Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mulheres violadas 19/Jun/2015 às 17:08
18
Comentários

'Ranking' da USP expõe vida sexual de alunas e revolta estudantes e professores

Cartaz com espécie de ‘ranking’ da vida sexual de alunas da USP Piracicaba (Esalq) foi considerado preconceituoso e ofensivo por estudantes e professores. Material também cita homossexuais. Instituição afirma que irá apurar o caso

ranking usp Piracicaba
USP Piracicaba se envolve em polêmica por ranking sexual de alunas (Imagem: Reprodução)

O clima predominante na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), unidade da Universidade de São Paulo (USP) situada em Piracicaba, nos últimos dias foi de repúdio, vergonha e revolta. O motivo: um cartaz que foi pendurado por um grupo de estudantes locais no Centro de Vivência do campus.

O professor Antonio Ribeiro de Almeida Junior, da Esalq, pesquisa diferentes tipos de abusos nas universidades há 14 anos e chegou a relatar casos de violência à CPI dos Trotes no início do ano. Ele disse que o ranking comprova a existência de uma cultura da discriminação no campus. “O cartaz tem caráter de assédio e conteúdo difamatório intencional”, disse.

De acordo com o professor, materiais como esse já foram produzidos antes, mas nunca tinham sido expostos como aconteceu nesse caso. “Foi a primeira vez que colocaram em local público. Isso dá margem para que as pessoas, reconhecidas por seus codinomes, sejam discriminadas”, criticou. Segundo ele, o cartaz também cita homossexuais.

A aluna da Esalq e integrante do Diretório Central dos Estudantes, Élice Natalia Botelho, de 22 anos, ficou revoltada com o conteúdo do cartaz e se posicionou sobre o abuso em uma rede social na internet.

m trecho de texto de repúdio, ela afirma: “Percebi que os níveis de machismo, lgbtfobia e racismo da Esalq não param de piorar. (…) Pensei que a CPI de Violação de Direitos Humanos das Universidades Estaduais Paulistas tivesse alertado as pessoas, mas a prova [cartaz com o ranking] mostra que, na verdade, tem gente que está no caminho oposto”.

A jovem contou que algumas meninas se juntaram e fizeram cartazes de repúdio ao material exposto no final de maio com os termos preconceituosos, mas os primeiros protestos também foram retirados do Centro de Vivência. “Foram arrancados por alguém que se incomodou e, após isso ter ocorrido, elas voltaram a fazer mais cartazes”, afirmou.

A Esalq publicou nota com um posicionamento oficial sobre o caso. Confira:

No início do mês de junho, a Diretoria da ESALQ tomou ciência da existência de material que foi exposto no mural do Centro de Vivência do Campus “Luiz de Queiroz” apresentando conteúdo inadequado ao ambiente universitário qualificado. Tendo em vista a ocorrência, a Diretoria da ESALQ informa que uma Comissão Sindicante já está atuando na apuração dos fatos.

com informações de Terra Magazine e G1

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Luiz Souza Postado em 19/Jun/2015 às 17:21

    A sociedade branca também tem problemas.

    • Nathy Nice Postado em 21/Jun/2015 às 03:07

      como assim?

    • eu daqui Postado em 22/Jun/2015 às 13:08

      Que diabo é "sociendade branca"? E o que seroa se não tivesse problemas? Sociedade de mortos?

  2. Luiz Souza Postado em 19/Jun/2015 às 17:22

    Ranço euroescravocrata-católico-patriarcal.

    • eu daqui Postado em 22/Jun/2015 às 13:10

      É. Mas o estado mais feminicidas e homofóbicos são também os mais negros. Chegue na Bahia e comece a perguntar a gays e mulheres sobre ranço........

  3. Line Postado em 19/Jun/2015 às 18:27

    Racismo, misoginia, homofobia. Incrível como essas coisas andam tão juntinhas.

  4. poliana Postado em 19/Jun/2015 às 19:14

    q absurdo, gente!!!! é muita falta de respeito e humanidade mesmo. coitadas das moças expostas!

  5. Luiz Souza Postado em 19/Jun/2015 às 20:48

    Os coxinhas/elite branca irão à Avenida Paulista clamar por mamilos rosados.

    • eu daqui Postado em 23/Jun/2015 às 08:55

      Se gostar de mamilos rosados é ser coxinha então nada mais coxinha do que a militancia negra.

  6. Salomon Postado em 19/Jun/2015 às 21:36

    É impressionante como o ódio, o fascismo e a intolerância se encastelaram em São Paulo.

    • eu daqui Postado em 22/Jun/2015 às 13:12

      MAS OS CAMPEÕS DE FEMINICIDIO E HOMOFOBIA DO PAÍS PASSAM LONGE DE SP. SERÁ QUE O BALUARTE DA JUSTIÇA E DONO DAS ESTATISTICAS PODE ADIVINHÀ-LOS?

  7. Telmo Postado em 20/Jun/2015 às 09:15

    É preocupante quando uma discriminação se manifesta num ambiente de educação "formal" superior e sobre isto publicamos: http://saudepublicada.sul21.com.br/2014/09/26/educacao-e-criminalizacao-nao-previnem-discriminacao/

  8. B. Ferreira Postado em 20/Jun/2015 às 09:37

    Boçalidades nesse Brasil varonil, cada vez mais hipócrita e fdp

  9. ricardo Postado em 20/Jun/2015 às 12:18

    Isso mostra que o problema do País não é só a falta ou precariedade de educação escolar. O que mais falta é cultura, na medida em que moral e bons costumes são parte importante da cultura de um povo. De que serve a escola que esses alunos tiveram, tão "boa" que lhes garantiu acesso a universidade, se não há formação de (bom) caráter. Coisa que começa em casa. Esses alunos, que formação darão aos seus filhos? Dar educação escolar a quem cresce com essa mentalidade só serve para criar uma camada da sociedade estúpida, provavelmente homofóbica, racista e alienada, que acaba elegendo a bosta de Congresso que temos hoje.

  10. Antonio Palhares Postado em 20/Jun/2015 às 16:03

    Nos vivemos em uma sociedade que é proibido proibir.Onde todos podem tudo e mais alguma coisa.Onde delinquentes de todos os naipes,favelados ou não,negros, brancos mestiços, ricos e pobres,ignorantes e letrados pode cometer todo tipo de crime e desrespeito.Porque tudo é brincadeira de jovem.O que falta aqui é simplesmente civilidade.Se preparem, que pelo andar da carruagem, vai piorar.E eu pense que estávamos no caminho certo. Nossas escolas não formam mais cidadãos.

  11. Roberto Pedroso Postado em 25/Jun/2015 às 10:11

    Os trotes violentos as violações das regras dos bons costumes que são recorrentes nas universidades mais tradicionais talvez revele um lado mais sombrio,aquilo que se esconde por traz deste comportamento,que é na verdade o modelo sócio ideológico comportamental aplicado em sociedade no campo profissional em áreas tradicionais e especificas (isso inclusive fora do campo universitário)este é cerne da questão e se configura no fato mais aterrador.Quem já frequentou o campus de uma grande universidade sabe do que estou falando e entende a que estou me referindo.

  12. Preto Velho Postado em 19/Jun/2015 às 22:30

    Expediente comum, o de apelar ao "ninguém é perfeito" Mas não cola porque um esquerdista se permite não tolerar o abuso de quem defende a discriminação social, racial, de gênero, religião etc. E ainda não foram flagrados militantes do PT batendo em paraplégicos ou botando camisa do PSDB em algum mendigo e rindo dele. Os animalescos são os que você acha que estão certos.

  13. eu daqui Postado em 23/Jun/2015 às 10:16

    MAS JÁ FORAM FLAGRADOS VÁRIOS PETISTAS DEFENDENDO CRIMINOSOS, CORRUPTOS, PARASITAS, VINGANCISTAS, NAZINEGRISTAS E OUTROS EXTREMISTAS. VAI FAZER REVOLUÇÃO, BOLSISTA, PRA COMEÇAR A VIVER DE TRABALHO.