André Falcão
Colunista
Compartilhar
Direita 02/Jun/2015 às 13:29
1
Comentário

As crias da direita midiática (II)

André Falcão*

Num dia foi o filho do jornalista Ricardo Noblat, crítico ácido do governo federal e do PT, o também jornalista Guga Noblat, este supostamente simpatizante daquele partido. Encaminhava-se para a sua residência, próxima ao MASP, acompanhado da mulher e filho bebê no colo, vestido numa camiseta vermelha, quando um pequeno grupo de energúmenos que fazia manifestação contra a presidenta Dilma, o PT e “tudo isto que está aí” passou a agredi-lo verbalmente e, por pouco, não o fez fisicamente.

Noutro dia, um senhor de idade, quando se preparava para descer do avião, foi agredido verbal e moralmente por uma turba do tal do Movimento Brasil Livre, Revoltados On-Line e outras babaquices do gênero, que se encaminhava à Brasília para participar da frustrada manifestação marcada para aquela data. Motivo: lera a revista Carta Capital durante o vôo. Quando o avião aterrissou, um anencéfalo não conseguiu sustar seu arroubo de intolerância e covardia com o terrível ato do cidadão, passando a vomitar sua ignorância fascistacontra o cidadão, secundado pela manada covarde que o acompanhava.

Numa noite, o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, foi desrespeitado por um outro primata ao jantar com amigos de infância num restaurante. A notícia veiculada pelos grandes grupos midiáticos dizia que o agressor havia sido aplaudido. Pra variar, mentira. Ao se assistir ao vídeo amador do “incidente” vê-se que o sujeito recebeu mísero apoio. Já em vez diversa, foi o ex-ministro Guido Mantega o agredido, sempre covardemente, como de resto é o modus operandi da turminha.

Leia aqui todos os textos de André Falcão

Hoje, mais cedo, conversava com um amigo dirigente do Sindicato dos Bancários de Alagoas, que a propósito do tema contou-me ele próprio já ter sido vítima de manifestações similares, embora individuais. Numa vez, encontrava-se no ponto de ônibus vestido em uma camiseta vermelha inscrita “bancários”; noutra, vestia uma com os simpáticos, mas contundentes dizeres: impítman é meu zovo! Ambas foram repelidas na mesma medida.

Este é o Brasil produzido pela chamada grande mídia. Um país prenhe de arremedos de fascistas, intolerantes e covardes, tão ignorantes que não se constrangem da vergonha de pedir, até, intervenção militar. Exemplares magnânimos da mais pura hipocrisia, somente se irresignam contra o que selecionam. São os moralistas seletivos. Ou simplesmente os garotos-propaganda da ilustre e asséptica CBF. Ou os percussionistas desafinados das panelas gourmet. Viva o Brasil!

*André Falcão é advogado e autor do Blog do André Falcão. Escreve semanalmente para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Ricardo Postado em 23/Jun/2015 às 12:51

    Primeiro: não interessa o quanto está sendo financiado; se está sendo, em alguma proporção, financiado por agentes externos é igualmente grave (e igualmente deveria "colocar uma pulga atrás da orelha" - por que motivo esses agentes colocariam o dinheiro deles nisso?!). Segundo: o simples fato de se associar não é fonte de legitimidade: essa legitimidade deve estar na CF e na lei, como, por exemplo, os sindicatos. A CF garante o direito de associação, desde que para fins lícitos - o IPES e o IBAD são exemplos de associações para fins ilícitos. Engraçado que criticam o pagamento feito pelos sindicatos, com todas as suas receitas previstas na lei e na CF, mas acham normal que uma associação com objetivos, NO MÍNIMO, nebulosos contratem carros de som e o diabo a quatro sem qualquer transparência de suas receitas... Querem falar de Liberdade?! Falem também da responsabilidade intrínseca. Mas isso é bobagem; posso apostar que a maioria sequer sabe quais os fundamentos da liberdade (sim, há mais de um, e o apresentado Mises é o mais pobre deles).