Redação Pragmatismo
Compartilhar
Educação 13/May/2015 às 11:10
13
Comentários

Professores de São Paulo têm salários maquiados no Portal da Transparência

Governo Alckmin divulga salário bem acima do que cai na conta bancária de professores de São Paulo. Em atitude covarde contra os profissionais, salários foram maquiados no Portal da Transparência

alckmin professores são paulo
Depois de negar greve que completa 60 dias, Alckmin ‘aumenta’ salário dos professores em banco de dados (divulgação)

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo (Apeoesp) denunciou ontem (12) manobras do governo de Geraldo Alckmin (PSDB) para tentar convencer a opinião pública de que os docentes estaduais recebem salários médios de R$ 4.600.

De acordo com a Apeoesp, o Portal da Transparência estadual informa salários dos professores pagos em abril acima do que eles realmente recebem. “A cada minuto, mais e mais professores e professoras procuram a Apeoesp ou divulgam nas redes sociais mensagens denunciando que não recebem os valores que são declarados pelo governo estadual”, explica a presidenta da entidade, Maria Izabel Azevedo Noronha, a Bebel.

É o caso de um professor de escola do interior, que teve aqui seus dados pessoais apagados. Pelo portal, ele recebeu em abril um salário líquido de R$ 3.009, 27, quando seu holerite indica R$ 1.489,85.

Segundo ela, o governo está declarando no Portal salários dos professores com a adição de bônus pagos neste mês de abril. “Isso faz parecer que os professores recebem salários muito maiores do que aquilo que efetivamente recebem mês a mês. Ora, bônus não é salário”, afirma.

Confira aqui mais casos de professores com salários maquiados

O bônus, conforme explica, é um valor pago de uma única vez – neste ano dividido em duas parcelas, uma paga em em abril e outra em setembro. “O cálculo, questionável, é feito com base na avaliação do rendimento escolar dos alunos e que beneficia de forma diferenciada uma parte dos professores. Por isso, jamais poderia ser declarado no Portal da Transparência agregado aos salários da nossa categoria”.

A questão está sendo examinada pelo departamento jurídico da Apeoesp, que estuda possibilidade de acionar judicialmente o governo. “É mais um abuso do governo do estado de São Paulo contra os professores, para ludibriar a opinião pública e tentar, de maneira truculenta, minar a nossa greve”.

Portal da Transparência:

salário professor são paulo

Embora o governador insista em negar publicamente a paralisação, os professores estão em greve desde 13 de março. Nesta quarta-feira (13), quando deverão se reunir com o secretário da Educação, Herman Jacobus Cornelis Voorwald, o movimento completa 60 dias.

Holerite:

salario-professores1

Rede Brasil Atual

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Alex Rodrigues Postado em 13/May/2015 às 11:35

    Simples. Pegue todos os valores informados no Portal, mais, todos os contra cheques e vai na justiça do trabalho exigir a diferença. Não é possível que eles ainda pensem que professor é burro.

  2. joão paulo Postado em 13/May/2015 às 14:59

    Longe de defender o Governo Tucano, mas isso é balela do sindicato. O Portal da Transparência deve indicar todos os valores percebidos pelo servidor, isso inclui as verbas de natureza salarial e indenizatória. O fato de haver menção à remuneração do servidor é mero equívoco conceitual. Não importa quanto se recebe normalmente ou apenas a título de natureza salarial: o relevante é quanto aquele servidor recebeu no mês. Por óbvio, nos meses seguintes, quero crer que o valor líquido apontado será aquele de R$ 1.489,65. O próprio servidor que exibiu o contracheque não postou a folha complementar que contempla o abono. Do contrário, em breve, magistrados federais argumentarão que o Governo distorce seus ganhos, pois o subsídio é de cerca de R$ 25.000,00, mas o respectivo portal consignará pagamento de R$ 30/ 35.000,00, que contempla auxílio-saúde, moradia, alimentação, etc (verbas indenizatórias).

    • poliana Postado em 13/May/2015 às 17:20

      ah, ok...o governador está certo. os professores q estão mentindo.

      • João Paulo Postado em 13/May/2015 às 23:16

        É, pode não parecer, mas professor e sindicalista mentem. Leia a matéria para entender de onde veio a diferença do portal para o contracheque.

    • Juliana Postado em 14/May/2015 às 00:38

      Fui conferir a minha remuneração e, mesmo com a adição do bônus, todos os valores (salário bruto, líquido e o total do mês) estão incorretos. No valor bruto, o portal diz um valor menor que o recebido por mim, mas em relação aos outros valores, o alegado é maior que o real. Então porque será que uma simples conta de adição não é feita corretamente? Será que a fazenda tem departamentos distintos, que trabalham e divulgam valores diferentes? Anteriormente eu já tinha entrado nesse site, mas nunca tinha reparado qual é o mês de referência da divulgação dos salários. E agora notei que em maio está sendo mostrado o salário pago em março, que não era referente ao período de greve (o mês de março é pago em maio). Então parece que o governo quer maquiar ainda mais os salários, que estão bem piores neste mês, por causa dos descontos ilegais.

      • João Paulo Postado em 14/May/2015 às 21:02

        Então, retiro o que eu disse, Juliana! pensei q o problema era só a adição do bonus.

  3. felipe Postado em 13/May/2015 às 15:17

    Ca entre nós, acho que esta errado também, mas é vergonhoso um professor receber uma miséria dessa né? isso porque é São Paulo imagina nos outros estados.... tenho dó dos professores que dedicam a vida a ensinar para alunos que hoje em dia só sabem desrespeitar o professor muitas vezes até agridem o professor, este humilhado constantemente ainda continua no ensino, estes são os verdadeiros heróis do nosso país.

    • poliana Postado em 13/May/2015 às 17:18

      se vc acha pouco o salário "maquiado", o q dizer do verdadeiro, então?

      • felipe Postado em 14/May/2015 às 00:13

        Pior é que pelo que dizem os estados mais ricos ou as cidades pagam melhor então imagina um professor do interior de um estado do nordeste? O duro é que ninguem denuncia nem mesmo aqui é falado disso esse fato foi citado apenas porque envolvia o PSDB e não pelo interesse do professor mas sim pelo fato de falar mau de partido triste isso

  4. poliana Postado em 13/May/2015 às 17:18

    não me espanta! o psdb é capaz de coisa pior!

    • felipe Postado em 14/May/2015 às 00:11

      Não vem com esse papo não isso acontece no Brasil todo desculpa mas falar que isso é coisa de partido x ou y é ser muito ingênuo

  5. Roger Postado em 14/May/2015 às 07:38

    Nem o salário maquiado é decente! Vergonha, Sr. Alckmin! Vergonha, PSDB!

  6. Salomon Postado em 11/Jun/2015 às 21:04

    Quando o PSDB sacaneia, a sacanagem tem que ser de todos. Não admitem que só nos Estados governados pelo partido de vendidos é que se vê barbaridades como essa. Sim, São Paulo tem que se separar do Brasil como os paulistas querem. E rápido. Secessão, já.