Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 03/Jun/2015 às 16:40
6
Comentários

Paciente toca violão durante cirurgia no cérebro

Paciente canta e toca violão enquanto enfrentava cirurgia para retirar um tumor no cérebro. “Toquei uma dos Beatles, uma do Roupa Nova e outra que fiz para o meu filho. No fim os médicos até pediram bis”

paciente canta cirurgia cérebro
Paciente tocou durante cirurgia que durou 9 horas
(Foto: Hospital Nª Sª da Conceição/Divulgação)

Em recuperação após uma cirurgia de nove horas para remover um tumor cerebral, Anthony Kulkamp Dias, de 33 anos, comprova que o procedimento foi um sucesso. Com a saúde revigorada e à espera da alta nesta quarta-feira, ele lembra com perfeição do repertório que emocionou a equipe médica [vídeo abaixo] do Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão, na quinta-feira passada, durante a operação em que ele cantou e tocou violão o tempo todo.

De uma música autoral que compôs para o filho Emanuel, nascido há três meses, até o clássico sertanejo Telefone Mudo, passando por Roupa Nova, Beatles e canções em alemão, Anthony inovou na monitorização cerebral, em que médicos e paciente interagem para garantir que não ocorram lesões nas áreas sensoriais, motora e da fala durante procedimentos delicados.

A equipe médica sugeriu que ele tocasse durante a cirurgia (que durou 9 horas) para garantir que nenhuma das funções necessárias, como fala e coordenação motora, seriam afetadas durante o procedimento. “Os médicos pediram para eu repetir a música sertaneja (“Telefone mudo”) duas vezes. Então teve até bis”, brinca Anthony, de 33 anos. Ele tem previsão de receber alta nesta quarta (3).

Durante a cirurgia, Anthony intercalava as músicas com períodos de descanso, conforme orientação da equipe médica. Em alguns momentos, o médico anestesista o ajudava com o peso do violão.

O anestesista Jean Abreu Machado explica que, geralmente, neurocirurgias são realizadas com o paciente sob anestesia geral e ausência de dor, mas quando o tumor está próximo a áreas como a da fala e movimentação, há risco de perda das funções, caso elas sejam lesadas durante o procedimento. Por isso, é importante manter o paciente acordado.

Anthony diz que 90% do tumor foi retirado na cirurgia e que não sentiu dor. Ele espera que o vídeo com o “show” durante a operação sirva de inspiração. “Acredito inclusive que isso tudo tenha sido programado, de ter atingido justamente uma área onde tenho meu dom. Deus me deu esse dom para auxiliar na recuperação e fazer a cirurgia com todo.

Primeira vez

Essa foi a 19ª cirurgia com monitoração cerebral realizada pelo hospital e a primeira onde o paciente tocou um instrumento. O hospital é o único no estado a fazer este tipo de cirurgia. O procedimento foi coberto por convênio, mas conforme a assessoria de imprensa do hospital, geralmente cirurgias do tipo são realizadas através do Sistema Único de Saúde (SUS).

Vídeo:

informações de Diário Catarinense e Agência Globo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Paulo Postado em 03/Jun/2015 às 17:06

    Muito bom. Medicina com dignidade, profissionalismo e humanidade. Isso sim é medicina.

  2. Denisbaldo Postado em 03/Jun/2015 às 17:19

    Toca Raul!

  3. Antonio Postado em 03/Jun/2015 às 20:48

    Faltou explicar como foi a anestesia. Como ele não sentiu dor?

    • Mariana Postado em 03/Jun/2015 às 21:16

      Antônio, é símples: Embora o cérebro seja o principal órgão do sistema nervoso, ele não possui terminações nervosas e por isso não sentimos dor e nem temos sensibilidade no cérebro em si. Provavelmente houve anestesia apenas para fazer a abertura do local. Bjs

  4. André Postado em 03/Jun/2015 às 21:44

    Isso é Brasil. Nunca ouvi falar numa façanha dessas.

    • Denisbaldo Postado em 04/Jun/2015 às 08:25

      Não, isso é medicina de altíssimo nível. https://www.youtube.com/watch?v=LfD0CCsBCWA