Redação Pragmatismo
Compartilhar
Dilma Rousseff 13/Jun/2015 às 17:17
23
Comentários

A entrevista de Dilma Rousseff no programa do Jô Soares

Dilma nega que país esteja “doente” e diz que aprendeu a lidar com as críticas. Em entrevista ao Programa do Jô, presidenta comentou a fama de “pavio curto”: “Sou uma mulher dura no meio de homens meigos”

dilma entrevista programa jô soares

A presidente Dilma Rousseff afirmou em entrevista ao Programa do Jô que, embora necessite de um ajuste fiscal para equilibrar as contas públicas, o Brasil não está “estruturalmente doente”. Ela também disse que aprendeu a conviver com as críticas que recebe, mas se queixou da dose: “Tem horas que exageram um pouco. Pegam pesado”.

A entrevista foi concedida na tarde desta sexta, na biblioteca do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, em Brasília. Na gravação, de mais de uma hora, a presidente classificou como momentâneos os “problemas e dificuldades” do país, e apontou o ajuste fiscal como necessário para uma rápida retomada do crescimento econômico.

No mês passado, foi anunciado um corte de quase R$ 70 bilhões no Orçamento da União que atingiu todos os ministérios.

VEJA TAMBÉM: Jô Soares é chamado de ‘comunista’ após ser recebido por Dilma

“Mesmo fazendo o ajuste, como o Brasil não passa por uma situação em que ele é estruturalmente doente – pelo contrário –, ele está momentaneamente com problemas e dificuldades. Por isso, é importante fazer logo o ajuste para a gente sair mais rápido da situação. Acontece que nós temos de simultaneamente ao ajuste fazer investimentos em infraestrutura e manter programas sociais para não voltar para trás”, disse a presidente sobre o tema.

A presidente também se disse “bastante agoniada” com a inflação, uma das coisas que, segundo afirmou, mais a preocupa. Ela afirmou que o governo fará “o possível e o impossível” para manter o índice de inflação dentro da meta.

“Fico preocupada porque acho que vamos ter de fazer um imenso esforço. Nós iremos fazer o possível e o impossível para o Brasil voltar a ter inflação bem estável, dentro da meta. Este processo que estamos vivendo tem um tempo, ele não vai durar”, declarou.

Confira a íntegra da entrevista de Dilma ao Programa do Jô:

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Fabio Postado em 13/Jun/2015 às 18:17

    Maria, pergunta pro Aecio. Ele tem as respostas que você quer ouvir. Sinto até uma certa dor de cotovelo sua, ao chamar de ANTA, alguém que foi democraticamente eleita pelo voto. Mais respeito, se é que você também deseja isto.

  2. Nesar Yasin Postado em 13/Jun/2015 às 18:38

    Entre as maiores idiotices ditas por esta quadrilheira estão " A população não paga impostos sobre os produtos da cesta básica", " citar que foi torturada,etc,como se ela tivesse sido mais importante que as centenas de pessoas que sim perderam a vida durante o regime militar" e dizer que PETROBRAS está tão sólida que queria 500 milhões de empréstimos internacionais e lhe ofereceram 12 Bilhões,mas ela só pegou 2 Bilhões e meio. Espera ai sua cara de pau,se seu governo não tivesse roubado mais de 5 Bilhões da Petrobras ( Isso o que até agora foi comprovado,falta investigar BNDS,Banco do Brasil,Caixa,etc,etc),a Petrobras não precisaria pedir dinheiro emprestado e teria tido lucro. Enfim, não sou alienado por partido alum,sou sim contra este governo corrupto,cara de pau e mafioso que temos administrando o nosso país.

  3. Elcio Postado em 13/Jun/2015 às 19:40

    O governo federal se mostra inoperante por não resolver diversos problemas do país e o partido deste mesmo governo está sujo como vários outros que trocam favores com ruralistas, construtoras e bancos, todos corruptos. A rede Globo dar espaço para qualquer apresentador entrevistar Dilma, não faz dela MENOS SUJA. Só os bilhões sonegados para transmissão da copa do mundo de 2002 fazem desta emissora uma das maiores entidades CRIMINOSAS do Brasil.

  4. Thiago Lopes Postado em 13/Jun/2015 às 21:26

    Mais uma maria vai com as outras comentando no PP

  5. André Postado em 13/Jun/2015 às 22:22

    Pois a Groubo continua uma merda, mesmo o Jô tendo chamado Dilma para entrevista. Não assisti o programa e nem preciso assistir na net.

  6. Silva Postado em 14/Jun/2015 às 08:18

    O choro é livre coxinhas, a eleição foi dia 26 de outubro! Viva à democracia!

  7. Deisi Postado em 14/Jun/2015 às 08:50

    Jô Soares, está de parabéns pela coragem de entrevistar a presidente Dilma, com essa entrevista se reconciliou com o melhor de sua inteligência. Num momento em que a direita serve de plataforma para o ódio ao país, para o entreguismo, para um jogo rasteiro para o racismo e pregações fascistas, precisa de muita coragem, principalmente porque é funcionário da Globo. Na verdade à direita perdeu o rumo, ataca o Brasil a todo instante, dominada por uma mídia golpista que ainda não conseguiu engolir que perderam quatro seguidas. Respeitem a democracia!

  8. sergio Postado em 14/Jun/2015 às 09:02

    O país não está uma maravilha, mas também não está uma catástrofe. Precisamos analisar com cuidado para não sermos conduzidos por opiniões tendenciosas com viés político. Acima de tudo torço pelo bem do país, que beneficie sempre os mais necessitados e que um dia os filhos destes possam ter chances iguais a todos.

  9. Rodrigo Postado em 14/Jun/2015 às 11:08

    (Outro Rodrigo) Vendo a entrevista, apenas vi o que qualquer político faz em seu horário eleitoral nada gratuito: eu não fiz nada, eu não sei de nada, estou promovendo uma revolução e sou perseguido por críticos insatisfeitos. Se fosse Alckmin, ele diria que não sabia de nada da Sabesp e crise hídrica; se fosse Aécio, nada saberia de aeroportos, compra de terras em Minas; e por aí vai. Resta aos fiéis de plantão adorar o respectivo líder e justificá-lo, sem jamais cobrá-lo, sem jamais reclamar a correção. Por isso que nada muda e, o PMDB, que já foi time de FHC e agora é do time de Lula e Dilma, está fazendo tudo o que vemos: encontrou espaço de sobra enquanto todos os demais se ocupam com a polarização. Pouco adiantarão reformas enquanto seguirmos com mentalidade de torcedores organizados, mas não de cidadãos eleitores.

    • Eva Postado em 14/Jun/2015 às 13:48

      E qual é mesmo a sua sugestão prática para os "cidadãos eleitores"?

      • Rodrigo Postado em 14/Jun/2015 às 13:57

        (Outro Rodrigo) Achei que fosse meio que óbvio, especialmente em razão do trecho "Resta aos fiéis de plantão adorar o respectivo líder e justificá-lo, sem jamais cobrá-lo, sem jamais reclamar a correção." Mas, concordo, muitas vezes podemos falhar em sermos claros, então, sugestão prática: 1- deixe de ver o político como um ídolo, aceitando suas falhas e acertos; 2- cobre a correção e não justifique o erro; 3- abandone o maniqueísmo, o binarismo, o "nós e eles" (perceber que somos todos humanos, mas não semi-deuses perseguidos por inimigos, é de grande ajuda); 4- veja que o outro é um concidadão, alvo dos mesmos direitos e (tão importante quanto) obrigações que você. Exercer, pois, plenamente a cidadania, em vez de curvar-se a uns e odiar a outros.

      • Márcio Ferreira Postado em 15/Jun/2015 às 04:17

        Excelentes comentários, Rodrigo. Pena que serão ignorados por quem deveria lê-los com atenção, os fanáticos preconceituosos com cabresto e antolhos que só sabem se comunicar com ódio e ofensas...

      • Tchekowski Postado em 15/Jun/2015 às 16:06

        O Rodrigo fala como se o ódio fosse implantado pelos simpatizantes do PT e não por uma campanha massiva e bem articulada, embora sem efeitos práticos no todo. Dilma não é ídola e tem muitas falhas. Já os seus acertos nunca são noticiados. Eu cobraria dela e do PT para que não se investisse mais nenhum centavo na Globo e que deixasse de dar sopinha na boca do seu maior adversário. Não se trata de nós e eles, mas da polarização entre estado mínimo/privatizações/desemprego contra uma inclusão social inédita até então. Quem é que odeia quem? Na minha opinião, o ódio vem de quem está deprimido e não admite que houve eleições e que este modelo de "capitalismo minimamente inclusivo" venceu quatro vezes seguidas. A democracia já não é tão boa assim? Dilma não tem mais 3 anos e meio para governar e consertar tudo de novo? Você tem os seus argumentos e eu tenho os meus. Já lhe ocorreu inverter e imaginar "que o outro é um concidadão, alvo dos mesmos direitos e obrigações que você" e não simplesmente um "fiel de plantão"?

      • Rodrigo Postado em 15/Jun/2015 às 17:05

        (Outro Rodrigo) Não falo não, Tchekowski. Em que pese eu ter remetido a uma visão (infelizmente) comum de mundo e política, seguida por tantos, você preferiu polarizar e enxergar a crítica a apenas um ponto. E, quanto ao seu questionamento (expansão da visão de mundo), falo por experiência própria, mas não na linha do "falem o que eu digo, mas não façam o que eu faço": mudei minha visão de mundo, assim dirigindo minha crítica (novamente, em que pese sua polarização) a todo aquele que apenas vê o político como um líder messiânico, que não pode ser cobrado, mas não a todos os demais (que, independentemente do partido, o veem como um ser humano passível de erros e acertos, sabendo ser razoável a cobrança, esta integrando o exercício da cidadania).

    • Mauro Postado em 14/Jun/2015 às 13:57

      A verdade existe, o que se inventa é a mentira! Busque as verdades e as encontrará! O problema é que as pessoas não querem ter trabalho!

  10. Eva Postado em 14/Jun/2015 às 13:45

    Incrível é que na periferia de São Paulo, os mercados vivem cheios. Foi recem inaugurado uma mega Drogaria São Paulo e há outra concorrente a caminho. Sexta feira passada inauguraram um Centro de distribuição de carne Friboi e há fila. Claro que tudo isso aconteceu porque contruiram vários estabelecimentos para alugar. O meu bairro pobre está fervilhando de movimento comercial. E, como fui lembrada por um desconhecido na fila do supermercado "quem está sofrendo a crise é a classe média"; aquela que vai protestar com direito à chamada da rede globo.

  11. Deisi Postado em 14/Jun/2015 às 14:28

    Perfeito comentário Eva! Principalmente os 56 milhões que subiram da classe C para classe média, estão sofrendo porque querem mais e mais, vão protestar e batem panelas. Resumindo são um bando de inconformados.

  12. Lucas Gomes Postado em 14/Jun/2015 às 22:24

    Queria que o Jô perguntasse por que o salário mínimo é tão pouco quando o nosso congresso é o mais caro do mundo. Tbm gostaria de saber o que será feito com essa pouca vergonha da dinheirama escancarada para essa "classe trabalhística".

  13. Cristiane Carvalho Postado em 15/Jun/2015 às 09:42

    A Rede Goebbels continua sendo uma m*rda.

  14. Eduardo Ribeiro Postado em 15/Jun/2015 às 10:08

    Ali Kamel e William Bonner devem estar Ps da vida. Tanto trabalho, tanto esforço, um esforço verdadeiramente hercúleo para queimar o filme de mamãe, para desmoralizar minha presidenta, pra fuzilar o PT, e vem essa entrevista. Acho curioso o Jô, um reaça clarissimo, dar essa aliviada. De uns tempos pra cá ele tá nitidamente menos anti-petralha, obviamente vendo a DEMÊNCIA que assola a direita histérica e golpista brasileira. Não por acaso ta cada vez mais sendo jogado pra madrugada, talvez a Goebbels até o elimine em 2016. No mais.........ouvi dizer que ia ter panelaço-gourmet das elites enfurecidas. Tipo, panelaço a 1 da manhã de sexta pra sábado em pleno dia dos namorados. Alguém ouviu? Como moro numa região de gente humilde, decente, trabalhadora, ética, honesta e com vida sexual saudável, não ouvi nada.

    • Eduardo Ribeiro Postado em 15/Jun/2015 às 14:07

      Você bateu panela, menino Pereira?

  15. Renato Z Postado em 15/Jun/2015 às 15:46

    A rede globo não deixa de ser o que é por conta de uma entrevista.

  16. Tchekowski Postado em 15/Jun/2015 às 15:25

    Nossa!! Aqui se morre de medo dos mesmos bordões dos fakes de sempre. Já disse uma vez que o PP é o único lugar onde eles obtém resposta. Em outros sites os fakes se perdem no meio de tantos outros teclados de aluguel. Mesmo assim, não chegam a 13% do eleitorado.