Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direita 20/Aug/2015 às 09:56
11
Comentários

Jornalista alemã detona discurso de ódio da extrema-direita

Na TV, jornalista alemã Anja Reschke dá uma corajosa bordoada no discurso de ódio da extrema-direita

jornalista alemã direita Anja Reschke
Anja Reschke (reprodução)

Kiko Nogueira, DCM

A âncora Anja Reschke brilhou, como se falava antigamente numa firma onde meu amigo Sérgio Rabino trabalhou durante 45 anos.

Num comentário no telejornal no qual trabalha, ela usou alguns minutos para criticar de maneira veemente a guerra verbal contra os refugiados na Alemanha.

Sem levantar uma sobrancelha, sem erguer a voz — e me vem à mente o histrionismo ventríloquo de Marco Antonio Villa —, ela detona a xenofobia e a reação tímida a ela.

Para além da questão dramática da imigração, porém, Anja enquadra os covardes que disseminam o discurso de ódio, bem como o argumento falacioso de que tudo é permitido porque são apenas palavras.

Expressa sua preocupação com a maneira banal com que os xingamentos mais brutais são postados nas redes sociais. Segundo ela, esse tipo de pregação tem contribuído para o “aumento dos atos da extrema direita”, incluindo incêndios criminosos.

“Até recentemente, esses comentaristas estavam escondidos atrás de pseudônimos, mas agora essas coisas estão sendo feitas sob os nomes verdadeiros dos autores”, diz ela num vídeo que viralizou.

“Aparentemente, não é mais embaraçoso. Ao contrário, com expressões como “esses vermes imundos devem se afogar no mar” você obtém um animado consenso e um monte de curtidas”.

Para Anja, os “pequenos ninguéns racistas” se sentem felizes com toda a atenção.

Faz um apelo: “Se você não é da opinião de que todos os refugiados são aproveitadores que devem ser caçados, queimados ou mandados para câmaras de gás, então você deve se fazer ouvir, se opor, tomar uma atitude, abrir a boca, expor publicamente essas pessoas”.

No Brasil, é visto com naturalidade — graça, até — uma senhora segurando um cartaz lamentando que Dilma não tenha sido executada pelo Doi Codi, outro perguntando “por que não mataram todos em 1964?”, entrou outros absurdos.

Bandos de fascistoides prega golpes militares numa boa, ao lado de homens, mulheres e crianças de bem.

O que fazer?

Ouça o bom conselho de Anja, que ela lhe dá de graça: “Você deve se fazer ouvir, se opor, tomar uma atitude, abrir a boca”.

Vídeo abaixo:

Atendendo a pedidos:

Posted by Carina Campagnani on Sexta, 7 de agosto de 2015


Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. SCCP Brasil Postado em 20/Aug/2015 às 10:04

    O discurso do odio, do "eu contra eles", do racismo, xenofobia etc, deve ser tratado com o esquecimento. Pra que dar ibope pra quem pensa de maneira retrogada? Isso serve pra este site, uol, globo, facam materias que agreguem valor, nao materias que mostrem homo sapiens falando groselha!

    • Cris Postado em 20/Aug/2015 às 15:40

      Negativo, se ignorarmos ele crescerão ainda mais no nosso lado, foi assim na Alemanha Nazista, os bons se calavam pq achavam que a onda ia passar no esquecimento, combater agora, não deixar o mal crescer é obrigação de todo pessoa que pensa como ser humano. Esse pensamento fascista e retrógrado se espalha como fogo ao vento... quando tomarmos ciencia de que deixamos ir longe demais aí será tarde....

      • Elio Postado em 20/Aug/2015 às 16:46

        Estou de acordo, há que se trava agora.

      • Flamarion Pelúcio Postado em 26/Aug/2015 às 03:04

        Concordo!

  2. João Batista Kreuch Postado em 20/Aug/2015 às 11:01

    Já vem um primeiro idiota aqui enquadrado no que disse a jornalista alemã querer contrapor o assunto jogando outro na área, pra tentar desviar a atenção. Qual a dificuldade de entender o que ela falou, Sr. Brzezinki??? Você se sentiu ofendido por que??? Não percebe que estamos numa neura absurda de negação do outro e do seu direito de existir e conviver? Perceba que amanhã esse fascismo se volta também contra você!! Se não tiver outro motivo melhor para repensar suas ideias, pense ao menos nesse!

  3. Isabela Postado em 20/Aug/2015 às 11:22

    O problema está em uma palavra "extrema", seja de que lado estiver quem tem certeza absoluta sempre está errado. E quem não gostar disso que vá discutir matemática ai fica fácil ter certeza.

  4. André Lima Postado em 20/Aug/2015 às 17:00

    Em qual parte do vídeo ela diz que são comentários da "extrema-direita"?

    • Antonio Postado em 23/Aug/2015 às 20:41

      Na parte entre 0 segundos e 1 minuto e 53 segundos.

    • Antonio Postado em 23/Aug/2015 às 20:41

      corrigindo, na parte entre 0 segundo e 1minuto e 53 segundos.

  5. SCCP Brasil Postado em 20/Aug/2015 às 18:33

    Cris, o problema é do tamanho que voce da a ele. Esse odio PT PSDB nao deve ser alimentado. Os problemas do Brasil vao muito alem da politica, o sistema é a causa e nos somos a consequencia. A mudanca deve comecar na gente. Esse seu exemplo da Alemanha nazista é bizarro, epoca, cultura, pais, tudo diferente do que vivemos hoje. Se algo deve ser combatido sao os formadores de opiniao, como bolsonaro e outros... Combater cidadao isolado (que o site so mostra a excecao do protesto) nao tem nada a ver.

    • Flamarion Pelúcio Postado em 26/Aug/2015 às 03:12

      Talvez, SCCP, possamos inverter a ordem dos tratores e dar outro rumo à estrada: nós somos a causa e o sistema é a consequência. Afinal, quem veio primeiro, nós ou o sistema? Quem gera quem? Sei que essa é uma discussão delicada e complexa, não pode ser levada exatamente neste fórum. Mas fica o lembrete. No mais concordo.