Redação Pragmatismo
Compartilhar
Religião 11/Jun/2015 às 17:37
21
Comentários

Deputado pretende criminalizar a “cristofobia”

Como reação à “crucificação” da modelo transexual Viviany Beleboni durante a Parada do Orgulho LGBT no domingo, deputado Rogério Rosso (PSD-DF) apresentou um projeto de lei para elevar a pena do crime de “ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo”

O deputado Rogério Rosso é autor do projeto que pretende criminalizar a “cristofobia”

Revista Fórum

O deputado federal Rogério Rosso (PSD-DF) apresentou um projeto de lei, de número 1804/2015, para elevar a pena do crime de “ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo” tipificado no artigo 208 do Código Penal, passando a considerá-lo hediondo.

De acordo com a justificativa apresentada na proposta, “a intenção desse projeto de lei é proteger a crença e objetos de culto religiosos dos cidadãos brasileiros, pois o que vem ocorrendo nos últimos anos em manifestações, principalmente LGBTS, é o que podemos chamar de ‘Cristofobia’, com a prática de atos obscenos e degradantes que externam preconceito contra os católicos e evangélicos”.

Caso o projeto seja aprovado, a pena para quem “escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”, que hoje é de detenção de um mês a um ano, ou multa, será elevada para reclusão de quatro a oito anos, e multa.

“Tenho respeito pela democracia e por todas as opções sexuais dos cidadãos, mas manifestações de zombaria contra objetos religiosos e contra o cristianismo não podem ser aceitas. A manifestação de domingo foi o grande motivador, aquilo que fizeram precisa ser abominado”, disse o parlamentar católico ao O Tempo, referindo-se ao protesto da modelo transexual Viviany Beleboni na Parada do Orgulho LGBT de domingo, em São Paulo.

Hoje foi apresentado pelo deputado um requerimento de urgência para a discussão e votação do projeto, assinado pelas lideranças de vários partidos como PSDB, DEM, PRB, PR, PSC e outros. Ainda ao site O Tempo, Rosso disse acreditar na “ajuda” do presidente da Câmara, Eduardo cunha (PMDB-RJ). “Ele é um cristão que respeita a liberdade, além de ser um homem correto. Acredito que ajudará, sim, a enfrentar esse problema.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. poliana Postado em 11/Jun/2015 às 19:00

    não q eu ache q essa corja da bancada evangélica tenha razão...JAMAIS! mas viu pq ontem eu me posicionei contrariamente àquela encenação da crucificação na parada gay e a achei desnecessária? o movimento gay só conseguiu mais antipatia dakeles q já os detestam...só pioraram a situação. muitos brasileiros q não são evangélicos ou religiosos tb podem ter ficado contra o movimento com tudo isso. foi um ato desnecessário. mas enfim..apenas minha opinião. a causa gay sempre teve a minha empatia e o meu apoio, mas esse atitude deles na parada do domingo foi realmente desnecessária.

    • Grey Postado em 11/Jun/2015 às 20:03

      Sério, se vc vai fazer ENEN mais para frente, prepare-se para sofrer na parte de redação e tb interpretação de texto viu. E se vc já é formada, eu não consigo imaginar como vc passou. E já q vc não entendeu oq foi feito naquele dia, aqui uma explicação. Os membros LGBT, nesse dia, não estavam falando q Jesus era um transexual. Oq eles fizeram foi, de maneira puramente simbólica, representar o que a sociedade tem feito com toda a população LGBT, em outras palavras, crucificado eles. Jesus não foi o único a ser crucificado no período em que essa punição era aplicada. O termo "crucificar" ainda é usado para quando alguém ou um grupo é constantemente atacado (exemplo: "Fulano depois da gafe que cometeu durante o discurso, foi crucificado pela mídia.") e não mais é algo puramente cristão, inclusive é usado a anos por diferentes mídias sem gerar nenhum chororo de organizações religiosas seguidos de pedidos para serem "protegidos" (oh pobrezinhos, uma das maiores religiões do país esta sendo atacado com criticas, palavras e olhares feios depois de constantemente e violentamente atacar quase todas minorias), mas quando é um transexual usando esse mesmo simbolismo, aí é ofensa, aí é passar da linha, "perseguição" religiosa (pq atacar terreiro de candomblé e destruir santos é totalmente protegido pela liberdade religiosa). O que foi feito na parada, foi chocante? Sim. Mas era essa a intenção. Pq já foi dito repetidamente como os membros religiosos crucificam diariamente membros do LGBT e td mundo só faz positivo com a cabeça enquanto entra por uma orelha e sai pela outra. Gays, lesbicas, trans, bissexuais de todas idades são mortos com requintes de crueldade todos os dias e ninguém reage, mesmo a mídia direto reportando isso e com numeros para mostrar ainda por cima. Agora, mostrar de maneira simbólica o que tem sido feito quase q literalmente todos os dias é "passar do limite"? Por favor né.

      • poliana Postado em 11/Jun/2015 às 20:12

        grey, eu entendi sim, apenas achei desnecessário. só isso! vc consegue respeitar minha opinião diferente da sua!? grata pela atenção, e obrigada pelo espaço.

      • poliana Postado em 11/Jun/2015 às 20:19

        e n sei onde vc viu no meu post eu dizer q os membros lgbt disseram q jesus era transexual. acho q quem deverá ter problemas com o enem é vc. apenas disse q achei essa encenação DESNECESSÁRIA. não entrei na minha faculdade de direito, e, posteriormente no serviço público graças ao enem n, querido/a. foi por mérito mesmo. no mais, fique aí com sua arrogância e soberba...continue achando q o mundo precisa de suas opiniões soberanas. boa noite.

      • Antonio Palhares Postado em 12/Jun/2015 às 09:25

        Sr Grey. É aquilo que nós matutos chamamos, o tiro sair pela culatra. Não precisava deste escândalo todo para manifestar. Ela sabia muito o que estava fazendo, da mesma maneira que o jornaleco francês que ridicularizava Maomé.Toda ação tem uma reação e toda causa tem um efeito.

      • Pedro Accioli Postado em 12/Jun/2015 às 09:26

        A verdade é que atualmente a maioria das pessoas, tanto de esquerda quanto de direita não estão sabendo respeitar a opinião alheia! Não tem como negar isso!

      • Pedro Accioli Postado em 12/Jun/2015 às 09:35

        E digo mais, a imensa maioria das pessoas que se declaram atéias ou agnósticas, não respeitam a crença dos outros, não vai ser na truculência que vai fazer as pessoas pararem de acreditar em religiões ou até mesmo em Deus!

      • poliana Postado em 12/Jun/2015 às 14:44

        pedro, eu respeito a religião alheia, desde q a mesma seja manifestada em seu "habitat" natural. se católicos, rezem durante a missa, profiram seu ato de fé durante a missa. se vc é espírita, ótimo, profira sua crença no centro, se evangélico, faça o mesmo durante o culto. MAS NÃO QUEIRA LEVAR A SUA FÉ PRA POLÍTICA, POIS ISSO FERE FRONTALMENTE O ESTADO LAICO. política e religião devem caminhar em lados diametralmente opostos. n vivemos em uma teocracia, o brasil, oficialmente é um estado laico. cenas como essa no cenário político nacional realmente são uma aberração!!!! revoltante!

    • Rogerio Postado em 11/Jun/2015 às 20:55

      Nenhum representante da igreja católica falou (pelo menos recentemente) contra essa minoria. Pelo contrário. O padre Fábio de Melo, conforme publicação aqui, foi a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo. O papa também foi favorável. E a ICAR leva uma paga como essa, sendo que líderes evangélicos é quem mais se posicionaram como homofóbicas. Essa encenação foi portanto desnecessária e injusta. Quem saiu bem na fita foi o Feliciano por reconhecer que uma ofensa aos católicos com objetivo de atingir o cristianismo todo também ofende evangélicos. Mostrou até empatia aos católicos. O Malafaia com certeza se revirou na cadeira com isso. E Hitler no túmulo.

      • poliana Postado em 11/Jun/2015 às 21:12

        sim, eu tb sou a favor da união civil entre pessoas do mesmo sexo. sempre fui, e quem frequenta o pp sabe q sempre fui simpatizante da causa gay. qdo falei q pessoas n evangélicas poderiam n apoiá-los com essa atitude, n me referi aos líderes católicos como o padre fábio de mello ou o papa. falei do brasileiro em geral. como vi vários criticando essa encenação, mesmo n tendo uma religiosidade forte como muitos brasileiros. continuo com a opinião de q achei esta encenação desnecessária, apenas isso. mas a causa gay sempre teve e sempre terá o meu apoio.

    • Felipe Postado em 11/Jun/2015 às 21:38

      Concordo com VC, acho que foi totalmente desnecessário e só vai trazer coisas ruins ao movimento que já sofre tanta discriminação não adianta o Jean vim justificar o injustificável se não tivessem feito isso nada disso estaria acontecendo. Sou cristão (não praticante) mas respeito toda e qualquer diferença até mesmo porque quem vai nos julgar é Deus não o homem claro que diz na bíblia que é errado mas não somos ninguém para dizer o que o outro deve fazer da sua vida somos livres e isso diz na bíblia para fazermos o que nos faz sentir bem

  2. Deslandes Postado em 11/Jun/2015 às 19:03

    Deputado, Deixe sua bíblia de lado e respeite a Constituição, pois este é o seu DEVER enquanto for deputado em um Estado laico: sua crença não é maior que as demais. Logo, respeite o direito dos ateus, dos espíritas, dos budistas, dos que crêem em religiões de matriz africanas. Afinal, evangélicos adoram uma iorubafobia. Eu posso dizer que Jesus era gay e mulato porque o seu dogma não é meu. Sendo ateu, acredito que Jesus viveu como um humano qualquer, porém sendo de grande influência comportamental. Sendo humano, sim, eu considero a possibilidade de que ele tivesse feições mais negróides e de que poderia sim ser gay ou bi pois isto faz parte da natureza humana. Não é ofensa para mim dizer que alguém é gay ou transexual, portanto, respeite o meu direito de pensar desse jeito. Meu comportamento é MUITO diferente do daqueles evangélicos que ofendem os LGBT, a cultura negra e os Direitos da Mulher.

  3. Eduardo Ribeiro Postado em 11/Jun/2015 às 19:13

    Esse aí está levando o oportunismo para outro patamar...

  4. Romilda Raeder Postado em 11/Jun/2015 às 23:03

    [via Twitter] Romilda Raeder [email protected] 2 min @CamaraDeputados , eu estou desenvolvendo é DEPUTADOFOBIA!!! A cada dia que passo, sinto mais VERGONHA dessa Casa! http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/06/deputado-pretende-criminalizar-a-cristofobia.html

  5. João Paulo Postado em 12/Jun/2015 às 06:24

    Sou ateu e não tenho qualquer simpatia por movimento LGBT, especialmente pela distorção de números da violência. Agora, não vejo qualquer problema com o projeto de lei, tampouco com as imagens da trans crucificada. Ainda que o projeto fosse lei, a pessoa da foto não teria perpetrado qualquer ato ilícito.

  6. JORGE BATISTA Postado em 12/Jun/2015 às 09:44

    1) Na Marcha para Jesus, pastores disseminam publicamente seu ódio contra os LGBTs. Na parada gay, um gay crucificado por esse mesmo ódio, vira uma agressão à Jesus. 2) Se fosse um menino pobre e magrelo crucificado protestando contra a fome e a miséria, ninguem ía falar nada, mas como é um viado crucificado pela homofobia e pela a perseguição de politicos evangélicos que tentam impedir o avanço dos direitos dos gays, aí tudo muda de figura: vira cristofobia, perseguição religiosa, etc.. 3) De qualquer modo, eu não sou a favor desse tipo de protesto, simplesmente porque é óbvio e ululante que os abutres evangélicos se valeriam disso para subverter a mensagem a seu favor, incitando o servilismo de seus seguidores, jogando uma cortina de fumaça na real simbologia da crucificação de um gay. 3) Já o evangélico Neymar, jogador macho, não gera a mesma polêmica:http://padom.com.br/capa-de-revista-esportiva-traz.../

  7. Telmo Postado em 12/Jun/2015 às 10:35

    Para ampliar esta bela e multifacetada discussão sugiro: http://saudepublicada.sul21.com.br/2015/06/08/homossexualidade-religiao-psiquiatria-uma-evolucao-3/

  8. tiago Postado em 12/Jun/2015 às 15:06

    eu achei é pouco!! Abaixo o cristianismo, religião nojenta e hipócrita!!!!!

  9. Sergio Carneiro Postado em 13/Jun/2015 às 04:56

    Biii, biiii, biii Cristófobos e analfabetos funcionais detectados!!!!. O crime contra sentimento religioso já existe ( Art. 208 do CP). O projeto visa transforma-lo - o crime - em hediondo e aumento da pena. O crime contra sentimento religioso protege tanto os católicos quanto os evangélicos, judaísmo, budistas, xintoístas, muçulmanos, candomblé, janistas, sequistas e ....Só porque o autor do projeto é cristão os cristófobos ficam exasperados.

  10. Vinis Postado em 13/Jun/2015 às 21:31

    Poderiam criminalizar a exploração dos "fiéis" dessas igrejas neopentecostais a partir do dízimo isso sim

  11. eu daqui Postado em 17/Jun/2015 às 12:53

    Vão criminalizar a ateufobia e a agnosticofobia também?