando de mulheres idosas?" Voltar o raciocínio para si ajuda a se colocar no lugar do outro e, percebendo nossas diferenças, constatar que nossa espécie humana nos iguala. A fala da atriz, pois, transcende a questão "liberdade de expressão x abuso de direito", alcançando a questão fundamental da dignidade da pessoa humana.

  12. Thiago Teixeira Postado em 23/Sep/2015 às 06:59

    Ela simplesmente entregou a mentalidade do Projac. Mulher gorda? Só em programas de comédia.

  13. Trajano Postado em 23/Sep/2015 às 12:03

    Criticar os obesos? Isso é um dos resultados da ausência ou de má assessoria. Será que ninguém explicou para ela que atualmente o que está na moda é falar mal dos petistas para conseguir retorno midiático instantâneo? Esta atriz nunca foi um ponto fora da curva em assuntos políticos, sociais ou econômicos em seu meio, então, se não contribuiu ou não teve a possibilidade de contribuir para transformar a sociedade e se contentou com o raso, ao menos nesses temas, que continue na superfície. Ninguém, agora, irá recriminar esta senhora por sua falta de opinião. Dela, se espera mais Tieta e menos Irene – aos que ainda se recordam das suas excelentes personagens ou aos que se dão ao trabalho de buscar sua trajetória profissional. Por falar em trabalho, trabalhe, querida, trabalhe sem se prender ao estético do corpo porque as “formas” de Tieta são para poucas e possuem prazo de validade cruel. E ditado do século passado ainda vale: em boca fechada não entra mosca. As pessoas a admiram por seu trabalho, não por suas convicções pessoais questionáveis.

  14. Aline Postado em 29/Sep/2015 às 18:30

    É um psiquiatra. Leu bem a matéria...