Redação Pragmatismo
Compartilhar
Economia 30/Jul/2015 às 11:31
3
Comentários

Banco Central volta a aumentar a Selic, que vai a 14,25% ao ano

Juros básicos sobem pela sétima vez seguida e vão a 14,25% ao ano. Banco Central volta a aumentar em 0,5 ponto a taxa Selic, a exemplo do que havia feito em junho. Em comunicado, o Copom indicou que os juros básicos devem ficar inalterados daqui para a frente

Selic Banco Central taxa juros
Selic sobe e vai a 14,25% ao ano (divulgação)

Pela sétima vez seguida, o Banco Central (BC) reajustou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) aumentou nesta quarta-feira (29) a taxa Selic em 0,5 ponto percentual, para 14,25% ao ano. Na reunião anterior, no início de junho, a taxa também tinha sido reajustada em 0,5 ponto.

Com o reajuste, a Selic retorna ao nível de outubro de 2006, quando também estava em 14,25% ao ano. A taxa é o principal instrumento do BC para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Em comunicado, o Copom indicou que os juros básicos devem ficar inalterados daqui para a frente. “O comitê entende que a manutenção desse patamar da taxa básica de juros, por período suficientemente prolongado, é necessária para a convergência da inflação para a meta no final de 2016″, destacou o texto.

Oficialmente, o Conselho Monetário Nacional estabelece meta de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. No entanto, ao anunciar a nova meta de esforço fiscal, na semana passada, o governo estimou que o IPCA encerre o ano em 9%.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula 9,31% nos 12 meses terminados em junho. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, o IPCA encerrará 2015 em 9,23%. Este ano, a inflação está sendo pressionada pelos aumentos de preços administrados como energia e combustíveis.

Embora ajude no controle dos preços, o aumento da taxa Selic prejudica a economia, que atravessa um ano de recessão, com queda na produção e no consumo. De acordo com o boletim Focus, analistas econômicos projetam contração de 1,76% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2015. O governo prevê redução de 1,5% segundo as projeções enviadas pelo Ministério do Planejamento ao Congresso na semana passada.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.

Agência Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. poliana Postado em 30/Jul/2015 às 14:29

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Jeff Postado em 30/Jul/2015 às 16:14

    Que grande armadilha para a classe média "emergente" que tem ao menos 50% dos seus membros endividados porque um tal presidente disse que a crise era uma "marolinha" incentivando o povo a consumir sem pensar no amanhã. Esse presidente saiu ileso, saiu?

  3. felipe Postado em 30/Jul/2015 às 18:42

    E mais uma vez vamos encher o rabo dos banco de dinheiro, gente pobre não teve vez nesse mandato, quem defende esse governo vai dizer o que sobre isso?