Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 23/Sep/2015 às 22:06
4
Comentários

Eduardo Cunha é citado por outro delator da Lava Jato: “dava a palavra final”

Eduardo Cunha é citado por novo delator da Lava Jato. Ex-gerente da Petrobras afirma que presidente da Câmara dos Deputados era “quem dava a palavra final” em relação às indicações na Diretoria Internacional da empresa

eduardo cunha delator lava jato

Mais um delator da Operação Lava Jato citou o nome do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nas investigações sobre o esquema de corrupção que atuava na Petrobras. Um dos novos delatores da Lava Jato, o ex-gerente-geral da área internacional da empresa Eduardo Vaz da Costa Musa disse ter ouvido de um lobista apontado como operador do PMDB que Cunha “dava a palavra final” nas indicações da estatal. O lobista citado por ele é João Augusto Henriques, preso na segunda-feira (21) na 19ª fase da operação.

“João Augusto Henriques disse ao declarante que conseguiu emplacar Jorge Luiz Zelada para diretor internacional da Petrobras com o apoio do PMDB de Minas Gerais, mas quem dava palavra final era o deputado Eduardo Cunha do PMDB-RJ”, diz trecho do depoimento de Musa. O ex-gerente é réu no mesmo processo que Zelada, sucessor de Nestor Cerveró na diretoria internacional.

De acordo com a denúncia, Zelada, Musa e outras quatro pessoas receberam US$ 31 milhões da empresa chinesa TMT para beneficiar a sociedade americana Vantage Drilling no contrato de afretamento do navio-sonda Titanium Explorer, celebrado com a Petrobras. Segundo os investigadores, a propina também favoreceu o PMDB.

Ainda na delação, o ex-gerente afirmou que soube do pagamento de propinas na Petrobras em 2006. Ele contou que João Augusto Henriques “era um lobista ligado ao PMDB que mantinha influência na área internacional e de engenharia da Petrobras, e possivelmente também na área de Exploração e Produção.”

A diretoria internacional é apontada como área de influência do PMDB na Petrobras. Musa é o segundo delator que cita o nome de Eduardo Cunha. O empresário Júlio Camargo, que representava a Toyo Setal, disse que o presidente da Câmara lhe pediu US$ 5 milhões em propina em troca de contratos referentes a dois contratos de navio-sonda na estatal. Júlio afirma que o peemedebista também se valia de aliados no Congresso para pressioná-lo a retomar os pagamentos ao partido. A suspeita é investigada no Supremo Tribunal Federal (STF). Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, há indícios de que Cunha praticou os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. A denúncia ainda será analisada pelos ministros do Supremo.

Eduardo Cunha diz não ter conhecimento do depoimento de Musa. O deputado sempre negou ter envolvimento com o esquema de corrupção na Petrobras e atribui as denúncias a uma perseguição política do governo e do Ministério Público Federal.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Congresso em Foco

Recomendados para você

Comentários

  1. Juniperos Postado em 24/Sep/2015 às 07:31

    Isso ainda não acabou. Falta saber como ele usava a Assembleia para lavar dinheiro, e quem permitia isso lá dentro.

  2. Eduardo Postado em 24/Sep/2015 às 12:35

    lá ele dava a palavra final e continua dando como presidente da Câmara Federal, é ele que pôe em votação ou não os projetos que estão na casa, quem garante que sejam os melhores projetos para o país, pelo número de vetos podemos ter certeza que não.... está de MORO ando muito ele sair de lá.

  3. Irion Postado em 24/Sep/2015 às 12:52

    É o escalador do time dos corruptos! Agora quer dar um golpe! Para "poder roubar em paz", segundo o Duvivier. Alguém duvida?

  4. poliana Postado em 24/Sep/2015 às 15:43

    kd o pereira q nessas horas some!!??? defende o cunha aí pereira...