Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 18/Jun/2015 às 16:24
9
Comentários

Autor de massacre em igreja afro-americana é preso nos EUA

Dylann Roof, de 21 anos, ganhou uma arma do pai como presente de aniversário em abril, disse o tio do garoto. O jovem abriu fogo durante um culto religioso em uma igreja frequentada por negros e deixou nove mortos. No Facebook, Roof aparece vestindo roupa que estampa bandeiras de governos racistas

charleston eua massacre racismo
Polícia dos EUA prende Dylan Roof, principal suspeito de realizar massacre em uma igreja afro-americana em Charleston, EUA. Nove pessoas morrera (divulgação)

O autor do massacre de nove pessoas durante um culto religioso em uma histórica igreja afro-americana em Charleston, no Estado norte-americano da Carolina do Sul, foi preso pela política em Shelby.

Dylann Roof, de 21 anos, é branco, de cabelo loiro, e abriu fogo dentro da Igreja Metodistas Episcopal Africana Emanuel no centro de Charleston, na quarta-feira à noite, segundo o chefe de polícia Gregory Mullen.

“Uma pessoa horrível entrar lá e matá-los é inexplicável, obviamente o ato mais intolerável e inacreditável possível”, disse o prefeito de Charleston, Joe Riley, a repórteres. “A única razão pela qual alguém poderia entrar em uma igreja para atirar em pessoas orando é o ódio”.

Roof ganhou uma arma do pai como presente de aniversário de 21 anos em abril, disse o tio dele à Reuters nesta quinta-feira. Autoridades estiveram na casa da mãe de Dylann Roof nesta manhã, disse o tio, Carson Cowles, em uma entrevista.

Cowles disse que reconheceu Roof em uma foto divulgada pela polícia, e o descreveu como quieto e calmo. O pai de Roof deu a pistola calibre .45 de aniversário neste ano, disse o tio.

O incidente fez lembrar um ataque a bomba de 1963 contra uma igreja afro-americana em Birmingham, Alabama, que matou quatro meninas e impulsionou o movimento dos direitos civis dos anos 1960.

Bandeiras racistas

No Facebook, Roof aparece em uma foto de seu perfil (imagem acima/direita) vestindo um casaco de duas bandeiras de governos racistas em países africanos no século 20.

As duas bandeiras foram bordadas no lado esquerdo da jaqueta preta de Dylann Roof. A superior, de cores vermelha, branca e azul, representa o símbolo do governo segregacionista da África do Sul que durou de 1928 até 1994, com a vitória de Nelson Mandela nas eleições, marcando o fim do apartheid.

Já o segundo bordado, com listras verdes e branca, representa a bandeira da Rodésia, região atualmente conhecida como Zimbábue que entre 1965 e 1979 foi espaço de uma administração de tendência racista liderada por uma minoria de colonos brancos que declaram independência do Reino Unido no local.

com Reuters

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Rosendo Postado em 18/Jun/2015 às 16:51

    Mais um filho da ira e do preconceito

    • Marlon Bravo Postado em 19/Jun/2015 às 12:04

      Coxinha americano ! Pergunta ao Marcelo Reis e o japonês o que acham dele... Estou curioso com a resposta de ambos...

  2. Daniel Postado em 18/Jun/2015 às 17:13

    A Humanidade jamais estará livre desse tipo de gente.

  3. Marcelo Postado em 18/Jun/2015 às 18:48

    Acho que um dia seremos livres sim.

    • Marcos Postado em 18/Jun/2015 às 19:33

      Talvez...quando a humanidade for extinta

      • Shuma Postado em 19/Jun/2015 às 11:35

        Eu ia dizer o mesmo

  4. Salomon Postado em 18/Jun/2015 às 21:25

    Tudo por causa da cor da pele.

  5. Line Postado em 19/Jun/2015 às 09:58

    Ganhou uma arma de presente de aniversário e provavelmente vinda de quem deve ter influenciado o seu racismo. Em um país tão racista e belicista isso vira uma máquina de matar.

  6. Alessandro Postado em 20/Jun/2015 às 21:04

    "Nossa meu filho tem uma cara de nerd que sofreu bullying na infância e até hoje tem problemas psicológicos por conta disso. Já sei, vou dar uma arma de presente de aniversário pra ele pra ver se ele se alegra um pouquinho."