Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direitos Humanos 09/Jun/2015 às 19:31
38
Comentários

Caso Mirella Cunha rende condenação de R$ 60 mil à TV Bandeirantes

Na reportagem “Chororô na delegacia: acusado de estupro alega inocência”, que foi ao ar em 2012, a repórter Mirella Cunha humilhou jovem preso ao entrevistá-lo em delegacia. A TV Bandeirantes já havia demitido a funcionária após a exibição da matéria em rede nacional

mirella cunha band bahia entrevista

A emissora de rádio e TV Bandeirantes da Bahia foi condenada a pagar R$ 60 mil por dano moral coletivo por violação de direitos humanos durante a transmissão do programa “Brasil Urgente Bahia”.

O estopim para o ajuizamento da ação pelo Ministério Público Federal na Bahia (MPF-BA) foi a entrevista conduzida pela jornalista Mirella Cunha [vídeo abaixo] ao acusado Paulo Sérgio Silva Souza.

Na entrevista, Mirella Cunha ironizou de forma vexatória o acusado e debochou do linguajar do entrevistado. O MPF pediu a suspensão de entrevistas ou exibição de imagens da TV Bandeirantes de presos sob custódia do Estado por serem violadoras da dignidade humana, sob pena de multa de R$ 50 mil para cada caso de descumprimento.

A propósito: A repórter loira, o suposto negro estuprador e uma sequência nojenta

A condenação foi proferida pelo juiz substituto Rodrigo Brito Pereira, da 11ª Vara Federal em Salvador. Na ação, o MPF afirmou que o direito prejudicado não era de um só preso, “mas de toda a sociedade baiana exposta, no horário de exibição do programa (12h) a toda sorte de baixarias, que contribuem para a má formação moral, educacional e cultural de crianças e adolescentes”.

Na sentença, o juiz afirma que “a atividade jornalística deve ser livre para informar a sociedade acerca de fatos cotidianos de interesse público, em observância ao princípio constitucional do Estado Democrático de Direito; contudo, o direito de informação não é absoluto”.

O juiz ainda considerou que a jornalista debochou do desconhecimento da língua portuguesa do réu para aumentar a sua humilhação. “A ‘entrevista’ desbordou de ser um noticioso acerca de um possível estupro para um quadro trágico em que a ignorância do acusado passou a ser o principal alvo da repórter”, pontuou o magistrado.

“Ao deixar de obter as notícias para ser a notícia a repórter Mirella Cunha em muito superou qualquer limite de ética e bom senso na atividade jornalística, essencial no Estado de Direito.”, afirmou o juiz. Para o julgador, os diversos comentários do âncora Uziel Bueno repetindo o termo “estuprador” ainda que no calor dos acontecimentos, se afastou da finalidade informativa, realizando um linchamento moral.

O pedido de suspensão de veiculação de imagens de custodiados, entretanto, foi negado.

Vídeo:

Bahia Notícias

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Maurício Postado em 09/Jun/2015 às 21:01

    Jornalismo nojento.

    • Marcos Silva Postado em 09/Jun/2015 às 22:46

      Deveriam se preocupar também e PRINCIPALMENTE com as causas da violência, e não apenas com as consequências da mesma.

  2. Jaqueline Postado em 09/Jun/2015 às 21:30

    Repórter de quinta categoria! Quem ela pensa que é pra agir assim. Ao invés de esclarecer os fatos, vai ficar humilhando o cara. Puts! Quero saber onde ela comprou o diploma de jornalismo!

  3. Felipe Postado em 09/Jun/2015 às 21:32

    Mas e aí PP como terminou o caso do acusado? Culpado ou inocente? Isso não é importante noticiar?

    • Eduardo Ribeiro Postado em 09/Jun/2015 às 21:53

      Absolutamente irrelevante.

      • José Ferreira Postado em 09/Jun/2015 às 23:58

        É sim. Ele é culpado ou inocente? Uma mulher ser estuprada é diferente de uma mulher que não foi estuprada.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 10/Jun/2015 às 10:15

        Cabe a Justiça decidir isso, meu caro. Ela é uma repórter. Não tem o direito de se portar do jeito que se portou. O que ela fez foi molecagem, prestou-se a um papel ridiculo de humilhar alguém em condição inferior, alguém que ainda era apenas acusado. Somente quem tem afinidade com esse tipo de situação e que vive no seu cotidiano humilhando e olhando de cima pra baixo pra empregada doméstica, pro garçom e pro pretinho pobre que cata lixo na rua é que não viu problema no vídeo.

      • felipe Postado em 10/Jun/2015 às 11:36

        Para mim faz toda a diferença também, e sem esse papinho de sempre tem q dar a noticia completa, que doença é essa de achar que que critica isso ou aquilo é preconceituoso q coisa....

  4. Raíssa Postado em 09/Jun/2015 às 21:40

    Mulher nojenta, ignorante, soberba, incompetente e desumana. Ela é quem deveria fazer algo semelhante ao exame de prostata e usar o diplominha com instrumento. É fácil humilhar um preto pobre que não teve as mesmas oportunidades, pois afinal ele não se esforçou como ela para estar no mesmo lugar. Pera ai, acho q não é bem isso. Será que a loira de ox 40 precisou algum dia entrar no crime para sobreviver ou papai e mamãe bancaram a vida boa e mansa? 60mil é micharia, deveria ser obrigada por toda vida a doar 90% de seu salário ao moço e à sua família. Se o menino cometeu o crime, que pague de acordo com a LEI. Ninguém tem o direito de castigar dessa forma ou humilhar outro ser humano.

    • José Ferreira Postado em 10/Jun/2015 às 00:00

      Pobreza não é desculpa para cometer estupro. Honestidade não tem classe social. Se todo pobre fosse saísse por aí estuprando mulheres, não daria para uma moça colocar os pés para fora de casa. Queria saber os que as feminazi tem a dizer sobre isso.

      • Davi Postado em 10/Jun/2015 às 00:46

        Uma coisa é o sujeito cometer o estupro ou não, esse é um crime, ele foi preso e espera-se que o caso tenha a atenção devida. Outra coisa, outro crime, é a mídia tratar a questão do estupro dessa forma, tratar uma pessoa, qualquer que seja, dessa forma, e fazer palhaçada em delegacia. A mídia não deveria nem ter acesso ao suspeito dessa forma! Essa precisa ser uma garantia constitucional para todos! Se depois eventualmente o rapaz é inocente, e ai? E a vida dele? Com que, condições, por exemplo, ele vai conseguir um emprego, dar um jeito na vida se quiser? Essa postura apenas o marginaliza mais ainda e o torna menos recuperável! Essa nem é uma questão de defende-lo ou não, mas de defender o Estado de direito, a privacidade e a dignidade de todos nós!

      • felipe Postado em 10/Jun/2015 às 09:57

        Raissa pensa que voce poderia ser a mulher estuprada (claro, se ele foi culpado o que não se sabe), Jose Ferreira perfeito seu comentário. Davi, eu concordaria totalmente com você se o cara for inocente, caso contrário mereceria muito mais, estuprador deveria ser castrado, crime que é inclusive inaceitável até mesmo para os criminoso. Agora, concordo que se o cara era suspeito não deveria ter sido exposto

      • Eduardo Ribeiro Postado em 10/Jun/2015 às 10:53

        Davi perfeito também. Essa meninada revoltada de internet não se lembra - se bobear nem conhece - do hoje mítico CASO ESCOLA BASE. Por isso não fazem idéia do estrago sem volta que um jornalismo sem noção e sem ética é capaz. A molecagem, a irresponsabilidade dela tem que ser punida exemplarmente.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 10/Jun/2015 às 10:22

      Anotem o gabarito de Raissa, tomem vergonha na cara e leiam 3x antes de voltar a comentar aqui pra relativizar a ação nefasta da jornalista loira, ou pra inocentemente perguntar "ainnnn mas ele é culpado ou inocente?". Esses 60 mil tinham que sair do bolso dela, e a BAND deveria pagar no minimo 10x mais. É impressionante como dói nas pessoas ver uma loira tão bonita e de dentes tão bem cuidados se dando mal porque humilhou um "pretinho vagabundo" qualquer. "Ainnn, que injustiça...ele é o criminoso e ela que se arrebenta...". Na cabeça dessas pessoas, a loirinha está coberta de razão, está botando o "pretinho vagabundo" no seu devido lugar, ele "está sendo tratado do jeito que tem que ser mesmo"....

      • José Ferreira Postado em 10/Jun/2015 às 10:43

        A "loirinha" não estuprou ninguém, o rapaz sim. Na cadeia ele é tratado "pior" ainda que isso, pois o estupro não é aceito nem entre os detentos.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 10/Jun/2015 às 10:56

        No momento que a loirinha fez a matéria ele era SUSPEITO. Ele era ACUSADO. Não seja burro. O que está em foco é o mau jornalismo, menino. O mau jornalismo e o fato de alguns se doerem por verem a loirinha se dar mal "apenas por ter colocado o pretinho vagabundo no seu devido lugar".

      • felipe Postado em 10/Jun/2015 às 11:42

        Eduardo você é o cara mais preconceituoso e odioso que ja ví no PP, é muito triste ver o odio que tem das pessoas, sempre dizendo que são os mesmos que não gostam dos pretinhos das empregas do porteiro e bla bla bla troca o disco cara, esse é o velho discurso que não cola mais nessa sociedade.

      • Eduardo Ribeiro Postado em 10/Jun/2015 às 14:35

        Obrigado pelo elogio. Não é que não cola, menino. Ninguem quer colar nada. Deixe de ser ingênuo. É uma mera constatação da realidade em que vivemos hoje. Que vivemos há décadas, e nunca foi discutido, porque "ainnn é um discurso velho", "ainnn você inventou a luta de classes". É com esse tipo de discussão que esse problema começa a ser atacado, e por isso vocês odeiam tanto esse tipo de conversa. A discussão aqui é O MAU JORNALISMO. Ponto. E tem gente tão incomodada com a loirinha que ""apenas falou o que eu falaria pra esse pretinho bandido...e ela não estuprou ninguem...não fez nada de mais...o criminoso é ele...pena de morte pra ele"" e se deu mal, que fica procurando subterfúgios, caminhos pra levar a conversa pra outro lugar. Pra desviar o foco daquilo que realmente interessa: o MAU JORNALISMO que é praxe no Brasil tem que ser discutido, tem que ser atacado, e tem que acabar.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 09/Jun/2015 às 21:51

    Saiu barato demais. Esse valor é dinheiro de troco pra eles, é quase um estimulo a intolerancia. Ainda assim, louvavel a atitude de punir a rede. Espero que se torne um case de como não se faz jornalismo.

    • Paulo Postado em 10/Jun/2015 às 17:43

      Eduardo Ribeiro, assino embaixo...a criançada hoje em dia confunde tudo...porque seus valores já estão distorcidos de berço...

  6. Carla Postado em 09/Jun/2015 às 22:10

    Falta de profissionalismo??

  7. Analua Postado em 09/Jun/2015 às 22:25

    Ridicula ! Sem nenhum conhecimento sobre Direitos Humanos !

  8. Marcos Silva Postado em 09/Jun/2015 às 22:40

    Já não basta uma grande desgraça ter acontecido (um estupro) e esses jornalistas ainda aproveitam para dar uma de "bonzinhos" e "preocupados com a causa"? Preocupados com porcaria nenhuma. Quem está preocupado, procura cortar o problema pela raiz, que é dando acesso a educação, renda, igualdade de oportunidades e respeito.

    • sergio Postado em 10/Jun/2015 às 16:26

      aí sim hein!!!

  9. Rafael Martini Postado em 09/Jun/2015 às 23:06

    Esses programas policialescos esfregam e exploram desgraças diariamente de maneira sensacionalista a milhões país a fora, julgam e condenam suspeitos antes mesmo de que estes tenham sequer chegado à delegacia, além de disseminar o ódio e medo na população. Perdão pelo pensamento pré-concebido, mas entendo que quem é fã de "Datena" e quetais, para mim, assina atestado de ignorância. Lamento por quem assiste a tais porcarias.

  10. Luiz Souza Postado em 09/Jun/2015 às 23:20

    Infelizmente Chávez foi um venezuelano. Varreu o jornalismo que o chamava de macaco.

  11. João Paulo Postado em 10/Jun/2015 às 06:52

    "A jornalista Mirella Cunha de fato ironizou de forma vexatória o acusado, AGORA CONDENADO Paulo Sérgio Silva Souza, debochando de seu desconhecimento da língua portuguesa para aumentar a sua humilhação. A 'entrevista' desbordou de ser um noticioso acerca de um possível caso de estupro para um quadro trágico em que a ignorância do acusado passou a ser o principal alvo da repórter", escreveu o juiz Pereira na sentença. Fonte: Uol Está com pena? Contrata a figura para ser babá da sua filha!

    • José Ferreira Postado em 10/Jun/2015 às 09:19

      Os blo.gueiros do P.P. poderiam ter colocado essa informação na reportagem. Obrigado.

  12. Marcos Vinicius Postado em 10/Jun/2015 às 09:27

    Por essas e por outras que não engulo programas policiais. São um verdadeiro desserviço à sociedade, pois só servem para alimentar a ignorância das pessoas e a elegerem os apresentadores, "defensores do povo", para a política.

    • Salomon Postado em 10/Jun/2015 às 20:44

      É Marcos, você tem razão. Esse jornalismo existe porque tem gente que assiste? Ou tem gente que assiste e por isso esse jornalismo existe? Nessa história, o foco deveria ser no telespectador, que gosta mesmo é de putaria. É o mesmo flobobórico apilongado que tem fidelidade canina ao JN, O indiciado, a repórter, a emissora, o telespectador, são todos da mesma canalha.

  13. Thiago Postado em 10/Jun/2015 às 13:29

    A moça agiu errado, mas apenas para o lado profissional, que moral esse pedaço de merda tem para pedir danos morais? Ele passou minutos de vexame, porém a moça violada será envergonhada para todo sempre, os direitos humanos foram lá lhe acudir e lhe dar R$60k para consola - lá? Sim, faltou profissionalismo, mas faltou mais ainda sentimentalismo

  14. sergio Postado em 10/Jun/2015 às 16:23

    Eduardo Ribeiro, vc é "non sense", além de racista, preconceituoso e desarticulado...a jornalista saiu totalmente do objetivo que é noticiar...humilhou o suspeito além de todos os limites, ela pisoteou o "suspeito" e vc o enxerga como pretinho...vc é um fascista idiota...e esta jornalista deveria pagar dez vez mais de indenização, a Band, para a qual a jornalista trabalha deveria pagar 100 bezes mais e vc,por ser tão patético, deveria pagar mil vezes mais...

    • Eduardo Ribeiro Postado em 10/Jun/2015 às 17:30

      Vai aprender a ler e interpretar direito o que eu escrevi. Depois volta.

    • João Postado em 10/Jun/2015 às 20:24

      Faltou à aula de interpretação de texto meu filho ?

  15. Jonas Postado em 10/Jun/2015 às 17:10

    Ta mais que certa, o cara tentou roubar e ia se dar bem, e agora vocês defendendo um bandido? .. o que ele passou de vexame foi pouco perto da vitima que foi roubada, seus bando de fdps, ta com dó leva ele pra casa ..

    • Márcio Postado em 10/Jun/2015 às 21:26

      Jonas.... que discursinho ultrapassado o seu... tsc tsc

      • José Ferreira Postado em 10/Jun/2015 às 23:56

        Está ultrapassado, mas até agora não vi ninguém que defende os direitos "dos manos" levar um deles para casa.

  16. Antonio Carlos Postado em 11/Jun/2015 às 00:52

    A imprensa neste país funciona como um caminhão sem freio. É preciso impor limites a quem clama por moralidade sem ter moral para isso.