Redação Pragmatismo
Compartilhar
Política 27/Jul/2015 às 21:16
2
Comentários

Eduardo Cunha monta 'pauta-bomba' para se vingar do governo

Em retaliação ao governo, Cunha monta ‘pauta-bomba’ no Congresso. Presidente da Câmara, investigado na Lava Jato por recebimento de propina milionária, admite que será árida a jornada do governo no segundo semestre

eduardo cunha pauta bomba

Após ser acusado pelo o ex-consultor da Toyo Setal Júlio Camargo de cobrar U$S 5 milhões de propina para viabilizar contratos com a Petrobras, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), prepara uma “pauta-bomba” para incomodar o Palácio do Planalto. As informações são do jornal O Globo.

Entre os temas incômodos ao governo que devem entrar na pauta da Câmara estão: a criação das CPIs do BNDES e dos Fundos de Pensão; a votação das prestações de contas pendentes dos governos anteriores para deixar o caminho livre para a análise das contas de Dilma do ano passado e a análise de vetos presidenciais a projetos aprovados pelo Congresso, como o que muda as regras para a aposentadoria.

Além disso, Cunha também deu celeridade a 12 pedidos de impeachment da presidente Dilma que estavam engavetados desde o início do ano. A intenção do presidente da Câmara é tê-los prontos par análise em meados de agosto.

“Cunha admite que será árida a jornada do governo no segundo semestre, mas nega que tenha contribuído para isso. Para ele, as dificuldades se devem mais à baixa popularidade de Dilma e à consequente falta de apoio da base aliada do que propriamente aos temas que a Câmara irá analisar”, informa O Globo.

Ministro rebate Cunha

O ministro da Secretaria de Aviação Civil e um dos principais articuladores políticos do governo, Eliseu Padilha, disse que o governo promoverá um “diálogo mais profundo e mais próximo” com o Congresso Nacional no segundo semestre, mas fará o “embate político” nas votações para defender seus interesses, inclusive em temas da chamada “pauta-bomba”.

“Vamos para o embate político do voto dentro do Congresso Nacional, por isso, temos o trabalho de articulação política; por isso, estamos com o processo de convencimento”, disse o ministro, após a reunião de coordenação política desta segunda-feira (27), comandada pela presidenta Dilma Rousseff.

Padilha argumentou que a eventual aprovação de medidas da chamada pauta-bomba poderá desencadear consequências negativas não só para o atual governo, mas para a sustentabilidade das contas do país.

“Não conseguimos separar o efeito apenas sobre o governo, porque o governo de hoje pode ser a oposição de amanhã, e os efeitos dessas bombas podem ser consumados por muito tempo. Temos que ter essa responsabilidade”, ponderou.

O ministro minimizou as divergências entre o Palácio do Planalto e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que anunciou o rompimento formal com o governo. Ele disse que a posição do parlamentar é pessoal e não institucional. “Não vi nenhuma declaração dele que pusesse sair desse alinhamento de manter relacionamento institucional. Eu confio no Cunha, sei que ele vai agir corretamente”, avaliou.

informações de Congresso em Foco e O Globo

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Prado Postado em 28/Jul/2015 às 16:09

    Eduardo Cunha não teve infância, definitivamente! As atitudes dele lembram aquelas criancinhas birrentas pegas em flagrante fazendo traquinagens e q querem apontar os erros das crianças próximas na esperança q seus erros sejam esquecidos. Isso que dá trabalhar tanto ao lado de petistas. Pelo menos é um atirando contra o outro com os próprios métodos.

  2. andre fln Postado em 28/Jul/2015 às 19:10

    essa turma do quanto pior melhor, tá fazendo tanta cagada, que eles nem tem mais coragem de virar governo