Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 10/Aug/2015 às 18:38
35
Comentários

Quem está celebrando o ataque brutal contra os seis haitianos?

Seis haitianos são baleados em São Paulo. De acordo com testemunhas, um ocupante de um carro cinza gritou, antes de atirar: “Haitianos, vocês roubam os nossos empregos”. Parece surreal, mas há gente comemorando o ataque

seis haitianos baleados são paulo

Leonardo Sakamoto*

Seis haitianos foram baleados no sábado (1), na região do Glicério, Centro de São Paulo. Eles passaram pelo hospital e ainda possuem balas alojadas nas pernas e quadris, mas não correm risco de morte. Foram dois ataques, um na rua do Glicério e outro nas escadarias da igreja onde funciona a Missão Paz, que acolhe imigrantes na capital e tem um papel importante no combate ao trabalho escravo e ao tráfico de pessoas. A informação foi trazida em reportagem de Leonardo Guandeline e Mariana Sanches, do jornal O Globo.

Segundo a matéria, testemunhas afirmaram que um ocupante de um carro cinza gritou “Haitianos, vocês roubam os nossos empregos” e atirou. O caso foi registrado no 8o DP e não há suspeitos. Antes de conseguirem atendimento médico, os feridos foram recusados em duas unidades de saúde.

É uma história que demanda uma investigação cuidadosa para verificar os responsáveis e se o atentado foi mesmo motivado por xenofobia ou por outra razão que se quer encobrir com essa justificativa. Acredito que o envolvimento da Polícia Federal se faz necessário tanto pela pauta quanto por quem são as vítimas.

Portanto este texto não é sobre o atentado e suas razões, mas sobre as repercussões que ele ganhou nas redes.

Pois se as causas estão sob investigação, já é possível falar sobre os comentários racistas e preconceituosos de apoio – isso mesmo, apoio – ao atentado contra os haitianos que já estão circulando na internet. Pessoas que estão rosnando contra os feridos, dizendo que “foi pouco” ou que “ainda bem que alguém tomou coragem”. Para essas pessoas, os imigrantes são também responsáveis pela crise econômica e o desemprego.

Isso me remete a um texto que eu havia escrito a um leitor que estava exatamente conclamando violência contra os haitianos Bem, com sete deles foram de combate, esse leitor deve estar feliz. Ou triste porque os feridos “estão ocupando leitos que seriam de brasileiros”.

O comentário desse leitor estava em um texto que tratava do naufrágio e morte de milhares de africanos que tentam cruzar o mar Mediterrâneo em direção à Europa. A foto e o sobrenome foram cortados para não expor o rapaz. Até porque não era só ele, mas havia muitos na rede com o mesmo teor:

haitianos1

Na época, respondi publicamente ao rapaz e retomo aqui os argumentos. Entendo que ele deva assistir na TV, ouvir de amigos e da família ou mesmo escutar na escola que imigrantes em geral, ou haitianos especificamente, são um “peso” para a nossa sociedade. Ou que sua presença é um dos motivos que levam à sobrecarga dos sistemas de atendimento de saúde, educação e assistência social. E que eles roubam os empregos de brasileiros. É normal que tenha medo daquilo ou daqueles que ele não conheça bem. Daquilo que é “de fora”.

Mas esse medo é infundado, equivocado e preconceituoso.

Os haitianos vêm buscar oportunidades de vida que não são encontradas em seu país, abalado pelo terremoto de 2010, que matou mais de 300 mil pessoas, pondo abaixo suas já frágeis economia e instituições. O Brasil coordena, há anos, uma “força de paz” no Haiti com a justificativa de ajudar a garantir a ordem e a reconstruir o país. O nosso país sempre disse que o Haiti deveria vê-lo como um grande irmão do Sul. Nada mais justo portanto que, no momento de necessidade, passarem um tempo na casa desse irmão. Ou, se quiserem, estabelecerem-se por aqui.

Mas eles vêm também atendendo a um chamado por mão de obra – assim como ocorre com os bolivianos e outros irmãos latino-americanos, africanos e asiáticos. Sim, esse fluxo migratório responde à demanda por força de trabalho no Brasil. Nos últimos anos, determinadas ocupações já não eram preenchidas apenas por brasileiros, como trabalhadoras empregadas domésticas, costureiras, operários da construção civil e de frigoríficos.

E há jovens brasileiros de classes mais baixas que não querem ser costureiros ou empregadas domésticas. Preferem se aventurar como atendentes de telemarketing, que é o novo proletariado urbano.

Os haitianos estão produzindo riqueza no e para o Brasil. Mas sob a perspectiva mal informada de parte população, contudo, eles vêm “roubar” empregos. Isso quando o preconceito não descamba para o medo de roubo de relógios, joias, carros e casas.

A verdade é que muita gente, do Acre a São Paulo, passando por Brasília, quando questionada, não sabe de onde vem o incômodo que sente ao constatar centenas de haitianos chegando e andando pelas ruas. Mas se fossem loiros escandinavos pedindo estada ao contrário de negros, a história seria diferente. Ou seja, para muita gente, o problema é o racismo mesmo. Com todas as letras.

Somado, é claro, à sempre presente discriminação por classe social – negros ricos são menos queridos do que tolerados em uma sociedade preconceituosa como a nossa.

O governo federal demora para viabilizar e financiar estruturas de acolhida, apoio e intermediação oficial de mão de obra de modo a evitar a superexploração e o trabalho escravo de haitianos que já começa a acontecer. E, ao mesmo tempo, não avançamos com a aprovação da nova lei de migrações. Se bem que, com esse Congresso Nacional que está aí, seria capaz deles acabarem legalizando a escravidão de imigrantes pobres.

Afinal, qual o conceito de “brasileiro”? A história de nosso país é uma história de migrações, de acolher gente de todos os cantos do mundo (não tão bem, é claro – São Paulo, por exemplo, é a maior cidade nordestina fora do Nordeste e, ao mesmo tempo, ostentamos ainda um preconceito raivoso e irracional).

Não podemos esquecer que a maioria de nossos antepassados foi explorada até o osso quando aqui chegou. Pois a esmagadora maioria de nós é descendente de imigrantes – sejam eles negros ou brancos. Nossos avós eram os forasteiros que sofriam nas mãos dos estabelecidos. Hoje, somos nós os estabelecidos que criticam os forasteiros.

Com exceção, é claro, dos descendentes de indígenas, que sofreram – e ainda sofrem – um processo lento de genocídio.

Não faz sentido que viremos às costas aos que vêm de fora e adotam o Brasil, mesmo que a contragosto. Eles são tão brasileiros quanto eu e você, trabalham pelo desenvolvimento do país, mas normalmente passam invisíveis aos olhos da administração pública e do resto de nós.

VEJA TAMBÉM: Quem é o covarde que humilha, em vídeo, um imigrante haitiano?

*Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política

Recomendados para você

Comentários

  1. Renato Z Postado em 10/Aug/2015 às 20:16

    Todo ódio deflagrado nesses últimos tempos se levantaram de uma forma pitoresca após o resultado das ultimas eleições, essa força reacionária preconceituosa e hostil vem crescendo e já saiu do controle, não dá mais para o Estado ser omisso, a rede e principalmente as redes sociais há uma enxurrada de comentários, postagem e compartilhamentos com ações preconceituosas contra negros, imigrantes, pobres, gays e tudo em um vômito de hipocrisia contra o que não aceita ou não entende. Fico pasmo com os comentários e os argumentos, se é que dá para chamar de argumento, tentam justificar toda essa raiva e ignorância: os haitianos roubam os empregos. Mas a quem devemos responsabilizar por tanto ódio e essa divisão provocada em nossa sociedade? Até poderia culpar o Estado pela falta de educação, mas isso não se procede já que a grande parcela com ensino superior chegou a ir às ruas pedir "intervenção militar constitucional", sinceramente temo o que pode acabar pois a corda que amarra esses cães esta a ponto de estourar.

  2. Trajano Postado em 10/Aug/2015 às 21:08

    RACISMO + XENOFOBIA = SÃO PAULO.

    • Wando Postado em 02/Mar/2016 às 18:14

      Isso não é verdade guri. Apesar da cidade ser tão grande e eu reconhecer que aqui é difícil, existem muitas pessoas boas que se preocupam com o próximo aqui. Eu particularmente acho BRASILIA mais coxinha (mas é só um ponto de vista). Nasci em Brasília por isso tenho essa impressão.

  3. Leonardo Postado em 10/Aug/2015 às 21:26

    São Paulo é muito grande. Todos nós sabemos que ela abriga muita gente boa e correta que não sucumbiu à ofensiva fascista. E é essa gente do bem que fará, esperamos, o contraponto a esse protagonismo violento, sombrio, medieval e desagregador.

    • Pedro Accioli Postado em 10/Aug/2015 às 21:32

      O fascismo que ascendeu no Brasil está tornando o país cada vez mais perigoso! Não sei aonde vamos parar!

  4. Felipe Postado em 10/Aug/2015 às 21:30

    Da até pena das pessoas que querem associar o povo de são Paulo a isso, ou mesmo as babaquices que as pessoas falam querendo culpar a oposição por isso, chega a dar pena das pessoas comparar estes ataques com o pessoal da.manifestação, a culpa é da impunidade este que vivemosnem todo o país onde todo mundo faz o que quer e não paga, onde pessoas se sentem no direito de matar, agredir, difamar, desrespeitar o próximo sem que haja consequência, o pior que estes mesmos que acusam na hora de falar de redução de maiordade, prisão perpétua, e endurecimento das leis fazem o discurso do movimento social de repudiar a polícia e as leis, hoje não existe justiça.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 10/Aug/2015 às 21:59

    Parabens pra Locomotiva do Brasil. Onde a moça lá da outra materia foi vitima de transfobia e intolerancia religiosa? São Paulo. Tentativa de homicido com facada. Onde tivemos xenofobia e racismo? São Paulo. Tentativa de homicido contra 6 haitianos. É a Boçalândia mesmo, tem jeito não. Maior hospício do mundo. Terra dos paneleiros. Terra em que ex-ministro não pode sair pra comer num restaurante em paz. Terra dos filhos da puta que jogam tachinha em ciclovias porque elas "tiram o espaço do meu carro". O berço do fascismo brasileiro atual. Aguardando pelas cenas lamentáveis do próximo domingo.

    • Deisi Postado em 11/Aug/2015 às 08:13

      Disse tudo Eduardo! berço do fascismo, com raríssimas exceções, mas Curitiba não fica atrás!

    • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 09:14

      E por pensamentos assim, absolutamente nada vai mudar. SP para mim é o melhor estado do país aqui eu vivo, tenho meus filhos, minha família, pessoas de bem, onde eu cresci, estudei tenho meu trabalho, meu sustento e onde sou muito feliz e sim tem muitos problemas como qq outro estado mas não é culpa da população e sim do governo que não se faz presente e não faz valer se papel de garantir os direitos do cidadão.

    • José Ferreira Postado em 11/Aug/2015 às 09:15

      As pessoas falam mal de São Paulo, mas não sobreviveriam se o estado "desaparecesse" de repente. Fora que o Eduardo Ribeiro juntou, em um só comentário, discursos enlatados e falaciosos da esquerda.

      • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 09:38

        hahaha boa!! fora que SP é o estado que mais recebeu imigrantes e mibrantes no Brasil, a cultura desse estado tem de tudo do Brasil e do mundo todo.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 11/Aug/2015 às 10:12

        Quanto mimimi...provavelmente 3 típicos paulistas ofendidos com obviedades....um reclama de discurso enlatado e me saca logo o mais enlatado de todos, "ninguem sobrevive sem SP"....o outro está desconectado da realidade, e o terceiro confunde o "estar estabelecido aqui" com "ser o melhor lugar do mundo". Porra, eu tambem "estou estabelecido aqui", o que não me impede de afirmar com extrema segurança que este lugar é a Boçalândia. Estou apenas transmitindo uma informação. São Paulo é o berço do fascismo brasileiro, meninos. É hoje o lugar mais indefensável do país, muito embora a concorrência seja pesada. Eu listei 3 ou 4 exemplos, mas poderia citar uns 70...o lugar é extremamente generoso em oferecer provas cabais de ascenção do fascismo. Tucano-fascismo, se me permitem.

      • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 10:23

        o cara fala que aqui é o pior lugar do mundo mas não arreda o pé daqui.... kkkkk vc é apenas uma pequena exceção dos que moram aqui, precisam de viver aqui senão, afinal é o lugar que te deu tudo o que tem até hoje mas diz que odeia SP, pequeniníssima minoria pois a maioria parte adora esse estado.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 11/Aug/2015 às 10:54

        Felipe é o típico paulistano que acha que o Brasil é um puta fardo, muitissimo pesado e sem valor ou utilidade, que SP, enquanto locomotiva possante, tem a grande generosidade de carregar e ninguem se mostra agradecido por tamanha benevolência.

      • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 11:07

        Não não, eu sou o típico paulistano que ama seu estado, tem sua familia e sua historia aqui, ama a riquíssima cultura que este possui desde o que mora aqui, o nordestino, o mineiro, o baiano, até o italiano, o japones e tudo que veio acrescentar nossa cultura, se ele odiasse SP iria embora, simples assim.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 11/Aug/2015 às 11:16

        Ama os haitianos tambem, e tudo que eles vieram acrescentar?

      • Eduardo Ribeiro Postado em 11/Aug/2015 às 11:17

        """"eu vivo aqui, trabalho aqui, minha familia está aqui, me estabeleci aqui, tenho uma vida aqui, PORTANTO aqui é o melhor lugar do mundo...este estado me deu tudo que tenho...a locomotiva do brasil""""

      • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 11:33

        Quando vc fala eles vc diz isso sobre a maioria esmagadora de Paulistas???? Ou se baseia num episódio com um bando de idiotas??? sim, para mim é o melhor lugar do mundo eu amo meu estado, senão tinha ido embora, essa é minha opinião NUNCA disse ser a locomotiva do Brasil, apesar de ser sim o estado mais rico, mas é porque trabalhadores de todo o Brasil adotaram este luar como casa e o fizeram ser grande, e como te disse acima, se não gosta daqui, pode ir embora, vc faz parte da grande minoria que ODEIA este estado.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 11/Aug/2015 às 14:27

        Calma, felipe...contenha-se. Pare de espumar. Maluco fica transtornado porque citei um ou dois fatos. Praticamente me mandou embora daqui...anote aí: São Paulo é o BERÇO DO FASCISMO BRASILEIRO. Aguardamos as cenas lamentáveis do próximo domingo.

      • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 14:52

        Pode ser para vc, que odeia essa cidade, mas para a maioria não é, manifestação teve em todo o país e sou super a favor, vai ter protesto sim vc querendo ou não e acho que nem sabe o significado do fascismo, se soubesse não ficaria enchendo a boca pra falar só pq um bando de idiotas falam tb,

      • Eduardo Ribeiro Postado em 11/Aug/2015 às 15:07

        Não é "pra mim". Não estou opinando, estou informando. E não me entenda mal...eu sou totalmente a favor das manifestações. Afinal a elite dos nobres homens brancos tem direito, numa democracia, de se expressar e de botar pra fora sua revolta, ora...afinal, trocar a SUV 2014 por uma 2015 ficou complicado...só um impeachment pra resolver...tem que protestar mesmo, vestir verde-amarelo, cantar o hino, tirar umas fotos e....bom, ir pra casa. Cada um fazendo sua parte. E alem disso, do que eu iria rir no próximo domingo se eles não sairem pra rua? O protesto tem meu apoio oficial e declarado.

      • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 15:27

        Bom, muitos amigos e conhecidos irão nessa manifestação, pessoas pobres, não tem um SUV mas tem um celtinha, um uno um Palio ou mesmo anda de buzão e metro, acredito que o grupo de pessoas ou sociedade que vc esteja vivendo deve ser uma república auto sustentável onde se trabalha, se produzir o alimento e atenda todas as necessidades sem sair do cercadinho dos limites pois só uma pessoas assim para não entender o atual momento que estamos vivendo, enfim, agora descobri que quem é rico ou pelo menos quem tem a capacidade de gastar seus 60 mil com um SUV não tem direito nenhum, alias não podem reclamar de nada segundo sua análise, esse papo de todos termos o mesmo direito não colaria se vc fosse o presidente, alias esse negocio de cortar direito das pessoas soa como uma ditadura, se vc apoia eu não.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 11/Aug/2015 às 16:43

        Mas eu acabei de dizer que tem direito, que podem reclamar....afinal esses impostos elevadissimos impedem o upgrade imediato de um iphone 5 pro 6...só um impeachment pra resolver...tem que reclamar, vestir verde-amarelo, tirar fotos com a PM, implorar pela invasão dos USA "nos salvem".....estamos numa democracia. Aguardamos pelo domingo ansiosamente.

      • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 16:48

        Realmente como disse outra pessoa num comentário é um tiozão sem argumento para nada, mas boa sorte em sua caminhada contra os coxinhas fascistas no seu cubículo de ignorância e falta de argumento, os iphones agradecem

  6. Grace Diniz Postado em 10/Aug/2015 às 23:50

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1027146190669868&l=150e1a5982

    • Ronaldo Postado em 11/Aug/2015 às 10:01

      Alguém cujo nickname é anagrama de Bolsonaro, só poderia fazer esse tipo de comentário.

  7. Geuesle Postado em 11/Aug/2015 às 09:31

    Para mim... tem caroço nesse angú. E pode ser dos grande a globo ñ ia dá o braço a torcer tão facil assim

  8. Ingrid Postado em 11/Aug/2015 às 09:52

    Não sou paulista sou mineira, porém quando vejo pessoas resumirem acontecimentos como essa a " São Paulo é o problema",fico pensando se é inocência, loucura ou dificuldade em lidar com a logica. Estamos num país onde quem é de direita não respeita quem é de esquerda e o contrario também é verdadeiro, quem não é da minha religião e não faz o pastor da minha igreja diz não merece respeito, quem não torce para o mesmo time que eu merece apanhar, quem tem uma aparência diferente da que eu acho que é correta não merece respeito...... Intolerância, falta de respeito com a vida, agressões gratuitas e falta de humanidade tem feito parte do cotidiano brasileiro, São Paulo é uma cidade gigante, com gente do país todo de que concentra um pouco de cada canto do Brasil. Não é São Paulo que cria o comportamento do brasileiro, toda vez que chego la percebo que a cidade apenas reflete o nosso povo.

    • felipe Postado em 11/Aug/2015 às 10:25

      Exatamente!!

  9. josemilton Postado em 11/Aug/2015 às 11:15

    agora eu pergunto: Qual emprego que os haitianos vieram tirar dos "brasileiros"? Pedreiro, frentistas, etc.. Nao dizendo que essas profissionais sejam ruins ou depreciadas. Muito pelo contrario. Mas sao funcoes que geralmente os paulistas que se acham os supremos nao querem. Uma pessoa que possui um carro e atira em pessoas que vieram de uma destruicao natural, acusando-as de tirar seus empregos. Isso e fascismo sim.

    • sergio50 Postado em 11/Aug/2015 às 11:23

      A verdadeira essência do paulistano só irá se manifestar quando a água do cantareira acabar de vez: o fedor de cocô vai ser avassalador!

  10. Pereira Postado em 11/Aug/2015 às 11:35

    Coitados, chegam aqui enganados com a falsa promessa de um emprego digno. Um país que possuí um governo incapaz de cuidar do seu próprio povo. O pior que acabam aliciados para promover militância dos ditos "movimentos sociais", essa sim, a verdadeira intenção em deixar esses imigrantes ilegais entrarem aqui. O pior que muitos vão acabar perdendo suas vidas num dos países mais violentos do mundo, com quase 60 mil homicídios ao ano.

  11. Wanderson Postado em 12/Aug/2015 às 11:59

    A emigração dos Haitianos é um problema humanitário grave e sua perseguição mais grave ainda.Mostra por A+B o quão estúpidos e preconceituosos nós somos com relação a tudo que nós é diferente(se é que são diferentes). Zé povinho se arvora em dizer que o brasileiro não é preconceituoso,até um emigrante cruzar o seu caminho,um espírita ou um candomblesista lhe dizer bom dia ou um nordestino frequentar os mesmos lugares que ele.Até mesmo o outro ter uma opinião política diferente da sua. A verdade é que o brasileiro comum,não vê o seu compatriota como um igual,que passa pelos mesmos problemas que ele e tudo mais.Ele simplesmente vê o outro como alguém passível de ser explorado ou passado para trás ou mesmo perseguido.Se nós somos assim entre nós,imaginem com os outros de fora daqui? Temos todos os ingredientes para uma guerra civil.Basta só uma fagulha para tudo ir para os ares.

  12. Rosendo Postado em 13/Aug/2015 às 15:54

    O pior das matérias são os comentários

  13. Nicolau Postado em 16/Aug/2015 às 17:39

    Esses miseráveis haitianos viajaram centenas de quilômetros para se enfiar no rabo do "capitalismo" brasileiro, porque a vida no Brasil é melhor do que o miserável Favelão socialista Cuba, vizinho de Haiti!