Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 31/Jul/2015 às 10:26
19
Comentários

Câmera do uniforme derruba versão de policial que matou homem negro

Não fosse pela câmera que policiais nos EUA têm em seus uniformes, o agente que matou Samuel DuBose com um tiro na cabeça teria ficado impune. A morte ocorreu há dez dias e se soma à série de casos de homens negros mortos por policiais brancos naquele país

policial mata homem negro eua camera
Imagens de câmera em uniforme derrubaram argumento de policial

Não fosse pela câmera que alguns policiais dos Estados Unidos têm em seus uniformes, o agente que matou Samuel DuBose com um tiro na cabeça teria ficado impune, segundo a família da vítima.

O oficial Ray Tensing, da polícia da Universidade de Cincinnati (Ohio), matou DuBose depois de pará-lo nas proximidades do campus ao ver que seu carro estava sem placa dianteira.

A morte ocorreu há dez dias e se soma à série de casos de homens negros mortos por policiais brancos nos EUA.

Tensing afirmou que DuBose, de 43 anos, o arrastou com seu veículo ao tentar escapar da abordagem.

O advogado dele, Stew Mathews, afirmou que o agente, de 25 anos e quatro de experiência, temia por sua vida. “Ele achou que DuBose ia atropelá-lo”, disse.

Mas o vídeo, gravado por um câmera no uniforme de Tensing e divulgado nesta quarta-feira, parece contradizer a versão do policial.

As imagens mostram a conversa – inicialmente em tom cordial – que os dois mantiveram quando o agente pediu que DuBose parasse o veículo.

O policial pede sua carteira de motorista e DuBose afirma que não está com ela, mas afirma que tem permissão para dirigir.

Depois o agente pede a DuBose que tire o cinto de segurança e saia do carro. Ele se aproxima da porta e faz menção de abri-la.

O motorista segura a porta, reclama que não fez nada e liga o motor. Põe o veículo em marcha. Ouve-se um disparo.

Ray Tensing dubose homem negro
O policial Ray Tensing

O veículo avança uns metros e é possível ouvir quando ele se acidenta, fora do plano, enquanto Tensing corre até ele. DuBose foi declarado morto no local.

Tensing foi acusado de homicídio. Ele pode ser condenado à prisão perpétua.

“Isso, sem nenhuma dúvida, é um homicídio”, disse o fiscal do condado de Hamilton (Ohio), Joe Deters, em entrevista.

“Ele não fez nada violento contra o policial. Não estava sendo arrastado, mas sacou sua arma e disparou contra a cabeça [de Tensing].”

A família de DuBose e organizações de direitos civis haviam pedido a divulgação das imagens da câmera.

Terina Allen, sua irmã, disse à imprensa que, sem o vídeo, a morte de seu irmão teria sido descrita como “justificada” e outros oficiais teriam corroborado a versão de Tensing.

“Meu irmão seria outro esteriótipo e isso não vai acontecer”, disse. “Sabíamos que o vídeo ia inocentar meu irmão.”

A morte de DuBose é a mais recente de uma série de casos em que cidadãos negros foram mortos sob custódia policial ou durante a prisão.

As mortes de Eric Garner, um vendedor ambulante em Nova York, e do jovem Michael Brown, em Ferguson (Missouri) provocaram indignação da comunidade negra e protestos depois que os policiais suspeitos em ambos os casos escaparam de indiciamentos.

O caso de DuBose reavivou o debate sobre a necessidade de a polícia de todo o país ter câmeras em seus uniformes.

Uma medida que foi solicitada por ativistas e a qual o presidente Barack Obama se mostrou favorável, mas que, para alguns, envolve dilemas legais sobre a privacidade.

homem negro assassinado policial eua
Família de DuBose diz que, sem câmera, policial ficaria impune

“Podemos dizer seguramente que este caso vai ajudar a causa das câmeras policiais em todo o país”, disse o prefeito de Cincinnati, John Cranley.

O professor de Direito Penal da Universidade de Cincinnati John Eck disse ao jornal New York Times que era cético quanto ao uso da ferramenta, mas que o caso tinha feito com que mudasse de opinião.

Em abril, na Carolina do Sul, o agente Michael Slager disparou e matou Walter Scott, também negro, alegando que ele havia roubado sua arma de descarga elétrica – outro agente confirmou a versão.

O incidente começou depois que Scott foi detido porque o farol traseiro de seu carro não funcionava.

Mas o vídeo de uma testemunha que passava pelo local contradisse sua versão ao mostrar que, após uma breve troca de palavras com o agente, Scott começou a correr e a polícia atirou em suas costas.

Slager foi acusado, em junho, de assassinato.

BBC

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Carol Postado em 31/Jul/2015 às 10:51

    Gosto da ideia da câmera nos uniformes e nas viaturas, não entendo esse questionamento de invasão de privacidade sendo que estão em horário de serviço e trabalhando nas ruas. Em momentos naturais como uma ida ao banheiro seria só desativar o equipamento ou mesmo cobrir. Acho que medidas como essas são importantes para os dois lados, nesse caso por exemplo, deixou clara a culpa e a péssima conduta do policial e em outros casos pode servir para livrar os profissionais de denuncias falsas ou injustas.

    • B. Ferreira Postado em 05/Aug/2015 às 12:25

      Justo comentário!

  2. gabriel Postado em 31/Jul/2015 às 11:24

    Mas os negros também não colaboram, né? O cara estava sem carteira, tinha bebida alcoólica no veículo e ameaçou fugir. Porra, simplesmente faça o que o policial pede.

    • João Paulo Postado em 31/Jul/2015 às 11:54

      Fui abordado poucas vezes pela Polícia. Como sei do estado mental, má preparação, etc, sempre faço questão de colaborar e fazer tudo de forma transparente. Não vou dar motivo para ser baleado por um louco. Acho que atirar foi exagerado, mas qual é a conduta a ser adotada neste caso: iniciar uma perseguição de carro e colocar a vida de dezenas em perigo? O sujeito que tenta arrancar com o carro, anda sem carteira e descumpre a ordem policial parece pedir para que aconteça algo de ruim. Ou tenta se esquivar por ele próprio já ter feito coisas ruins.

    • João Postado em 31/Jul/2015 às 12:27

      Ninguém deve ser obrigado a colaborar com a opressão gratuita, ou, melhor dizendo, com a opressão puramente racista. A questão, portanto, é anterior, para a qual, como vejo, você não quer conceder a necessária atenção: é devido saber-se porque os negros são preferencialmente abordados pela polícia. O tema fica realçado ainda em razão de que essas abordagens têm acontecido usualmente sob o pretexto de bobas ou mesmo inexistentes infrações de trânsito. Em bom portugês: estamos falando de racismo!! E você vem falar que os negros não colaboram... Está de brincadeira..

    • poliana Postado em 31/Jul/2015 às 12:54

      claro, por isso, está liberado o seu homicídio! "pretinho" q n cumpre as regras, deve ser aniquilado! tá "sertinho" gabriel. me responda: se fosse um homem branco nessa mesma situação, seria assassinado pelo policial?

      • Peterson Postado em 31/Jul/2015 às 13:08

        Exato. A questão é o quanto a vida 'branca' é subconscientemente considerada como mais valiosa.

      • Alexandre Postado em 04/Aug/2015 às 10:20

        Bingo. Alguém se lembra de ter visto algum vídeo ou relato de policial americano matando um homem branco que estava sem documento, ou trocou de faixa sem dar seta, ou se recusou a ser humilhado em público? Ninguém lembra porque a abordagem, assim como no Brasil, varia de acordo com a cor da pele e o CEP do 'suspeito'.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 31/Jul/2015 às 14:46

      Sei nem o que comento..."os negros não colaboram"........porra....é desgosto demais....tinha que "resetar" o ser humano, começar essa bosta tudo do zero...

      • Jessica Postado em 01/Aug/2015 às 15:28

        Concordo contigo Eduardo, tá tudo uma zona respeito não existe mais. Basta ser negro, pobre, homossexual que os direitos humanos são esquecidos. Os anos passam e as coisas evoluem mas os pensamentos retrógrados não mudam, muito pelo contrário eles só tendem a piorar.

    • Yuri Postado em 01/Aug/2015 às 14:31

      Como assim mas "os negros não colaboram? "

    • Adriano Postado em 02/Aug/2015 às 10:55

      Opa, quando você esquecer sua carteira em casa e um policial te sentenciar a morte, ta tudo beleza? Que bacana seu modo de pensar!

    • Gustavo Postado em 02/Aug/2015 às 14:33

      A polícia tem procedimento pra quem não colabora, e isso não inclui uma bala de arma de fogo na cabeça.

      • Eduardo Postado em 04/Aug/2015 às 18:41

        Eu entendi o que o Gabriel quis dizer. Ele nao quis dizer que a ação do sujeito justifica a reação do policial. O fato é que se voce é negro, num país que todo dia acontece violencia policial contra negros, o mínimo do bom-senso seria não alimentar qualquer motivo pra ser vitima dele. Apenas haja de acordo com o protocolo nesse momento, e depois use a justiça a seu favor utilizando de recursos como a câmera.

    • Paulo Postado em 05/Aug/2015 às 18:25

      Seja menos estúpido, por favor. "Mas os negros também não colaboram...". De racistas disfarçados, como você, o mundo tá cheio. Basta ver comentários como o seu em qualquer notícia que aborde esse tema. Vejam os comentários nessa matéria: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/08/05/interna_gerais,675586/estudante-negra-alega-ter-sofrido-discriminacao-dentro-de-faculdade-de-bh.shtml. Racistas, racistas e mais racistas. Se escondem no anonimato da internet e aí se sentem livres para demonstrarem o que tentam esconder no mundo real.

  3. carol Postado em 31/Jul/2015 às 11:41

    Isso é motivo para uma perseguição, apara ser processado, ter o carro apreendido e até ter a carteira recolhida. Não é motivo para atirar, não é motivo para atentar contra a vida de alguém.

  4. Rodrigo Postado em 01/Aug/2015 às 18:58

    O policial não tem direito algum de ser juiz da vida de ninguém. Ele poderia muito bem atirar em algum dos pneus, porque não ? Avisar as autoridades ao redor para que pedisse para o cara parar. Mas vamos dar um tiro na cabeça não é mesmo ? Rápido e eficiente. Está claro o uso da forma desigual; sem contar que se ele não achasse a atitude dele errada e racista, ele não teria mentido.

  5. Luiz Costa Postado em 02/Aug/2015 às 09:43

    Nos EUA, como em qualquer país, não há respeito pelo policial. Este é apenas um cidadão que representa a força e a violência do Estado. Mas AS LEIS SÃO RESPEITADAS, na maioria das vezes. Nem o juiz, se for pego em um delito é preservado. O medo da polícia é normal. Querer burlar a lei é normal. Mas CUMPRIR A LEI é só para quem tem caráter. Não curto norte americano, mas respeito essa 'resposta' ao crime e ao criminoso.

    • Felipe Peters Berchielli Postado em 04/Aug/2015 às 09:59

      Voce é débil mental,desculpa. Se voce respeita assassinato a sangue frio isso não te faz nada menos que um assassino também.