Redação Pragmatismo
Compartilhar
Curiosidades 21/Jul/2015 às 14:42
7
Comentários

É possível ensinar um bebê de 5 meses a usar a privada?

Mãe revela que seu filho fez cocô sentado na privada pela primeira vez aos 5 meses de idade. Manuela se surpreendeu com a técnica que facilitou muito o seu dia a dia

bebê privada criança
Manuela Tasca, autora do blog Yellow Baby, diz que técnica facilitou seu a dia a dia (Foto: Yellow Baby Blog/BBC)

BBC Brasil

Ao ficar grávida, a carioca Manuela Tasca, de 32 anos, decidiu pesquisar por práticas que lhe ajudassem a reduzir a pegada ambiental e o estresse ligado à criação e aos cuidados do bebê. Como ela conta em seu blog, adotou fraldas de pano, abriu mão do berço e do carrinho e optou por um carregador de pano (sling).

A pesquisa a levou a uma técnica que permite que bebês usem o vaso sanitário com poucos meses de idade. A princípio, Manuela achou que a chamada Elimination Communication (EC) fosse uma maluquice. Mas depois mudou de ideia. A seguir, ela conta sua experiência com Luca:

“Ainda grávida, eu estava vasculhando a internet atrás de dicas e métodos milagrosos para criar bebês sem estresse quando entrei em contato com algo que me chamou a atenção: bebês que usam a privada.

Parecia lenda, coisa de mães inseguras que queriam fazer com que todas as outras mães do mundo se sentissem péssimas porque seus bebês agiam como… bebês, fazendo suas necessidades em fraldas.

Mas decidi me aprofundar nesse método de maternidade: o ‘Elimination communication’, ou EC. Baixei um livro sobre o assunto, devorei todos os vídeos disponíveis no YouTube e li vários relatos em uma comunidade de apoio ao EC no Facebook.

Cheguei à conclusão de que não era para nós. Pensava já estar fazendo minha parte como mãe no momento em que larguei meu emprego, optei por fraldas de pano e dispensei o carrinho para usar um sling.

bebê privada 5 meses
Aos 5 meses, Luca usou a privada pela primeira vez (Foto: Young Baby Bing/BBC)

Mas como a gravidez e tudo relacionado a bebês tinha virado o principal assunto lá em casa, contei ao meu marido a estranha história dos bebês sem fralda. E saiu da boca dele uma frase que não esperava: ‘É, acho possível, sim’.

Fiquei irada. Pensei que era fácil achar que daria certo quando não seria ele que passaria o dia com uma criança pelada. Adoraria criar um peladinho, mas não somos índios.

Após bombardear meu marido com um discurso feminista-moralista e dizer que ele estava maluco, não pensei mais no assunto – até que o Luca veio ao mundo.

Um dia, quando o nosso pequeno se alimentava, fez uma cara de que estava fazendo pressão. Uma careta vermelha com direito a barulhinhos estranhos e bateção de pé.

Nesse momento, meu marido largou tudo, o tirou da cadeirinha e o levou para o vaso. E, assim, aos 5 meses, Luca fez cocô sentado na privada pela primeira vez.

A partir daí, fomos aperfeiçoando a técnica. No primeiro sinal de que ele queria fazer cocô, tirávamos a fralda e o sentávamos no vaso.

Não perdemos quase nunca uma deixa e, há um mês, ele ficou condicionado. Agora, não esperamos nem ele dar sinal.

Todas as manhãs, o colocamos no vaso e ele faz cocô, nos deixando livres da sujeira pelo resto do dia.

Isso melhorou muito nossas vidas. Significa para nós não só um desfralde mais tranquilo, mas, principalmente, fraldas sem cocô, o que dá tranquilidade para viajar, exige levar menos produtos de limpeza na bolsa e nos garante momentos de muita diversão em família quando nos reunimos no banheiro para acompanhar o Luca.

Acreditava que o EC era algo muito complexo e cheio de regras. Porém, depois de praticá-lo, percebi que só há uma: prestar atenção ao bebê.

Todos dão algum sinal de que querem se aliviar desde o primeiro dia de vida, seja com uma expressão facial diferente, batidinhas com os pés, irritação.

A ideia é notar este momento e, sem demora, tirar a fralda para que o bebe se acostume a fazer cocô pelado. Os primeiros dias são mais complicados e requerem paciência e atenção para não perder a deixa. Mas, depois, evolui.

Com o tempo, é possível introduzir um som, como um chiado para o xixi ou até mesmo a palavra xixi e cocô, fazendo com que a criança associe o som ao ato e, mais tarde, até consiga se comunicar por meio da fala.

Sei que não parece tão simples, mas bebês costumam ter horários regulares para se aliviar, como depois das refeições ou de acordarem, o que facilita o esquema.

bebê privada 5 meses
Entre os benefícios da técnica estão um menor impacto ambiental e a economia de dinheiro gerados pelo uso de menos fraldas (Foto: Arquivo Pessoal)

A dica é se concentrar no bebê nestes horários, tirar a fralda quando ele der um sinal e ficar esperando. Depois, é bom memorizar ou registrar em um caderno como ele ou ela reagiu.

Nós ainda usamos fraldas para o xixi, mas estamos caminhando rumo à liberdade. Se tenho um arrependimento? Não ter dado dar início a esse processo mais cedo.

No fim das contas, esta não é só a história do Luca, um bebê que aprendeu muito cedo a usar a privada, mas também de seus pais, que aprenderam muito com ele.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Tatiane Postado em 21/Jul/2015 às 15:00

    É possível, sim! Minha mãe fez isso comigo (tenho 20 anos) e com minha irmãzinha (que tem 4). Além de ser muito prático para os pais, é bem mais higiênico para a criança :) É só questão de observar e entender os sinais que o bebê dá, como o texto diz.

  2. Carol Postado em 21/Jul/2015 às 15:18

    Que graça esse bebezinho sentado no vazo!!! Só me pergunto uma coisa: a partir de quantos meses essa tecnica é valida?

  3. Elizabet Postado em 21/Jul/2015 às 15:33

    Meu conselho: interrompa o processo com o Lucas, delete os posts sobre o assunto e não estimule outros pais a fazerem o mesmo. Crianças apenas devem ser treinadas a usar o pinico ou vaso sanitário quando já apresentam maturidade para isso, o que envolve controle de esfíncteres, capacidade de se dirigir ao vaso sanitário, capacidade de tirar as vestes, percepção de "timing" para soltar os esfíncteres após sentar no vaso sanitário. O Lucas e nenhuma outra criança possuem capacidade para fazer isso tão jovem. É uma questão do desenvolvimento neuronal infantil, falta mielinização, simplesmente não dá. Essa questão "ficando livre da sujeira" esqueça. Limpar a criança faz parte e não tem nada de terrível nisso. Não espere pelas consequências desse "treinamento" precoce. Consulte um pediatra. :)

  4. Deisi Postado em 21/Jul/2015 às 15:45

    Tenho uma sobrinha, que hoje tem 37 anos, aos 4 meses minha cunhada usava a técnica, para o cocô e a hora que ela acordava tirava a fralda estava sequinha, ela fazia xixi no vaso.

  5. Michele Postado em 21/Jul/2015 às 16:35

    Acho precipitado a adoção de treinamentos deste tipo em bebês tão pequenos. A questão do controle esfincteriano tem uma relação com a maturidade psíquica. Não é recomendado tirar fraldas antes de 2 anos do bebê. Na literatura, há pesquisas que relacionam o desenvolvimento de transtornos psíquicos com a prematuridade de etapas como essa, inclusive o desenvolvimento de TOC. Nesta etapa tão importante do desenvolvimento psíquico, o bebê ja tem inúmeras demandas, porque complicarmos ainda mais?

  6. Eduardo Postado em 21/Jul/2015 às 23:51

    Minha irmã foi treinada assim. Com cinco meses fazia coco no vazo. Aos cinco fazia nas calças. Depois de adulta começou a cagar na sala.

  7. Maria Maria Postado em 23/Jul/2015 às 19:17

    Se o bebê curtir, não há nenhum problema. Ele vai controlar os esfíncteres quando for o momento e já vai se familiarizando com o vaso. Se não gostar, aí sim, seria completamente contra indicado, pois poderia começar a reter as fezes, desenvolvendo prisão de ventre. Tudo tem que ser bem lúdico, divertido para ele.