Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 21/Aug/2015 às 15:18
43
Comentários

Alunos de medicina da USP fazem piada com cirurgia de mudança de sexo

Alvo da CPI dos Trotes, que apurou a existência de até 112 estupros nos últimos dez anos, a Faculdade de Medicina da USP está envolvida em uma nova polêmica. Estudantes fizeram piada com cirurgia de mudança de sexo em episódio de transfobia. Após denúncia, o post foi apagado, mas o debate se instalou

transfobia usp medicina preconceito

Thiago de Araújo, Brasil Post

A Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) está envolvida em uma nova polêmica, agora nas redes sociais. Principal alvo da CPI dos Trotes que apurou a possível existência de até 112 estupros nos últimos dez anos, a FMUSP viu alguns dos seus estudantes envolvidos em um caso de transfobia. A denúncia partiu de Daniela Andrade, em sua página no Facebook.

O post foi apagado, mas a foto em questão, compartilhada por ela – também uma transexual – foi a que pode ser vista acima.

Denunciada ao Facebook, a imagem acabou apagada pela rede social. Mas o debate se instalou. Segundo Daniela, ocorreram tentativas de silenciar a denúncia, que teriam partido “de gente que se considera poderosa”. “Nós, travestis e transexuais, já nascemos mortas para tudo nessa vida, mortas para a sociedade, mortas para as políticas públicas, mortas para o respeito tão necessário e que jamais nos é dado. Sobrevivendo nessa sociedade que nos odeia”, escreveu.

Em outra postagem, a transexual criticou o fato dos estudantes envolvidos na polêmica, e até outros que nada tinham a ver com a imagem, terem “ficado ofendidos”. Para ela, “piada com sofrimento humano não é piada” e “qualquer pessoa que prestou um vestibular para lidar com gente, com a saúde de gente, deveria se mancar disso”.

“Você não faz piadas com grupos oprimidos, por que o riso é fácil, a sociedade está o tempo todo debochando de nós, pessoas transexuais. Tentem fazer algum humor inteligente, tentem fazer algo para além do senso comum discriminatório. Afinal, a gente existe no mundo para isso, não é mesmo? Decidiram as pessoas cisgêneras que nossa vocação natural é ser piada de vocês”, continuou.

Desculpas

O autor da postagem, em sua página pessoal no Facebook, pediu desculpas pelo episódio que ele mesmo definiu como “extremamente ofensivo”.

“Como estudante de medicina, sei que tenho um papel importante sobre a intimidade e o sofrimento humano, e uma alta responsabilidade com a sociedade. No dia desta foto – e infelizmente em muitos outros – falhei grosseiramente. Peço sinceras desculpas a toda a comunidade trans e a todos(as) os(as) outros(as) que tenham se ofendido com a minha postagem”, postou.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Fernando Postado em 21/Aug/2015 às 15:25

    Quanto drama...

    • Ysabel Santos Postado em 21/Aug/2015 às 16:13

      Quanta falta de empatia.

    • Icaro Postado em 21/Aug/2015 às 16:19

      Quanta falta de ética.

    • Cris Postado em 21/Aug/2015 às 16:44

      Lamentável o pedido de desculpas

    • Ana Paula Postado em 21/Aug/2015 às 19:00

      Quanto desrespeito à privacidade do paciente.

    • Trajano Postado em 21/Aug/2015 às 19:05

      Fernando, se trata de uma questão de ética profissional e não política ou de gosto pessoal. Ocorreu grave violação ética à população trans, aos profissionais da área médica e à sociedade como um todo, uma vez que não cabe a um estudante ou um profissional da área da saúde decidir se deve ou não expor ao escárnio qualquer indivíduo que demande algum tipo de assistência médica.

      • Gina Girão Postado em 24/Aug/2015 às 10:07

        Lucidez me encanta! Grata, viu, Trajano!

  2. José Ferreira Postado em 21/Aug/2015 às 15:30

    Acho exagerado dizer que foi um "desrespeito" todos os tipos de pessoas são alvos de piadas, mas os "da coluna do meio" querem criminalizar o humor. Eles querem ser mais reais que o rei, além de querer ser intocáveis. Pau que da em "chico" tem que dar em "Francisco" também.

    • Isadora Postado em 21/Aug/2015 às 15:38

      Humor é em teatro, tv... e olhe lá. Sala de cirurgia não é lugar de humor.

      • Thiago Postado em 21/Aug/2015 às 16:18

        Espero que o senhor José Ferreira tenha exposto na internet seus exames de próstata ou de urologia para aprender a ser menos panaca.

    • wanderlygobbi Postado em 21/Aug/2015 às 15:45

      perderam a oportunidade de ficar calados...

    • Paulo Postado em 21/Aug/2015 às 16:02

      Por favor, a piada transfóbica decorreu do exercício da profissão médica, uma to extremamente infeliz daqueles que tem depositada a confiança do paciente. Aliás, mesa cirúrgica não é lugar de piadinhas. Sou advogado, e jamais ousaria fazer qualquer piada de qualquer caso que atuasse. Uma questão ética e de respeito.

      • Silva Postado em 21/Aug/2015 às 17:09

        Para o "historiador" Zé Ferreira, tudo se resume em humor, homofobia, racismo, calunia e difamação calunia.

    • Bruno Postado em 21/Aug/2015 às 16:04

      Me conte uma piada de hétero, por favor.

    • Henrique Postado em 21/Aug/2015 às 16:05

      Como foi falado na materia piada com sofrimento alheio nao eh piada. Lembro que fizeram piada quando o Lula estava com cancer. Aquilo me deixou super revoltado. Minha mae teve 02 cancers e so quem teve e a familia do paciente sabem do sofrimento que eh. Acordar a cada dia com a duvida se aquele sera o ultimo dia de vida dos seus entes queridos. Criminalizar o humor o caralho. Isso nao eh humor !!! Se o babaca que fez a brincadeira do cancer estivesse perto de mim eu teria descido o cacete nele. As pessoas tem que aprender que Facebook nao eh a casa da mae Joana onde voce pode fazer e dizer o que quer achando que nao ira atingir. alguem. Que ele(s) respondam por seus atos.

      • Leandro Postado em 21/Aug/2015 às 18:40

        Melhor comentário

    • Madex Postado em 21/Aug/2015 às 16:07

      Postaram a foto de um paciente sedado, expondo-o e "foi só uma piada"?!???!?!?!/!

      • João Postado em 21/Aug/2015 às 16:32

        Não tem paciente nenhum, é um aluno também

    • Roberto Postado em 21/Aug/2015 às 16:07

      Falar o que de um sujeito que chama de transexual de "coluna do meio". Este jumento é de qual coluna? Por supuesto, "quinta coluna"

      • José Ferreira Postado em 21/Aug/2015 às 16:13

        Sou da "coluna dos homens". Uma piada de hétero: sabe quantos héteros precisam para trocar uma lâmpada? Um, pois de homem já basta ele próprio, hahahaha...

    • Fernando Postado em 21/Aug/2015 às 16:09

      Com certeza José Ferreira, por exemplo, o autor da foto, homem cis gênero, hetero, branco e rico deve ser alvo de muitas piadas né?

    • Ysabel Santos Postado em 21/Aug/2015 às 16:14

      O que comentar quando alguém usa o termo "coluna do meio"?

    • Eduardo Ribeiro Postado em 21/Aug/2015 às 16:16

      """Era só uma piada, gente...não se pode mais dar risada de nada....que que tem uma piadinha de cunho sexual de vez em quando? Uma bichinha, uma transexual...só porque é médico e estava com o paciente na mesa de operação, sob seus cuidados, não pode dar risada, fazer humor? chamar um preto de macaco...dar risada de um pobre humilde que não sabe se expressar muito bem, tem coisa mais hilária que isso? até calúnia a um ex-presidente já se pode fazer, gente...atualizem-se, estamos em 2015 já...esse politicamente correto de vocês vai acabar com o mundo""". FERREIRA, José.

    • Afonso Postado em 21/Aug/2015 às 16:24

      que humor cara????? numa sala de cirurgia? expor uma pessoa na hora de uma cirurgia pra varear ??? engraçado, todo racista, todo preconceituoso na hora que quer se safar se esconde atrás do "era piada, foi só humor"

    • Anderson Postado em 21/Aug/2015 às 16:41

      Exagerado é a sua complacência! Numa sala de cirurgia não é lugar para fazer piada! Foi falta de responsabilidade, de respeito e de ética!

    • Renato Postado em 22/Aug/2015 às 18:50

      Cara, vc é um imbecil!! Nã existe "coluna do meio"! As pessoas que sofrem preconceitos não são obrigadas a serem alvos de piadas!! Quem sofre preconceito não acha graça em piadas pejorativas!! Ninguém quer ser intocável, apenas respeitado!!

  3. Eduardo Postado em 21/Aug/2015 às 15:44

    esses futuros dotores estão mostrando desde já o respeito que terão com o povo que dependerá deles.

  4. Guilherme Postado em 21/Aug/2015 às 15:47

    Deixa eu ver se entendi. Um grupo de médicos tiram uma foto com o paciente na mesa de cirurgia desacordado e tem gente que acha que é drama? É o mesmo que dizem sobre o ESTUPRO!! Cadê a ética, profissionalismo e respeito quanto pessoa e profissional?? Preocupante...

  5. Bruno Silva Postado em 21/Aug/2015 às 15:49

    Acho o fato gravíssimo. Cirurgia não é lugar pra selfie, ainda mais quando é possível identificar o paciente. Já vi até caso de médico postando selfie no tinder de cirurgia que ele fez.

    • Bruno Silva Postado em 21/Aug/2015 às 22:02

      Retificando. Achei que era uma cirurgia de verdade, mas não era. Minha indignação veio de pensar que a brincadeira foi na hora do procedimento.

  6. Lili Postado em 21/Aug/2015 às 15:53

    Me surpreende ainda ver comentários dizendo que a atitude (de denunciar) foi exagerada. Um pedido de desculpas é o mínimo que deveria ter sido feito. Seria ridículo expor qualquer paciente, principalmente em uma situação na qual ele se encontra tão vulnerável, como essa. Médicos tem que zelar e ter, no mínimo respeito, pelos seus pacientes, independente de cor, gênero, etc. A pessoa pode ser formada na melhor faculdade, mas se ela não tiver caráter será um péssimo profissional.

  7. Sara Guerreiro Postado em 21/Aug/2015 às 16:00

    Não acho exagero, nem drama. A sala de cirurgia não é lugar pra " humor", ainda mais esses de teor discriminatório. Médicos irão lidar diariamente com o sofrimento humano, com a privacidade. Eu acho que para essa profissão não basta só estudar e ter o conhecimento técnico naquilo, mas sim ter humanidade para lidar com mtos tipos de situação. Infelizmente, vemos na medicina mta busca por status e pouco interesse real em ser de fato um "médico". A " humanidade" que a profissão exige infelizmente não é avaliada no vestibular.

  8. Priscila Franco Postado em 21/Aug/2015 às 16:35

    Vejo com perplexidade este tipo de futuro profissional, sei que tem muito profissional desta área sério, gente do bem, mas as faculdades de medicinas precisão de uma intervenção imediata de educação, cidadania e uma sensibilização destes futuros profissionais. Como fica a vida de uma futura médica despois de sofrer abusos de seus colegas de profissão? Uma coisa é humor, outra totalmente diferente é humor com discursos violentos.

  9. Geraldo Postado em 21/Aug/2015 às 16:36

    Ética médica rasgada a olhos vistos , obrigado por envergonharem a classe idiotas !!

  10. Rogerio Postado em 21/Aug/2015 às 17:14

    Esse é o tipo que critica os doutores cubanos!!!

  11. paulo Postado em 21/Aug/2015 às 18:59

    O pessoal nao para pra pensar em quem tem acesso a USP, e sobretudo aos cursos mais concorridos. Eh uma molecada criada em escolas particulares e cursinhos que não conhecem nada além da propria cultura médio-classista (para alta) deles. Nao sabem nada: soh fazer provas e irem se formando para ocupar cargos pequeno-burgueses da sociedade, garantir o padrão de vida. Essas brincadeiras sao corriqueiras na USP, a sala de cirurgia no Brasil, nos EUA, em qualquer lugar não é um lugar de respeito cerimonioso ao paciente....segue o jogo, nem adianta fingir surpresa.

  12. Telmo Postado em 21/Aug/2015 às 20:25

    A Medicina, provavelmente, não está selecionando as pessoas certas :http://saudepublicada.sul21.com.br/2015/05/11/a-medicina-provavelmente-nao-esta-selecionando-as-pessoas-certas/

  13. Duarte Postado em 21/Aug/2015 às 21:21

    Cade o mais medico? chama os cubanos, no Brasil nao tem medico.

  14. Thiago Postado em 23/Aug/2015 às 08:51

    Por isso que eu sou a favor de aumentar e muito as cotas. Estamos precisando de médicos mais humildes.

    • José Ferreira Postado em 24/Aug/2015 às 09:32

      Com as cotas não teremos médicos mais humildes, teremos mais "açougueiros". O que resolve é a implantação de um exame obrigatório para obter a carteira do CREMESP, assim como a OAB faz com os bacharéis de direito.

      • Trajano Postado em 24/Aug/2015 às 15:15

        José Ferreira: “Com as cotas não teremos médicos mais humildes, teremos mais ‘açougueiros’”. Se fosse uma pessoa com o mínimo de honestidade intelectual, eu diria pra você tomar cuidado com essa interpretação. Mas como é o José Ferreira, é necessário perguntar: você se baseou no que antes de falar merda? Nem na sua querida Wikipédia existem dados que corroboram essa sandice. Vamos pegar o exemplo da UERJ? Aquela universidade estadual que foi chamada pelos racistas de plantão de “Congo” depois de ter sido a primeira a implementar o sistema de cotas no país? Se analisar a nota de corte - pontuação mínima- dos aprovados no vestibular UERJ de 2015, a nota de corte dos candidatos que comprovaram carência socioeconômica e são cotistas (rede pública ou negros/indígenas) ao curso de medicina corresponde a uma das pontuações mais altas dentre todas as pontuações de corte, incluindo as notas de não-cotistas (vagas não-reservadas/ampla concorrência). A pontuação de um cotista (rede pública ou negros/indígenas) aprovado em medicina na 1ª classificação é superior ou equivalente às pontuações de todos os cursos oferecidos por ampla concorrência (vagas não-reservadas) e se encontra na 6ª posição GERAL (incluindo medicina com ampla concorrência) dentre todas as notas de corte mais altas do vestibular. Ou seja, em 2015, um cotista da UERJ de medicina oriundo da rede pública ou declarado negro/indígena poderia ser aprovado sem cota para jornalismo, administração, psicologia, direito, ciências econômicas, diversos cursos de engenharia (elétrica, por exemplo), história, odontologia, relações públicas, dentre outros cursos oferecidos pela universidade. Que açougueiros refinados, não? Luxuosíssimos. Mas José Ferreira não acaba por aí: ” O que resolve é a implantação de um exame obrigatório para obter a carteira do CREMESP, assim como a OAB faz com os bacharéis de direito”. Ah, é. Todos os problemas oriundos por profissionais de advocacia foram resolvidos depois que a OAB resolveu criar uma prova como seleção para a carteira profissional do advogado. Tá bom. Não sei se o seu nível de seletividade alcançou patamares neuropsicológicos críticos ou se ser troll virou o novo Playstation para os balzaquianos, mas depois que declarou que só existem 5% de negros em São Paulo e agora comparou estudantes cotistas de medicina como propensos “açougueiros”, cara, nem pra troll você serve. JOSÉ FERREIRA, seus argumentos são de uma mediocridade que já ultrapassou o limite entre o ridículo e o ofensivo.

      • José Ferreira Postado em 25/Aug/2015 às 00:16

        A nota do cotista de MEDICINA é menor do que a do não cotista de MEDICINA, e não se soma bananas com maçãs. Eu não disse que são 5% de negros em São Paulo, é o IBGE que diz. Se fomos chamar todo mundo que tem a pele mais escurinha de "negro", então podemos dizer, nessa ótica, que a Índia é o país mais "negro" do mundo.

  15. Carlos Postado em 24/Aug/2015 às 20:21

    Que absurdo, bora ouvir funk.